Skip to main content
Internet Archive's 25th Anniversary Logo

Full text of "Esmeraldo de situ orbis"

See other formats


Google 



This is a digital copy of a book that was preserved for generations on Hbrary shelves before it was carefully scanned by Google as part of a project 

to make the world's books discoverable online. 

It has survived long enough for the copyright to expire and the book to enter the public domain. A public domain book is one that was never subject 

to copyright or whose legal copyright term has expired. Whether a book is in the public domain may vary country to country. Public domain books 

are our gateways to the past, representing a wealth of history, culture and knowledge that's often difficult to discover. 

Marks, notations and other maiginalia present in the original volume will appear in this file - a reminder of this book's long journey from the 

publisher to a library and finally to you. 

Usage guidelines 

Google is proud to partner with libraries to digitize public domain materials and make them widely accessible. Public domain books belong to the 
public and we are merely their custodians. Nevertheless, this work is expensive, so in order to keep providing this resource, we liave taken steps to 
prevent abuse by commercial parties, including placing technical restrictions on automated querying. 
We also ask that you: 

+ Make non-commercial use of the files We designed Google Book Search for use by individuals, and we request that you use these files for 
personal, non-commercial purposes. 

+ Refrain fivm automated querying Do not send automated queries of any sort to Google's system: If you are conducting research on machine 
translation, optical character recognition or other areas where access to a large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the 
use of public domain materials for these purposes and may be able to help. 

+ A/íJí/iííJí/i íJíírí&Hííon The Google "watermark" you see on each file is essential for informing people about this project and helping them find 
additional materials through Google Book Search. Please do not remove it. 

+ Keep it legal Whatever your use, remember that you are responsible for ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just 
because we believe a book is in the public domain for users in the United States, that the work is also in the public domain for users in other 
countries. Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we can't offer guidance on whether any specific use of 
any specific book is allowed. Please do not assume that a book's appearance in Google Book Search means it can be used in any manner 
anywhere in the world. Copyright infringement liabili^ can be quite severe. 

About Google Book Search 

Google's mission is to organize the world's information and to make it universally accessible and useful. Google Book Search helps readers 
discover the world's books while helping authors and publishers reach new audiences. You can search through the full text of this book on the web 

at |http : //books . google . com/| 



Google 



Esta é uma cópia digital de um livro que foi preservado por gerações em prateleiras de bibliotecas até ser cuidadosamente digitalizado 

pelo Google, como parte de um projeto que visa disponibilizar livros do mundo todo na Internet. 

O livro sobreviveu tempo suficiente para que os direitos autorais expirassem e ele se tornasse então parte do domínio público. Um livro 

de domínio público é aquele que nunca esteve sujeito a direitos autorais ou cujos direitos autorais expiraram. A condição de domínio 

público de um livro pode variar de país para país. Os livros de domínio público são as nossas portas de acesso ao passado e representam 

uma grande riqueza histórica, cultural e de conhecimentos, normalmente difíceis de serem descobertos. 

As marcas, observações e outras notas nas margens do volume original aparecerão neste arquivo um reflexo da longa jornada pela qual 

o livro passou: do editor à biblioteca, e finalmente até você. 



Diretrizes de uso 

O Google se orgulha de realizar parcerias com bibliotecas para digitalizar materiais de domínio púbUco e torná-los amplamente acessíveis. 
Os livros de domínio público pertencem ao público, e nós meramente os preservamos. No entanto, esse trabalho é dispendioso; sendo 
assim, para continuar a oferecer este recurso, formulamos algumas etapas visando evitar o abuso por partes comerciais, incluindo o 
estabelecimento de restrições técnicas nas consultas automatizadas. 
Pedimos que você: 

• Faça somente uso não comercial dos arquivos. 

A Pesquisa de Livros do Google foi projetada p;ira o uso individuíil, e nós solicitamos que você use estes arquivos para fins 
pessoais e não comerciais. 

• Evite consultas automatizadas. 

Não envie consultas automatizadas de qualquer espécie ao sistema do Google. Se você estiver realizando pesquisas sobre tradução 
automática, reconhecimento ótico de caracteres ou outras áreas para as quEus o acesso a uma grande quantidade de texto for útil, 
entre em contato conosco. Incentivamos o uso de materiais de domínio público para esses fins e talvez possamos ajudar. 

• Mantenha a atribuição. 

A "marca dágua" que você vê em cada um dos arquivos 6 essencial para informar aa pessoas sobre este projoto c ajudá-las a 
encontrar outros materiais através da Pesquisa de Livros do Google. Não a remova. 

• Mantenha os padrões legais. 

Independentemente do que você usar, tenha em mente que é responsável por garantir que o que está fazendo esteja dentro da lei. 
Não presuma que, só porque acreditamos que um livro é de domínio público para os usuários dos Estados Unidos, a obra será de 
domínio público para usuários de outros países. A condição dos direitos autorais de um livro varia de país para pais, e nós não 
podemos oferecer orientação sobre a permissão ou não de determinado uso de um livro em específico. Lembramos que o fato de 
o livro aparecer na Pesquisa de Livros do Google não significa que ele pode ser usado de qualquer maneira em qualquer lugar do 
mundo. As consequências pela violação de direitos autorais podem ser graves. 

Sobre a Pesquisa de Livros do Google 

A missão do Google é organizar as informações de todo o mundo c torná-las úteis e acessíveis. A Pesquisa de Livros do Google ajuda 
os leitores a descobrir livros do mundo todo ao m esmo tempo em que ajuda os autores e editores a alcançar novos públicos. Você pode 
pesquisar o texto integral deste livro na web, em |http : //books . google . com/| 



I 



1 






f/'i' 




/9y:z. 



\ 



rp)2- 



J 



\ 



ESMERALDO 



DE SITU ORBIS 



POR 



DUARTE PACHECO PEREIRA 



uZ 



W >^ 



Mik:ao commi' võpai"í\ a 



DA 



DESCOBERTA DA AMERICA POR CHRISTOVAO COLOMBO 



NO si:t- 



QUARTO CHXTJ-XAK[() 



SOB A DIRECÇÃO 



DB 



RAPHAEL EDUARDO DE AZEVEDO BASTO 

Conservador do Real Archivo da Torre do Tombo 
Membro da Commissão Colombina 



LISBOA 

IMPRIINSA NACIONAL 
1892 



t V 



■ 'tTP^f-*" 



ESMERALDO 



DE SITU ORBIS 



FOR 



DUARTE PACHECO PEREIRA 



t 
I 

■ w 

. \ 



a, 

I 

In 

I 



Inspecção geral dos archivos e bibliothecas publicas. — Consultada esta inspecção geral 
pelo respectivo ministro sobre o modo como poderia concorrer á exposição commemorativa da 
descoberta da America, propoz, e s. ex.* o ministro approvou por despacho de 25 de setembro 
de 1891, que se desse á estampa o manuscripto de Duarte Pacheco Pereira, intitulado Esmeraldo 
de situ orbis. 

Para a realisação d'esta proposta foram desde logo aproveitados os trabalhos de copia e 
revisão critica que o conservador do Real Archivo da Torre do Tombo, o sr. Raphael Eduardo 
de Azevedo Basto, de longe ha que vinha fazendo sobre os dois manuscríptos até hoje conheci- 
dos; uai d'elles, o mais antigo e com todos os indícios de ser uma copia directa do original feito 
no século xvii, e existente na collecçSo dos codices da Bibliotheca de Évora, onde tem a marca- 
ção C |[^; e o outro, uma copia mais recente, embora do mesmo século, que também pertenceu 
áquella bibliotheca, e hoje se acha encorporado na de Lisboa. 

A inspecção geral dós archivos e bibliothecas publicas julgou que com esta publicação 
podia concorrer á festa do centenário dentro das condições do programma, não só porque a 
obra de Duarte Pacheco é o mais completo compendio do que sobre náutica e geographia marí- 
tima — especialmente a da costa africana — se sabia nos fins do século xv e primeiros annos de xvi, 
como porque, por uma passagem d'ella se prova claramente que em 1498, na corte de D. Manuel 
havia fundadas suspeitas, se não cabal conhecimento, da existência d'essa parte da America que 
depois se chamou BrapL 

O erudito editor coUeccionou todos os documentos existentes relativos ao auctor do famoso 
códice, que só áe raros eram sabidos; os que elle descobriu no curso das suas investigações, e 
que esclarecem muitos pontos obscuros da vida do grande capitão mór dos mares da índia, e 
outros que passavam desapercebidos, perdidos, como estavam, no meio de diíferentes obras de 
leitura nem sempre attrahente. 

Uma coUecção de facsimiles completam esta edição, justificando textos e documentos, 
cuja authenticidade convém que seja cabalmente conhecida, para que sobre elles nem sequer 
paire a menor suspeita. 

Lisboa, i3 de Novembro de 1891. » O inspector geral interino, Thoma^ Lino de Assumpção. 






NOTICIA PRELIMINAR 



No meio de uma naçáo decadente, mas rica de tradiçóes, o mister 
de recordar o passado é ama espécie de magistratura moral, 
e uma espécie de sacerdócio. £xercitem-no os que podem 
e sabem; porque ofio o fazer é um crime. 

A. Herculano, Bobo, pag. i3. 



Depois de quasi quatro séculos de existência, vê hoje a luz da publicidade 
o precioso thesouro de informações históricas e geographicas, em que o 
celebre Duarte Pacheco Pereira, cavalleiro da casa de D. João II, immortalisou o 
seu nome como escriptor, depois de o tornar celebre como invencivel soldado e 
audaz navegador; provando assim que, em quanto a espada lhe descansava na 
bainha, compulsava os livros, e exercitava a penna com destreza igual áquella 
com que brandia o ferro em defeza da pátria. 

A linguagem e o estylo do importante livro, a que o auctor deu o titulo de 
Esmeraldo de situ orbis, são o mais correcto que se conhecia no principio de qui- 
nhentos; as grandes questões cosmographicas dos antigos tempos; a narração 
singela do mareante, a par da erudição sagrada e profana; e as noticias verda- 
deiras, e por ventura novas, das nossas primeiras navegações apparecem ali com 
maxima clareza, e podem servir de lição para esclarecer factos ainda agora duvi- 
dosos, ou destruir conjecturas erróneas. 

Merecem especial menção os capítulos descriptivos da costa de Africa, para 
comparar os nomes actuaes com os d^aquella epocha; e até sobre o ponto de 
vista hydro-topographico, a indicação de muitas profundidades n'aquella costa. 

A descripção das origens do Nilo e seu curso, para confrontar com os conhe- 
cimentos modernos. 

O valor das latitudes de pontos notáveis portuguezes, pela sua approxima- 
ção com as actuaes, e porque em nenhum outro documento antigo se encontram 
tantas latitudes de Portugal e Africa; o que leva a suppôr que sejam estas as 
coordenadas mais antigas. 



II Hi> ESMERALDO DE SITU ORBIS (^ 

Os conhecimentos que havia sobre as marés na costa da peninsula, para 
fazer um estudo comparativo com o resultado das actuaes observações sobre este 
objecto, sob o ponto de vista do regimen das aguas, alterações nos estados das 
barrais, profundidades, relevo submarino, etc. 

E bem assim as noticias sobre pescarias, e qualidades dos peixes então 
conhecidas. 

Não se sabe hoje que destino teve o trabalho original; conhecem-se, porém, 
duas copias d^elle: uma na Bibliotheca de Évora <, e outra na Bibliotheca Nacio- 
nal de Lisboa '. 

A primeira, de letra do fim do século xvi, julgamos ter pertencido ao bispo 
do Porto D. Rodrigo da Cunha, e ser a que vem inserta no catalogo, feito em 
1627, dos livros do mesmo D, Rodrigo '. 

A segunda, de letra muito mais moderna, tem no fim uma nota, de outra 
mão, e ainda mais recente, dizendo que esta copia parece ter sido tirada do exem- 
plar pertencente ao dito bispo do Porto. - 

Esta segunda copia, adquirida por compra pela Bibliotheca Nacional em 1867, 
julgamos ser a mesma que no catalogo dos MSS. da Bibliotheca de Évora, feito 
pelo sr. Rivara, vem indicada sob o n,^ ^^ — mais moderna que a primeira 
citada — , e com a nota de que, no dia 4 de setembro de I8^^, sahiu d'aquella 
bibliotheca em virtude de uma portaria do ministério do reino, de 24 de agosto 
do mesmo anno, e não foi restituida« 

Acreditamos que nunca existiram mais que as duas copias citadas no cata- 
logo de Évora. A mais antiga contém alguns erros, que se reconhece serem de- 
vidos á má leitura do original: a mais moderna, além dos mesmos erros da pri- 
meira, contém muitos outros provenientes do pouco cuidado na transcrípção. 
Prova-se que foi conferida modernamente, mas sem o necessário escrúpulo, por- 
que tivemos ainda de lhe fazer emendas ao cotejal-a com a de Évora. 

Felizmente os erros, tanto de uma como de outra copia, não alteram o sen- 
tido do texto, nem põem duvida á veracidade do MS. original, que Barbosa 
Machado — na sua Bibliotheca Lusitana — diz ter existido nâ livraria da casa dos 
marquezes de Abrantes, ornado com dezeseis mappas illuminados, e outros bem 
acabados desenhos 4, constando de quatro livros: o i.^^com trinta e três capítulos, 
02.** com setenta e um^; o 3.® nove, e o 4.® com seis. Não falia no 5.<* que o auctor 
promette no prologo*, nem as copias nos elucidam n'este caso, porque param no 



1 Cod. í=:3, I vol. foi., 100 folhas. 
3 Cod. B, 17, 7. I vol. foi., 80 folhas. 

3 Vid. Barbosa Machado, Bibl, Lusitana. 

4 Tanto os mappas como os desenhos vêem notados nas copias. 

5 N*isto ha manifesto erro typographico, porque nas copias são só 11. 



f*í NOTICIA PRELIMINAR (^ III 

principio do capitulo vi do livro iv, onde Pacheco encetava a descrípçâo das des- 
cobertas ordenadas por El-Rei D. Manuel. 

Alguns exçerptos d'este MS. encontram-se publicados pelo fallecido genea- 
lógico o sr. Albano da Silveira Pinto nos Annaes marítimos e coloniaes}; outros 
em nota no Roteiro de D. João de Castro, annotado pelo fallecido académico o 
sr. João de Andrade Corvo. Também na Historía de Portugal do sr. Pinheiro 
Chagas vem aproveitados vários trechos ; assim como nos Padrões dos descobri- 
mentos portugueses em Africa, pelo sr. Alexandre Magno de Castilho, distincto 
official de marinha e académico já fallecido. 

No primeiro fascículo das Memorías sobre a influencia dos portugueses no 
conhecimento das plantas, onde o erudito académico o sr. conde «de Ficalho 
trata com toda a proficiência da historía da malagueta, vem citado, não só o 
MS. de Pacheco^ como ainda aproveitadas as curiosas observações acerca da 
costa da malagueta. 

O sr. Rivara, ex-bibliothecario da Bibliotheca de Évora, publicou em 1844, 
no quinto volume do Panorama, um bem elaborado artigo, em que faz a apologia 
dos serviços de Pacheco, e do seu trabalho litterario. D'^este artigo se serviu 
mr. Ferdinand Denis, na sua Noticia sobre MSS. illuminados portuguezes, que 
antecede a reproducção do celebre Missal de Estevam Gonçalves Netto, chamando 
Esmeraldo do mar ao notável livro de Pacheco. 

Consta-nos que o sr. Corvo pensou em fazer imprimir este livro, e tanto que 
mandou tirar uma copia do MS. da Bibliotheca de Lisboa, copia que sabemos exis- 
tir na Bibliotheca da Academia das Sciencias: nunca, porém, se começou a sua 
impressão, talvez por se desconhecerem então os documentos necessários, para 
dar uma noticia exacta da vida e serviços do seu auctor. 

D'este grande vulto, um dos mais distinctos da sua epocha, sabiam-se ape- 
nas, mais ou menos romantisados por alguns historiadores, os feitos praticados 
quando capitão dos mares da índia em i5o3-i5o4*, e dresses mesmos não era 
citado sequer um único documento comprovativo. Constava que, depois de ele- 
vado ao fastígio da gloria, soffrera vexames, perseguições e pobreza a ponto de 
acabar os seus dias no hospital; ignoravam-se, porém, todos os mais factos tanto 
da sua vida publica, como da particular. 

Desejando nós tomar conhecido o valioso MS., que deve grupar-sejaos inte- 
ressantes roteiros já publicados de Vasco da Gama, e de D. João de Castro, e 
pagar assim, á memoria do instruído navegador, o tributo que ha muito se lhe 
deve; tendo á mão preciosas collecções, onde se encontram numerosos subsí- 
dios, que nos dão quasi sempre a verdade, não só dos factos brilhantes da nossa 
historia, como da vida dos heroes que contribuíram para o engrandecimento da 



I 1845, 5.* serie, pag. 1 1 e segs., notas 4, 5 e 6. 



IV ffc? ESMERALDO DE SITU ORBIS (^ 

pátria, entrámos em minuciosas investigações e com tanta fortuna que, ao cabo 
de algumas canceiras, conseguimos achar o rasto dos acontecimentos mais im- 
portantes da vida de Pacheco. 

Notando as passagens do Esmeraldo, em que o auctor falia de si; auxiliados 
pelos trabalhos antigos dos melhores historiadores e genealógicos, e com os docu- 
mentos que pudemos encontrar, esperamos dar os principaes traços biographicos 
do celebre Achiles Lusitano, 






Os Pachecos (doe. i) são conhecidos desde epochas remotas^ e d'elles des- 
cendem muitas famílias illustres e titulares de Hespanha. Em Portugal principia- 
ram em D. Fernando Geremias, natural de Galliza, onde sua mulher D. Mayor 
Soares fundou o mosteiro de Ferreira, junto á villa de Lemo^. 

Seu filho Payo Fernandes, rico homem de El-Rei D. Affbnso Henriques, 
consta que tomou parte na batalha de Ourique, e no cerco de Lisboa. 

D'esta família procedeu, em oitava geração, o celebre Diogo Lopes Pacheco, 
senhor de Ferreira d^Aves, um dos implicados no assassinato de D. Ignez de 
Castro, e que por tal motivo se passou a Castella, voltando mais tarde a servir 
na Batalha de Aljubarrota. 

Foi seu pai Lopo Fernandes Pacheco, senhor de Ferreira d' Aves, meirinho 
mor do infante D. Pedro, e embaixador ao Papa Benedicto XII, de quem recebeu 
a rosa de ouro. Jaz sepultado na igreja da Sé de Lisboa, e no seu tumulo existe 
uma inscripção ainda bem conservada, que se encontra tva facsimile no ^.^ vol. 
da Lisboa antiga pelo sr. visconde de Castilho, a pag. aSy. Também encontra- 
mos esta inscripção transcripta na coUecção de apontamentos com o titulo Torre 
do Tombo, que pertenceram ao erudito chantre de Évora Manuel Severim de 
Faria ; doeste apontamento damos copia (doe. ii) no logar competente. 

Attendendo D. João I aos serviços de João Fernandes Pacheco, filho de 
Diogo Lopes, prestados na batalha de Trancoso e na de Aljubarrota, confirmou- 
Ihe a posse de todos os bens doados a seu pae, nomeou-o seu guarda mór, e 
deu-lhe mais a alcaidaría mór de Santarém '• 

João Fernandes Pacheco, alem da descendência legitima, deixou um filho por 
nome Gonçalo Pacheco, a respeito do qual diz João de Barros, na Década i, o 



I Na Torre do Tombo, Chanc. dos senhores Reis D. Fernando e D. João I, encontram-se 
o$ registos de todas estas mercês, feitas a Diogo Lopes Pacheco, e a seu filho * JoSo Fernandes 
Pacheco. 



^ NOTICIA PRELIMINAR (^ V 

seguinte: «Havia em Lisboa ao tempo em que estas cousas procediam em bem, 
um homem que fora creado do Infante D. Henrique^ já aposentado com o officio 
de thesoureiro da casa de Ceuta, (doe. iii) a quem chamavam Gonçalo Pacheco, 
o qual como era de grossa fazenda, e armava navios para algumas partes, houve 
licença do Infante D. Henrique para mandar um navio a este descobrimento (do 
cabo Branco), a capitania do qual deu a Diniz Eannes da Grã, escudeiro do 
Infante D. Pedro, e sobrinho em primeiro grau de sua mulher». 

Na chancellaria de D. Affonso V encontra-se nâo só o registo da mercê de 
thesoureiro da casa de Ceuta ao diio Gonçalo Pacheco, mas ainda os de outras 
mercês; bem como a de um padrão de 4:800 reaes brancos para estudo a seu 
filho João Pacheco ■. 

Rangel de Macedo, no seu trabalho genealógico, mandado fazer pelo primeiro 
marquez de Pombal, diz que, por informação dos descendentes doeste João Pa- 
checo, constava que elle fora capitão de uma armada, que andava no Levante 
pelejando com os turcos, e que ao recolher-se, aportando em Tangere, ali o mata- 
ram os mouros. Manuel Severim de Faria nos seus apontamentos genealógicos 
diz o mesmo (doe. iv). 

João de Barros, quando trata dos capitães que foram com os Albuquerques 
em i5o3, cita «Duarte Pacheco Pereira filho de João Pacheco». 

Nasceu Duarte Pacheco em Lisboa, como elle próprio confessa por duas 
vezes no capitulo xxm do livro i, e capitulo iv do livro iv, e não em Santarém 
como diz Barbosa Machado. A epocha do seu nascimento pôde assignalar-se 
pouco depois do meado do século xv, se attendermos ao que diz no prologo do 
segundo livro do Esmeraldo, quando trata da tomada de ArzíUa em 1471; «as 
quaes cousas todas vimos, com outros grandes feitos que é escusado escrever». 

Até 1487 fornece-nos o auctor noticias dos seus actos no prologo do pri- 
meiro livro, quando trata das descobertas de D. João II, e da fundação do cas- 
tello de S. Jorge da Mina; onde diz: oce por não alargar mais a materia, deixo de 
dizer as particularidades de muitas cousas, que este príncipe mandou descobrir 
por MIM, e por outros seus capitães, em muitos logares e nos da costa de 
Guiné » . 

Isto confirma João de Barros na Década i, quando trata da volta de Bar- 
tholomeu Dias, depois da passagem do Cabo da Boa Esperança, em que diz que 
Bartholomeu Dias viera á ilha do Principe, «conde encontrara Duarte Pacheco, 
cavalleiro da casa de el-rei, muito doente, o qual por não estar em disposição 
para ir descobrir os rios da costa, a que el-rei o mandara, enviou o navio a fazer 
algum resgate, onde se perdeu, salvando-se parte da gente, que com elle se veio 
em estes navios de Bartholomeu Dias». 



I No livro XV, foi. 3o da chanc. de D. Affonso V vem também o registo d'esta mercê feita a 
João Pacheco em 1455. 



VI f^ ESMERALDO DE SITU ORBIS (^ 

Quando o auctor descreve no seu livro as dificuldades oppostas pelos indí- 
genas á edificação do castello de S. Jorge da Mina, diz : «emíim a seu pezar se 
fez onde com muita diligencia se acabou, o que então foi necessário para reco- 
lhimento de NÓS todos». 

Fica assim posto em evidencia que Pacheco, durante os quatorze annos do 
reinado de D. João II, foi um dos capitães de sua confiança, como o foram Diogo 
de Azambuja, Bartholomeu Dias, Diogo Cão, e outros; com estes andou nas des- 
cobertas e estudo da costa occidental de Africa, e com Azambuja assistiu á fun- 
dação do castello da Mina, de cujo governo mais tarde só lucrou humilhações e 
perseguição. 

Os serviços de Pacheco, e a sua longa pratica nas questões náuticas e cos- 
mographicas não podiam deixar de ser aproveitados por D. Manuel, que, seguindo 
naturalmente as ideas da epocha, empunhava o sceptro, sequioso de continuar as 
explorações iniciadas pelos seus antecessores nos mares e terras ignotas ; portanto 
depois de mandar Vasco da Gama para a descoberta da índia em i497> combinou 
com Duarte Pacheco, no anno seguinte, o reconhecimento das terras do Novo 
Mundo, que o arrojado e intelligente navegador Christovão Colombo poucos annos 
antes havia encontrado. 

Esta circumstancia, quasi desconhecida até hoje, podia ser posta em duvida 
se não estivesse bastante explicita no capitulo i do livro ii, onde o auctor, tratando 
da quantidade e grandeza da terra e da agua, diz: «e alem do que dito é a expe- 
riência, que é a madre das couzas, nos desengana, e de toda a duvida nos tira, e 
portanto, bemaventurado Príncipe, temos sabido e visto como no terceiro anno de 
vosso reinado do anno de Nosso Senhor de mil quatrocentos noventa e oito, donde 
MOS possa alteí^a mandou descobrir a parte occidental, passando alem a grandes[a 
do mar oceano, onde é achada e navegada uma tão grande terra firme com gran- 
des ilhas adjacentes a ella ...» 

Por motivos difficeis, se não impossíveis de averiguar, não foi posto n^aquelle 
anno em execução o plano de D. Manuel; quer-nos parecer que para isso con- 
correria a viagem do rei para Hespanha, a iim de ser jurado herdeiro da coroa 
de Castella, e o fallecimento da rainha e do infante, dando isto causa ao perdi- 
mento d^aquella coroa. No anno seguinte, com a volta de Vasco da Gama, forço- 
samente deviam soffrer alteração quaesquer combinações assentes; e tanto assim 
parece ter succedido, que, apesar de Pacheco affirmar que D. Manuel tratara com 
elle a descoberta da parte occidental alem do oceano, não se encontra o seu nome 
na lista dos capitães que acompanharam Alvares Cabral, e só por incidente faz 
d^êlle menção a historia, quando na índia, por«brdem do mesmo Cabral ' aprisio- 
nou a nau do rei de Cochim que levava uns elephantes. 



I Damião de Goes, Chron, de D. Manuel, parte i, capitulo lviii, foi. Sg da chron. ms. 



h^ NOTICIA PRELIMINAR H^ vil 

Conhecido o caminho para a índia, e os interesses que da nova conquista 
podiam advir á coroa de Portugal, tratou-se de apromptar uma nova e poderosa 
armada que tivesse força de implantar o poderio dos portuguezes n'aquelle impé- 
rio, para o que se mandaram por capitães experimentados navegadores. Entre 
eiles foi Pacheco, como acima já dissemos. 

Curiosas deviam ser as instrucções dadas a Pedro Alvares Cabral, para esta 
viagem % e mais importantes seriam ainda as descrípções de Pacheco, se tem com- 
pletado o seu roteiro, em que decerto nos diria com verdade, o que talvez nunca 
venha a saber-se ao certo. 

Pêro Vaz de Caminha na sua carta datada de Vera Cruz (doe. v), quando 
relata o desapparecimento da nau de Vasco de Athayde, na altura das ilhas de 
Cabo Verde, em 23 de março, sem haver tempo forte nem contrario, e ter o 
capitão mór feito diligencia para encontrar a dita nau, que não tomou a ser vista, 
diz mais «ék ajjr feguitnos nojfo caminho per qfte mar de longo, até terça feira de 
oitavas de pafchoa, que foram vinte & um dias de abril, que topamos alguns 
%naes de terra, fendo da dita ilha (de S. Nicolau) obra de feifcentas feífenta ou 
fetenta léguas». 

Respeitando melhor opinião, parece-nos que os trechos apontados da carta 
de Vaz de Caminha, e do Roteiro de Duarte Pacheco podem servir de apoio á 
idéa actualmente debatida, de que o descobrimento da terra de Vera Cru^ não 
foi devido a um mero acaso. 

Em i5o3 aprestam-se novas armadas, para continuar as conquistas no 
território indiano, e, na frota de Francisco, e de AfTonso de Albuquerque, vae 



I No Real Arch, da Torre do Tombo, maço i, de leis sem data, encontra-se um caderno, com 
12 folhas escritas, contendo instrucções relativas ao que Pedro Alvares Cabral devia executar 
em Calecut, logo que saísse de Angediva. Estas instrucções, de que parece ser a minuta, não 
estão completas, e julgamos faltar-Uiea também a primeira parte, embora no alto da primeira 
pagina venha a palavra Jesus, signal indicativo do principio do documento. 

Este documento foi publicado pelo sr. Varnaghen na revista trimestral do Instituto kisto* 
rico do Brasil, E vem também nos Annaes maritimos e coloniaes, 1843, 5.* serie, pag. 208. 

Gaspar Correia, nas Lendas da índia, quando trata da armada de Cabral em iSoo diz>: «Da 
qual armada ElRey fez capitão mór Pedraluares Cabral, homem fidalgo, de bom faber, muyto 
auto pêra iflb, a que ElRey muyto folgou de lhe dar eíle encargo, porque ette fe offeree eo a 
ElRey pêra nillo o fervir, per induzimento de Dom Vasco, que era feu grande amigo, que a iíTo o 
iiicitou ; com o qual ElRey com Dom Vasco muyto praticavão o que compría 

& que fe nom apartaffem do capitão mor, nem huns dos outros, & muitas vezes vifTem lèos re- 
gimentos, & os íinaes que haviáo de fazer de dia & de noite, & cada dia pela manhã foílèm ftilar 
ao capitão mor, por que fe algum faleceíle, o capitão mor havia d'aguardar por todos, & por 
tanto huns aguardaífem por outros, & ifto fob as penas que dizião no regimento». 
Publicação da Acad. R. das Sciencias, 1. i,tom. i, pag. 146 e 149. 



VIII ^ ESMERALDO DE SITU ORBIS (^ 

de novo Pacheco á índia; doesta vez, porém, como capitão de uma das naus', 
levando bandeira branca, a fim de ganhar novos brazões, que juntasse aos que 
já possuia pela nobreza de sua linhagem. 

Volumoso se tomaria este nosso trabalho, se compendiássemos aqui todas 
as noticias dos altos feitos praticados no oriente pelo Grão Pacheco; elles, porém, 
se encontram mais ou menos circumstanciadamente, em João de Barros, Damião 
de Goes, Gaspar Correia, Faria e Sousa^ e ainda em outros historiadores. Tam^ 
bem por Camões, em sublime verso, foram immortalisados no canto x dos Lusíadas. 

Embora, porém, sejam tão sabidos os prodígios de valor do fortissimo 
Pacheco, não julgamos demais n^estas simples notas relembrar alguns dos factos 
mais salientes, que nunca devem esquecer. 

No dia 20 de dezembro do mesmo anno de i5o3, voltaram os Albuquerques 
a proa a Portugal, deixando a Duarte Pacheco por capitão mór dos mares da 
índia, com meios de acção limitadíssimos. Gaspar Correia refere que ao todo, 
com os officiaes da feitoria, seriam seiscentos homens, com seis caravellas e um 
navio; Damião de Goes, porém, diz ter o capitão ficado apenas com cento e cin- 
coenta homens e três navios (doe. vi). 

Álvaro Vaz na carta escripta, em i Sog, a El-Rei D. Manuel dando-lhe conta 
dos successos da índia, acerca da guerra desde i5o3, entre o rei de Calecut e o 
de Cochim, allude por vezes aos serviços prestados por Pacheco, e ás diminutas 
forças com que este ficou depois da partida de Affonso de Albuquerque^. 

Também o próprio Pacheco na carta escripta no reino a D. Manuel, a qual 
damos em copia e facsimile (doc. vii), se queixa de ter ficado na índia com tão 
pouca gente, e tão mal fornecida. 

No regimento que os Albuquerques deixaram a Pacheco, reçommendaram-lhe 
que se limitasse á defensiva, para que o Çamorim não passasse além de Cochim, 
porque entrando tudo era perdido, e que evitasse quanto possível o pelejar ^. 

Apesar do regimento, das poucas forças que o rodeavam, das continuas hesi- 
tações do rei de Cochim, e das fracas tropas de que este dispunha, não soffreu 
o animo a Duarte Pacheco limitar-se á defensiva, e, desprezando os vinte e tan- 
tos mil homens dos reis alliados de Calecut, Tanor, Cariga, e outros, pôz tudo a 



I Do Livro das armadas que foram á índia desde 1497 até i566, adquirido ha pouco por 
•compra pela Academia Real das Sciencias, damos n*este volume os fac-similes das frotas de Ca* 
bral, e de Albuquerque, i5oo e i5o5. Esta coUecção de estampas feitas por individuo que nave- 
gou nas ultimas armadas, como elle próprio declara, é preciosa não só pelos desenhos correctos, 
como pelas noticias que acompanham a cada um dos navios. O livro não tem nome de auctor, 
apenas na folha do rosto se encontra uma sigla, que também damos em fac-simile na margem 
das duas estampas. 

3 Archivo da Torre do Tombo. Gav. i5. M. 2, vol. xzvi. 
. 3 Vid. Gaspar Correia. 



i^ NOTICIA PRELIMINAR (^ IX 

ferro e fogo; e diante do seu génio colérico e violento % e da sua intelligente 
actividade, não houve empreza difficil que não vencesse, nem perigos e fadigas 
que o atemorisassem. 

N'uma das vezes em que notou que a sua artilheria não fazia damnos bastante 
sensíveis nos castellos dos inimigos, poz-se de joelhos, e rogou a Deus, pela ban- 
deira que lhe tinha sido confiada, que não attendesse n'aquelle momento ás suas 
culpas para as castigar : que deixasse esse castigo para outro dia ^. 

Duvidando o rei de Cochim, que elle com tão diminutas forças pudesse 
defendel-o, e temendo que no momento de perigo o abandonassem e fossem para 
Cananor ou Coulam, ficou em grande temor, e muito agastado; o que sabido 
por Pacheco, se foi ter com o rei, e com os principaes da terra, e disse-lhes, que 
todos os portuguezes que ali estavam haviam de morrer em sua defeza ; que man- 
dasse aos seus vassallos que obedecessem a elle Pacheco, que lhe afirmava que o 
Çamorim não metteria pé no seu reino ^. 

Não foram vans as promessas de Pacheco; não só impediu que entrasse o 
rei de Calecut em Cochim, como o deixou bem destroçado, e póde-se dizer com 
verdade, que em poucos mezes consolidou o predomínio de Portugal no Oriente. 

Determinando Lopo Soares voltar ao reino, recebeu Pacheco na sua nau^ da 
qual lhe deu a capitania, em signal de respeito e consideração pelos relevantes 
serviços que acabara de prestar. N^esta occasião o rei de Cochim, querendo tam- 
bém galardoar o valente capitão, a quem muito devia, mandou dar-lhe quatro- 
centos quintaes de pimenta, e muito dinheiro em peças de ouro, segundo narra 
Gaspar Correia; outros porém dizem que elle recusou todos os presentes, e apenas 
acceitou a carta de Brazão d'Armas, e o titulo de Dom, que lhe deu o mesmo 
rei (doe. vm). 

Em 20 de julho de i5o5, chegou Pacheco a Lisboa, sendo recebido por D. 
Manuel com grandes honras, e levado em procissão da Sé á igreja de S. Domin- 
gos; havendo missa solemne, e pregação em louvor de seus honrados feitos, 
dando-lhe el-rei o titulo de Dom; acrescentando-lhe coroas de reis no escudo de 
suas armas, e dando-lhe tenças, com que viveu muito honradamente e os seus 
descendentes. Isto diz Gaspar Correia; outros historiadores, porém, concordam 
só no que diz respeito a hoturas. 

Não devia Pacheco ser já muito novo n^esta epocha, apesar d^isso, porem, 
somos levados a crer que foi por esse tempo ou pouco depois que teve logar o 
seu casamento com D. Antónia de Albuquerque, a quem D. Manuel fez mercê 
do dote de i2o;t!^ooo réis; dote que em i5i3 ainda não estava acabado de pagar. 



I Vid. Damião de Goes. 
3 Vid. Faria e Sousa. 
3 Vid. Gaspar Correia. 



B 



X ffc? ESMERALDO DE SITU ORBIS í^ 

porque n^sse anno lhe foi mandada satisfazer a segunda terça parte, de que 
recebeu apenas 104&000 réis, conforme se vé do recibo na provisão, assignado 
por Pacheco (doe. ix), tendo já recebido o primeiro terço em i5i2. 

Era D. Antónia de Albuquerque filha de Jorge Garcez % secretario de El -Rd 
D. Manuel, e de D. Izabel Galvão, filha de Duarte Galvão, secretario de El-Rd 
D. João II. 

Mais fez mercê D. Manuel, a Duarte Pacheco, de uma tença de 5o;i^ooo réis; 
mercê de que se encontra noticia n'outra tença de 20ntl>ooo réis que D. João III em 
i533 concedeu a seu filho João Fernandes Pacheco, commendador de S. Salva- 
dor do Banho da ordem de Christo (doe. x), em remuneração dos serviços do 
pae, e por ter vagado a que este recebia (doe. xi). N'um assento datado de i526, 
vem notado que n^esse anno se pagaram a Duarte Pacheco Sg^t^ooo réis, que lhe 
eram devidos da tença do anno de 1524 (doe. xu). 

Alem doestes favores régios, quiz mais o monarcha distinguir Duarte Pacheco, 
encarregando-o de estudar e descrever miudamente toda a costa além do Cabo 
da Boa Esperança. 

Vejamos sobre isso o que diz o auctor no prologo do seu livro i do Esme- 
raldo: «e como em tão pouco tempo vossa alteza descobrisse quasi mil e qui- 
nhentas léguas alem de todos os antigos e modernos, as quaes nunca foram sabi- 
das nem navegadas de nenhumas nações doeste nosso occidente, agora, por mór 
segurança d'esta vossa navegação, convém que vossa alteza mande tomar a desco- 
brir, e apurar esta costa do Ilheu da Cruz em diante, porque é certo que no seu 
primeiro descobrimento se soube em somma, e não pelo miúdo, como a tal caso 
convinha; e por que vossa alteza me disse que se queria n'isto fiar de mim, portanto 
preparei fazer um livro de cosmographia e marinharia cujo prologo é este». 

O auctor deu principio ao seu livro logo no mesmo anno em que chegou da 
índia, o que se prova pelas datas citadas no capitulo xiv do livro i, onde trata 
da tomada de Ceuta por D. João I, e contraprova no capitulo xvi onde trata da 
tomada de Anafe, pelo Infante D. Fernando. 

Segundo parece, não quiz Pacheco limitar-se ao trabalho de que D. Manuel 
o encarregara. Conhecedor profundo de toda a costa septentrional e occidental 
de Africa, como die próprio confessa por diiferentes vezes, resolveu fazer um 
roteiro completo, principiando as suas descripções desde Gibraltar em diante, e 
tratando das descobertas iniciadas no tempo do Infante D. Henrique, até finali- 
zar nas do reinado de D. Manuel. Não podemos predsar o tempo que Pacheco 
dispendeu no seu trabalho, nem as razões por que o deixou interrompido ; vemos, 
porém, nos capítulos viii e ix do livro 11, e ainda em outros pontos, queixar-se dos 
trabalhos mal remunerados, das enfermidades adquiridas, e dos murmuradores 



I Vid. Hist. Gen, de Fr. Caetano de Sousa, vol. in, f. 170. 



fk) NOTICIA PRELIMINAR í*^ xi 

e maldizentes, que sabiam só criticar, e nada faziam. Já na carta que dirigiu a 
D. Manuel, sendo ainda recentes os seus relevantes serviços, se queixa n^aquella 
phrase rude, que se usava então, do mau pagamento que se fizera aos soldados, 
que o acompanharam, e ajudaram na índia a ganhar tantas victorias, e com 
quem o rei se não devia mostrar ingrato. 

Esta carta (doe. vii) ;á citada, em perfeito estado de conservação, como se 
vê do facsimile, é muito importante, porque vem corroborar as noticias dos actos 
heróicos de Pacheco, praticados na defeza de Cochim; além de ser também uti- 
líssima para comparar a similhança de estylo entre esta e o Esmeraldo. Pena é 
que não esteja datada, para saber-se approximadamente* por quanto tempo se 
reflectiu nos pobres soldados, a má vontade, que parece havia contra o seu 
esforçado capitão. 

Em i8 de janeiro de iSog^ foi Pacheco mandado ir com alguns navios 
em perseguição do corsário Mondragon, a quem aprisionou proximo do Cabo 
de Finisterra, mettendo-lhe no fundo um navio, e trazendo os três restantes 
para o Tejo. 

No anno anterior tinha sido mandado João Serrão ^, em busca do mesmo 
corsário, que tomara uma nau a Job Queimado, que vinha da índia; a tentativa, 
porém, foi sem resultado. 

De i5og a i520 só encontramos três documentos que nos deem noticias de 
Pacheco; o primeiro é um recibo passado na provisão já citada (doe. ix); o se* 
gundo é um mandado (doe. xm) para receber a importância da sua moradia em 
iSi6, como cavalleiro fidalgo da Casa Real. N^este documento vem inserta a no- 
ticia de que se encontrava então doente na corte. O terceiro é a nota no livro 
das moradias, do que recebeu no anno de iSig (doe. xiv). 

Pelos documentos apontados parece demonstrar-se que Duarte Pacheco, desde 
i5o5 até i52o, exceptuando a ida ao Cabo de Finisterra, não voltou ao mar, ou, 
se embarcou, não ficou vestígio d^so. É possível que, para melhor cumprir as 
ordens de D. Manuel, ainda embarcasse outra vez, a fim de fazer mais escrupu- 
losos estudos nas costas da Africa oriental, e dos mares indicos, a fim de ser tão 
minucioso no roteiro além do Cabo da Boa Esperança, como foi no de Gibraltar 
até ao Cabo. Tudo isto, porém, são hypotheses cuja conclusão é difficil de tirar ; 
e nas questões históricas só podemos basear-nos em documentos, ou, na falta 
d'elles, no testemunho dos historiadores que mais ampla confiança mereçam. 

Datados de 8 de agosto de i52o, encontramos dois mandados assignados por 
Pacheco em S. Jorge da Mina (doe. xv e xvi) ordenando a João de Figueiredo, 



1 Vid. Damião de Goes, Chron. de D. Manuel, 

2 Vid. Regimento dado em 14 de dezembro de i5o8, Archivo da Torre do Tombo. Corp, 
chron., part, i, maço 7, doe. 68. Publicado nos Annaes marítimos e coloniaes, 1843, 3.* serie. Doe. 
i3, pag. 534. 



XII ffc? ESMERALDO DE SITU ORBIS (^ 

feitor de eUreí, que entregue vários presentes para se darem aos potentados 
d'aquella terra. No primeiro menciona que era costume darem-se estes presentes 
quando chegava novo governador ^ 

N'este governo permaneceu até i522, anno em que foi substituído por 
D. Affonso de Albuquerque (filho) a quem entregou a capitania, conforme se lhe 
ordenava na carta de nomeação do successor, datada de 4 de julho do mesmo 
anno (doc. xvii). 

Estes três documentos são importantíssimos, porque vêem destruir a lenda 
existente de que Pacheco foi perseguido por D. Manuel. 

Baseia-se por certo a lenda n'uma passagem da chronica doeste rei, escrípta 
por Damião Goes (doc. xvin), em que, referindo-se aos serviços prestados por 
Pacheco, e ás honras que se lhe fizeram, diz que o fim de tantas honras foi, por 
denuncia que d'elle deram, mandal-o elrei trazer ao reino em ferros, sem Ih^os 
tirarem dos pés, e tel-o muito tempo preso, até que por falta de culpa o soltaram 
tão pobre como fora para a Mina. 

N^este ponto parece-nos que Damião de Goes andou caviUosamente, porque 
faltando nos serviços prestados, e ainda de outros que Pacheco depois fe^ a el-rei, 
como adiante se dirá, não toma a fallar d^elles. Além d'isso, escrevendo a chro- 
nica muito posteriormente á morte de D. Manuel, e talvez na epocha que elle 
mesmo já principiava a ser perseguido pelas suas ideas avançadas, apresenta o 
exemplo de Pacheco para que os homens se guardem dos repeles dos reis e prín- 
cipes^ e da pouca lembrança que muitas pe^es tem d'aquelles a que são em obrí'- 
gação; o que faz crer que, fallando genericamente, aproveitou a occasião para 
indirectamente vingar assim quaesquer aggravos que tivesse de D. João III, 
ferindo a memoria de D. Manuel. 

Pela provisão datada de i525 (doe. xix, t facsimile) prova-se que D. João III 
mandou embargar umas jóias de ouro, que Duarte Pacheco trouxe da Mina ; não 
consta, porém, que se lhe tivesse formado processo. Prova-se mais que lhe man- 
dou entregar algum tempo depois as ditas jóias, que, por estarem já derretidas, 
lhe foram compensadas — em parte de pago — por trezentos cruzados ; isto é, 
uma parte do seu valor. 

Na propria provisão vem o recibo dos ditos trezentos cruzados, assignado 
por Pacheco, já com uma letra bem tremida, como se pôde comparar com a dos 
dois facsimiles anteriores. 

No mesmo anno recebeu também parte da tença do anno de 1524. (Doe. xn, 
já citado.) 

Já morto Pacheco em i533, D. João III, reconhecendo-lhe os serviços presta- 
dos ao paiz durante muitos annos, premeia-os em seu filho, dando-lhe uma tença 



I Vid. fac-simile. 



fk) NOTICIA PRELIMINAR d^ Xlll 

de 20^00 réis que já citamos, e outra igual em i534 (doe. xx), para ser recebida 
pela mãe, independente da procuração do filho, que estava servindo em SafiS. 

Em 1576 ainda João Fernandes Pacheco recebia uma das tenças (doe. xxi). 

Dos apontamentos de Manuel Severim de Faria, consta que no livro dos con- 
fessados, i53g-4i a foi. 18, debaixo do titulo de cavalleiros fidalgos, existia a verba 
de 1^00 réis por mez a João Fernandes Pacheco, filho de Duarte Pacheco'* 

Todos os historiadores são concordes, em que Duarte Pacheco morreu pobre. 

Villas Boas, na sua Nobiliarchia Lusitana, diz que Pacheco morreu pobrissi- 
mamente no hospital real de Lisboa occidental, e foi sepultado no cemitério de 
Sant'Anna, para onde costumavam ir todos os pobres que ali morriam. 

Manuel Alvares Pedrosa e Thomaz Caetano de Bem, no seu Nobiliário gema- 
lógico das famílias illustres de Portugal^, dizem que jaz sepultado em S. João 
da Praça ^. 

Damião de Goes diz que elle passou o resto da vida em tanto desgosto e 
pobreza, que, depois da sua morte, a mulher vivia de esmolas e do pouco que o 
filho lhe podia dar. 

Também lá diz Camões: 

«Morrer nos hospitaes, em pobres leitos, 
Os que ao rei, e á lei servem de murol» 

Canto z, est. xzm. 

Tantas e de tanto peso são as aíSrmativas acerca da ingratidão para com 
Pacheco, que não podemos deixar de lhes dar credito ', e tão frizante foi ella, em 
face dos relevantes serviços prestados pelo heroe, que provocou a indignação do 
chronista Damião de Goes, e também a de Camões motivando os sublimes ver- 
sos, já citados, e ainda os que se seguem : 

Mas tu, de quem íicou tSo mal pagado 
Um tal vassallo, ó Rei só nisto iníquo, 
Se não és para dar-lhe honroso estado, 
É elle pêra darte um reino rico. 
Em quanto for o mundo rodeado 
Dos Apollineos raios, eu te íico, 
Que elle seja entre a gente illustre e claro, 
' £ tu nisto culpado por avaro. 

Canto z, ett. zzv. 



1 Bibliotheca Publica. MSS. citados, vol. ni, foi. 660. 

3 Bibliotheca Publica. MSS. C-2-1 a C-2-«. 

3 Investigámos se existia a sepultura, ou qualquer noticia d'ella; nenhum vestígio, porém, 
se encontra, nem é possível averiguar por causa do soalho que reveste o centro da igreja ; além 
d'isso tem sofifrido o templo diversos concertos depois do terremoto de 1755, e perdeu n'essa 
epocha todos seus documentos. 



XIV 5^ ESMERALDO DE SITU ORBIS í^ 

Tão sabidos ficaram os prodígios de valor do valente soldado, e os seus atu- 
rados serviços, que um século depois serviram de thema para uma interessante 
comedia, que julgamos digna de ser reimpressa, e da qual extractamos alguns 

4 

trechos, que vâo no logar competente (doe. xxii). 

Em face dos monumentos escriptos que podemos coUeccionar, três dos quaes 
pela sua grande importância vão reproduzidos em fac-simile, e na presença do tra- 
balho do illustrado navegador, comprovam-se não só os seus relevantes serviços, 
descriptos pelos historiadores, como ainda os que ficaram ignorados por muito 
tempo. Provasse mais o nome illustre d'onde provinha, e quanto soube honral-o 
como verdadeiro fidalgo; qual a importância que adquiriu na corte de D. João II, 
e na de D. Manuel; e como depois foi desconsiderado por D. João III, em quem 
fez mais peso uma falsa denuncia, do que a fidelidade reconhecida, a inconcussa 
probidade, e não interrompidos e relevantes serviços prestados em tão longo pe- 
ríodo pelo seu velho servidor e dos seus antepassados. 

Eis em leves traços esboçada a vida do celebre Duarte Pacheco Pereira, 
cavalleiro fidalgo da casa de D. João 11; o audaz navegador; o heroe de Cochim, 
cujos altos commettimentos foram apregoados até á corte do Summo Pontífice; 
o homem que deu ao rei um reino, e lhe ajudou a descobrir um mundo ; o heroe 
cuja vida foi uma epopea, e teve a dita de ser incluído no numero d^aquelles em 
quem poder não tepe a morte; esse martyr sempre victima da intriga, e da inveja 
mesquinha dos que, talvez em confortável ócio, nunca sonharam sequer os peri- 
gos e trabalhos, que havia affrontado esse corpo temperado em aço, a quem só 
o grande peso da longevidade teria o poder de anniquilar ! 



Raphael Basto. 



DOCUMENTOS 



DOCUMENTO I 

TITDLO DE PACHECOS 

Tem por armas em campo de ouro duas caldeiras de preto poilas em paUa com três fexas 
cada uma de ouro & vermelho, veyradas & contraveyradas, & também as afãs, & em cada cal- 
deira quatro cabeças de cerpe de ouro nas reigadas das aias, duas para fora & duas para dentro^ 
com as linguas vermelhas, timbre dous pefcoços de cerpe de ouro, com duas cabeças batalhantes. 

D. Fernando Geremias, é em quem principia o Conde D. Pedro eíla familia, fem nos decla- 
rar quem foíTe nem donde era natural. Aponte diz que era natural de Gallifa, onde pelos annos 
de 954 confirmava como Rico homem Geremias Mendes que podia fer feu pai. Brandão na Monor- 
chia Lufitana, tit. ni, cap. xxxi, diz que achara, em uma efcriptura do cartono de Arouca, memo- 
rias de D. Fernando Geremias pelos anno de 1092, e de fua mulher Ermezenda Garcia ; porem, 
Pelier ■ aíiirma que eíle D. Fernando Geremias fora Rico homem delrei Dom Aífonfo vi de LeSo, 
& que era biíheto de Geremias Mendes, Rico-homem d'elrei D. Ordonho u. Gerdiel quer que 
procedam dos Romanos, & que fejam defcendentes de Lafio Suavio Pacíeco, capitam em Hefpa- 
nha, de cujo appellido houve muitos Romanos nobres, como foi Vibio Pacieco, de quem trata 
Plutarcho na vida de Marco Craflo, fendo eíla a noticia mais antiga que podemos defcobrir deíla 
famiUa, de que procedem nobilliflimas cafas como iao em Caftella os Marquefes de Vilhena, 
Duques de Efcalona, Duques de Ozuna, Condes de Urenha, Condes de Puebla de Montalvão, 
Marquefes de Villa Nova dei Freího, Condes de Medelim, hoje Duques de Caminha, Marquefes 
de Cerralvo, & Condes de ViUa-Lobos, de que tratam largamente os Nobiliários hefpanhoes, & de 
que houve tantos fu jeitos infígnes em armas, letras & virtudes, como fe pode ver dos hiiloría- 
dores portuguefes & caílelhanos. Parece ter íido eíle D. Fernando Geremias cafado duas vefes, 
porem, a mulher de que temos noticia é D. Mayor Soares, filha de Sueyro Viegas, que fundou 
o Moileiro de Ferreira da ordem de Chriílo junto da villa de Lemos em Galifa. 

Foi feu filho Payo Fernandes, Rico homem d'elrei D. AíTomfo Henriques, que fe achou na 
batalha do Campo de Ourique, & no cerco de Lifboa. 

Terceiro neto, Fernão Rodrigues Pacheco, o qual fez com que o Conde de Bolonha levan* 
tafle o cerco de Caftello de Celloríco, enviando-lhe um prefente de trutas írefcas. 

Oitavo neto, Diogo Lopes Pacheco, fenhor de Ferreira d'Aves, um dos que fe acharam na 
morte de D. Ignez de Caftro por cuja caufa fe paíTou para Caílella, e d*ali para Ara^o ao ferviço 
de D. Henrique 11, que lhe deu o governo de Bejar, & o fez Rico homem & Notário Maior daquelle 
Reino. Sitiou Lifboa, fendo deíFenfor d'ella o Meftre d'Aviz, a cujo ferviço fe paflou, achando-fe 
depois na batalha d'Aljubarrota, fendo já muito velho. 



< V^d. Memorial do Marque^ de Ribatf foi. 47 v. 



XVI f^ ESMERALDO DE SITU ORBIS (^ 

João Fernandes Pacheco^ filho de Diogo Lopes Pacheco, não foi incluído no Nobiliário, 
provafe porem ^a fua ligitimidade, não fó dos nobiliários, como da chronica delrei Dom João i, 
cap. CLxi, onde diz que Diogo Lopes Pacheco em tempo duvidofo veio para o reino com feus 
filhos João Fernandes, Lopo Fernandes, & Fernam Lopo i. Foi fenhor da caía & terras de feu pai 
que eram muitas, Alcaide mor de Santarém, & guarda mor d^elrei D. João i, a quem fez grandes 
ferviços; foi um dos que ganhou a batalha de Trancoso, & foi de tanto valor e preílimo que 
o dito D. João I lhe efcreveu convidando o para a de Aljubarrota, & defendo-lhe que pela grande 
confiança que nelle tinha lhe rogava quifeíTe conduíir & encaminhar os fidalgos da Beira, para 
que vieíTem acharfe na dita batalha; & por que tardava muito, & elrei duvidava da fua vinda, 
Diogo Lopes Pacheco, feu pai, diffe «eu dos outros não fallo> mas João Fernandes é meu filho, 
& eu fou ferto que elle vira»; & com effeíto veio & trabalhou muito na dita batalha, como efcreve 
o chronifta Fernão Lopes, cap. xl, pag. 41 >. 

Gafou com D. Ignez de Menezes, filha de Gonçalo Telles de Menefes, Conde de Neyva, 
& de D. Maria d' Albuquerque. Deixou defcendencia legitima. 

Foi feu filho baílardo, Gonçalo Pacheco^ ou Gonçalo Lopes Pacheco, criado do Infante 
D. Henrique, & thefoureiro da cafa de Ceuta, cuja mercê, diz Gafpar de Faria, lhe fez elrei em 12 
de Fevereiro de 1489, que fe acha regíflada^ no livro da chanceUaria d'aquelle anno a foi. 7O1 
chamando lhe thefoureiro do dinheiro & panos que pertencem á caza de Ceuta, & diz : «querendo 
fazer graça & mercê a Gonçalo Pacheco efcudeiro do Infante meu tio, andou com uma caravella 
fazendo guerra nas cofias d'africa, & quando elrei la pafTou fe achou com elle». 

Seu filho legitimo, João Pacheco, dizem feus defcendentes que fora capitam de uma armada) 
& que andara em Levante pelejando com os turcos, & que recolhendo fe aportara em Tanger onde 
o mataram os mouros ; & Gafpar de Faria diz que elrei D. Afifonfo v lhe dera, fendo moço, quatro 
mil e oitocentos reaes brancos para feu estudo.^ Gafou com Izabel Pereira, filha de Martim Gon- 
çalves Pereira e de D. Violante de Vafconcellos, de quem teve 

Duarte Pacheco Pereira^ a quem chamavam o grande pelas maravilhas que praticou na 
índia, para onde fe paífou no anno de i5oo; & vindo o mandou elrei pelejar, capitaniando uma 
armada, com o corfario Mondagron, que andava infeflando os mares & as noílas cofias, & havia 
tomado uma náo da índia, & o venceu & trouxe prefo com as nãos de fua conferva ; & em outras 
occafides outras muitas náos de piratas aprefionou. 

Foi governador da Mina, & d'ali veio capitulado & prefo, & foi folto & livre depois de qua- 
tro annos de prifao; morreu pobre, & com pouca fatiffação de feus grandes ferviços, e d*elles 
fazem largamente menção as Décadas 7. Gafou com D. Izabel (aliás D. Antónia) d'Albuquerque, 
filha de Jorge Garcez, âc de D. Izabel Galvão, filha de Duarte Galvão, secretario de D. João II, 
de quem teve 

X.® João Fernandes Pacheco. Gommendador do Banho da ordem de Ghriílo — E fidalgo da 
caja Real. Morreu em iSgo. 

2.^lJeronymo (om Hieronimo) Pacheco, que fervio em Tanger, onde o mataram os mouros. 

3.« Affomjo Alvares Pacheco, que morreu moço. 

4.« Luif Pacheco, idem, idem. 

5.^ D. Maria d* Albuquerque, cafou com João da Silva Alcaide mor & commendador de 
Soure, c. d. 

6.« D. If abei, n. c. 

7.* D. Violante Pacheco, cafou 8. 



* Fernam Lopo, e Lopo Feraandes, eram bastardos. Vid. Carta» de leg: na chanc, de D. João i, L n, foi. 73 v e foi. 81 r. 
" Parte 11, cap. l, pag. 98, ediçfio de 1644. 

' Conforme Joáo de Banca, Década i, cap. xi, foi. 14. 

* Está registada na ChanceUaria de D. Affátuo v, no I. xvin, foi. 76, e no lív. d'Estraa, foi. 7a 1^. 

* Alvará de mercê registado na ChanceUaria de D. Afonso v, 1. zin, foi. 3o v. 

* Lé-se d margem ^Ho cartório do escrivão de eivei Joio Rodrigues de Sequeira, estam uns autos que correram entre 
Fernam Martins Freire, e Álvaro Pires Pacheco (sec. xviii) sobre o morgado das Cachoeiras, e nelles a foi. 355 está um instru- 
mento de geração deste Duarte Pacheco, em que se justifica o dedusido n'este titulo —ATib eneontrdmoM o processo no arckàfo 
da Relaçdo. 

' Nota de Rangel— Vid. a Ckron, d'el-rei D. Manuel, escrípta por Duarte Nunes de Leio, cap. luczt a xcn, e cap. c. 

* Extrahimos estas notas, que nos pareceram mais curiosas, do trabalho genealógico de Rangel de Macedo, existente 
na Bibhotheca Publica de Lisboa ; collecçáo Pombalina. 



ffc) DOCUMENTOS í^ xVil 

DOCUMENTO II 

EXTRACTO 

Na capella dos CofmoS) fíta na Sé deíla Cidade de Lifboa eílá o letreiro feguinte. Aqui jaz 
Lopo Fernandes Pacheco, senhor de Ferreira & mordomo mor do Infante D. Pedro, & chancel- 
lor mor da Rainha Dona Brites, ao qual fez mercê & feitura de elrei Dom Affomfo IV, & foi com 
elle na lide que houve com el rei de Grada, & eíte rei fez fazer ajuda a el rei Dom Aãbmfo de 
Caílella, quando elrei de Benemari viera fobre Tarifa na era de iSjS, annos. Ao qual Lopo Fer- 
nandes foi em Avinhão dada com grande honra pelo Papa Benedicto uma rofa de ouro, que elle 
com grande honra pôs em eíla Sé tanto que delia chegou. O qual foi cafado com Dona Maria 
filha de Ruy Gil de Villa Lobo, & de Dona Tereja Sanches, que foi filha delrei Dom Sancho de 
Caílella. Foi enterrado neíle moimento a 22 dias de Dezembro de iSSy annos i. 



DOCUMENTO III 

EXTRACTO 

Na chancellaría do anno de 1440, a foi. 188; eílá uma quitação dada a Gonçalo Pacheco, 
thefoureiro mor na cidade das coufas de Ceuta, do que recebeu & difpendeu no anno de 1439. 



Gonçalo Pacheco, thezoureiro da Caza de Ceuta era ainda vivo em julho de 1475, como 
coníla da chancellaría do dito anno a foi. 119, na qual vem regiílada a mercê do officio de efcrí- 
vaõ dos varejos & ver do pefo delia cidade de Lifboa, a Pêro Vaz, creado do dito Gonçalo 
Pacheco. 

Fez um morgado proximo d' Azambuja, & delle coníla que fe chamou fua mulher Anna 
Diniz, & que nomeou nelle fua filha Margarida Pacheca, & outra filha, em cujos defcendentes 
nSo ha duvida. E coníla por auctos da Relação que o grande Duarte Pacheco, da índia, foi neto 
de Gonçalo Pacheco, e teve por filho a Joaõ Fernandes Pacheco, que foi commendador do Banho 
juncto a Barcellos >. 



DOCUMENTO IV 

EXTRACTO 

De um inílrumento em rafo, & dito de testemunhas, mas de letra antiga d*aquelle tempo, 
tirado neíla Cidade, anno de 1497, a inílancia de Duarte Pacheco, para fe provar fer elle filho de 
Joaõ Pacheco a quem os mouros mataram em Tanger, & de fua mulher Dona Izabel Pereira 
filha de Martim Fernandes Pereira, fenhor de Penarroia, Caílro Vicente & Bempoíla, parente do 
Condeílavel Dom Nuno, & de fua mulher Dona Violante de Vafconcellos; o qual Joaõ Pacheco 
foi filho de Gonçalo Pacheco, thezoureiro da Cafa da índia. Uma teílemunha que é um Fernaõ 
Gonçalves, bedel deíla Cidade, diz, que ouvio dizer que o dito Gonçalo foi filho de Lopo (aliás 
Joaõ) Fernandes Pacheco, & de Ignez Fernandes de Souza, fobrinha que foi de um meílre d' A viz; 
& o dito Lopo Fernandes fe naõ lembra bem fe foi filho fe neto de Lopo Fernandes, e de 
D. Mana, que eílaõ enterrados na fua capella da Sé deíla Cidade; & o mefmo diz Pedro Vaz de 
Almeida, morador neíla Cidade de Lifboa, fidalgo da cafa de £lRei3. 



* Bibliotheca Nacional, col. de MSS. de Maoael Severim de Faria, com o titulo Torre do Tombo, vol. m, pag. 663. 

* Bibliotheca Nacional, col. de MSS. de Manuel Severim de Faria, já citados, vol. iti, pag. 661 v. 

* Bibliotheca Nacional, col. de MSS. de Manuel Severim de Faria, citados, vol. in, pag. 662 v. 



XVIII ^ ESMERALDO DE SITU ORBIS (^ 

DOCUMENTO V 

EXTRACTO 

i5oo 

Que a partída de Belém como vofa alteza fabe, foy fegunda feira nove de março, & fabado 
quatorze do dito mez, entre as oito & nove oras, nos achamos antre as canárias mais perto da 
gram canária, & aly andamos todo aquele dia em calma á vifta delas obra de três ou quatro 
legoas, & domingo vinte &. dois do dito mez, aas dez horas pouco mais ou menos ouuemos vifta 
das ilhas de cabo verde, a faber, da ilha de Sam Nicolaao, fegundo dito de pedro efcobar, piloto, 
& a noute feguinte da fegunda feira lhe amanheceo (ficj fe perdeo da frota vaafco datayde com 
a fua naao fem hy auer tempo forte nem contrairo para poder feer, fez o capitam fuás deligencias 
para o achar a humas & a outras partes, & nom pareceo mais, & ajyfeguimos nojfo caminho por 
ejle mar de lomgo ataa terça feira d'oitavas de pafcoa, que foram vinte & lun dias dabríl, que 
topamos algdus fynaaes de terra, femdo da dita ilha, fegundo os pilotos deziam obra de feifcentas 
feíTenta ou fetenta legoas, os quaaes heram muita camtidade deruas compridas a que os marean- 
tes chamam botelho, & afy outras a que também chamam rabo daího. E aa quarta feira feguinte 
pola manhãa topamos aves a que chamam fura buchos, & neefte dia a oras de befpera ouuemos 
viíla de terra, a faber, primeiramente d hum grande monte muy alto & redondo, & doutras ferras 
mais baixas ao fui dele & de terra chaam com grandes aruoredos, ao qual monte alto o capitam 
pos nome o monte pafcoal, & aa terra a terra davera cruz.. . Defte porto feguro da vofla ilha 
da vera cruz oje feíla feira primeiro dia de mayo de i5ooi. 



DOCUMENTO VI 

EXTRACTO 

Elrei de cochim difle a Francifco de Albuquerque, que a determinação d'elrei de Calecut 
era em elle partindo da índia, bufcar todos os modos de o deftroir, pelo que lhe pedia, que lhe 
deixaíTe companhia de portuguefes para fua guarda, & defenfam de feu reyno, o que lhe prometteo 
fazer, mas a companhia nfio foi tal qual pêra um tamanho negocio convinha, porque fe partio 
com não deixar mais em feu favor, que huma náo & duas caravellas, & hum batel grande de uma 
náo, com obra de cem homens portuguefes, afora cinquoenta que ficavam na fortalefa, a capi- 
tania das quaes quatro velas deu a Duarte Pacheco Pereira, que por ferviço de Deos & d'elrei Dom 
Manuel a aceitou, fem arrecear o grande perigo em que ficavas. 



DOCUMENTO VII 

i5.. 

Carta de Duarte Pacheco Pereira a El-Rei Dom Manuel^ 

Senhor » a Jente com qe eu fervy vofa alteza na Indya depois qe me francifco dalboqer 
fsic) & afTomfo dalboqerqe deixaram fycaram comigo com condiçam qe do tempo de fua fycada 
ate fua tomada vencefem íeu foldo todo por inteiro poílo qe em outras nãos vihefem como 



' Carta de Pêro Vaz de Caminha, Real Arch, da Torre de Tombo, gar. S.', m. 3, n.* 8. 
" Damião de Goes, Chron, d'El-ReiD. Manuel, parte i, cap. lxxz, pag. 74 da chroo. mt. 
■Vid./flc^míteii.«i. 



FAC-SIMILE N." I 




ifij^ ^^ ty^r -xvi&t^ yj^fpi 















^ivf^ l^^^k jJj^ é^^r,>^^^/y,^^ J;:) 2^ 



kff^^yrf^ t?^'-J^"^ dyyro^i^ '^ ty^ O 'W«'>^4#p/^^PX /?H9/r^-Ç^-vd^ 










^<^A*7^< /^V— • 



















^-^t^^^/<vU/ 










H? DOCUMENTOS (^ XIX 

frandfco dalboqerqe & Affomfo dalboqerqe mos deixarem por feus afynados por determinaçam 
de mais vefes como lhe uofa altefa mandaua em feus Regimentos qe fefeíem toda couííbí de uofo 
ferviço por quanto doutra maneira nam queria ninguém fjcar & afy ficaram, comprindo muito 
a uoso férrico & fazer fe entam outra defpefa muito mayor da qe fe ftt de mais gente & nauios, 
quanto mais efta qe ere muy pouco uofo ferviço em fer tam peqena em tudo; em foldos de gente 
& gaílos & em armada ; fe a deus nam fizera grande com tanta yytoría por fer coufa vofla, uofla 
altefa Yentyra cam pouco vofo feruiço era ficar eu com tam pouca jente & tam mail fornecida 
como íyqey ; & pois vos nofo fenhor tanta vytoría quis dar comygo & com minha jente na Indya ; 
em a terdes tam fojeita & atormentada com as coufas que nela tenho feitas; qe foís nela o mays 
temydo Rey do mundo & a qem todo abarrifco abedece como eíla tam craro & manyfeíto ; tendo 
nofo fenhor tanto cuidado de uoías coufas em os ajudar & guardar como tam conhecidamente 
por mouros & jentios & judeos fe vy o tempo qe nela eílyue & poios portugezes qe la eftauam 
nam fe deuya vofa alteza efqecer delas nem de feus seruiços pois tam grandes & tam afynados 
foram; & os vos fenhor com tanta homra prouicaftes neíla Cidade & em vofos Reinos; querer 
vofa altefa i^ora moítrar alguma maneyra de defagardecimento na paga dos foldos defta Jente 
que uos tam bem feruio fendo tam pouca com tanto trabalho & Rifco de fuás pefoas ; & com tanto 
defejo de uos feruirem que as vidas nam eilymauam por ifo como ho eu afirmo afy a vofa alteza 
qe os vy muitas vefes neíles autos do primeiro dia qe francifco dalboqerque pelejou na índia 
& depois nas coufas que ele & aíFomfo dalboqerqe fizeram que foram mui grandes; & em tudo que 
eu depois fiz & asy no fazer do vofo caftelo de cochy em qe os eu muy bem vy trabalhar; do 
quall tempo certo fenhor eles mereciam muito milhor jomall que mandar lhe vofa alteza pagar 
o foldo alguns dos qe fe perderam com vicente fodré qe comigo vem do tempo qe fe perderam 
ate chegarem a eíla cidade & afy a todo los outros qe comygo da qy foram qe lhe nam qerem 
pagar por a minha nao fycar la & nam vyrem nela ; qe fe ma a mym nam deixaram trazer de qe 
eu efiou agrauado & doutras couías; & ela la fycou qe culpa tem a minha jente pêra lhe nam 
pagarem ; os qe fe veheram qe eles nam eram obrigados andar nela emquanto ela durafe & mais 
fycando ele comigo per aluara de francifco dalboqerqe & affomfo dalboqerqe qe pofto qe em 
outras nãos behefem ouuefem feu foldo todo por inteiro, o quall vofa alteza ja verta per dom 
martynho que o tem; & per qe eílo fenhor lhe deueys por boa conciencia alem do merecimento 
de feu feruiço; ho digo afy a voíla altefa polo qe eu deuo a uofo ferviço «Duarte pacheco 
pereyra. 

JVò ver/o ^^De Duarte pacheco sPera elRey nofo fenhor i . 



DOCUMENTO VIII 

i5o4 

Padram de blafam d'armas, e infignias que el Rey de Cochim 

deu a Duarte pacheco pereira 

Itiramamametim, QuUuniramá, Coul, Trímumpate, Rei de Cochim, fenhor de Vaipil de 
Arraul, de Chiríuaipil, & Narumgante, Bramana mór, midiante hos Deofes Tiralam, pagode, a hos 
que eíla minha carta virem, faço faber que no Anno de mil & quinhentos & quatro (conta dos 
chriílãos) no mes de março, elrei de Calecut veo fobre minha terra, com toda ha força & poder 
do Malabar pêra me deílroir, por eu acolher & favorecer hos portuguefes que a ho meu porto arrí- 
bauSo, pelo qual refpeito hos mais dos Reis, & Nambeadarés, Caimaes, & outros fenhores de 
Malabar me forio contrarios, no qual tempo nam tiue outro focorro que huma armada de portu- 
guefes, de que era capitam Duarte pacheco pereira, fidalgo da cafa dei rei de portugal meu fenhor 
& irmão, ho qual me aífegurou minhas terras, com muitos trabalhos & fadigas & plejas, em que 



Real ArdL da Torre do Tombo, Cartas dos vice-reis, m. onico, doe. 148, sem data. 



XX ^ ESMERALDO DE SITU ORBIS (^ 

fempre venceo elrei de Calecut & hos que com elle contra mim eram. Pelo que havendo refpeito 
a hos muitos feruiços que me fez, fem por iíTo nunqua de mim querer tomar nada, de meu pró- 
prio moto, & liure vontade, & poder abfoluto, por memoria & fmal de feus feitos, & dos traba- 
lhos que por mim paflòu neíla guerra, &. por honrra de fua peíToa, & dos que delle defcenderem, 
lhe dou por infígnias & fínaes de feus feitos & honrra que niflo ganhou hum efcudo vermelho, 
por final de muito fangue que dos de Calecut derramou neíla guerra, & dentro nelle lhe dou 
dnquo coroas douro em quina, por íinal de cinquo Reis que nella defbaratou, Sc ha bordadura 
deíle efcudo lhe dou branca com ondas azues, & oito caftellos nelia, de madeira verdes armados 
nagoa fobre dous nauios rafos cada caílello, por duas vefes que ho combateram com eíles oito 
caííellos, & dambas ho defbaratou, dou lhe fete bandeiras de ponta a ho derredor deíle efcudo, 
três vermelhas, &. duas brancas, & duas azues, por íete combates que lhe el Rei de Calecut deu 
em peíToa, & em todos fette hos defbaratou, & por fette bandeiras que lhe tomou das meímas 
cores, & feiçam, & dou lhe um elmo de prata aberto guarnecido douro, & o paquife douro e ver- 
melho, & por timbre hum caílello do mefmo theor, & nelle huma bandeira vermelha de ponta. 
Has quaes iníignias & armas elle poderá trazer, miíhiradas com as armas de fua linhagem, ou 
fem ellas quomo elle quifer, com ha dita bordadura ou fem ella, quomo lhe melhor parecer, por 
que eu de meu próprio moto & livre vontade, & poder abfoluto lhas dou quomo dito tenho, a 
elle & a todos hos que delle defcenderem, pellos muim grandes & aífinados feruiços que me 
tem feito como arriba he declarado : âc por fua guarda & minha lembrança lhe mandei fer feita 
eíla carta por mim aílignada. Chirícandá fcriuâo de fua fazenda ha fez em Cochim, a hos dous 
dias do mes dagofto de mil & quinhentos & quatro, conta dos chriílaos. Foi eíle padrSo d'armas 
treíladado de lingoa Malabar na porcugueía, per Álvaro Vaz fcriuão da feitoria de Cochim, & 
concertada com ho mefmo Chiricandái. 



DOCUMENTO IX 

i5i3 

Prcvifáo d'ElRei Dom Manuel para /e pagar a D. Antónia^ mulher de Duarte Pacheco 

40:1^000 réis por conta da tença para/eu ca/amento 

Dom Manuell per graça de Deus Rei de Purtuguall & dos alguarues daquem & dalém mar 
em africa fenhor de guine etc.* Mandamos a vo,s recebedor de nofa cafa da íiza da fruita deíla 
cidade que do rendimento dela deíle ano prefente de quinhentos âc trefe des a dona amtonya 
molher de Duarte pachequo fidalgo de nofa cafa quarenta mill reis que lhe mandamos dar & mon- 
tam no fegundo terço dos cento & vinte mil reis que montaram nas mil coroas > de que lhe fe- 
zemos mercê pêra ajuda de feu cafamento por que do primeiro terço foi pago o anno paíTado & 
dos quarenta que lhe ainda ficam por pagar do derradeiro leua lembrança, & a lembrança que 
tinha dos ditos fegundo & derradeiro terços foy rota dos quaes lhe vos fareis bom pagamento & per 
eíla nofa carta com feu conhecimento vos feram levados em quonta. Dada em Lixboa aos quinze 
dias de junho elRey o mandou pelo baram daluito do feu comfelho & vedor de fua fazenda de 
mil quinhentos & trefe >s=ho baram daluyto= Quarenta mil reis a dona amtonya molher de Duarte 
pachequo do fegundo terço dos cento & vinte mil reis que montam nas mil coroas que ôue de 
mercê pêra ajuda de feu cafamento & dos outros leua lembrança em a íiza da fruta. 

Eu duarte pacheco digo que he verdade que receby de Joham Rodrigues em começo de 
pago deíle defembargo dez mill reis & por que receby dele os ditos dez mil reis lhe dei eíle feito 
& afynado por mim oje oito dias de nobembro de quinhentos e treze «s Duarte pacheco pyreira 3. 



* Damifio de Goes, Chron, d'El-Rei D. Manuel^ part, i, cap. c, pag. 71 da chron. ms. existente no Real An:h. da Torre 
do Tombo. 

' Cada coroa valia n'esta epocha cento e vinte réis. 

' Real Arch, da Torre do Tombo, Corp, chron,, part. 11, m. 39, doe. ta. 



5^ DOCUMENTOS (^ xxi 

DOCUMENTO X 

1675 

Joaô Fernandes Pachequo — Provifaõ 

Dom Sebaíliaõ, etc., como governador, etc., faço faber que avendo refpeito ao que na peti- 
ção atras efcrita na outra meia folha defta diz frei Joam femandes pachequo fidalgo de minha 
cafa & commendador da comenda de Saó Salvador do banho da dita ordem ei por bem & me 
praz que na menagem em que eftá prefo fe venha aprefentar neíla corte dentro de hum mez 
que começaram da feitura deíla perante o doctor gonfalo dias de carvalho Juiz da dita ordem 
e os. . . deputados da mefa da confciencia fob pena de lhe não valer a dita menagem. . . mando 
as juíUças a que o conhecimento diílo pertencer que lhe cumpram & guardem eíla provifaõ como 
fe nela contem, el rei noílb fenhor ho mandou pelos deputados do defpacho da mefa da confcien- 
cia &i ordens, francifco taveira a fez em Lifboa a onze de outubro de mil quinhentos fetenta & 
cinquo. Lopo Rodrigues Camelo a fez efcreveri. 



DOCUMENTO XI 

i533 

Dom Joham etc.* a quantos efta minha carta vyrem faço faber que avendo eu refpeito aos 
ferviços que tenho recebidos de Duarte pacheco pereira que deos perdoee & querendo por iíTo 
fazer graça & mercê a Joam femandes pacheco pereira feu filho meu moço fidallguo tenho por 
bem & me praz que elle tenha & aja de mim de tença em cada hum anno em quanto minha mercê 
foor vynte mill reis dos cinquoenta mill que vagaram por falecimento do dito seu pay os quaes 
averaa de janeiro que vem de quinhentos trinta & quatro annos, & mando a vos veadores de 
minha fazenda que lhes façam afentar em os meus livros delia & do dito Janeiro em diante Uies 
defpachem em cada huum anno pêra llugar aonde lhe fejam bem pagos & por firmefa dello lhe 
mandei dar eíla carta por mim asynada & afenllada de meu fello pendente. Manuel de Moura 
a fez em evora a defenove dias de junho do anno do nacimento de nofo fenhor jelus chriílo de 
mil quinhentos trinta e tres^. 

DOCUMENTO XII 

1526 

Trinta e nove mil reis no vêr do pêfo de Lifboa a Duarte Pacheco que lhe eram devidos 
de fua tença do anno paílado de 1524, de que tinha alvará de lembrança, que foi roto em almei- 
rím a 17 de agoílo de x5263. 

DOCUMENTO XIII 

i5i6 

EXTRACTO 

Mandado 4 do Conde Prior mór, a gonçalo Vaz, tratador das moradias para que pague a 
Duarte Pacheco Pereira, fidalgo da Cafa Real, 2060 de fua moradia de cavalleiro a 1700 por mez 
& alqueire de cevada por dia do mez de abril d*efle anno, que foi certo adoecer na corte. Lifboa 
3 de Setembro de i3i6. Com eíla vai na folha de 19^ 



* Chancell. da Ord. de Christo. 

* Real Arch, da Torre do Tombo, Chaucellaria de D. João iii, I. vn, foi. 75 v. 

* Real Arch, da Torre do Tombo, Ementas, 1. i, foi. 10%. 

* Náo encontramos o original ; é possirel, porém, que exista. . 

* Bibliotheca Nacional, col. de MSS. de Manuel SeTerím de Faria, )á citedos, vol. ui, pag. 658 v. 



XXII f*) ESMERALDO DE SITU ORBIS <!*^ 

DOCUMENTO XIV 

i5i9 

Duarte pacheco pereira de todo a níill & fetecentos por mez á daver com cevada íeis mil 
cento & oitenta i . 



DOCUMENTO XV 

l520 

Duarte pachequo pireyra fídalguo da cafa delRey nofo fenhor capitam & governador delta 
cidade de Sam Jorge da mina mando a vos Jam de figueiredo feytor delRey noíTo Senhor que des 
hum pintado de gonçalo Vaz, & uma aljerevya tenez, três varas de lenço nabal, & um barrete ver- 
melho, & huma bacia de miyar que mando dar a elRey dos acames, & duas aljerevias pequenas 
pêra dous cavalleiros feus por aíTy fer custume, & fe dar por ordenança delRey noíTo fenhor por 
cheguada dos feus capitães a eíla cidade, & aify vos mando que des huma masona, & huma alje- 
revia pequena & duas varas & meya de lenço nabal & um barrete vermelho que mando dar a 
elRey dos abermus por fer ordenança do dito fenhor de fe lhe dar por eílar no caminho dos mer- 
cadores as quaes cousas vos mando que des & entregues a Jam vieyra que la mando ora nova- 
mente vifytalos, & vos mando que lhe des pêra fua defpeza pêra ele & pêra dous efcravos que 
lhe levam efte fato, & pêra huma limgoa que com ele vay feys aljerevias pequenas & per elle 
com ho afento dos efprivâes da defpefa a que mando que volo lamcem em defpefa vos fera 
levado em comta. feyto por mim vasco da mota efprivam defta feytoría aos oito dias dagofto 
de mil quinhentos & vinte ==> Duarte pacheco pyreira = Vafco da mota>. 



DOCUMENTO XVI 

l520 

Duarte pachequo pireira fidalguo da cafa delRey nofo fenhor capitam & governador defta 
cidade de Sam Jorge da mina, mando a vos Jam de figueiredo feytor delRey noíTo fenhor que 
des duas varas & meya de lenço nabal pêra huma braga que mando dar a hum cavaleiro da futo 
por afy comprir a ferviço delRey nofo fenhor & por efte com ho afemto dos efprivâes da defpefa 
a quem mando que volo lancem em defpefa vos fera levado em conta feyto por mim vasco da 
mota efprivam defta feytoría aos oito dias d'agofto de mil quinhentos & vinte = Duarte pacheco 
pyreira =:Vafco da mota. 

No ver/o w^ManásiáQ do capytam em que manda que de duas varas & meia de lenço a huum 
negros lançado em defpefa 3. 



DOCUMENTO XVII 

l522 

Dom yoham etc.* A quantos efta nofa carta virem fafemos faber que comfiamdo nos da 
bomdade & defcríçam de dom afomfo dalbuquerque fídalguo da nolTa cafa, & por fermos certo 
que em todo o que emquaregarmos nos ha de fervir bem & fielmente com aquele cuidado & 
recado que fe dele efpera avendo alem de todo refpeito a feus ferviços & merecimentos por bem 



* Real Arch, da Torre do Tombo, verba no Livro das híoradiat da Casa Real, do anno de iSig, m. i, I. ir, foi. i3. 

* Real Arch, da Torre do Tombo, Corp. chron., part, n, m. 91, doe. 37. Yiá.fac-simsle n.* s. 
*Real Arch, da Torre do Tombo Corp. chron., part 11, m. 91, doe. a . 



FAG-SIMILE N.» 2 







-xy^ o^ C0^ €Jj^' df^ iVu^Cv^-' ^7^<M^ 








O^^^^i^'M^^ ^ ^v6^^o^ Sr y^ ^ e^-'d^r^ 











\ 



f*J DOCUMENTOS (^ xxiii 

& O damos por capitam da nofa cidade de Sam Jorge da mina, ]>elo tempo conteúdo em nofo 
regimento afj & pela maneira que o ate qui foy duarte pachequo que a dita capitania teve com 
todo o muito próis percalços & poderes homras liberdades a ele ordenadas e comteudos no dito 
regimento & provisões nolTas que para iflò leva, notifícamolo asy ao dito duarte pachequo & lhe 
mandamos que tanto que eíla vir entregue a fortaleza da dita cidade ao dito dom affomso com 
todo o que nela eíliver fem faltar coufa alguma & afy mandamos aos feitor & oíiciaes & mora- 
dores & quaisquer pefoas outras que na dita cidade efteverem que ajam ao dito dom a£fomfo fo 
por capitam dela & obedeçam em todo o que demandar afy como fe acuftuma fafer aos noíTos 
capitães por quanto nos Memos mercê da dita capitania ao dito dom affomfo como dito he per 
eíla nofla carta que lhe mandamos dar por nos aíjnada, e afelada de nofo feio pemdemte. dada 
em Lifboa aos quatro de julho. . . eanes a fez ano de nofo fenhor jefus chriílo de mill quinhentos 
vinte 6l dous annos'. 



DOCUMENTO XVIII 

EXTRACTO 

O que toca á grande honra que lhe (a Duarte Pacheco) elrei Dom Emanuel fez em chegando 
a eíle reyno, é o feguinte. A quinta feira depois da armada de Lopo Soares furgjr no porto de 
Lifboa mandou fafer uma prociífam folemne, do modo que fazem as do corpo de Deus, em que foi 
da Sé ate o mofleiro de S. Domingos, levando Duarte Pacheco á fua ilharga, junto comfigo, onde 
o Bispo de Vizeu Dom Diogo Ortiz fez uma pregação em que relatou tudo o que lhe acontecera 
na índia, & o mefmo mandou fazer per todo o re3mQ, & o efcreveo aos mais dos Reis, &^ Príncipes 
chríílãos. Mas o fim d'eilas honras em galardão de tantos ferviços, & doutros que Duarte Pacheco 
depois fez a ElRei, como fe adiante dirá, foi de calidade que fe pode d'elle tomar exemplo pêra 
os homens fe guardarem dos revefes dos Reis, & Príncipes, & da pouca lembrança que muitas 
vefes tem d*aquelles a que fam em obrígaçam porque a maior mercê que Duarte Pacheco alcançou 
pelo premio de taes ferviços foi a capitania da Cidade de São George da Mina, d*onde por capi- 
tulos que delle deram o mandou elrei trazer ao reyno em ferros, & fem lhos tirarem dos pés, 
eíleve muito tempo prefo na cadea, ate que por fe faber ferem parte das culpas que lhe punham 
falias, & as outras tão leu es, que em hum tal homem não podiam ter nome de culpas, o foltaram 
tão pobre, como o era quando foi pêra a Mina. £ afli viveo todo o mais do difcurfo de fua vida, 
com muito desgofto, & em tanta pobrefa, que feu filho único, legitimo, Joam Fernandes Pacheco^ 
& fua mãe, que ao prefente vivem, por lhe elle nam deixar fazenda para fe poderem manter como 
devem, paílam tão eíhreita vida, que ião conílrangidos a viver, elle não como os feus propríos 
ferviços (alem dos de feu pai) merecem, &, ella do pouco que lhe elle pode dar, & efmolas que 
lhe fazem peíloas honradas. Elíle foi o galardam que Duarte Pacheco ouve em fatiíFação de tão 
grandes & memoráveis ferviços como os que fez á Coroa deites reynos>. 



DOCUMENTO XIX 

i525-i526 

Femam daluares mandamos que des a Duarte pacheco fídalguo de mynha cafa trefemtos 
cruzados em parte de paguo de certas joyas douro que vieram da mina fuás & fe entregaram ao 
thefoureiro da caía da mina as quaes lhe mandava entregar por outro mandado & lhe nam foram 
por elle entregues por ferem delFeytas, & eíle femdo primeiro certo por certidão dos ofíciaes da 
dita cafa da mina como fica poíla verba na recepta das ditas joyas que houve pagamento dos 
ditos trefemtos crufados em vos em parte de pago delias & que ho embarguo que nellas era 
poílo nam era por outra coufa fenaó por meu mandado, & por eíle com feu cordiecimento & 
a dita certidam vos ferám levados em comta feito em Allmeirym a vinte & três de dezembro 



* Real Arch, da Torre do Tombo, CJumcellaria de D, João m» I. 5i, íol. 184 y. 

' DamUo de Goes, Chron, d'El-rei D, Manuel, part, i, cap. c, pag. 73 da chroo. ma. 



XXIV 5^ ESMERALDO DE SITU ORBIS í^i 

gafpar mendes o fez de mil & quinhentos vinte & cinco. E eu damiam dias .a fiz efcrever. Rey 
com rubríca. 

Trefentos crufados em femam dalvares a Duarte pacheco em parte de pago das jojas. 

Recebeo Duarte pacheco de femam dallvares por femam Rodrigues de pahna que por 
mandado delRey noílo fenhor tem cargo de fervir o feu olGcycyo os trezentos cruzados contidos 
nefte mandado acyma efcríto & ambos afynamos aquy em aUmeirím oje cinco de fevereiro de 
quinhentos vinte & féis. = Bailiam da Cofta ^s Duarte pacheco pyreira. 

No ver/o =» Ja pus verba homde efte ouro efta receytado como ouue pagamento de tre- 
zentos cruzados em femam daluares a defoito de Janeiro de i526 » Amrríque Homem = Regif- 
tado gafpar mendes >. 



DOCUMENTO XX 

i534 

Provifáo de ElRti Dom Joáo ni^ para fe darem 20^)^000 réis 
de tença a Joáo Fernandes Pacheco 

Dom JohSo per graça de deus Rey de purtuguall e dos alguarues daquem e dalém mar em 
aífrica fenhor de guine etc.* Mando a vos almoxarife ou regedor dalfandegua de Lifboa que do 
rendimento dela deíle ano prefente de quinhentos trinta e quatro deys a Johâo fernandes 
pacAecos íilho de duarte pachequo vynte mill reis que lhe mando dar & o dito ano de mym 
á daver de fua tença que de mym tem. E vos faze lhe bom paguamento & per efla com feu conhe- 
cimento vos ferão leuados em conta elRey o mandou por dom Rodrigo Lobo do feu confelho 
& veador de fua fazenda. Manuel aluaro o fez em euora a vinte & dous dias de junho de mil qui- 
nhentos trinta e quatro ««cAama/e Joam fernandes /?tfcAíco 3= Rodrigo Lobo. 

E por quanto ho dito João Fernandes eílá fervindo me em çaíim mando ao almoxarife ou 
Regedor da dita alfandegua que pague os vynte mil reis conteúdos neíle defembarguo a fua may 
poílo que pêra iíTo nom moílre procuração & per efie com feu conhecimento mando que lhe fejam 
leuados em conta, domingos de payua o fez em euora a defoito de março de mil quinhentos 
trinta e cinco = Rey. 

Regiílado= Garcia de Refende^ Quarenta mil reis nalfandegua de Lifboa a Joham fernan- 
des pachequo de fua tença deíle ano=Vasco fernandes Coutinho. 

Recebeo dona antonia Maye de Joham fernandes pacheco nomeado no defembargo atras 
efcríto do almoxarife Diogo fernandes das povoas per gomes pacheco governador os vynte mill 
reis decrarados em o mefmo defembarguo da tença do dito feu íilho os quaes recebeo por vertude 
do dito defembargo & poílilla poíla ao pee delle fynada por elRey noíTo fenhor & deu lhe eíle 
conhecimento fynado por ella & por mym eytor lamprea ifprivam deíla alfandega que o fiz em 
ella oje quatorze de junho de mil quinhentos trinta & cinco = Eytor Lamprea = Dona antonia 
dalbuquerque"*. 



DOCUMENTO XXI 

1576 

SeíTenta mil reis na alfandega deíla Cidade de Lifboa ha João Fernandes Pacheco, íilho de 
Duarte Pacheco, que lhe fão devidos (^as novidades dos 2o;flkxx> reis que tem de tença, que 
ficaram por pagar dos annos de 1570-71-72, de que não ouue pagamento em pane alguma, dos 
quaes hade haver pagamento no thefoureiro mor, & não na dita alfandega. Em Lifboa a 7 dou- 
tubro de 1576 5. 



* Corp, ckron., pait. i, m. 33, n.* 4a. Víd. fiic-nmile n.* 3. 

* Por letra de Garcia de Rezende. 

' Por letra do mesmo Garcia de Resende. 

* A letra d'esta assignatura é muito parecida com a de Duarte Pacheco. Real Ârch. da Torre do Tombo, Corp. ehron*, 
part. I, m. 53, doe. a3. 

* Real Arch, da Torre do Tombo, Ementas, 1. n, foi. 169 v. 



^ 
















^ ^ " '■' 







^ 






XXVI ^ ESMERALDO DE SITU ORBIS <^ 



y ella con ellos madraíla) 

como lo fera contnigo : 

de Calecut y fu barra 

falio, dexando me a mi 

aquellos puertos en guarda. 

Luego elRey de Calecut 

declaro el ódio por cartas, 

que ai Rey de Cochin tenia 

en fus danadas entrarias, 

convocando ai de Tanor, 

y ai de Vipur, cuya caufa 

ayudó el Rey de Coriga, 

y el de Cobagon, con armas : 

fe juntaron cinco Reyes, 

a cuya opueíla arrogância 

en favor dei de Cochin, 

que humilde te ofrece parias, 

fali yo, mas la verguença 

me anuda aqui la garganta, 

pues contra fefenta mil 

hombres, que en tierra, y armada 

pufo el Zamorí, me hallé 

con fefenta hombres, eftraila 

temerídad pues con ellos, 

y una caravela armada, 

y dos barcos defendi 

ai Rey el pafo en el agua, 

de fuerte, que con la vida 

temio perder la efperança ; 

huyeron los de Cochin, 

que en mi ayuda fefialara 

fu Rey a eíla fuerte emprefa, 

y ni por eíTo defmayan 

tus valientes Portuguefes, 

antes en fus fuerças hallan, 

mas folos, mas reíiílencia, 

efta pérfida canaUa. 

Dimos por mar en fu exercito, 

aqui puede la alabança * 

dei gran valor Português 

alçar a todos eílatuas. 

Pues (iendo todos tan poços, 

que cabia a cada efpada 

de los nueitros, en rigor, 

mas de ochocientas contrarias. 

Los enveíHmos de fuerte, 

con gallardia tan alta, 

que Uegó fu efpanto y miedo 

a confeífamos ventajas. 

Matamos tantos* quês jufto 

callarlos, porque la Fama 

con jufta caufa de embidia 

créditos niegue a eíla hazana. 

Partionos la noche el Campo, 

y ai otro dia, guiada 

la gente a entrar en Cochin, 

de dei Calecut, con armas. 



H? DOCUMENTOS <^ XXVII 



Le fali al pafo y detuve 
con tus foldados, la rabia 
de los Reys fe vio junta 
en efta ocafíon bizarra. 
Botando fuego fu aliento, 
y fu eí!uerço ardientes llamas, 
de ver numero tan poco, 
defender cofa tan ardua. 
Retiraronfe corridos, 
maquinando nuevas traças, 
de Elefantes y Cailillos, 
ya por tierra, y ya por agua. 
Llegóme otra Caravela, 
que dio aliento a mi efperança, 
con ciento y diez Portuguefes, 
ya el Zamorí pueilo eílava 
en orden, para enveílimos 
con una maquina eílraiía, 
de cailillos de madera 
fobre Parós, y por guarda 
duzientas y ochenta velas 
pufo en pielagos de prata : 
enviftio las Caravelas 
con tal furor y algazara, 
que la tierra y mar fe hundian 
en trovellínos de balas : 
pêro nueílra artilleria 
los recebio con tal falva^ 
que los Parôs y Caítillos 
nos boluieron las efpaldas: 
se lua de efpumofa fangre 
fe vio en tomo dilatada, 
por providencia dei Cielo^ 
que no por fuerças humanas: 
ya los Delfines ahitos 
de beber fangre nadavan, 
y entre bomitos de espuma 
iufpenfos el mar eftraiian. 
Defmaiado el enemigo, 
de confeguir la vengança 
entre fu efcarmiento y miedo, 
corrido fe defengalia. 
y al fín fefíor poderofo 
por no canfar con palabras, 
donde tan heroycas obras 
los cinco Reyes defmayan^ 
les mate veinte mil hombres, 
les venci en fíete batallas, 
con que los Reyes vencidos 
dexaron el campo y armas, 
pidiendo pazes los unos, 
los otros dandote parias, 
en cuyo nombre les di 
caftigo de fu arrogância, 
y en el de Dios la victoria, 
a quien rindamos las gradas. 



XXVIII ^ ESMERALDO DE SITU ORBIS í^ 

Refponde-lhe o Rei 

Duarte Pacheco, el rendirlas 
fera con grandeza tanta, 
que una Procefion folomne 
quiero que ma5ana fe haga, 
y a mi lado os Uevarè. 

Depois de tantas mostras de agrados e honras, começa a inveja 'a minar a importância dos 
ferviços de Pacheco, e este a comprehender quam ephemera é a gloria, e d*isso principia a quei- 
xar-se. 

Poço a poço, altivas glorias; 

en cuyo engaão, cifrado 

veo quel bien es preílado, 

que ofrecen vuestras memorias, 

no os animen las victorias, 

de vueftro breve fumario : 

porquês el mundo contrario 

a los hombres de opinion, 

teíligo deílo es Cypion, 

Xerges, y el gran Belifario. 



N'um dialogo entre Pacheco e D. Rodrigo de Mello prova que Pacheco era bastante religioso. 

D. Rodr. No vais Pacheco a Palácio 

ella noche. 
D. Pac, En el rocio 

quedo en mi cafa entretanto, 

que vais vos en mi exercício. 
D. Rodr. Por dichaes refar? acafo. 
D. Pac, El oficio de laVirgen. 
D. Rodr, £1 exercio os alabo. 
D. Pac, Amigo es divina cofa, 

yo os confieíTo que en el pafo 

de Cambalon, una vez 

me vi de fuerte apretado 

dei poder de Zamorí, 

con balas que me tiraron 

los pérfidos enemigos 

a mi, y los demas foldados, 

que me pufe en oracion, 

y victoriofo en refando 

quede de todos. 

Cordeiro descreve os amores de Pacheco, seu casamento, ida para a Mina ; e voltando d'ali 
preso em ferros, a queixa que fez a D. Manuel : • 

Sin yerros, que cometi 

por mares de mi deflierros : 

a tus pies prefo con hierros 

me trahe la embidia aífi: 

íin yerros, fenór, perdy 

vueftra gracia, gran rigor, 

mas yerro fiíera, fenór, 

no venirme eíla defgracia, 

porquel perder vueítra gracia, 

yerros son de algun traydor. ' 



-^ 



Hi DOCUMENTOS (^ xxix 

Eílos, en refolucion, 
con que prefo me ban traydo, 
yerros de desgraça han sido, 
que de culpa no lo fon : 
no pido deilos perdon, 
judicia, gran feiior, pido, 
de quien hafer me ha podido, 
tanto mal, y en tal defuelo 
de Yos, para vos apelo, 
agraviado, y offendido. 

Quando D. Manuel lhe diz que está perdoado^ responde-lhe Pacheco. 

De que, 

gran fenõr, que yo no fiento, 

que eílé Pacheco culpado : 

y pues no lo eítoy, bien puede 

efcufar eíTos perdones 

en delitos que no he becho : 

bueno quedo, gran feilor, 

de defhonrado y de prefo, 

con, ya perdonado eílais. 

Na segunda parte da comedia, em que entra D. João lU, aprefenta Cordeiro a Pacheco em 
constante entrega de memoríaes a D. Manuel. 

Ya mis memoríales fon 
tantos, fenõr que acovarda 
mi pecho vueÃro rigor : 
y de veros tengo empacho, 
viendo, que todos, defpacho 
tienen, íi no es yo feiior. 
Quien como yo os ha fervido 
ni mas fangre derramado 
- por vos, o quando soldado 
tuviíleis mas atrevido. 
Yo fiiy, tu Majeílade note, 
y acabe con el papel : 
ó invictiíTimo Manuel, 
en la índia fiero açote 
de cinco Reyes Gentiles, 
con fefenta hombres no mas, 
hizo fobre Troya mas 
el valentiíTuno Aquiles ? 
Y para quel mundo afombres 
con eíla hafafia gentil, 
los venci a fefenta mil, 
con ciento e fetenta hombres. 

É interessante a seguinte descripção que Pacheco faz ao filho, dos serviços que prestou â 
pátria. 

Yo Juan Fernandes Pacheco, 
cuya vida el Cielo guarde 
para luz de aqueílos ojos, 
y alivio de vueilra madre, 
fervi ai Rey en las fi-onteras 



XXX ^ ESMERALDO DE SITU ORBIS (%i 

de Mazajan, Ceuta y Tanger, 

defde mi primero boço 

como el mundo todo fabe, 

no encarefco las hafaiias 

que hize en ellas, quês canfanae, 

y alabança em propria boca, 

ya fabeis quês difparate. 

Pafé a la índia, y gane 

tanta opinion que Alexandre 

íi viuiera en tiempo mio, 

embidia pudieran darle 

afombros de mis vitorias, 

como penas mis pefares, 

Çi en recompenfa de todas 

llegó a viver miferable. 

Que a cinco Reyes venci 

en féis batailas navales, 

con dos caravelas folas, 

para prueva defto baile, 

con fetenta hombres no mas, 

me opufe a la fúria grave 

de fefenta mil gentiles, 

y los venci, i no os efpante, 

con ciento y diez Portuguefes, 

que vinieron a ayudarles 

a los fefenta que avia 

por defenfa de mi parte, 

que veinte mil les matamos, 

y que pidieron paxes 

los cinco Reyes vencidos, 

ya lo fabeis, y que tales, 

fueron las hazaíias mias: 

que defpues de furcar mares, 

y dar buelta dei Oriente, 

el Rey por favor notable 

con palio a fanto Domingo 

mi llevó, mirad ii iguales 

favores jamais fe han hecho, 

ni que vaíTallo gofaíle 

en Portugal tal ventura, 

para tan triftes pefares : 

con vueftra madre café, 

y diome el Rey por premiar me 

la Capitania mayor 

de San Joi^ge, dando ai ayre 

las velas, parti a la Mina, 

donde traydores covardes 

mi lealtad defcompuíieron, 

con engafíos y crueldades : 

entre los teftigos que huvo 

que mi pacieneia apuraíTen 

tiue un clérigo amigo mio, 

eíle negando a fu fangre, 

la fé de fer bien nacido 

me offendio com fus ultrages: 

fentilo, como era jufto, 

que soy hombre, y no foy As^eL 



ffcí DOCUMENTOS (%i XXXI 

Cegue me de la pafion, 
y pude tanto el cegartne, 
que con un baílon le dy, 
no refpetando el caracter 
que deviera, como es judo, 
de aqui mis males Juan nacen, 
vine en príiion a eíle Reyno, 
gaíle mi hafienda en librarme, 
tuve amigos, tuve deudos 
que mi inocência amparaíTen. 
De la prifíon fali libre, 
pêro hafer que me defpachen 
ha veinte annos que no puedo 
con fervidos tan reales. 

Quando vai depois desterrado por ordem de D. João III, despede-se da mulher e do filho, 
e diz-lhe: 

El Rey Dom Juan mi fenor, 
que viva eminentes fi^os, 
como Portugal defea, 
y yo deíTeo, ofendido : 
en pago de mis trabajos 
por dar premio a mis fervidos, 
de Portugal me deftierra, 
por eíla cédula, amigo. 
Entrando a hablarle eíla tarde, 
ni hablarme, ni verme quifo, 
dexando me por refpuefta 
eíle papel atrevido. 
No fiento tanto el deftierro, 
como que en el venga efcrito, 
que soy traydor, hijo amado, 
si yo lo foy, bien fe ha vifto. 
Los dos lo fabeis muy bien, 
no fé dei Rey los deíignios, 
mas de fer yo defdichado, 
puedo dezir que ha nacido. 
A los nK>ntes, a las fieras, 
a los campos, a los rifeos, 
a los mares, y a los vientos 
quizera quexarme a gritos 
de tan fieras finrazones, 
de tan injuftos caftigos. 
Mas donde podra mi Uanto 
tener mas guílofo alivio^ 
que en un pedaço dei alma, 
y en un alma em que yo vivo. 



Quantas proefas y glorias 
con mi valor he adquirido, 
cuya verdadera prueva 
guardaua el débil archivo, 
deílos papeies que veis 
hechos pedaços deftintos, 
que mi enojo aqui ha rafgado, 
y mi cólera rompido. 



XXXII ^ ESMERALDO DE SITU ORBIS (%i 



Todos quiero que fe pierdan, 
todos mueran como vivo, 
que el premio en el defdichado, 
Vienem a fer los caftigos. 



Com Pacheco foi para o desterro um certo Gonçalo (Gracioso), que trouxe a noticia do feu 
fallecimento, e um papel que Pacheco escreveu á hora da morte para ser entregue a D. JoSo III. 

Gonç. En Valença de Aragon, 
pobre, trifte y miferable, 
en im hofpital murio, 
aquel exemplo conftante 
de valor, cuyas defdichas, 
folo mi pecho las fabe. 
Eíle papel te efcrívio 
invicto Rey, a la margen, 
dei en que pude tu enojo 
de Portugal defterrarle, 
efpirando me le dio, 
con mil lagrimas. 



Lê o papel 



Rey Don Juan, fin offenderte, 

por efte me deílerrafte, 

tratando me de traydor, 

fi yo lo fuy, tu lo fabes« 

Plega ai cielo que algun dia 

no eches menos, ni te falte 

efte traydor en la índia, 

que le ganó con fu fangre 

a tu padre, mas vitorias 

que me acompaSan pefares, 

Eftos caíligos, fefior, 

ingratitudes tan grandes, 

rigores tan. inauditos, 

plega el cielo que no paguen, 

tus hijos por tu ocafion : 

que el Reyno donde fe hazen 

tan injuftas tyranias, 

que mueren por hofpitales, 

quien fu grandefa adquirio, 

calligo no eípere tarde. 

Yo muero en tanta pobrefa, 

que no fé íignificarte 

el alegria que tengo 

de que tengan íin mis males. 

Si os enternecem, feiior, 

eílas quexas y pefares, 

merezca Dona Beatriz ^ 

y mi hijo Juan Fernandez, 

que vós le les deis por mi muerte, 

lo que en vida me negafteis* 

Duarte Pacheco Pereira. 



A mulher chamtva-se D. Antónia de Alboquerqne. 



índice 



EXISTENTE NO 



CATALOGO DOS MANUSCRIPTOS 

DA 

BIBLIOTHECA D'EVORA 

Efmeraldo de íitu orbis, feito & com podo por Duarte Pacheco, cavaleiro da caza delRey 
Dom Joam o 2.^ de Portugal, que Deos tem ; derígido a ho muito alto, poderofo Principe & fere- 
niífimo fenhor o fenhor Rey D. Manuel noíTo feahor o i.° deíle nome que reynou em Portugal. 

É uma efpecie de Roteiro cofmographico-hiílorico dos Defcobrimentos Ultramarinos por- 
tuguefes. ^ 

Começa o Prologo» — Muyto alto Poderofo Príncipe & Sereniflimo Senhor, nom no pode- 
remos efcufar. . . 

Contém : 

Primeiro liuro 

CapJ* j — Particular decraraçam d^alguns cijculos fupríores &, afento da terra. Com. — 
Nom deuemos duuidar que os philofofos & antiguos fabedores diferom. 

Cap.^ 2 — Da cantidade & grandeza da terra & daugua qual deíla he a mayor parte. 

Ca/.' 3 — De como Seem Caão & Jafet filhos de Noé defpois do deluuio cada hum abitou 
fua parte da terra, & como lhe poferom nome Europa, Afya & Africa, & os lugares por onde fe 
diuidem. 

Cap.l 4 — Do naíBmento do nílo, & por onde corre. 

Cap.^ 5 — Das quatro bocas que o nilo faz & honde fe mete no mar. 

Cap,* 6 — Como he couza proueytofa faberfe donde fe deuem contar os graaos de ladeza 
& da longura do orbe. 

Cap,"* 7 ~ Da Taboa dos graaos que eftes luguares hapartam em ladeza da linha equino- 
cial contra ho poUo artico. 

É a Taboa dos logares 

No mefmo capitulo eftas Taboas : 

«Eíles faó os graaos de ladeza que fe eftes luguares hapartam da linha equinocial contra ho 
pollo antartico.» 

«Eftes fom os graaos da ladeza que fe eftes luguares da terra do Brazil dalém mar ociano 
hapartam da linha equinocial em ladeza contra ho pollo antartico.» 

CapJ" ^ — Do circulo da equinocial & donde fe entendem os graaos do orbe da longura 
& ladeza. 

Cap,* g — Do curfo que o foi faz contra cada hum dos trópicos. 

Cap,* JO — De como fe ham dajuntar os graaos que o foi fobir aos graaos de fua decrina- 
çam daltura que aíim fobir. 

Cap,* II — De modo & conto que nos he neceíTario para fe faber ho encher & vafar do 
mar na mayor parte da efpanha & aíim em outras partes honde ouuer marees. 

E 



XXXIV ffcí ESMERALDO DE SITU ORBIS (^ 

Cap.* J2 — Como pêra fe tirar & faber a maree he neceílkrío faber primeiro agulha de 
marear. 

Cap.* j3 — Como os cofmografos antíguos come&rom a efcreuer ho cercoyto do orbe da 
boca do eílreito para fora, a qual hordem nos feguiremos. 

Cap.* 14 — Das rotas, conhecenças, fondas, & marees & graaos que o poUo artico fe lauanta 
fobre o circulo do hemifperío de Tanger pêra diante contra Guinee & índia 

Cap.* iS — Das rotas, conhecenças, fondas Sí marees & alturas do pollo artico darzila para 
Larache, & daly para baixo. 

Cap.* j6 — Das rotas, conhecenças, fondas, marees, & alturas do pollo dalmancora & fan- 
dala pêra diante contra Guinee & índia. 

Cap,* jj — Das rotas, conhecenças, fondas & marees & alturas do pollo artico dany fee 
pêra hazamor & dy pêra diante. 

Cap.* j^--Das rotas, fondas, conhecenfas de terras & alturas do poUo artico de tyty em 
diante correndo pela fegunda parte do Reyno de Feez. 

Cap.* jg — Das rotas, conhecenças & graaos que o pollo artico fobe fobre ho circolo 
hemifperyo de Çafy para diante & alguns luguares. 

Cap.* 20 — Das rotas & conhecenças das terras &. graaos que fe o pollo artico haparta da 
equinocial do cabo de gueer em diante. 

Cap.* 21 — Dos montes craros & fua bondade âc afy do fabulofo monte hatalante. 

Cap.* 22 — Como Deus revelou ao virtuofo Infante Dom Anrique que defcobriíTe as ethio- 
pias de guinee por feu ferviço & daquy por diante começa o feu defcobrimento. 

Cap.* 23 — Como coílumamos navegar eílas ethiopias de guinee da Cedade de Lifboa. 

Cap.* 24 — Das rotas & conhecenças do cabo branco em diante pêra ho cabo verde. 

Cap.* 25 — Do deferto darguim & dos logares que eftam alem delle. 

Cap.* 26 — Do caminho que fe deve fazer dai^guim pêra diante atee ho Rio de Canagua 
& daly atee ho cabo verde per dentro pela enfeada. 

Cap,* 27 — Donde vem ho Rio de Canagua & das coufas que nelle ha, & das duas ethiopias. 

Cap.* 28 — Do caminho & rota que fe deue tomar do Rio de Canagua pêra o cabo verde, 
& das Ilhas que eílam em mar cem léguas do dito cabo. 

Cap.* 2g — Das Rotas & conhecenças da terra que vay do Rio dos barbaceis para o Rio de 
guambia. 

Cap.* 3o — Do caminho, rotas & conhecenças do Rio de Quambia pêra o cabo roxo & Rio 
grande. 

Cap.* ^7— Do Rio grande & do que nelle ha. 

Cap.* 32 — Dos Rios que vaão adiante do Rio grande & alguGs que fom dentro delle, & 
afy das rotas & conhecenças atee a ferra Lyoa. 

Cap.* 33 — Da ferra Lyoa & das coufas que nella ha, & como o virtuofo Infante Dom 
Anrique defcobrio eíla terra do cabo de nam attee qui foomênte. 

Segundo liuro 

Do que defcobrio ho ferenlílimo Príncipe El Rey Dom Afonfo ho quinto de Portugual. 

Prologo, que com. — Em quanto noílàs memorias teem lembrança. 

Cap.* I — NaÔ tem titulo; mas trata do caminho do cabo Ledo da ferra Lyoa atee o Rio 
das Palmas. 

Cap.* 2 — Do Rio das galinhas. 

Cap.* 3 ^ NaÔ tem titulo; mas trata do camiféo do Rio dos cefios atee ao cabo dás Palmas. 

Cap.* 4 — Das rotas & conhecenças do cabo das Palmas atee o Caílello de Sam Jorze da mina. 

Cap.* 5 — Do caftello de Sam Jorze da mina, & do que nelle ha, & ho tempo em que foy 
hedeficado. 

Cap.* 6 ^ Do caminho, rotas, & conhecenfas do cafteUo de Sam Jorze da mina em diante. 

Cap.* 7 — Do Rio da volta em diante. 

Cap.* 8 — Naó tem titulo; mas trata do caminho do Rio formozo até ao cabo formozo. 

Cap.* g — Das rotas, conhecenças, & graaos do cabo formoso em diante. 

Cap.* 10 — Da terra de Femam do po. 

Cap.* II — Das rotas & conhecenças da terra do Rio do guabam atee o cabo de caterina, 
que por outro nome fe chama cabo primeiro. 



ffcí DOCUMENTOS (^ xxxv 



Terceiro liuro 

Do que defcobrio ho fereniífimo Principe ElRey Dom Joham o fegundo de PortuguaL 

Prologo. — Com. Porque as coufas dinas de memoria nom devem ficar em efquecimento. 

Ge7^.' I — Do que defcobrio ho fereniífimo Rey Dom Joham ho fegundo de Portugal. 

Cap,* 2 — Do Reyno do Conguo & da terra dos anzicos, honde comem os homens. 

Cap,* 3 — Das Rotas, leguoas, & graaos da ponta de Sam Lourenço em diante. 

Cap,* 4 — Na6 tem título; mas trata do caminho do cabo Negro em diante. 

Cap,* S — Do trópico de capricórnio em diante. 

Cap.* 6 — Da terra de penna & fua lombada, rotas & conhecenças da terra atee o cabo da 
boa efperança. 

Cap.* 7 — Como fe defcobrio o cabo da boa efperança honde Africa faz fim. 

Cap.* 8 — Das Rotas, conhecenças & graaos atee o Ilheo da Cruz; honde o fereniífimo Rey 
Dom Joham ho fegundo hacabou feu defcobrimento. 

Cap.* g — Da Angra de Sam Braz atee o Ilheo da Cruz, & dy atee ho Rio do Infante ; das 
rotas & alturas dos graaos. 

Quarto liuro 

Do que defcobrio ho fereniífimo Príncipe ElRey Dom Manuel noffo fenhor ho primeiro 
deite nome que reynou em Portugal. 

Prólogo — Com, Ainda que a hordem da materia nos dee licença pêra darmos fim ha obra 
começada. 

Cap,* I — Do que diferom alguns efcrítores antiguos como ha linha equinocial & ha terra 
que jaz debaixo delia era inhabitauel. 

Cap.* 2 — Das quatro naaos que elRey noílb fenhor mandou defcobrir a índia. 

Cap,* 3 — Das armadas que elRey noíTo fenhor cada anno manda fazer para a índia defpoys 
que foy defcuberta. 

Cap.* 4 — Do caminho & naueguafam que as naaos que ouuerem de hir para índia deuem 
fazer. 

Cap,* 5 — Como fe deue Êizer o caminho de cabo verde pêra a índia pello guolfom. 

Cap,* 6 — Do que defcobrirom ElRey noflb fenhor do Rio do Infante em diante. 















.1'. • 



1 






V. 






J:w 






v->. 







PROLOGO 

Principio do efmeraldo dejjito orbis, feyto & compojlo por Duarte 
Pacheco caualeiro da ca^a dei Rey Dom João o fegundo de por- 
tugal, que Deos tem deregido a ho muyto alto poderofo Principe 
& SereniJJimo Senhor Rey Dom Manuel nojfo Senhor ho primeiro 
dejle nome que Reynou em Portugal, 

uyto alto Poderofo Príncipe & Sereniffimo Senhor, nom no poderemos 
efcufar de cayr em Reprenfam fe a notabel fama dos excilentes baroees 
& muito antiguos anteceíTores dina de prepetua lenbrança por efqueci- 
mento deixarmos paflar que a noffa memoría nom feja Redozida por- 
que fendo fabidos feus grandes feitos tanto mais fe acrefcenta a gloria de voíTo 
nome quanto em voíTas efclarecidas obras voíTa alteza os precede. Ç por quanto 
os antigos efcritores de cu}as obras Recebemos doutrina tratarom do defcobri- 
mento da Redondeza da terra, & do mar em que teberom desuairados oupinios 
& ho prefente tempo comtem em fy efta materia, por tanto vofa alteza fabera 
que marquo eftrabam o apadocio muito antíguo autor & de grande authoridade 
que fy no meo do feu primeiro liuro da cofmografia diz: Afaz fera para nos fe 
as mães longuras. talhando aquellas foomente efcrebemos daquelles que fua nabe- 
guaçam ha ethiopia contam; alguns dizem que menelaao per Calez rrodeando 
troiue feu curfo atee Regiam da índia & ha ho caminho ho tempo loguo dan, 
quando fe diz em homeero com naaos vim no oytabo anno; outros peUo hifmo 
.f. per antre ambas as terras do fino arábico & guayo plinio Senador de Roma 
excilente autor no feu fegundo liuro da natural iftoria capitolo fafenta & nobe 
diz que anno ' cartiginenfe nauegou da cidade de Calez atee ho fino arábico, & 
dizem mais eftes autores que èudoxo fogindo das mãos dei Rey Latiro da Lixan- 
dria nauegou do mefmo fino arábico atee Calez, & ponponio mela autor muito 
antiguo natural de junto com gibaltar ifto mefmo afirma & diz mais. que fy no 
fim do feu terceiro liuro de fito orbis que efte eudoxo foy o primeiro que o foguo 
& hufo delle troube aos poboos bárbaros da ethiopia aos quaaes atee quelle tempo 
ynoto era & nefta fentença comcordam alguus dos outros cofmografos. A qual 
naueguaçam & pratica delia fe tirou afy dos olhos de todolos antiguos de tal 
maneira fe perdeo que por tempo de mil & quinhentos annos ou mais foube 
de todo efquecida & morta os quais fizerom fim no principio do muito excilente 
Principe prudente & virtuoso baram ho Infante Dom Anrique Duque de Vizeu 
& Senhor de Couilhan, voflb Tyo que Deos tem, o qual alumiado da graça do 
efprito fanto,' & mouido por diuinal mifterio com muitas & grandes defpezas 
de fua fazenda & mortes de criados feus naluraes portuguezes mandou defcobrir 
a Ilha da Madeira, & a mandou pauoar; & aflim deícobrio mais por guinee que 
antiguamente fe chamaua ethiopia comefl'ando dos promontório^ de nam & boja- 
dor atee ha ferra Lyoa que eftaa deites Regnos numero de feifcentas & fincoenta 



I Hannon. 



2 f*í ESMERALDO DE SITU ORBIS í^ 

legoas, & em oyto graaos de ladeza da linha equinocial contra o poUo artíco: 
& elle foy o principio & caufa que os ethiopios que fy beftas em femelhança 
humana halienados do culto diuino difpam. muita parte delles ha fanta fé católica 
& Religiam criftãa cada dia fom trazidos ; & por que com moor fundamento & 
mais fantamente efta emprefa profeguife ella lhe foy primeiro concedida pellos 
Santos Padres de Roma .f. pello papa eugenio quarto & Martinho quinto, & 
Sixto quarto; & affim pellos outros que defpois deites vieron, aos quais haproube 
que o dito Infante com todolos Keys de Portugual que defpois delle biefem 
por legitima fobceflam oubeffem para fempre dos ditos promontórios de nam & 
do bojador em diante todalas mais Ilhas portos tratos Refguates pefcarías & con- 
quillas de toda guine defcubertas & por defcobrir em ha ouriental & meridional 
plagua & índios inclufive; fubre innumerables excomunhões defefas & em ditos 
que outros alguus príncipes fenhorios nem comonidades nas ditas partes & terras 
ném tocar pofam fegundo fe mais larguamente conthem em fuás villas ' & letaras 
que ao dito Infante & aos mefmos Reys fobre efte cafo fom concedidas as quaes 
eftam na torre do tombo deíla cidade de Lifboa, & por falecimento defte fanto 
Infante ficou a coberfam defta comquifta & defcobrimento ha elRey Dom Afonfo 
ho quinto feu fobrinho, etc.* 

No anno de noflb fenhor Jefus chrifto de mil quatrocentos & fafenta, em 
trefe dias do mez de novembro faleceo ho virtuofo Infante Dom Anrique da vida 
defte mundo por cuja morte ho excilente Rey Dom Afonfo ho quinto mandou 
defcobrir da ferra Lyoa donde o Infante hacabou em diante toda a cofta da mala- 
gueta & ha mina do Rio dos efcrauos atee o cabo de caterinà que fera por cofta 
alem da dita ferra Lyoa feifcentas & fincoenta leguoas, etc.* 

Defcubertas todas eftas Regioêes & probincias & finado elRey Dom* Afonfo 
ueo eíia mefma cobafam ao SerinilTimo Principe elRey Dom Joam ho fegundo 
feu filho que he tam dino de immortal lembrança, o qual com muito defejo de 
acrefentar no comerfio & Riqueza deftes Reynos mandou defcobrir as lUias de 
Sam Thome & Santantonío & as poborou com fundamento da naueguaçam da 
índia fe lhe noflb fenhor dera uida debemos crer que elle ha defcobrira; & também 
mandou fazer do primeiro fundamento ha cidade de Sam Jorze da mina da qual 
tanta hutilidade vofl*a Alteza & voíTos Reynos Recebem & por nom halarguar 
mais ha materia leixo de dizer as particularidades de muitas coufas que efte glo- 
riofo príncipe mandou defcobrir por mim * & por outros feus capitaées em muitos 
luguares & Rios da coftia de guinee dos quaes em tempo do Infante Dom Anrique 
& delRey Dom Afomfo ha cofta do mar foomente era fabida fem fe faber o que 
dentro nelles era; & afim defcobrio mais do promontório de Gaterina donde feu 
padre acabou atee ho promontório de boa efperança que efta alem do circulo da 
equinoíial trinta & quatro grãos & meo de ladeza contra ho poUo antratico & daly 
atee o penedo das fontes que por outro nome o Ilheo da Cruz chamamos que he 
mais alem defte promontório cento & fafenta léguas afy que monta en todo o que 
efte excilente príncipe defcobrio fetecentas & fafenta léguas de cofta em que entra 
o Reyno de maniconguo com outra muita defuairada gentilidade afãs tromentofa 
& deficil de nauegar donde fe eftendeo ha efperança & vontade de fe defcobrir a 
índia que ora vofla mageftade nouamente tem fabida. 



« Deve ser hullas. 

3 Vid. Joáo de Barros, Dec. i, foi. 29. 



^ PROLOGO ^ 3 

Todas eilas coufas fereniflimo Principe fom verdade, & muitas delias em 
noíTos dias praticamos, mas que direi de voíTa alteza & da graça diuinal que o 
fumo creador em voífo animo derramou, dotandobos de tam excilente engenho, 
faber, & fortaleza que todo los voffos anteceCTores afy antiguos como modernos, 
por quanto no fegundo anno de voífo Reynado da era de noflb fenhor de mil & 
quatrocentos noventa & fete annos, & no vinte oyto de vofla idade voífa Alteza 
mandou defcobrir efta cofta do Ilheo da Cruz donde elrey Dom Joam hacabou 
em diante & nom fentindo nem eíUmando as grandes & groífas defpezas que fe 
nefte fizeram fe defcobrio & nauegou alguma parte daquella etheopia fob egipto 
que das primeiras ydades ha nos fempre foy de todo incognita honde por voíTos 
capitaêes foy defcoberta & nouamente hachada ha grande mina que alguns cuidam 
fer de ophir que agora per nome nouo Çofala he chamada donde ho fapientiíTimo 
Rey Salomõ ouue quatrocentos & vinte talentos de ouro fegundo no terceyro 
liuro dos Reys capitulo noue & no fegundo liuro de paralipomenõ capitolo oytauo 
no fim com o qual fez o facro templo de Jherusalem; & mais adiante per voflb 
mandado foy defcoberto tam grande caminho & mar atee fe faber a grande pro- 
uincia de mabaar que índia baixa fe chama *, honde fom fabidas muntas & grandes 
cidades & notauees pouoafões ante as quaes huma delias he a deftroyda Cidade 
malipor na qual cremos que efta ha fánta fepultura do bemauenmrado apoftolo 
Sam Thome honde noífo fenhor muytos milagres tem feytos & entre todolos prín- 
cipes oucidentaes da Europa Deos foomente quis ef colher voíTa alteza que efte 
bem foubefe & Recebefe & poíTuyfe os tributos dos Reys & príncipes barbos do 
ouríente os quais Roma no tempo da fua profperidade quando mandaua huma 
grande parte do orbe nunca afy os pode auer nem fazer trabutaríos mas con- 
traríando fempre fua fobgeiçam lhe mataram Marco Grafo capitam muito effor- 
fado com vinte mil homens & dez mil catiuos de feu exercito; & agora por huma 
uirtude diuinal & graça expecial voífa alteza manda tudo fendo o caminho de 
voífos cabaleiros pofto tanto auante pellas terras & Indicos mares & afiaticas 
Ribeiras como honde Relufiram os feytos do grande Alexandre-, dos quais os 
inpetos de fuás pafladas com as portuguefas armas & frota que per voífo man- 
dado & uirtude tam grandes feytos fazem hacrefentam voífa gloriofa fama de 
manera que foa por toda europa & africa, egipto, Arabia, Perfia & Lamtas, Babi- 
lónios, Caldeos, meedos, Aífyrios, Partos, phinices, Paleftinos; & entra & pafTa 
aos muitos alongados & ferofes pouoos dos íittas & os hopolentiíTimos Reynos 
de índia penetra, & por tanto com Refam podemos dizer que a gloria de voífas 
viftorias ho louuor de voífo nome & grande nauegaçam & comquiíla paífa por me- 
nelãao & por ano ' (^c) cartiginenfe & por Eudoxo de que os autores hatras fazem 
grande fefta & mençam & afim per todolos Reys & príncipes voífos anteceflores ; 
& como que em tam pouco tempo voífa alteza defcubriCTe quafy mil & qijinhentas 
léguas alem de todolos antiguos & modernos as quaes nunca forom fabidas nem 
nauegadas de nenhumas nafçoes defte noífo oucidente agora por moor feguranfa 
defta nauegaçam comuem que voífa alteza mande tomar a defcubrir & hapurar 
eíla coíla do Ilheo da Cruz em diante por que he certo que no feu primeiro def- 
cubrimento fe foube em foma & nom pelo meudo como a tal cafo convinha, & 
por que voífa alteza me dife que fe queria nifto fiar de mim portanto preparei 



I Hannon. 



4 !r^ ESMERALDO DE SITU ORBIS (^ 

fa\er um líuro de cofmographia & marinharia cujo prologue he efle que aqui 
he efcrito, o qual livro fera partido em cinquo liuros, & no primeiro se dirá o que 
defcobrio ho virtuofo Infante Dom Anrique, & no fegundo do que mandou defcu- 
brir ho excelente Rey Dom Afonfo, & no terceiro do que iíTo mefmo fez defcobrir 
ho fereniflimo Rey Dom Joham que fas fim no Ilheo da Cruz como já diíTe, o 
quarto & ho quinto em que pendem voffos gloriofos feytos que fom mais em 
cantidade & mayores em calidade que os de todolos outros príncipes, ho primeiro 
deíles liuros comeíTara do dito Ilheo da cruz em diante & fará fim do cabo de 
guardafune que efta na entrada do fino harabico atee o fino perfico daly em diante 
per toda a índia & afy fom os ditos cinquo livros & nelles fe tratara fegundo 
aqui yra prometido & nom tam foomente feram neceflarios pêra proueito defta 
nauegaçam & comercio mas ainda para ficar huma etherna memoria & lembrança 
ha noflbs fuceflbres & bindouros por honde poífam faber vofl'as excilentes fafa- 
nhas dignas de gloriofa mortalidade {Jic)\ mas qual eloquência teera tanta prefei- 
çam que perfeytamente poíTa dizer ho pefo de tam grandes feytos como os do 
noífo Cezar Manuel, ca marquo tulio ho mais excilente dos Latinos, & homero, 
& demoftenes os principaes oradores dos gregos que per excelência fua eloquência 
antre todolos mortaes atee gora florefeo fertamente fuás mãaos temerom efcrever 
feytos de tamanha grauidade, mas leixo tudo íílo pêra quem vofla governança 
ouuer de fazer, ho que toca ha coftnografia e marinharia por extenfo efpero dizer, 
& por tanto farey primeiro com breuidade mençam de alguns circulos fupriores & 
da cantidade da terra & dagua qual deftas duas he a mayor parte decrarado fu- 
mariamente ha grandeza dafrica & afy dafia honde voflas vitorias afy no ouriente 
como no oucidente fiorefem; & deftas duas loomente & brevemente quanto ao 
interior da terra fe dirá & ho do lilo ou cofta do mar todo ho que toca ha mari- 
nharia & cofmografia mais larguamente farey mençam & por tanto feram aqui 
decraradas todalas Rotas .f. como jaz hum promontório ou luguar com outro & 
ifto por que efta obra leue hordem & fundamento & ha cofta mais feguramente 
fe poífa nauegar & o mefmo as conhefenfas das terras & afy honde eftam as 
baixas que para ifto he muito neceflario faber fe; também das fondas que á em 
alguns lugares em quanta altura fom & afy as deferenfas dos fundos .f. fe he 
vafa ou harea, ou pedra, ou faibro, ou hareftas, ou burgãao ou de que calidade 
ha tal fonda he & fendo conhefida quantas léguas aueera daly a terra & o mefmo 
as marees fe forn de nordefte he fuduefte afy como as de nofla efpanha, ou fe 
fom do norte, o fui, ou de left & oefl, ou de noroeft & fueft, as quaes para 
entrarem & fahirem nas barras, & bocas dos Rios fom forfadamente neceffa- 
rias; & afim as alturas de cada hum dos polios por honde fe pode faber quantos 
graaos fe cada lugar apartam & ladeza da equinocial & também a natureza da 
jente defta ethiopia & ho feu modo de uiuer & afy direi do comercio que nefta 
terra pode hauer tudo ifto com diligencia por ferviço de vofla alteza farei no 
melhor modo que poder & fouber nefte liuro fera efcrito ho qual efmeraldo De 
sito orbis fera chamado & feytas eftas coufas com outras que vofla alteza manda 
comprir poderemos por uos dizer o que difle Virgilio por Cezar Augufto; tu es 
governador do grande mar & todos honrrão as tuas grandezas & a ty guisa ha 
ultima. 

Aylle ijic)\ 

> Deve ser — Vale. 



PRINCIPIO DO PRIMEYRO LIURO 

& PARTICULAR DECRARAÇAM DALGUNS CIICULOS 
SUPRIORES & ASENTO DA TERRA. 



Cap." I." 

a om deuemos duuídar que os philofofos & antiguos fabedores diferom 
I que efte nome de inundo & de Ceeo ou qualquer coufa que he huma 
mefma couza he & em feu cerco afy & ha todalas coufas cobre & 
' honde o foi nace chamarem ouriente ou nacimento & honde fe efconde 
oucidente efcondido, & por honde corre meo dia & das partes contrarias feten- 
teriom auftro & ifto que ora breuemente he dito foomeqte toca aos circolos 
fupriores & em hadendo mais na materia hafirmarom que ha terra nefte meo he 
pofta como centro & de toda parte he cingida pello mar e elia mefma em duas 
partes que hemifperios fom chamados defde ouriente diuidida atee oucidente 
voluendo em ouriente per cinquo zonas he repartida ; ha 2ona do meo que equi- 
nocial fe chama ou cinta do primeiro mouimento pello grande ardor do fot he ha 
faz dafadiguada & com todo feu tormento grandemente pouorada por cuja cauza 
fe cree que os ethiopios fom tam negros de color por efte circolo a elles fer pro- 
pinco & as ultimas partes vííinhas aos polEos polia muita frialdade dizem que a 
natureza defta regiam cria as gentes em fobido graao daluura & fermofura das 
outras duas temperadas que fy iguaes fazem os tempos do Anno mas no de todo 
igualmente & deftas duas fe diz que os antipodes habitam huma parte & nos ha 
outra os quaes fooi homens que moram na parte contraria da terra honde o foi 
nace quando fe poem a nos que fazem as fuás peguadas em contrario das noflas, 
& por iffo fom chamados antipodes, & por taí modo he ho hafento do orbe com- 
pofto que fe algum homem podefe furar ha terra & lançafe huma pedra da fua 
foprifíciee cuidando que pafaría do outro cabo ella nom híria fenom atee ho cen- 
tro, & aly eftaria queda por que aly he ho mais baixo & ho meo; & defte luguar 
pêra qualquer parte feria fubir que he impofiuel & contra naturefa nenhuma 
coufa pefada poder ir pêra fima & mouerfe do centro para a circumferencian 
allim que os antipodes habitam huma parte Sc nos ha outra, & nefta em que 
habitamos nenhum he contente de todo o bem que poíTuy & emfim oyto pees de 
terra nos habaftam & aly fe acaba de comfomir ha uaydade de noíTas cuidafoés. 



^ ESMERALDO DE SITU ORBIS (^ 




Cap.^ 2.^ 

Da cantidade <& grandeza da terra, & daugua qual de/ias he a 
mayor parte, 

fcreuer o íito do orbe com a grandeza de toda a terra & do mar as 
Ilhas, as cidades, as fortalezas, hanimays com todalas outras coufas 
que nelle fom tanto he longua como deficit materia & de elegância nom 
capaz & ha hordem delia afaz entrincada, a qual polia cantidade de 
tamanho corpo inpoíliuel he feer particularmente fabida mas polia admiraçam 
de tam excilente couza muito digna de fer efcrita & praticada; & por tanto de- 
uemos primeiro conciderar como os philofophos que neíla materia falarom, dife- 
rom que a terra toda he cercada pello mar confentindo feus entenderes que a foma 
de noíTo orbe ho afento de noCTa vida, a gloria de noflbs Inperios pêra uoyto das 
aguas en Ilha feja feita & nifto muito afirmadamentc teuerom afaz fundadas ou- 
pinioes & alguns dos Doutores modernos defuairadas & contrarias tençoees; 
os quaees quiferom moftrar por autoridades da fagrada Efcritura & foficientes 
Rafoêes contrarias aos antiguos como a terra he muyto mayor que todalas aguas 
delias todas juntamente jazem metidas dentro na fua concauidade & fundura & 
ellas fom cercadas pella mefma terra pello qual deuemos notar o que diz Jacobo 
bifpo de Valença excilente letrado & meftre na facra Theologia fobre efte paífo em 
huma fua glofa que fez fobre todo ho falterio & falando no falmo cento & três 
que comeífa benedit anima mea domino, o qual tem hum verfo que diz, quy futi" 
dq/le terra fuper ejlabelitatem fuam que as auguas todas jazem metidas dentro na 
comcauidade da terra & ha terra he muito mayor que todas ellas, & plinio no 
feu fegundo liuro da natural iíloria capitolo fafenta & fete diz que todalas auguas 
fom poftas no centro da terra & ifto he concrufam que fe nom deue negar & por 
que fe mais craramente mostre a uerdade notemos o primeiro capitolo do Genefy 
que diz afim ajuntenfe as auguas em hum lugar ha terra; emquanto diíTe o 
mandou que efte ajuntamento fofle feyto em hum fo luguar bem parefe que a 
terra nom he cercada pello mar; & fe a terra pellas auguas ouuera de fer cercada 
nom difera o preceito que fe ajuntafem em hum foo lugar nem era neceffario di- 
zerfe; mas antes difera hapartemfe as auguas ha terra & fendo mandado nefta 
maneira nom era para duuidar ha terra cercada pellas auguas & foomente tiraua 
huma pequena parte delia defcuberta para uida dos hanimaees ; mas como lhe foy 
pofto termo particular dado que fe ajiintafem em hum foo luguar loguo fe mani- 
feftou que as auguas ficarom dentro na comcavidade da terra por que fua natureza 
he fempre correr pêra parte mais baixa & ellas feguindo naturalmente feu epiteto 
fazerom ho mandado do Sumo Greador & portanto podemos dizer em que ifto fe 
fez naturalmente & como quer que a mais baixa parte da terra he ho feu centro 
& ho meo delia fobre ho qual as auguas eftam fundadas por tanto diíTe o profeta 
Davjd no falmo trinta & dous que comeffa exultate jujli, afy como em odre as 
auguas do mar pôs os tefouros em ho api/o; & como afim feja que o haviío da 
terra he ho feu centro dos tefouros das auguas fom poftos no mefmo lugar que 
he ho feu próprio afento fegue fe que a terra tem augua dentro em fy & ho mar 
nom cerca ha terra como homero & outros autores diferom, mas antes a terra 
por fua grandeza tem cercadas & incultas todalas auguas dentro na fua concavi- 



«(VA 



^ PRIMEIRO LIURO C^ 7 

dade & centro, & alem do que dito he ha experiência que he madre das coufas 
nos defengana & de toda duuida nos tira\ & por tanto bemaventurado Prmcipe 
temos fabido & vifto como no terceiro anno de voffo Reynado do hano de nojjo 
fenhor de mil quatrocentos noventa & oito donde nos pojfa alteia mandou de/- 
cobrir ha parte oucidental pajfando alem ha grandeza do mar ociano honde he 
hachada & naueguada humà tam grande terra firme com muitas & grandes 
Ilhas ajacentes a ella que/e efiende a /atenta graaos de Ladeia da linha equino- 
cial contra ho polo artico ' & pofto que feja afaz fora he grandemente pauorada, 
& do mefmo circolo equinocial toma outra vez •& vay alem em vinte & oito graaos 
& meo de ladeza contra ho poUo antratico & tanto fe dilata fua grandeza & corre 
com muita longuura que de huma parte nem da outra nem foy vifto nem fabido 
ho fim & cabo delia pello qual fegundo ha hordem que leua he certo que vay em 
cercoyto por toda a Redondeza, aíim que temos fabido que das prayas & cofta 
do mar deftes Reynos . de Portugual & do promontório de íinis terra & de qual- 
quer outro lugar da europa & dafrica & dafia hatravefando alem todo ho oceano 
direitamente ha oucidente ou ha loeft fegundo hordem de marinharia por trinta 
& íeis graaos de longura que feram feifcentas & quarenta & oyto leguoas de ca- 
minho contando ha defoyto leguoas por graao, & ha luguares algum tanto mais 
lonje he hachada efta terra nom naueguada pellos nauios de voífa alteza & por 
voíTo mandado & licença os dos voíTos vaflallos & naturaes; & findo por efla 
cofta fobredita do mefmo circulo equinosial em diante per vinte & oyto graaos de 
ladeza contra o pollo antartico he hachado nella munto e fino brasil com outras 
muitas couzas de que os nauios neftes Reynos vem grandemente carregados, & 
primeiro muitos annos que efta cofta fofe fabida nem defcoberta diífe Vicente ejto- 
rial^ no feu primeiro livro que fe chama efpelho das iftorias no capitolo cento & 
fatenta & fete, Alem das três partes do orbe ha quarta parte he alem do mar 
oceano interior em ho meo dia em cujos termos os antípodes di^em que habitam ; ora 
como aíim feja que efla terra daleem he tam grande & defta parte daquem temos 
europa, Africa & Afia, manifeílo he que o mar oceano he metido no meo deftas 
duas terras & ficam medio terrano pello qual podemos dizer que o mar oceano 
nom cerca ha terra como os philofophos diferom mas antes a terra deue cercar 
o mar pois jaz dentro na fua concauidade & centro pello qual comcrudo que o 
mar oceano nom he outra coufa fenom huma muito grande halaguoa metida 
dentro na concauidade da terra e ha mefma terra e ho mar ambos juntamente 
fazem huma Redondeza de cujo meo faem muitos braços que entram pella terra 
que médios terranos fom chamados, & que ifto creamos por uerdade ainda nos 
fica por dizer em quanta parte della^ ha terra he mayor que auguoa como foomente 
auguoa ocupa ha fetima parte delia fegundo fe moftra no quarto liuro do profeta 
efdras no capitulo fexto que diz aífim, & no terceiro dia mandqfies as auguas ajun- 
tar na fetima parte da terra, verdadeiramente as /eis partes /ecajles ; Afy que 
augua he pofta na fetima parte da terra & as féis partes delia fom defcubertas 
pêra uida da natureza humana & dos outros hanimaes, & afy he rezam que o 
creamos. 



I Tentativa para a descoberta do Brazil, levada a eífeito por Alvares Cabral em i5oo, sendo 
acompanhado por Duarte Pacheco. 
3 Vide nota A in fine. 
3 Falta no MS. de Évora. 



8 



^ ESMERALDO DE SITU ORBIS (^ 





■ . ■ ■ . ■ 


^ 


:J 




\i. 


i 




li 



Cap.° 3.° 

De como Seem Caão <fe Jafet filhos de Noé depois do deluuio cada 
hum abitou fua parte da terra & como lhe poferom nome Eu- 
ropay AJya & Africa, ék os Lugares por honde/e deuidem. 

moeftame que diga como defpois do honiueríal deluuio & total de ftroy- 
çam do qual por diuino preuilegio ho Santo Noé & feus filhos efcapa- 
rom femdo ha terra defcuberta das auguoas & ellas recolhidas em feu 
luguar por elles & fua geraçam foy pofoydo todo ho huniuerfo & por 
efta caufa fe diz que Seem feu primogénito ajuntou » (fie) a parte oriental & Caão 
ha parte do meo dia, & Jafet abitou ha parte fetentirional, & afy como eftes foo- 
mente forão três irmaãos filhos defte Santo Padre afy quiferam os antiguos efcri- 
tores que a terra que fouberam em três partes deuifa foífe» & defpois de paffa- 
dos muitos annos da Reformaçam das jentes que no deluuio fe perderom & ho 
horbe cheo da geraçam humana habaftada de doutrina pello meero^ & outros an- 
tiguos cosmographos que a mefma terra por muitos annos andarom & doutras 
peífoas que iífo mefmo por uerdadeira emformaçam ha fouberom em três partes 
notaueis ha diuidirom ; & na quarta parte que Vojfa alteia mandou defcobrir aleetn 
do oceano por a elles fer incognita coufa alguma nom falarom; as quaees três 
Afya, Europa & Africa fom chamadas cujos nomes de feu antiguo principio atee 
gora longuamente fempre durarom, Afya dizem que ouue efle nome de huma 
Raynha afy chamada que efta parte fenhoreou; e ho nome de Africa fe afirma 
fer tomado de hafeer filho de Abraão, o qual trafendo grande exercito neíta 
parte & vencendo os habitadores delia aquelles que defpois ha pufuyrom aferos 
forom chamados & agora Africanos & por efta caufa fe crê que toda efta Regiam 
Africa he chamada; A Europa tomou efte nome de huma Raynha filha delRey 
hagenor de Libia que o mefmo nome tinha ; & ora eflas fejam as caufas por onde 
eftes nomes lhe foram poftos ora qualquer outra que feja por eftes univerfalmente 
os nomeamos & conhecemos ; & eftas três poUo eftre3rto guaditano ocidental que 
per cepta entra com dous famofos Rios .f. thanahy & nylo em três partes fom 
diuifas, cuja diuifam faz principio nos montes Rifeus que eftam debaixo do pollo 
artico honde tanahy nace o qual correndo contra meo dia pella Regiam dos 
Cithas fazendo feu curfo com grande inpeto entra no mar de Lataria que anti- 
guamente paludemeon fe chamaua & por efte Rio & pello mefmo medio terrano 
de Cepta que adiante corre pello eftreyto de trácia que elefpontos ouue ja nome 
honde a Cidade de Conftantinopla he fttuada fazendo fim adiante na Laguoa 
Meõns europa de Afya craramente he partida. 



1 Em ambos os MSS. se encontra ajuntou, parece, porem, que deve ser habitou. 

2 Homero. 




ffc) PRIMEIRO LIURO (^ 



Gap.^ 4.^ 

Do Najfimento do nth <fe por onde corre. 

o Rio niio nos montes da Luua nace alem do circulo da equinofial con- 
tra ho poUo antartico & dahy corre os quaes montes fegundo a defcri- 
çam de toUomeu & ho fito em que poem ho nafimento do nilo en trinta 
& finco graaos de ladeia da mefma equinocial contra ho mefino poUo 
as ferras fragofas do promontório de boa efperança deuem ser; & efte fayndo 
fuás fontes loguo faz dous grandes laguos & daly toma feu curfo por meo dos 
ethiopios contrario de tanahy corre; & nos quinze graaos de fua ladeza haparta 
dous braços os quaes defpois adiante torna a juntar & ha terra que fica no meo 
deftes brafos he feyta Ilha & chama fe merohe ; & he muito grande & de grande 
pauoafam & com muita parte milhor, & mais Rica que as outras Ilhas que o 
mefmo nilo com o derramamento de fuás auguoas faz fegundo diz plinio no feu 
quinto liuro da natural iftoria capitolo noue ; & afim diz mais que nilo corre vinte 
Jornadas folapado per baixo da terra & no fim deíla carera toma outra uez ha- 
parefer como fe lahife a gente ; & os moradores defta Regiam cuidão que o nilo 
na fee aly & correndo por efte modo os lados do egipto que todo alcanfa régua & 
ha toda a prouincia com fuás auguoas da mantimento, por que no mez de Junho, 
Julho, Agofto, Setembro fendo entam no egipto natural iftio alem de todo ho 
outro tempo do Anno nefta terra nunca choue nilo faee fora de feu alueo ou 
madre & os egecipanos campos cobre ; os quaes fendo afinha defcubertos ha terra 
fe fêmea & haproueita & a feu tempo vêem com feu fruito ; & quando nilo crefe 
em altura de doze couados fenefica fome & em treze faz Razoada habaftança, & 
quinze a légua, & defafeis couados de feu crefimento grande fertilidade tudo ifto 
diz plinio no capitulo afíma alegado; certamente couza he muito para notar 
encher o nilo nefta terra na forfa do moor veraão; dos autores cofmografos que 
com muita deligencia trabalharom íaber as couzas do encher defte Rio em tal 
tempo derom acerca difto muitas Rafoées mas a que eu para meu contentamento 
tomo he que no promontório onde o nilo nafe fom os temporaes hoppofitos e com- 
trarios aos do egipto por que fy ho meo do egipto efta em trinta graaos de ladeza 
do circolo equinocial contra ho pollo artico & ha Regiam honde o nilo nafe 
fegundo defcriçam de tholomeu fe aparta en ladefa da mefma linha equinocial 
en trinta & finco graaos contra ho pollo antartico; no qual luguar nos mezes 
hafima ditos fabemos certo que emtam he aly ha forfa do moor inuerno & as 
auguoas chouidas nefta terra em poucos dias fom vindas ao egipto pelo feu veloz 
curfo pofto que entam aly feja veraão & por efta caufa parefe que o nilo faz efte 
enchimento. 

Cap.^ 5.° 
Das quatro bocas que o nilofai & honde fe mete no mar. 

as halaguoas do Rio nilo de que nefle capitulo afima falamos teemos 
fabido que delias hum grande braío corre por meo da ethiopia infirior 
contra oucidente ho qual fegundo ha hordem do caminho que trás das 
longuas terras de que uem dizem os ethiopios que o Rio de Canagua 
he ; Porque de todolos Rios defta Regiam da ethiopia os quais por muitos annos 




IO ^ ESMERALDO DE SITU ORBIS (^ 

cada dia praticamos fabemos certo que efte he ho mayor fegundo fe mais lai^a- 
mente dirá no capitulo que adiante uier que do Rio de Canagua falar» ho outro 
brafo que contra fetentiriom corre temos fabido que no mar egipciaco veíinho 
do arcepelaguo com quatro bocas agora nelie entra ; ha mayor & principal delias 
de muito longua antiguidade Canopo ouue nome por Refpeito do piloto de me- 
nalaao que o mefmo nome tinha fe diz que aly morreo a qual foz hagora Raxete 
he chamada polia qual uaão muito grandes barcas & fiiftas atee a grande Qdade 
do Cairo & daly pêra cima grande caminho naueguam, & defte luguar indo pello 
nilo hafima atee ho origine delle fe diuide afya dafrica & da ourela de nilo em 
diante toda aquella parte que fe eftende vay contra ouriente atee o mar em que 
habitam os ethiopios fob egipto & daly aleem contra a índia Rodeando ha entrada 
& foz do Rio guanje & ha Regiam dos chis pafando adiante os montês eperbo- 
reos & ha grande prouincia & Regiam de Catay que antiguamente Cithia fe cha- 
maua atee uir hacabar no mar que da parte de femtetirions (^c) fe ajunta com nu- 
ruegua ha qual em outro tempo da Ciâ auia nome toda efta parte por Afya fe 
nomea; & ha outra parte que de nilo uolue contra oucidente por meo da terra 
também correndo polia cofta de medio terrano guadirano oucidental & faindo polia 
boca do eílreito de Cepta fora Rodeando efta terra das ethiopias de guinee athe 
fazer fim no promontório da boa efperança toda efta parte por Africa he contada ; 
& ho mefmo medio terrano he aquelle que aparta Africa da europa do qual contra 
fetemtiriom europa chamamos & da parte do meo dia Africa he dita; a qual 
poios antíguos efcritores em íinco partes foy partida ha primeira delias fe cha- 
mou Libia por caufa da coíla & parte marítima que uem do nilo atee o cabo 
dantre fulcos honde he fituada a villa de melila fer chamado mar Libico donde 
efta prouincia de Libia ouue nome por refpeito defte mar; a fegunda parte fe 
chamou mauritania & efta fe eftende defde melila honde he o fim de Libia atee 
a antigua Cidade de tingy que agora por nome nouo tanger chamamos & por 
efta Regiam tem efte nome de mauritania as gentes delia fe chamam mauros & por 
cupuçam do vocábulo nos ha todos uniuerfalmente por mouros os nomeamos; a 
terceira parte ouue nome tingitanya por que o nome defta antigua cidade de tingi 
tomou ho feu lito & cofta do mar dura atee a cidade de Cafy ; A quarta parte 
he hatalantica ho qual nome tomou do fabulofo monte atalante & dura cofia 
atee o principio da ethiopia pello qual o mar defta Ribeira fe chamou atalantico ; 
A quinta parte he ethiopia inferior, ou grande da qual voífa alteza foomente 
pofuy ho comercio & neftas cinco partes he partida toda Africa & quanto he 
Afia adiante em feu lugar fe dirá o que a ella toca & ho que dizem alguns auto- 
res d'afia elle fer mayor que europa & africa ambas juntas & portanto concrudo 
que por efte medio terrano & dous Rios .f. tanahy & nilo eftas três partes fom 
deuifas; & todolos antiguos cofmografos ifto diferom mas na quarta parte que 
voífa alteza mandou defcobrir aleem do oceano por a elles fer incognita coufa 
alguma nom falarom & por que melhor fe poffa entender efta noffa obra pofemos 
aqui pintado hum mapa mundy da feiçam & deicriçam deftas terras no qual en- 
trara a Europa pofto que delia nam efcrebamos por huma das quatro partes do 
orbe, ainda que os antiguos efcritores afirmarom ferem três foomente .f. Europa, 
Afya & Africa de que ja atras falíamos, & diz plinio no feu terceiro liuro da na- 
tural iftoria capitolo primeiro que por ha Europa fer mais excilente que todalas 
outras partes ella he nos da o criador dos povoos vencedores das jentes & ho 
feu fito & hafento he muito mais fírmofo que todolos outros, & alguns antiguos 




5^ PRIMEIRO LIURO (^ 1 1 

efcritores diferom que por Europa fer de tanta bondade eftimarom que fofe nom 
ha terça parte da terra mas ha metade delia ; nem deuemos douidar que de Cida- 
des, Villas & fortalezas cercadas de muro & outros fumtuofos & firmofos edifí- 
cios europa precede Afya & a Africa & afy as prefede de muita & melhor frota 
de naaos milhor aparelhadas & armadas que todalas outras partes ; & nom podem 
neguar os afyaticos & africanos que toda habaftanfa das armas & policia delias 
com outras muitas arthelharias europa pofuy & fobre tudo os mais excilentes lete- 
rados em todalas fiencias que o orbe em fy tem com outras muitas coufas da 
vantajem de todo ho circuyto da Redondeza; & por que fua excilenfia he tanta 
que em poucas palauras Te nom podem comprender nos parefeo melhor o callar 
que pouco efcreuer. \ 

Cap.^ 6.^ 

Como he coufa proueytoyx Jaber fe donde Je deiiem contar os graaos 
de lade:{a <& da longura do orbe, 

ois teemos prometido que nefta nofa obra tratemos da marinharia & 
coufas do mar ha Razam & fundamento delia nos obrigua comprir 
com noíTa promeffa & por que as coufas da eftcolomia fom afy 
fundadas que para efte cafo podem muito aproueitar nos pareceo bem 
efcreuer aqui em quantos graaos fe alguns luguares de nos fabidos hapartam em 
ladeza da linha equinoíial pêra ho pollo artico ou antartico & por quanto he ne- 
ceífario darmos a entender ao Indoto vulguo ho modo defies graaos donde fe 
deue contar ha ladeza & longura do orbe & principalmente aos marinheiros os 
quaees por caufa de fua naueguaçam dentro defta maritima & orbicular fupreíicia 
podem refeber muita utilidade fe ifto quiferem aprender pois coftumam naueguar 
por longua diftancia muitas prouincias & terras & por iflo pofemos aqui a taboa 
dos luguares, Cidades, Villas, & Ilhas fegundo fe cada hum aparta em ladeza da 
equinofial pêra ho pollo artico ou antartico como dito he adiante diremos donde 
fe hade tomar a dita ladeza & longura do orbe ou Redondeza do mundo. 

* Cap.^ 7.^ 

Da Taboa dos graaos que/e ejles luguares hapartam em ladeia da 
linha equinocial contra ho pollo Artico. 

Graaos iiiin.« 

Item Jherufalem en trinta & três graaos , 33 00 

Egipto en vinte noue graaos & fmcoenta menutos 29 5o 

Babilónia en trinta & três graaos & trinta menutos 33 3o 

Meca en vinte & hum graaos quarenta menutos 21 40 

Damafco en trinta & três graaos 33 00 

Ancrou en trinta & três graaos 33 00 

Fugua do egipto em vinte & noue graaos 29 00 

Dimiata en trinta & hum graaos 3 1 00 

Anburí en vinte graaos 20 00 

Alcanfatina en quarenta & fmco graaos 46 00 

Rodes en trinta & féis graaos 36 00 

Sardenha en trinta & oyto graaos 38 00 



12 ^ ESMERALDO DE SITU ORBIS (^ 

Graaos mln.M 

Cezilia en trinta & fete graaos 37 00 

Roma en quarenta dous graaos 42 00 

Alixandria en trinta & hum graaos '. 3i 00 

Genoua en quarenta dous graaos trinta menutos 42 3o 

Nápoles en quarenta graaos quarenta menutos 40 40 

Gonstantinopl en quarenta & três graaos 43 00 

Captor en trinta & hum graaos vinte menutos 3 1 20 

Paris en quarenta & oito graaos 48 00 

Lifboa en trinta & noue graaos 3g 00 

Santarehfi en quarenta graaos 40 00 

Couilham en quarenta & hum graaos 41 00 

Medelim en Caftella en trinta oito graaos & fincoenta menutos 38 5o 

Tanger en trinta finco graaos quinze menutos 35 1 5 

Seuilha en trinta & fete graaos quinze menutos 37 1 5 

Salamanca en quarenta & hum graaos dezanoue menutos 41 19 

Cordoua en trinta & fete graaos quarenta & quatro menutos 37 44 

Toledo en trinta noue graaos fincoenta & quatro menutos 39 64 

Legion en quarenta & três graaos oyto menutos 43 08 

Çamora en quarenta & hum graaos & quarenta & três menutos 41 43 

Touro en quarenta & hum graaos & quarenta & quatro menutos 41 44 

Avilla en quarenta graaos & quarenta & quatro menutos 40 44. 

Valhadolid en quarenta & hum graaos fincoenta & hum menutos 41 5i 

Medina dei Campo en quarenta & hum graaos xxii menutos 41 22 

Benauente en trinta & noue graaos & onze menutos 39 11 

Seguouea en quarenta graaos fincoenta fete menutos 40 57 

Burguos en quarenta & dous graaos defoito menutos 42 18 

Santiaguo en quarenta & três graaos fete menutos 43 07 

Valença en trinta & noue graaos fincoenta & dous menutos 39 52 

Albuquerque en trinta oito graaos xxx & fete menutos 38 37 

Tolofa en quarenta & três graaos 43 00 

Viana prouincie en quarenta & quatro graaos 44 00 

Brujas en fincoenta & dous graaos 52 00 

Collonha en crepina en fincoenta & hum graaos 5i 00 

Argentina en quarenta & fete graaos 47 00 

Conftancia en quarenta & féis graaos 46 00 

Augufta vindilicor en quarenta & féis graaos 46 00 

Sueflia en fafenta dous graaos 62 00 

Noruega en fincoenta & quatro graaos 54 00 

Buda en Ungria em quarenta & fete graaos 47 00 

Vilhana en trinta & noue graaos dezafeis menutos 39 16 

Merida en trinta & noue graaos oyto menutos 39 08 

Niebla en trinta & fete graaos quarenta & quatro menutos 37 44 

Narbona en quarenta graaos quarenta & três menutos 40 43 

Hyta en quarenta graaos quarenta & noue menutos 40 49 

Cadafalço en quarenta graaos dezanoue menutos 40 19 

Canres en trinta & noue graaos quarenta & quatro menutos 39 44 

Trofilho en trinta & noue graaos vinte & fete menutos 39 27 



^ PRIMEIRO LIURO C^ i3 

Graaos min.o« 

Pifa en quarenta & dous graaos trinta menutos 42 3o 

Veneza en quarenta & finco graaos 45 00 

Arzila en trinta & féis graaos 36 00 

Perepinham en quarenta & dous graaos trinta menutos 42 3o 

Panplona en quarenta & tres graaos trinta menutos 43 3o 

Logronho en quarenta & dous graaos vinte menutos 42 20 

Águeda en quarenta & hum graaos oito menutos 41 08 

Lorca en trinta & oito graaos onze menutos 38 11 

Murcia en trinta & oito graaos trinta & oito menutos 38 38 

Tortofa en quarenta & hum graaos vinte & hum menutos 41 21 

Barcelona en quarenta & dous graaos dezenoue menutos 42 ig 

Granada en trinta & fete graaos trinta & noue menutos 37 39 

Verona en quarenta & dous graaos 42 00 

Cuencua en quarenta graaos trinta menutos 40 3o 

Soria en quarenta & hum graaos trinta oito menutos 41 38 

Almaria en trinta & fete graaos trinta menutos 37 3o 

Atença en quarenta & hum graaos oito menutos 41 08 

Vitoria en quarenta & dous graaos quarenta & feis menutos 42 46 

Sena en quarenta & dous graaos trinta menutos 42 3o 

Fees en trinta & tres graaos 33 00 

Cepta en trinta & finco graaos vinte menutos 35 20 

Aljazira en trinta fete graaos vinte & dous menutos 37 22 

Talabeira en trinta & noue graaos fincoenta oyto menutos 39 58 

Eceja en trinta noue graaos trinta tres menutos 39 33 

Palencia en quarenta dous graaos 42 00 

Valença en trinta noue graaos trinta & feis nienutos 39 36 

Dorca en quarenta & hum graaos vinte menutos 41 20 

Saraguofa en quarenta & hum graaos & trinta menutos 41 3o 

Taracona en quarenta & hum graaos cincoenta & tres menutos 41 53 

Narbona en quarenta & dous graaos 42 00 

Cartagena en trinta & feis graaos 36 00 

Requena en quarenta graaos dezafeis menutos 40 16 

Alcantara en quarenta graaos trinta menutos 40 3o 

Madrid en quarenta graaos vinte & quatro menutos 40 24 

Jaem en trinta & fete graaos fincoenta & feis menutos 37 56 

Guadalajara en quarenta graaos & quarenta & cinco menutos 40 45 

Alcala en quarenta graaos trinta menutos ; 40 3o 

Tordelaguna en trinta & noue graaos & cincoenta & oito menutos • • Sg 58 

G>lonia en fincoenta & hum graaos 5i 00 

Buarcos en Portugual quarenta graaos & trinta & cinco menutos .... 40 35 

O Porto de Portugal quarenta & hum graaos & quarenta menutos.. . 41 40 

Caminha en quarenta & dous graaos trinta menutos 42 3o 

Ilha terfeira dos Aífores en trinta & noue graaos 39 00 

O Cabo de fins terra en quarenta tres graaos & quarenta & cinco me- 
nutos 43 45 

Sorlingua en 

Ho exante en 



. . 



14 ^ ESMERALDO DE SITU ORBIS C^ 

GraiM inm.M 

Ho de fines en trinta & oito graaos 38 oo 

A Ilha de Sam Miguel dos afores en trinta & oito graaos 38 oo 

Ho cabo de Sam Vicente en trinta & fete graaos 37 00 

Calez en trinta fete graaos 37 00 

Ho cabo de efpartel en trinta & finco graaos & trinta menutos 35 3o 

A Ilha da madeira en trinta & três graaos & trinta menutos 33 3o 

O cabo da Cantim en trinta & três graaos & trinta menutos 33 3o 

Trapona en Cecilia en trinta & féis graaos & trinta menutos 36 3o 

A Ilha de Xio en trinta oyto graaos 38 00 

O cabo de Santo angelo na morea en trinta & féis graaos 36 00 

Maguadaxo en ethiopia en dous graaos & trinta menutos 02 3o 

Cochim en índia en noue graaos 09 00 

A Ilha danjadiba en índia em quinze graaos i5 00 

Calecut en índia en onze graaos & vinte menutos , 11 20 

Cananor en índia en doze graaos 12 00 

Coulam en índia en oito graaos 08 00 

Xaul em índia en vinte & dous graaos 22 00 

Melindi en ethiopia en três graaos o3 00 

As Ilhas do fayal & do pico en trinta & oito graaos & trinta menutos 38 3o 

Hazamor en trinta & três graaos & quarenta menutos 33 40 

O cabo de guer en trinta & hum graaos & vinte & cinco menutos .. . 3i 25 

O cabo de nam en trinta graaos & vinte menutos 3o 20 

A Ilha de forte ventura das canárias 28 00 

O cabo do bojador en vinte & fete graaos & dez menutos 27 10 

A angra dos Ruibos en vinte & finco graaos 25 00 

A angra dos cauallos en vinte & quatro graaos 24 00 

O Rio do ouro en vinte & três graaos & trinta & cinco menutos .... 23 35 

O cabo das barbas en vinte & hum graaos & trinta menutos 21 3o 

O cabo branco en vinte graaos & vinte menutos , 20 20 

O Rio de Canagua en quinze graaos & vinte menutos 1 5 20 

O cabo verde & angra de bezeguiche 14 20 

O Cabo dos Mastos en quatorze graaos & vinte menutos 14 20 

A Ilha de Sam Thiago de Cabo uerde 1 5 20 

O Rio de guanbe en treze graaos i3 00 

O Rio grande en onze graaos 11 00 

O cabo da Ugua (?) en noue graaos & vinte menutos 09 20 

A Ilha dos Idollos en noue graaos 09 00 

Auguada da Serra Lioa en oito graaos 08 00 

O cabo de Santa Anna en fete graaos & vinte menutos 07 20 

O cabo do monte en féis graaos & quarenta menutos 06 40 

O Rio dos feftos da Cofta da malagueta o5 5o 

O cabo das Palmas en quatro graaos 04 00 

O Caftello de Sam Jorze da mina en cinco graaos & trinta menutos. . o5 3o 

O Rio da volta en féis graaos trinta menutos 06 3o 

O Rio do Laguo en finco graaos & quinze menutos o5 i5 

O Rio fermozo 

O Rio dos efcrauos em • 



• • 



• • 



• • 



5^ PRIMEIRO LIURO (J^ i5 

Graaos min.M 

A cidade do benin em • 

O cabo fennofo em 

A Ilha de fernã do poo em 

A ferra guerreira en três graaos o3 oo 

A Ilha de Santo Antonio que também fe chama do príncipe o3 oo 

A Ilha de Sam Thome da banda do fui en hum graao oi oo 

A Ilha de Cori mori junto da Períia em 21 00 

A Ilha da boa vifta en quinze graaos & cbcoenta menutos i5 5o 

A Ilha do fal junto com efta de boa uifta 16 3o 

As Ilhas de S. Nicolao, Santa Luzia, Sam Vicente 16 40 

Todas eftas quatro Ilhas eftam juntas & perto' da boa vifta. 

Eftes Jam os graaos da ladeia que fe ç/?es luguares hapartam da 
linha equinojial contra ho pollo antartico. 

Graaos min.»» 

O Rio do guabam fob ha equinofial 00 00 

O Cabo de Lopo gonfalves en dez menutos 00 lo 

O Rio do padram en fete graaos 07 00 

O cabo y fiifo en dez graaos & quarenta & cinco menutos 10 46 

Angra das aldeãs en dezafeis graaos & vinte menutos 16 20 

A manga das areas en dezafete graaos 17 00 

O cabo negro en defoyto graaos 18 00 

Angra das Baleas en vinte & hum graaos 21 00 

O cabo do padram en vinte & três graaos. . • . » 23 00 

Angra da Comp.?*™ ' en vinte & cinco graaos & trinta menutos 25 3o 

Angra de Sam Thome en vinte & fete graaos & quarenta menutos.. . 27 40 

Angra das voltas en vinte & nove graaos 29 00 

Os morros da pedra en trinta hum graaos 3 1 00 

Angra de Santa Ilena en trinta & dous graaos & trinta menutos 32 3o 

O cabo da boa efperança en trinta & quatro graaos & trinta menutos 34 3o 

O cabo das agulhas en trinta & iinco graaos 35 00 

Auguada de Sam bras en trinta & quatro graaos & trinta menutos . • 34 3o 

O Rio do Infante en trinta & três graaos & quinze menutos 33 1 5 

O Ilheo da quz ' en 

Os Ilheos de Sanxpona^ en trinta & dous graaos & quarenta, menu tos 32 40 

A ponta de Santa Luzia en trinta graaos 3o 00 

A ponta de Santa Martha en vinte & féis graaos 26 00 

O Cabo das Correntes en vinte & quatro graaos 24 00 

O Cabo de Sam Sebaftiam en vinte graaos & trinta menutos 20 3o 

Çofalla em ethiopia en vinte graaos 20 00 

As Ilhas primeiras en defafeis graaos 16 00 

Monfanbique en quinze graaos i5 00 

O Cabo delgado en dez graaos 10 00 

Quiloa en noue graaos 09 00 

Monbaça en quatro graaos & trinta menutos 04 3o 



I Conceição. ^ Cruz. 3 São Christovam. 



1 6 5^ ESMERALDO DE SITU ORBIS (^ 



Efies som os graaos da ladeia que fe e/les Luguares da terra do 
Braiil daleem do mar Ociano hapartam da linha equinocial em 
ladeia contra ho pollo antratico. 

Graaos Bin.«> 

Angra de Sam Roque en três graaos & trinta menutos o3 3o 

Santa Maria da Rábida en fmco graaos o5 oo 

O Cabo de S.^^ Âgoftínho en oito graaos & quinze menutos o8 i3 

O Rio de Sam Francifco en dez graaos lo oo 

Auguada de Sam Miguel en dez graaos lo oo 

Porto Real en quatorze graaos • 14 00 

Angra de todolos fantos en quinze graaos & quarenta menutos i3 40 

Porto feguro en dezoyto graaos 18 00 

O Rio de Santa L^uzia en dezanoue graaos & vinte menutos 19 20 

A Ilha de Santa Barbora en vinte graaos & vinte menutos 20 20 

O Rio dos ha Refees en vinte & quatro graaos & quarenta menutos. 24 40 

A Ilha de S.^* Crara en vinte & quatro graaos & quarenta menutos. . 24 40 

O cabo feio en vinte & finco graaos 25 00 

A Ilha de femahu en vinte & fete graaos 27 00 

A Ilha de Santo Amaro en vinte & oito graaos & trinta menutos ... 28 3o 

A Ilha dafemçam en vinte & hum graaos 21 00 

Angra fermofa en quinze graaos i5 00 

A Ilha de Sam Lourenço en quatro graaos 04 00 



Cap.° 8.*^ 

Do circulo da equinojial <& donde fe entendem os graaos do orbe da 
longura & ladeia. 

efta verdadeira & certa temos em aftrolomia que o circulo da equino- 
fiai parte igualmente ha Redondeza do mundo pello meo correndo do 
ouriente em ocidente voluendo em ouriente & por eftar afim no meo 
do orbe fe aparta nouenta graaos do pollo artico a que os marinheiros 
chamom Norte & pello mefmo modo outros nouenta tem de diftancia do pollo 
antartico que dos fobreditos he chamado fui; & hacontefendo cafo que algum 
homem eftee debaixo da equinofial que a tenha por zeniquy de fua cabeça vera 
os ditos poUos que ambos igualmente tocam ho ourifom que hum fe nom levanta 
mais que outro; & por que eftes termos de Zeniquy & ourizom nom fom enten- 
didos fe nom dos letrados nos parefeo bem de os declararmos aqui para aquelles 
que o nom fabem tomarem alguma Doutrina defta materia, pello qual deuem 
faber que Zeniquy nom he outra couza fenom hum ponto emaginado no ceo que 
vêem em detito do meo da nofla cabeça & fe eftiuerem mil homens juntos ou 
mais ou menos ou efpalhados cada hum teera feu zeniquy ; ourizom he onde nos 
parefe que fe o ceo ajunta com o mar ou com a terra defte fe chama detrimina- 
dor da nofla uifta por que daly pêra aleem nom podemos mais uer nada; Afy 
que quem chegar ha termo que tenha ha equinocial por zeniquy veera ambos os 
poUos que igualmente tocam ho ourifom como afima he dito ; & quem caminhar 




^ PRIMEIRO LIURO C^ »? 

per tanta diftancia pera o polio artico ou antartico que cada hum delles tinha por 
zeniquy de fua cabeça emtam teera ha equinocial por feu ourifonte ; & afy deueis 
mais faber que a ladeza do orbe & Redondeza do mundo os feus graaos fe con- 
tam da mefma equinocial para cada hum dos ditos polios & quantos graaos fe 
cada hum polio leuanta foo ho ourizom que também fe chama circolo do hemif- 
perio effes mefmos graaos eftaa ha qualquer luguar ou homem que aly efteuer 
hapartado em ladeza da linha equinoíial; & os graaos da longura fe contam de 
ouriente em oucidente a que os marinheiros chamom left e oeft & por fer dificil 
podem fe faber por nom terem ponto firme & fixo como fom os poUos que uem 
ha ladeza nom curo de nifto mais failar. 



Cap.'' 9 



o 




Do curjb que o foi fa:^ contra cada hum dos trópicos. 

foi entra duas vezes no anno na linha equinocial & faz dous equinócios 
hum he em onze do mez de março que entra nefte circulo no fino de aries, 
ho outro em quatorze dias do mes de Setembro que também na mefma 
linha entra no fyno de liura, no qual tempo he igual o dia da noyte por 
todo o mundo; e movendo fe o foi de aries fazendo feu curfo faz ha nos hum 
alto folefiicio & correndo atee doze dias do mez de junho entra no trópico & 
fyno de Cancer do qual luguar nom paífara pera fempre dos fempres ; & efte fe 
chama folefticio eftiual & fua mayor decrinaçam da equinocial contra efta parte 
he vinte três graaos trinta & três minutos & tanto que o foi toma a decer de can- 
cer & entra em libra em quatorze dias do mez de Setembro como afima he dito 
daly correndo outra uez faz a nos hum baixo folefticio atee que uay ter no tró- 
pico & fino de capricórnio em doze dias do mez de dezembro ; & efte fe chama 
folefticio yenal & fua maior decrinaçam he de vinte & três graaos & trinta minu- 
tos & daly nom pafarom em algum tempo & afim anda trabalhando & halumiando 
com feus Rayos folares per todo o anno correndo todolos doze fynos do ^odiaco 
cada mez entrando em um fyno fazendo fua morada fayndo de hum entrando em 
houtro & por que as alturas dos poUos tomadas pellos graaos do foi he couza 
muito necefiaria para fe faber a ladeza & diftancia em que alguns luguares eftam 
do circulo da equinocial contra o pollo artico & afy ho antratico por tanto efcre- 
ueremos aqui o modo que fe nifto hade ter por que fem efta decraraçam coufa 
alguma certa fe pode fazer mas he necefl*ario a qualquer que ifto quizer enten- 
der que fayba primeiramente quanto graaos & minutos ho foi tem cada dia de 
decrinaçam & fe aparta em ladeza da equinocial contra cada um dos trópicos; 
& ifto fabido & afim o tempo em que fe a dajuntar ha decrinaçam do foi com os 
grãos que fobir em fua altura ou quando fe ade tirar ha mefma decrinafam dal- 
tura ou quando hy nom ha decrinaçam emtam fera certo dos graaos que thomar 
& da ladeza que a da equinocial pera cada hum dos trópicos & poUos. 



1 8 ffc) ESMERALDO DE SITU ORBIS <%^ 




Cap.^ 10.^ 

De como fe ham dajuntar os graaos que o foi fobir aos graaos de 
Jua decrinaçam ou fe ham de tirar ha decrinaçam daltura que 
afim fobir. 

Itura do foi fe deue thomar juftamente ao meo dia com ho aftrolabeo 
ou quadrante & quem afy thomar em onze dias do mez de março & 
em quatorze dias de fetembro, & lhe o foi fobir nouenta graaos que 
he a fua mayor altura fayba certo que efta debaixo da linha equinofial 
& ha ter por zeniquy de fua cabeça ; por que em todo ho outro tempo do anno 
nom fobe o foi nouenta graaos entrando na dita linha faluo nos onze dias de 
março & quatorze de fetembro em que faz os dous equinofios & quem nos ditos 
dias thomar altura & achar que lhe o foi fouio cincoenta ou fafenta ou oytenta 
graaos ou mais ou menos com tanto que nom cheguem ha nouenta entam he 
certo que nom tem ha equinofial por zeniguy & para faber a ladeza em que efta 
tire afy os ditos graaos que lhe afy ho foi fobir de nouenta & ho que ficar efta 
he a ladeza de graaos que ha da equinocial contra cada hum dos trópicos. 

Item quem thomar a altura do foi em doze dias do mez de Junho, & hachar 
nouenta graaos daltura fayba certo que efta debaixo do trópico de cancer & efta 
em ladeza da equinosial em vinte & três graaos & trinta & três minutos & pello 
mefmo modo tomando a dita altura em doze dias do mes de dezembro & fe 
achar que o foi fobio nouenta graaos entam eftara debaixo do trópico de Capri- 
córnio & cada hum deftes trópicos neftes dias teera por feu zeniquy & teera a 
dita ladeza & diftancia da equinocial .f. xxiii graaos xxxiii minutos. 

Item pellos eftrologos he detriminado que a diftancia que ha da linha equi< 
nocial pêra cada hum dos trópicos fe chama tom da zona & mefa do foi & 
todolos mezes do anno corre o foi por efta mesa & pofto que elle fubá no luguar 
dos equinofios e trópicos nouenta graaos como no capitolo acima he dito tam- 
bém faindo deftes pontos em todolos doze mezes do anno fobe na dita corrida 
Zona os ditos graaos e em tal luguar pode homem aly eftar em algum dia de 
todolos mezes que o foi fobir a nouenta graaos & ho terá por zeniquy de fua 
taboa & quando nefte tempo achar os ditos nouenta graaos veja pela taboa das 
dicrinafões do foi a decrinafam daquelle dia a qual tirada a nouenta graaos que 
o íol entam fobio os que lhe ficarem efes efta em ladeza & diftancia da equino- 
fial contra cada hum dos trópicos. 

Item quem eftiuer em luguar que o foi feja entre elle & a linha equinofial 
ora efteje da dita linha para ho põllo artico ora para ho poUo antartico tomando 
altura do foi veja primeiro quantos graaos de decrinafam ho foi tem naquelle dia 
& fabidos os graaos da dita decrinafam tiralos ham dos graaos que entam o foi 
fobio & o que fobejar defta conta fe tirarom de noventa & defpois difto feito o 
que ficar efes fom hos graaos que homem efta em ladefa da linha equinofial pêra 
cada hum dos trópicos. 

Item quem for em luguar que efteje antre o foi & ha linha equinofial ora 
feja pêra hum pollo ora pêra outro deue tirar primeiramente ha decrinafam 
daquelle dia por a taboa das decrinaçõens & em tam tomando os graaos daltura 



5^ PRIMEIRO LIURO C^ 19 

do foi ajuntarotn â dita decrinafam com os graaos daltura & feyta a conta & 
foma de tudo fe tirará de nouenta & os graaos que fobejarem eíTes fom os que 
homem eftara em ladeza da equinofíal contra cada hum dos trópicos; Porem fe 
os graaos daltura juntos com os da decrinafam pafarem de nouenta entam fe 
tyrarom os nouenta ha fora & o que ficar efa fera ha ladeza em que homem eftara 
da equinofíal para cada hum dos trópicos. 

Item fe eftiueres em luguar que a linha equinocial efteje entre ty & o foi ora 
feja para hum poUo ora para outro vêe primeiro por as taboas das decrinafoes 
quantos graaos tem o foi de decrinafam naquèlle dia & tomada altura do foi 
ajuntados os graaos delia com os graaos de decrinafam & feyta a foma de tudo 
tirara a dita foma de nouenta & os graaos que ficarem efla fera ha ladeza em que 
eftaras da linha equinoíial pêra cada hum dos trópicos & efta conta fc deue afim 
fempre fazer emquanto ha equinoíial eftiuer entre ty & ho foi. 

Neceífario he a quem quizer entender efta noffa obra que fayba os mezes em 
que fe o foi moue da equinofíal para ho trópico de cancer & afy ho de capricórnio 
fegundo atras he dito no capitolo noue por que fabendo o tempo em que o foi 
corre pêra huma parte ou pêra outra & afy as decrinafoes delle & as deferenfas 
das fombras que faz fegundo o mez em que he aquém ou aleem da equinofíal 
afy entendera efta obra. 

Cap.^ ii.° 

Do modo & conto que nos he nefejfario pêra fe faber ho hencher & 
vafar do mar na mayor parte da Efpanha & afim em outras 
partes honde ouuer marees. 

om muita Rafon & caufa teemos fundada huma parte defta nofla obra 
na arte de marinharia fegundo he dito & apontado no fim do prologo 
defte liuro & por que delia nos hauemos daproueytar em todalas via- 
gens que por mar ouuermos de fazer por tanto comuem que o conto 
do curfTo da lua o qual he nefefario pêra por elles fabermos ho encher ou vazar 
do mar ajamos breuemente de dizer por que aquelles que o dito conto para as 
marees fouberem ligeiramente as pofla aprender & afy pofl'am faber a caufa por 
que os marinheyros dizem que fom de nordefte & fudueft na ma}^or parte defta 
noífa pátria defpanha ; & fabida a ordem delias por eftas fe poderá faber em todo 
o orbe onde maree ouuer fe he defta mefma natureza de nordefte & fuduefte como 
fom as da dita efpanha, ou a deferenfa que nellas pode hauer; pello qual pode- 
remos ter fabido em qualquer luguar onde eftiuermos quer feja dentro na terra 
longe do mar quer uindo de dentro do golfom do mar em bufca da terra pêra 
entrar em algum Rio quanta parte daugua da maree he cheia ou vazia tomando 
primeiro fundamento no encher ou vazar da lua esguardando bem quantos dias 
delia fom paftados da ora da fua com^unta & nouelunio a tee o dia & ora em que 
queremos faber ha dita maree; & fabido ho que dito he feguramente entrarom 
noflas naaos nos Rios & luguares em que lhe for neceífario hauer mefter quanta 
parte de maree he cheia ou uazia pofto que a nam veja encher nem vazar. 

Item primeiramente deuemos notar como os aftrologuos hafirmarom que da 
ora que a lua he noua & em conjunçam com ho foi a que o indoto vulgo chama an- 
trelinho atee a ora que toma outra uez a dita com juncam & novílunio paflam vinte 




20 ^ ESMERALDO DE SITU ORBIS í^ 

& noue dias doze horas & trinta & três minutos, & em cada uinte & quatro oras 
defpois da dita comjunçam que he hum dia natural ella fe aparta do foi quatro 
quintos de ora, & por efte modo corre atee os quatorze dias & meyo naturaes 
féis oras dezafeis minutos & hum fegundo emfim dos quaes ella he em opofiçam 
do mefmo foi, no qual ponto & ora he chea pello qual como íe comeía ha efcon- 
der pouco he pouco & tirar de noífa uifta ha craridade que do foi recebe em cada 
dia natural da mefma ora de fua oppofiçam & plinilunio outros quatro quintos 
de ora fe uay ao dito foi ha chegando atee outra uez fer na mefma conjunfam & 
nouilunio ; & efte he ho mouimento que a lua faz em cada mes que craramente ante 
noífos olhos veemos. 

Item, antre os aftrologuos & os marinheyros ha huma deferenfa fobre o curfo 
da lua por que os aftrologuos dizem que da ora da fua comjunçam & nouitunio 
em cada dia natural que he de vinte & quatro oras atee a hora em que he chea 
& em oppofiçam do foi quatro quintos de ora fe arreda do mefmo foi & paflada 
a ora da fua oppofiçam & plenilúnio outros quatro quintos fe uay ao foi ache- 
guando atee fer com elle outra vez em conjunfam fegundo já teemos decrarado 
nefte capitolo onze no Item leguinte que atraz fica; & os marinheyros dizem que 
nefte curfo da lua fe nom harreda ou hachegua ao foi em cada dia natural mays 
de três quartos de ora que Releua huma quarta pela agulha de marear; aífim que 
entre elles ha hum vintauo de ora de deferença & pofto que os aftrologuos nefto 
tinham a verdade dos marinheiros nom por efte conto feer tão pouco que nom 
Releua fe nom três minutos & nom faz defeculdade nem erro fenfiuel as marees 
de que efperamos tratar por tanto feguiremos ha oupiniom dos marinheyros por 
que as marees mais ligeiramente fe tiram pello conto dagulha de marear que por 
outra guifa fegundo os ditos marinheyros as dantiguidade feguem e praticam. 



Cap.^ i2.° 

Como pêra fe tirar & faber ha maree he necejfario faber primeiro 
agulha de marear. 

uem o conto das marees quizer aprender pêra que bem entenda he 
neceffario que primeiro faiba todolos Rumos dagulha de marear com 
fuás quartas & meos Rumos por que nifto faz todo o fundamento defta 
coufa & doutra maneira nom no poderá faber; & os marinheyros & pil- 
lotos que dantiguidade ifto praticarom primeiramente fouberom os ditos Rumos 
quartas & meos Rumos & por aly poferom em hoordem ho encher o uafar do mar 
nefta prouinfia de efpanha & em outras partes fegundo a deferença das marees, 
comefando do Rio de barbate dandaluzia atee toda galiza & moor parte de Bif- 
caya o qual conto hordenarom com féis oras de enchente do mar com outras 
féis na vafante; procedendo nefta maneira; Noroeft & fueft baixa mar, norte & 
fui mea montante, Nordeft & fudueft preamar; left & oeft mea jufante; & ifto fe 
hade entender quando a lua for no Rumo de Noroeft & fueft, entam fera o mar 
vafio na cofta de efpanha, & quando for no Rumo do norte & fui entam fera mea 
agua chea, & tanto que for no Rumo de nordeft & fudueft entam fera o mar de 
todo cheo em chegando a Lua em left & ha lo eft entam fera mea agua uazia 
deftas mares fas em toda ha cofta defpanha & parte de breberia do eftreito anpta 




!r^ PRIMEIRO LIURO <^ 21 

pera fora & ora a Lua feja noua ora mea ou chea fempre neftes Rumos faz a 
dita maree. 

Item OS marinheyros dizem & afy he verdade que de Rumo a Rumo dagu- 
Iha de marear ha efpafo de tres oras & por que ella tem oyto Rumos Releua 
uinte & quatro oras que he hum dia natural, & do Rumo a quarta ha tres quar- 
tos de ora & no meyo Rumo.huma ora & meya & afy uay procedendo hordena- 
damente per todolos feus Rumos quartas & meos Rumos partindo cada dous 
Rumos em' quatro quartas iguaes; & quando a lua he noua & em con juncam 
com o foi, fendo no Rumo de fueft feram noue oras do dia & fera o mar vafio 
na cofta de efpanha do eftreito para fora, por iffo dizem os marynheiros noroeft 
& fueft baixa mar, por que quando a lua he ao noroeft quer ja noua quer de outra 
maneira efta meíma maree faz, & no mefmo dia paflando ho foi com a lua na 
dita conjunçam ao fueft & a quarta do fui fera hum outauo dagua cheo; & indo 
mais adiante ao fufueft fera hum quarto da dita maree chea; & fendo ao fui & 
a quarta de fueft feram tres oytauos dagua cheos; & quando o foi for ao fui no 
qual Rumo fera meo dia feendo ha lua com elle na dita conjunçam como dito he 
íera mea agua chea & por iíTo dizem os marinheyros norte & fui mea montante 
por que fendo a lua ao norte efta mefma maree faz-, & indo aífim ho foi & a lua 
ambos juntos ao fui da quarta do fudueft feram cinco quartos daugua cheos; & 
como chegarem ao fufudueft feram tres quartos de maree cheos. E mais adiante 
ao fudueft da quarta do fui feram fete outauos da dita maree chea & tanto que 
afy a lua & o foi ambos juntos chegarem ao fudueft fera a maree de todo chea na 
cofta defpanha como aíima faz mençam & entam feram tres oras depois do meo 
dia, & por tanto dizem os marinheyros nordeft & fudueft preamar por que efta 
mefma maree faz a lua em qualquer tempo do feu curfo quando he ao nordeft 
ora feja em conjunçam com o foi ou hapartado delle; 

Item, tanto que afy o foi & a lua forem em conjunçam no dito dia de feu 
nouilunio como paifarem do fudueft & forem a quarta de loeft fera hum oytauo 
de maré vafi^, & fendo a loes fudueft fera hum quarto dagua vazia & como forem 
a loeft da quarta de fudueft feram tres outauos de maree vazia; E tanto que afy 
ambos chegarem a loeft fera mea jufante .f. mea augua vafia, & efta ordem leuam 
por que cada quarta Releua hum oytauo de maree & por iífo dizem os mari- 
nheiros left oeft mea jufante, por que quando a lua entra no Rumo de left efta 
mefma maree faz afy pela maneira que afima temos dito dos outros Rumos. 

Item. Correndo o foi com a lua em conjunçam do Rumo de loeft & ha quarta 
de noroeft como forem nefta quarta feram fmco oytauos dagua vaíios & paíTando 
adiante a loes noroeft feram tres quartos dagua vafia & feendo adiante ao noroeft 
& a quarta de aloeft feram iete oytauos dagua vafios & como forem ao noroeft 
fera baixa mar; & por iflb dizem os marinheyros noroeft & fueft baixa mar. 

Item ; tanto que afy a lua & ho foi forem na dita conjunçam fendo ao noroeft 
da quarta do norte fera hum oytauo da maree chea & paíTando adiante ao nor- 
noroeft fera hum quarto da dita augua chea & como chegarem ao norte da quarta 
de noroeft feram tres oytauos dagua cheos nefta cofta defpanha como ja he dito 
& por tanto dizem os marinheiros nordeft & fudueft preamar; 

Item; como ho fo! & a lua forem pela maneira que afima faz mençam ao 
nordeft & a quarta do left fera hum outauo daugua vafio & tanto que chegarem 
em les nordeft fera hum quarto da dita maree vazia; & como chegarem em left 
& quarta de nordeft feram tres oytauos daugua vafios, & como entrarem no 



22 f^ ESMERALDO DE SITU ORBIS í^í 

Rumo de left fera mea jufante & por iflb dizem os marinheyros left & oeft mea 
jufante .f. meo mar valio. 

Item ; Porque fegundo verdade do curfo da lua em cada vinte & quatro oras 
que he hum dia natural ella fe aparta do foi da ora da fua comjunçam huma 
quarta pella agulha por iíTo comvem que decraremos como comeflamos a pôr por 
ordem nefte conto das marees no primeiro Item adiante dos dofe capitolos as 
noue oras do dia fendo o foi em conjunçam com a lua no Rumo do fueft & por 
que agora temos corrido todolos Runios & dito das marees & que nelles foem 
ha contar, & por que atee quy fom paífadas vinte & quatro horas da ora em que 
comeíTamos elta obra & ha lua íica atras do foi três quartos de ora & nom fas 
ha maree como no dia paífado & he mais tarde os ditos três quartos de ora que 
Releua huma quarta pella agulha por tanto he bem que fe fayba o que ja quy 
temos decrarado & hacabaremos no fueft honde ifto comeflamos. 

Item paflando ho foi & ha lua do Rumo de left como forem na quarta do 
fueft feram finco outauos de maree vafios & tanto que forem no Rumo de fueft 
feram fete outauos de maree vazia & como o foi for ao fueft & a quarta do fui 
ficara a lua a fueft fera baixa mar .f. ha maree de todo vafia na cofta de efpanha 
do eftreyto para fora & por ifl^o dizem os marinheyros noroeft & fueft baixa mar, 
& já temos dito que pafl*adas as vinte & quatro oras da ora da conjunçam da 
lua com ho foi que he o dito dia natural ha maree he mais tarde três quartos de 
ora & paflado dous dias fera mais tarde huma ora & mea que Relebame o Rumo 
dagulha & afy uay cada uez mais muntiplicando em cada uinte & quatro oras 
huma quarta alem das outras pafladas & quem efta maree ouuer de tirar para fe 
aproueitar delia veja em que Rumo dagulha quarta o meo Rumo he o foi & 
entam conte quantos dias fom paftados da ora da dita conjunçam contando por 
cada dia huma quarta athe aos quinze dias ou menos fe menos forem & honde 
lhe ficar a lua aquella maree terá .f. fe for ao fueft fera baixa mar, & fe for a 
quarta do fui hum outauo dagua cheo & afy uay procedendo como atras he dito ; 
& fabida efta ordem & modo de fe tirarem as marees defpanha por ella fe fabera 
em outras partes honde maree ouuer fe fom defta calidade ou nom. 



Cap.° 13.** 

Como os cofmografos antiguos comefarom a efcreuer ho cercoyto do 
orbe da boca do ejlreito pêra fora a qual ordem nos feguiremos. 

a boca do medio terrano oucidental onde as colunas de Hercules fe diz 
que forom poftas dous promontórios fom que naquellas partes todolos 
outros em altura & fremofura excedem nenhum (Jic) delles he Abila 
no principio dafrica & ho outro Calpe na Europa, no qual luguar pro- 
priamente he a boca do eftreito guaditano ocidental honde alguns efcritores anti- 
guos diferom que atee ho mar oceano foomente cheguaba; os quaes promontó- 
rios agora por outro nome ha ferra da Ximeira & monte de Gibaltar chamamos^ 
& deftes dous os excellentes cofmografos comefarom a efcrever ho cercu}rto do 
orbe & nos ifio mefmo afy faremos mas fera dafrica & parte dafya foomente 
por que da Europa foy já por elles tam largamente efcrito que por iflb nom he 
mais neceflario dizer fe couza alguma ; & pofto que os antiguos efcritores mu3rto 




f^ PRIMEIRO LIURO í%í 23 

alumiados de doutrina foliem & dalguma parte de fuás excellentes obras algum 
pouco nos aproueytaíTemos defpois de fer perdida a iiauegaçam que fez menelao 
Cartaginenfe de Callez pella ethiopia de guinee atee ho fyno harabico & eudoxo 
do mefmo luguar ate Calez; pelos liuros que dos antiguos cofmografos íicarom pêra 
efta naueguaçam nenhuma couza nos podemos delles aproueytar faluo daquillo 
que com muito trabalho & grandes defpezas os príncipes fobreditos mandarom 
defcobrir & afy que ora voffa alteza defcobrio & ora nouamente foube; foomente 
por caufa daquelles que o orbe efcreuerom carecerem do exercício & fundamento 
da arte da marinharia que Radicalmente para iAo nom podemos efcufar & fem 
ella coufa alguma per mar fazer nem defcobrir podemos; a qual elles em fua 
cofmograíia nom efcreuerom ou pello nom faberem ou por lhe parefer efcufado 
& por quanto o lume do defcobrimento da Redondeza do mundo principalmente 
efta na mefma marinharia & nas Rootas & caminhos da cofta golfom do mar 
portanto comuem que aquillo que pellos antiguos efcritores & aíTy pellos moder- 
nos ficou por dizer pêra fabedoria & comprimento defta naueguafam das ethio- 
pias de guinee & das índias & outras partes nos ho dignamos & defcreuamos 
por que perdendo fe em algum tempo a dita navegaçam pelo que aqui he efcríto 
breuemente fe poda tornar ha faber & Reformar pello qual para noífo funda- 
mento comefaremos proseder dos promontórios da Ximeira & monte de Gibaltar 
por feguirmos a bordem dos antiguos efcritores, & por tanto efcreueremos toda a 
cofta pêra diante pêra dita ethiopia & índia pellos próprios nomes & ventos que 
os marynheiros ha bufam & praticam pois fe nom pode efcufar; 

A ponta dalmina he a propria parte do promontório da Ximeira que dos 
antiguos efcritores abila foy chamada bonde he fituada ha grande & excelente 
cidade de Gepta da qual aqui pofemos fua fygura & afy do monte de Gibaltar pin- 
tada pelo natural por efte B ho principio do noífo eftreyto oucidental, & efta no 
tempo de fua profperidade todalas outras cidades de mauritanya & tingitanya 
& aíim alguma parte das da efpanha em nobreza & riquefa procedeo, & aqui he 
ho principio das terras dafrica muito fértil de pam, vinho, fruitas, carnes, pefca- 
rias de defuairadas naçoees de pexes & outras muitas coufas dinas de grande 
louuor; & efta fe aparta da linha equinocial em ladeza contra ho polo artico 
trinta & cinco graaos & hum terço & eftes mefmos graaos fobe & feleuanta aly 
ho mefmo pollo fobre o circulo do hemifperio. 

E quando venta leuante podem poufar as naaos de dentro dalmina da banda 
daloeft honde efta huma praya & chamom aly o porto delRey & poufarom nas 
vinte brafas & eftarom mea légua de terra em fundo limpo, & ventando ponente 
podem poufar detraz almina em outro tal fundo da banda do leuante 

aqui mapa 

Item; Pois ja temos falado dos dous fermofos promontórios que atras ficam, 
Abila em africa & Galpe na Europa agora he rafam que dignamos da grande 
Gidade de Gepta em africa fituada a finco léguas da villa de Alcacere-Giguer a 
qual efta fora do eftreito junto com ho mar & ha terra darredor dalcacre toda 
he ferra braua & montanhofa a qual tem dous montes altos os quaes fe uem 
meter no mar & ho que efta da parte efquerda da banda do leuante tem um 
Gaftello velho quafe deRibado que ha nome alcacere ho velho; ha outro monte 
que eftaa a parte da terra contra oucidente fe chama o íermil & por que ifto fe 



24 ^ ESMERALDO DE SITU ORBIS <^ 

melhor entenda pofemos aquy Alcacre com alguma parte de fua terra pintado 
pello natural, a qual terr^ he muito vifofa & fértil das coufas neceflarias & 
hadiante nefta outra folha diremos da muita antigua & forte Cidade de Tanger; 
porem todo nauio que ouuer de poufar em alcacre veja na baya onde efta huma 
carauella pintada, e fe for nauio pequeno poderá aly poufar & fe for grande 
algum tanto mais ao mar 

aqui mapa 



Cap.® 14, 



o 




Das Rotas conhecenças, f ondas <St marees ék graaos que o pollo artico 
fe levanta fobre o circulo do hemifperio de Tanjer para diante 
contra guinee <St índia. 

or que as coufas dynas de memoria nom deuem ficar em efquecimento 
por tanto comuem que aquilo que fabemos fe digua da muito forte & 
antigua Cidade de Tanjer a qual efta cinco leguoas de Alcacre para 
fora do eftrei^o & no feu antiguo principio tyngy ouue nome fegundo 
diz plinyo no feu quinto liuro da natural iftoria capitolo primeiro ; o qual nome por 
muitos annos defpois em Tanjer lhe foy tornado cuja pintura pello natural & 
também do Cabo de fpartel aqui pofemos, & Tanjer fe aparta em ladeza do cir- 
culo equinoiial contra ho pollo artico trinta & iinco graaos & quinze minutos & 
diz pomponio mela autor muito antiguo no feu primeiro liuro da cofmografia 
que tingi foi edificado pello gigante anteo que pelejou com Hercules; e que no 
muro da parte de fora tinha pendurado hum muito grande efcudo cuberto de couro 
dalyfante o qual por fua grandeza era difpofto a nenhum uzo foomente criam os 
moradores defta terra que o mefmo Anteo trazia efte efcudo nas batalhas. 

Item ; Adiante de Tanger duas leguoas efta o promontório de fpartel afy que 
de Cepta ha efpartel fom doze leguoas & jaz a ponta dalmina com efpartel les 
nordeft & hoes fudueft & quem fizer efte caminho 3rra fora do efpartel em mar 
delle duas léguas & mea; & daquy lança a maree noue oras pêra dentro pêra o 
eftreito & três oras pêra fora & nom he tal como as marees de que atras falamos 
& toda a terra que uem de Cepta por fima^da cofta do mar he ferra muito alta 
atee carrar em fpartel & o fundo nefta cofta he tam alto que os nauios nom 
podem poufar fe nom muito perto da terra & em fpartel da banda de fora do 
fufueft efta hum muito bom poufo & ancorafam do leuante & podem aly poufar 
em quinze & vinte & vinte & finco atee trinta brafas, & tudo he limpo & fundo 
de area & ho leuante vem por fíma da terra & delle faz boa abriguada; & em 
huma angra que nefte cabo efta foy ja feita huma almadraua em que pefcauam 
muitos bateis & afy he efta terra muito fértil de todalas coufas & outras muitas 
pefcarias alem dos atuns de que afima falamos. 

aqui mapa 

Item jaz o cabo de fpartel & ho harrecife darzila que antiguamente fe chamou 
Liza fegundo diz plinio no feu quinto liuro da natural iftoria capitolo primeiro 
norte & fui finco leguoas na Rota & ha terra defpartel pêra adiante ao longuo 



H> PRIMEIRO LIURO (^ . .25 

do mar toda he baixa & ho fundo limpo & hapracilado que por todo o loguar 
podem poufar feguramente, & arzila fe aparta do circolo da equinocial em ladeza 
contra o polio artico trinta & íinco graaos fmcoenta minutos; &.no Recife dar- 
zila fe nom deue entrar lem piloto da terra ou pelos finais que naquella terra fom 
poftos .f. dous maftos em terra que eftam em dentro do canal por onde os nauios 
deuem entrar & por fe ifto milhor entender pofen^os aqui pintada pelo natural a 
villa darzilla com feu harecife na qual pintura vay huma carauella á vella pera 
dentro por honde deue ir; & dentro do arrecife podem poufar nauios pequenos 
atee trinta & finco toneis mas hamarrem fe bem do vento noroeft que he aly tra- 
veçam e mete dentro grande Refaça que lança os nauios a perder; & todos eftes 
quatro luguares .f. Cepta, alcacre, Tanger, & arzila som defies Reynos de Por- 
tugal, & de fua Coroa Real porque vay ora em noventa annos que Cepta foy 
tomada por forfa darmas aos mouros por elrey Dom Joham ho primeiro defte 
nome da gloriosa memoria vofl'o vifavôo; & os outros três por elRey Dom Afomso 
ho quinto vofo tyo de quarenta & fete annos para ca pello mefmo modo também 
por forfa darmas aos mouros os tomou dos quaes sempre se fez áspera guerra 
a eftes inimiguos da nofia fanta fee católica a qual vofa alteza de bem & melhor 
com muitas vitorias cada vez faz mais multyplicar. 

aqui mapa 




Cap.^ i5.° 

Dàs Rotas conhecenças, fondas & tnarees & alturas do pollo artico 
dar^ila pera Larache & daly para baixo. 

tem; fe algum nauio partir darzila & quizer ir pera Larache fazendo 
de noyte escuro que nom veja a terra tanto que for huma grande légua 
em mar do arrecife para o caminho de fufudueft & dobrara ha ponta 
das barrofas que fom três legoas alem darzila as quaes barrofas fom 
humas barreiras altas brancas que vem çarrar com ho mar; & toda a terra dar- 
zila pera Larache he feita em montes baixos & eftes montes vem carrar com as 
ditas barrocas & delias a boca do Rio de Larache íom duas léguas; & ha entrada 
defte Rio em noíTo tempo he da banda de fudueft muito perto da pedra onde 
efla hum baluarte que tem dous cubellos abaixo da Villa de Larache junto com 
o Rio fegundo fe- vera nefta pintura feyta pello natural que aqui pofemos; o 
qual Rio tem no canal quatro braças & mea dagua de preamar & ha maree de 
nordeft & fudueft como. as da nofla efpanha féis oras de enchente & féis de va- 
fante; & os finais pera conhecer efte Rio fom eftes da banda do fudueft efta hum 
caftello que fe chama dos genouezes que por fer muito branco parece vella de 
naao; & da banda de nordeft eftam as ditas barrocas altas & brancas como dito 
he; & dentro de húma enfeada que fe aly faz efta a boca defte Rio de Larache 
do qual indo por elle afima efpafo de huma légua da banda da maão efquerda 
hacharom ha deftroida Cidade de Xamez que antiguamente foy grande & nobre 
a qual dizem que com fua defenfam quarenta annos defpois da perdiçam da ef- 
panha contra os mouros fe manteue & em fim pellos mefmos mouros foy def- 
troida fendo de chriftãos ; & ha huma leguoa da boca defte Rio em mar hacharom 



26 ^ ESMERALDO DE SITU ORBIS (^ 

vinte & finco & trinta braças & todo efte fundo he area & Hmpo que feguramente 
podem as naaos por aly poufar & efte Rio he de muita pefcaria & a terra de 
redor delle de muito pam & no veraão he muito doentio de febres & efte fe aparta 
do circulo da equinofial trinta & féis graaos & dez minutos em ladeza. 

aqui mapa 

Item do Rio de Larache as halagunas fom finco leguoas & eftas halagunas 
tem huma enfeada que dentro delia efta huma halaguoa na qual nom podem en- 
trar fenom batees pequenos & fobre ella eftaa hum foueral redondo da banda 
de Left & efta he a conhecença das halagunas & finco leguoas haleem das hala- 
gunas efta hum montesinho fobre ho mar Rafoadamente alto a que chamom for- 
nilho. 

Item; Adiante de fornilho finco leguoas efta o rio de mamora & jaz efta 
cofta de Larache atee qui norte & fui & toma da quarta do nordeft & fudueft 
& por quanto fazendo efte caminho yram muito hachegados ha terra fe for de 
noite fafam o caminho de fufudueft & yra feguro quem efta naueguaçam fizer 
& dobrar a toda a cofta; & efte Rio da mamora teem da banda do fui huma 
barreira parda muito alta & dentro da entrada do Rio da banda de left tem huma 
mata ao longuo doutra barreira & efte Rio em noflbs dias tem duas entradas; 
huma delias jaz nordeft & fudueft ao longuo de huma cabeça darea ha qual en- 
trando pêra dentro hade ficar da banda da maão direita três ou quatro tiros de 
pedra; ha outra entrada jaz left & loeft ao longuo de huma barreira parda & 
teem no canal quatro braças & mea dagua de preamar & ha maree de nordeft 
& fudueft féis oras de enchente & féis de vafante & podem hir por efte Rio 
afima atee féis ou fete léguas nauios pequenos de trinta tonees & os grandes 
ficarom mais em baixo acerca da boca defte Rio; & ha huma légua dentro da 
boca defte Rio eftaa huma lha ê que podem thomar lenha em habaftança & afy 
efte Rio como o de Larache ambos no veraão fom muito doentios de febre. & 
tanto avante como a boca defte Rio nas trinta braças tudo he limpo daly pêra a 
terra & podem poufar feguramente mas guardem fe do vento noroeft; que he aly 
traveflam; & por efte Rio afima podem hir barcos pequenos atee a Cidade de 
feez no tempo do inuerno; & ha terra de dentro defte Rio he chaam & campo 
de muita criaçam de guados & grande laurança. 

Item; ho Rio de mamora com ho Rio & villa de Cale ha qual aquy pofemos 
pintada pello natural jazem nordeft & fudueft & tem na Rota fete leguoas & efte 
Rio de Çalle tem huma entrada da banda de lefueft ao longuo de hum cubelo & 
efta tem no canal duas braças & mea larguas de preamar daugua uiua & ha 
maree de nordeft & fudueft & da banda do fui tem outro canal & antre eftes 
dous canaees tem huma Reftingua de pedra muito grande & ha luguares darea 
na qual rompe muito ho mar; & a conhecença defte Rio he a torre de Gale muito 
grande & alta & da feiçam que aquy efta pintada que nom ha outra tal em toda 
efta cofta & pello mefmo modo a Cidade de Cale he grande & mal pouorada & 
ha ho mar defte Rio tudo he limpo & boa ancorafam quem eftiuer de fora nas fin- 
coenta braças eftara des legoas da terra; & em Cale fom três luguares dos quaees 
os dous foomente aquy pintamos & eftes eftam dentro do dito Rio per meo delles 
.f. da parte de themicina a honde andam os halarues da enxouuia aly eftaa hum 
deftes luguares que fe chama ho harraualde; & ho outro ha nome exale honde 




f*í> PRIMEIRO LIURO í%í 27 

antiguamente fe fepultavam os Rex de feez tendo também outra fepultura no 
inferno; & da parte da mamora honde fe mete o outro Rio que vêem de féez 
a que chamom Cebu fmco leguoas abaixo defte eílaa a Villa de Calle, & todos 
efies três luguares por hum nome fe chamam Calle & daly a dez leguoas efta 
hum Rio pequeno que fe chama tifil-felti & diante defte oito leguoas eftg. outro 
Rio que ha nome bety & de bety ha cidade de fees fom fete leguoas. Afy que 
de Calle a feez fom vinte & finco leguoas & toda efta terra he muito fértil de 
pam carnes pefcados & mel & outras muitas coufas boas & muito bons caualos 
que por muitas uezes a eftes Reynos trazem. 

aqui mapa 



Cap.° i6.° 

Das Rotas conhecenças, /ondas marees alturas do pollo dalmancora 
& fandala pêra diante contra guinee & índia. 

tem; Jaz o Rio de Calle & a Villa dalmancora nomordeft & fufudueft & 
tem fete leguoas na Rota & efte caftello dalmancora dizem que os 
Lioeês ho defpouoarom & deftroirom por que comerom tanta gente 
delle que alguma pouca que ficou fugio & foy uiuer em outras partes ; 
& dalmancora aas Ilhas de fedala auera huma leguoa pouco mais ou menos & 
fedala tem por conhecença duas Ilhetas & ha terra delias podem poufar nauios 
pequenos atee oitenta tonees em quatro & finco braças daugua & todo efte 
fundo he area & limpo & boa ancorafam, & quem aly furgir hamarre fe forte por 
caufa da grande Refaça que aly o mar mete & quando homem vay do mar em 
fora demandar efta terra nom pareferom eftas Ilhas fe nom terra firme & feendo 
huma leguoa delias da banda de nordeft entom moftram que fom Ilhas & toda 
efta cofta & caminho he praya & por que melhor ifto fe pofla entender pofemos 
aquy pintada pelo natural a Villa dalmancora com huma aruore que tem por co- 
nhecença afy as Ilhetas de fedala. 

aqui mapa 

Item ; Jaz a villa dalmancora & as Ilhetas de fedala com ha baya da Cidade 
danifee nordeft & fudueft & tem na Roota finco léguas; & todo efte caminho 
fom barrocas de pedra ao longuo da Cofta & pouca praya & ho fundo fujo ; & a 
conhecenfa defta Cidade danifee a qual aquy pofemos pintada do natural he huma 
grande baya que tem hum arrecife de pedra perto da terra o qual tem huma boca 
pequena da banda do nordeft & da parte do fudueft tudo he cerrado & aleem da 
conhecenfa fobredita pella mefma Cidade & por huma grande torre que tem fe 
pode bem conhecer & afy pella terra do Btaao que he muito baixa a qual he 
muito fértil de todo o neceflario, & vay ora em trinta & oito annos que o exci- 
lente Principe Infante Dom Fernando voflb padre com grande frota & muita 
gente em peífoa foy fobre efta cidade & por forfa de armas ha entrou & deftroyo 
& com muita vitoria e honrra fe tornou para eftes Reynos ; e efta queda Recebeo 
anifee alem doutra afaz grande que ja recebyda tinha auera ora cento & facenta 
& finco annos que fe perdeu quafy toda a principal gente danifee na batalha do 



28 ^ ESMERALDO DE SITU ORBIS (^ 

falado " a qual foy antre gibaltar & tarifa onde chamom a pena do Coruo na qual 
foy o excelente Principe & maungnimo caualeiro elRey Dom Afonfo o quarto deites 
Reynos de Portugal voffo quarto avoo que jaz fepultado na See de Lifboa, o 
qual foi em ajuda delRey Dom Afonfo ho onzeno de Gaftella feu janro com muita 
jente que deftes Reynos leuou feendo fete Rex mouros entrados nos Reynos de 
Gaftella com grandefiífimo poder lhe hiam tomando a terra & ha efta defençam 
& ajuda foy efte fereniflimo Prindpe; Porquanto elRey de Gaftella nom podia 
regiftir ha multidam dos ynimigos & quanto feruiço fez a Deos efte bem auentu- 
rado Rey quanta honrra ganhou nefta batalha na defenfam de feu fanto nome & 
dos Reynos de Gaftella na fua crónica fe pode bem ver ; na qual batalha fe per- 
deu toda a honrrada & limpa jente danifee como afima difemos fem nunca mais 
atee hoje em dia fer reftituyda a fua profperidade ; muytas coufas poderíamos 
dizer da bondade danifee & profperidade fua em outro tempo que efcufo efcre- 
uer por nom alargar mais a materia. 

Item; partindo dangra danifee fazendo ho caminho do fudueft para loguo hy 
perto hum cabo que fe chama do Gamelo do qual ha fuma da Gicor fom dez 
leguoas & toda efta cofta he praya & ho fundo limpo que per todo lugar podem 
furgir feguramente; & efta furna da Gicor tem em fima de fy três montes darea 
feitos em mamoas agudas & afy tem mais huma mata Rafoadamente alta & ao 
nordeft defta furna mea légua em mar eftaa huma baixa de pedra em que o mar 
rompe, deftes fom os uerdadeiros íinaes pêra conhecer a furna de Gicor; & jaz 
efta cofta nordeft & fudueft. 

aqui mapa 



Cap.^ 17 



o 




Das Rotas conhecenças /ondas & marees, alturas do pollo artico da- 
nyfee pêra haiamor & dy pêra deante. 

tem ; da furna da Gicor de que atras falíamos ao Rio & villa dazamor 
fom duas léguas & jaz efta cofta nordeft & fudueft & o fundo fobre 
efte Rio huma leguoa em mar todo he limpo .f. area & vaza difto 
pellas trinta & finco & quarenta braças & afy he limpo pellas doze & 
treze vidas (Jc) & deftas pêra a terra tudo he cujo de lagido & pedra que corta 
hamarra & fobre ho primeiro banco defte Rio o qual eftaa fora da boca delle 
huma grande leguoa ha quatro braças larguas dagua de preamar ha duas braças 
& mea d'agua, & nefte nom Rompe ho mar por quanto o banco de fora recebe 
primeiro todo o golpe da quebrança delle ; & paflado efte derradeyro banco pêra 
dentro junto com a Villa dazamor ha finco & féis braças daugua & ha canal deste 
Rio em noflbs dias jaz noroeft & fueft; & efta entrada he pêra nauio pequeno & 
teem ha maree de nordeft & fudueft, & porque a barra e canal defte Rio muitas 
vezes fe muda ho piloto que aquy ouuer de entrar fonde primeiro a dita barra 
ou entre com piloto da terra & entrara feguro ; & ho final pêra conhefer efte Rio 
he que da banda do nordeft duas léguas eftaa o cabo & furna do Gicor de que 



I Este dado marca o anno de 1 5o5. 



J 



f^ PRIMEIRO LIURO d^i 29 

no Item hatras falamos, & quem for huma leguoa avante ha eile cabo pera o 
dito Rio loguo para a Villa dazamor na qual ha marauilhofa pefcaria de favees 
muito grandes & boos de que paguam trabuto a Vofla alteza; & efta Villa daza- 
mor & fuas comarquas fom muito habaftadas de pam, cames, pefcados & outras 
muitas çoufas & átee efte luguar fe conta ha primeira parte do Reino de feez & 
poys atee quy viemos contando alguus luguares da parte maritima delle Razam 
he que dignamos honde tem feu principio & afy dalgumas cidades & villas do 
Btaão, & da fua fegunda parte. 

Agora diremos do Reyno de feez como tem feu principio em hum Rio que 
fe chama meluya pelo qual fe departe com o Re3mo de tremecem, & efte Rio 
eftaa dez léguas alem do cabo dante fulcos & daly a boca do eftreito de Cepta 
fom fincoenta leguoas por dentro pelo mefmo eftreito ; & finco leguoas defte Rio 
de meluya pera ho oucidente he fituada a Villa de melila o qual he o primeiro 
luguar o eftremo de feez com tremecem & fete leguoas de melila pera o mefmo 
oucidente eftaa a villa de Caçaca & adiante doze leguoas pera o dito oucidente 
efta outra villa que fe chama belez da guomeira & hadiante trinta leguoas he 
fytuada a grande Cidade de Cepta & afy profede vindo toda a cofta de Cepta 
em diante pera fora do eftreito com feus Rios, angras, portos, Cidades & villas 
atee hazamor fegundo hatras vêem efcrita; & no Btaão eftaa ha grande Cidade 
de feez da qual o Reyno tomou o feu nome; & oito leguoas alem de feez he 
lituada a Cidade de Maquinez & adiante efta outra cidade muito boa que fe 
chama teza; & efta he ha primeira parte do Reyno de feez & hagora tornare- 
mos ha efcreuer ha fegunda parte & feguiremos o caminho & hordem da Cofta 
do mar do Rio dazamor em diante ; 

A fegunda parte do Reyno de feez tem feu principio no Rio dazamor do 
qual ha baya de mazaguam fom duas leguoas & jaz com o dito Rio nordeft & 
fudueft & tem duas leguoas na Rota & aquy foi antiguamente a Gdade de ma- 
zaguam que agora he de todo deftroida & efta angra he boo porto pera naaos 
grandes a qual aquy pozemos pintada pello natural & quem fe nella houuer 
damarrar haboyce bem fua amarra por quanto aquy o fundo he fujo & tem pedra 
ha luguares que corta hàmarra & defta angra pera diante fe comeftam os cam- 
pos de duquella que fe eftendem quafy quarenta leguoas terra de grande fertili- 
dade de pam & carnes; & nefta bahya de mazaguam carreguam muitas naaos 
deftes Reynos & afy de Caftella de trigo quando ca por noflbs pecados ho Deos 
nom da ; & eftes campos fom ocupados dalarues de huma geraçam que fe chama 
ha Xarquya na qual fe afirma que fom mais de quarenta mil de cauallo mas 
fom todos defarmados. 

Item; Jas angra de mazaguam & ha villa de tyty nordeft & fudueft & toma 
a quarta do left & daloeft & tem três leguoas na Rota, & primeiro que cheguem 
a tyty com mea leguoa a pouco mais efta huma angra de Razoada grandeza em 
que caberom dez ou doze nauios pequenos a qual tem dentro huma torre pequena 
derribada; & tyty tem por conhecenfa huma torre muito alta que nelle eftaa & 
afy tem em terra huma calheta em que podem entrar batees fazendo bonança 
mas guardem fe do vento noroeft que He aly trauefom & mete grande oUa de 
mar ; & antiguamente foy efta villa de t5rty muito pouorada & aguora a quarta 
parte do que foya a fer nom tem de pouoraçam & efta terra he muito fértil de 
pam carne & pefcados. 

aqui mapa 



3o 



5^ ESMERALDO DE SITU ORBIS (^ 




Cap.° i8.^ 

Das Roias fondas conhecenfas de terras & alturas do pollo artico 
de tfty em diante correndo pela fegunda parte do Rejno de Feeç. 

tem ; Jaz a villa de tyty com ha cafa do Caualeiro lefnordeft & oeflu- 
dueft & ha na Rota fete leguoas & efta cafa do caualeiro eíla nefta 
mata atras pintado pello natural; a qual cafa tem por conhecenfa 
huma cafa comprida emfima de huma lombada & na Ribeira hum 
grande arrecife do qual a entrada delle he da banda de nordeft junto com huma 
Ilheta que aly efta, & dentro faz huma furna em que podem poufar nauios de 
grandura doytenta tonees os quaes fe amarrem a quatro amarras duas por proa 
& duas por popa por caufa da grande Refaça que o mar aly mete & poufarom 
em fete & oyto braças tudo limpo ; & nefta cafa do caualeiro ha muito tríguo & 
feuada & muitas uezes carreguam aly nauios delle ; & iífo mefmo ha aly muita 
habaftança de carne & cada ; & no mar nas fincoenta & fafenta brafas ha muita 
pefcaria de pixotas & doutros muitos peixes mas quem aly for fe guarde dos 
alarues & thomem bons arrefens por que fom muito maa gente. 



aqui mapa 

Efta he a cafa do cabaleiro aa qual os mouros em fua linguoa chamom 
ugueer, & por fe melhor conhecer ha pozemos aquy pintada natural, da qual o 
capitulo que delia falia efta hatras nos defoyto capitulos ; & efta cafa do caualeiro 
fe corre com ho cabo de Canti left & oeft & tem fete leguoas na Rota & quem 
para efte cabo for guarde fe de huma baixa de pedra que efta a pouco mais de 
mea légua delle ao noroeft; a qual baixa he muito perigosa & ja fe nella perde- 
rom nauios & quando ho mar corre Rompe nella & ha conhefenfa defte cabo de 
canty he que da banda do norte faz huma terra groffa fobre elle que parefe fom- 
breiro & daly torna a cofta ao fui & também fe aparta em ladeza da linha equi- 
nocial contra ho pollo artico trinta & três graaos & meo & eftas três fom hafaz 
de booas conhefenças. Porem quem partir do cabo de efpartel ou darzila fendo 
em mar três leguoas delia & quyzer ir pêra canty fafl*a fempre o caminho do 
fudueft & yra por fora da enfeada por que afy jaz Canti com efpartel nordeft & 
fudueft & tem na Rota oytenta & duas leguoas & quem nefta cafa do caualeiro 
ouuer de entrar & nella quizer forgir veja efta pintura & como teem ha entrada 
antre a terra firme & as Ilhas & yra poufar dentro em oyto braças fe amarre a 
quatro amarras como atras dito he duas por proa & duas por popa. 

aqui mapa 

Item ; jaz o cabo de canty de que atras falíamos com a ponta do canaueal 
norte & fui & thoma a quarta de noroeft & fueft & tem na Rota finco leguoas ; 
& nefta ponta do Canaueal efta huma muito boa fonte & por conhefenfa tem em 
fima hum monte alto & a gente dos nauios thomom aly muitas uezes uguaa; 
mas quem nefte luguar for em terra ponha fua atalaya por que como os halarues 









f*í> PRIMEIRO LIURO (^ 3i 

aly vêem criftaãos loguo trabalham por os matar; & adiante delia ponta do cana- 
ueal pouco mais de mea leguoa eftaa a Cidade de Çaíy trabutaria a Vofla alteza 
da qual aquy pofemos fua pintura natural & ella he fituada junto com ho mar & 
tudo aly he praya & coíla braua & ho nauio que aly poufar guarde fe do vento 
hoeft por que nefte porto he traueçam ; & efta Cidade de Çafy he muito fértil de 
pam carnes pefcados & muitos & boons cauallos que ham dos alarues dos quaes 
alguns fe trafem pêra eftes Reynos & afy ha quy ouro que os alarues trafem por 
terra de guinee ; & muita courama de toda forte & mel & cera com outras mer- 
cadorias em que fe fai afaz proueyto. 

Aleem da Cidade de Cafy trinta leguoas no Btaão efta a grande Cidade de 
Marrocos na qual ha vinte & quatro portas pellas quaes dizem que no tempo de 
fua prosperidade por cada porta fayam mil de cauallo com feu capitam, & quando 
os mouros efpanha tomarom no anno de noflb fenhor de fetecentos & dezanoue 
annos leuarom de Seuilha & de fuás Igrejas aa Cidade de Marrocos nouenta 
fynos mu3^o grandes os quaes hoje em dia fom poftos em huma torre de fua 
mefquita mayor fem terem badalos por memoria os tem aly; com oyto portas 
forradas darame que iíTo mefmo de feuilha enfam leuaram & feendo efta Cidade 
tam grande & tam popolofa & huma das principaes coufas dafrica aguora he por 
que das trinta partes da fua pauoraçam nom he huma parte pouorada; por que 
ha mays de fua gente & ha melhor delia morreo toda na batalha do falado com 
a outra gente dan)rfee como atras faz meqçam; & lemos que defta Cidade foy 
Santo Agostinho natural & daquy fe pafou em Italia honde aprendeo as latinas 
letaras & linguoa latina & per graça do efpirito fan to fe fez chriftaão; 

Item ; ha doze & ha quinze leguoas de Çafy no Btaão contra Marrocos & 
também fora de feu caminho eftam eftes luguares .f. almedina, & alhamiz & 
bulanham, & cocyta & tedenez, que antiguamente foy grande & aguora he def- 
pouorada; pois já temos dito ifto agora conuem que figuamos noflb propofito & 
nos tomemos a Çafy pêra dy efcreuermos em hordem os outros luguares da 
Cofta do mar. 

aqui mapa 



Cap.° 19.° 

Das Rotas conhefenfas efe graaos que o pollo artico fobe fobre o cir- 
culo hemifper/o de Çafy pêra diante efe alguns luguares. 

tem ; Jas Cafy & ho Rio dos favees norte & fui & ha na Rota finco 
leguoas & efte Rio he muito pequeno que nom podem nelle entrar fe 
nom batees & por tanto nom falíamos na maree delle nem nos graaos 
que fe aparta da equinocial; & da banda do fui tem por conhecença 
huma ferra alta que vay de left para haloeft aa qual chamom as ferrarias, & da 
banda do norte tem hum monte foo alto que uem ter na Ribeira & nelle bate ho 
mar & ha entrada defte Rio he antre duas pedras. 

Item; Jaz o Rio dos favees com a Ilha de Mouguador les nordeft & hoes 
fudueft & ha na Roota fete leguoas; & efta Ilha he pequena que ao mais fará 
tamanha como a verlengua & tem duas entradas huma delias he da banda de 
nordeft & a outra da parte da loeft fudueft & hauera defta Ilha ha terra firme 




32 H> ESMERALDO DE SITU ORBIS (^ 

quanto huma grande beefta pofla lançar huma feeta ; & na terra firme tem muita 
augua doce junto com o mar que corre atee fe meter nelie; & delias duas entra- 
das do poufo & porto defta Ilha de que afima falíamos ha melhor delias he a da 
banda do nordeft por que a outra he fuja & de muita pedra \ & nefta boa entrara 
nauio de cem tonees & deue fe hamarrar ancora & proyz dando o dito proyz na 
meíma Ilha & eftara em féis & fete braças boo fundo limpo & feguro; & todo o 
fundo de redor delia ha mea leguoa he fujo de muita pedra & qualquer navio 
que aly poufar perdera ancora & efla Ilha he Razoadamente alta & tem hum 
Ilheo da banda do norte muito alto com hum alguar no meo em que entra ho 
mar & do golpe que daa fooa muito; & no anno de noíTo fenhor Jefus Chrifto 
de mil & quinhentos & féis annos mandou voíTa alteza edificar na terra firme 
defta villa de-moguadpr' junto com ho mar hum caftello que fe chama Caftello 
Real do qual foy capitam & per uoflb 'mandado hedificador Dioguo dazambuja 
caualeiro de vofla caza & Comendador da ordem de Sam Bento da Comenda 
dalter pedrofo; o qual ouue tanta contradiçam & perfeguiçam da multidam dos 
bárbaros & alarues que fe ajuntaram ha pelejar com os que efte edifício forom 
fazer quanto fua pofança habranjeo & em fim efte Caftello fe fez a feu pezar & 
a gloria do vencimento na maão de voffa Sacra Mageftade ficou ; & por iffo & por 
outras muitas coufas que fe poderiam dizer fom cafos de admyrafam alíy como 
a conquifta das índias & mais fazer voffa alteza efta & outras muito mais exci- 
lentes obras. 

Item ; Jaz o Caftello Real & ha Ilha do Moguador do feê norte & fui & toma 
a quarta do nordeft & fudueft & ha na Roota fmco leguoas & do moguador atee 
efte cabo do feem tudo fom baixos de pedra & pofto que pello fui & ha quarta 
do fudueft poCTam yr por fora deftes baixos toda uya por mais fegurança fe faça 
ho caminho do fufudueft & principalmente quem por aquy nauegar de noyte; & 
efte cabo do feem he delguado & baixo & ho poufo delle he da banda do fui que 
faz emparo defde left atee ao noroeft & podem poufar em fete & oyto braças 
fundo limpo & poufando neftas braças eftarom hum tiro de bombarda de terra, 
porem fe for naao grande deue poufar mais em mar. 

Item; Jaz o cabo de feem & tafetana norte & fui & tem três leguoas na 
Roota & tafetana tem huma muito grande barroca de pedra tam alta como o 
cabo de São Vicente que uem ter fobre o mar & dentro faz huma angra pequena 
em que podem caber quinze ou vinte nauios de fafenta tonees cada hum & quem 
entrar nefta angra vaa fe ao longuo da dita barroca por que delia ha dous tyros 
de pedra efta huma baixa muito maa em que quebra o. mar & de dentro delia 
podem poufar os nauios em fronte de huma mefquita em fete braças tudo limpo 
& boo fundo & daly podem fahir duas leguoas na mefma Roota de norte & fui 
honde acharom outra angraa que chamom Zebiliquy, em que podem eftar doze ou 
trefe nauios da mefma grandura de fafenta tonees & poufarom em féis ou fete 1 

braças hamarrados ancora & proyz; & efta angra he abriguada do noroeft atee 
o fueft & ho final para conhecer efta terra he hum caminho branco que dece 
de huma cofta muito alta atee ho mar. 

Item; Jaz angra de Zebeliquy com ho cabo de gueer nordeft & fudueft & 
toma ha quarta do norte & fui, & ha na Roota oito leguoas & os fínaes pêra 



I Vide documento no fim. 



^ PRIMEIRO LIURO (^ 33 

conhecer efte cabo fom .f. que tern huma terra alta chaam feita como meza que 
uem ter fobre o dito cabo & ha cofta do mar pêra dentro delle jaz lefueft & oef- 
noroeft; porem o nauio que eftiuer no cabo de Cantim & quizer ir pêra o cabo 
de gueer faça o caminho do fudueft & da quarta do fui vinte leguoas & fera 
tanto avante como a Ilha do moguador a qual lhe demorara em lefueft & fera 
em mar delia íinco leguoas, & daly correndo pello fui vinte & quatro leguoas 
auera o cabo de gueer & efte he o feu próprio caminho a quem partir de Can- 
tim pêra o dito cabo de gueer & yra por fora da emfeada feguramente; & o 
cabo de gueer fe aparta da linha equinocial em ladeza contra o pollo artico trinta 
& hum graaos vinte & íinco minutos & a cofta pêra dentro delia uolue em 
lefueft & toda efta terra de dentro do cabo he ferra muito alta a qual parefe per 
fima delle afy da banda de fora quando o vaão demandar como da outra parte 
de dentro & três finaes por honde fe pode bem conhecer .f. ha dita terra & ha 
terra chaam como meza que uem entrar fobre o Rofto do Cabo ; o terceiro final 
he que a cofta volue em lefueft; & aleem de tudo ifto os graaos que fe aparta 
da equínofial, & quem eftiuer féis leguoas em mar do cabo de gueer & fazendo 
tempo craro vera as ferras dos montes craros em tam grande altura que parecem 
vefínhas as nuvens & na ferra defte cabo de gueer efta hum pico muito agudo que 
he mais baixo que os outeiros honde efta hum caftello que fe chama ha palma 
& nefta mefma ferra alleem do dito caftello hadiante duas leguoas eftaa outro 
que a nome turocuco; & hadiante defte três leguoas hacharom outra fortaleza 
que fe chama tucurumu, & alem defta huma leguoa efta outro Caftello que a 
nome taramate; & nefta cofta ho fundo he limpo pêra poufarem nauios avante 
em quantas braças quizerem honde poderam thomar fundo atee quatro leguoas a 
fudueft & aquy ha grande pefcaria de pixotas & doutros muytos peixes & quem 
quizer poufar em tamarate chegue fe bem a terra & pouzara pellas fete braças 
atee as doze tudo limpo & feguramente pode forgir, & deftas braças para a terra 
por que pêra o mar tudo he fujo atee ha baixa daugua de narbaa. 



Cap.** 20.^ 

Das Rootas & conhecenças das terras <fe graaos que fe o pollo artico 
haparta da equinocial do cabo de gueer em diante. 

tem ; Jaz o Cabo de gueer com augua de narba lefueft & oefnoroeft & 
teem dez leguoas na Roota & angra de narba teem por conhecenfa 
hum monte alto fobre fy com huns pardieyros em fima ; & em baixo 
na Ribeira eftá o Caftello de Santa Cruz ho qual teem a dita angra 
em que pode poufar qualquer naao grande em fundo limpo & boa ancoraçam 
em quantas braças quiierem furgir fegundo a grandeza do nauio; mas he couza 
muito para notar mandar vofTa alteza fazer de nouo fundamento efta fortaleza por 
Joham lopes de Sequeira fidalgo de voífa caza em terra de bárbaros inimiguos de 
noífa fanta fee católica honde veio tanta multidam delles ao contrariar quanta fe 
com trabalho poderia contar; & fendo feyta aallem do mar cento & fincoenta 
leguoas fora de Voflbs Reynos antre tanta gente contra fuás vontades ella fe fez 
por força darmas fegundo ho deíejo de vofla boa & fanta tençam ; A qual forta- 
leza he fetuada junto com ho mar que he afaz de boa conhecença por que todo- 

5 




34 H> ESMERALDO DE SITU ORBIS <!^ 

los outros caftellos que eftam do dito cabo de gueer pera dentro fom fetuados 
em íima na ferra & eíla acerca do mar como dito he ; & eíla terra he muito fértil 
de pam carnes, pefcados, mel, cera, courama & houtras muitas mercadorias em 
que fe faz muito proueyto, & afy ha quy ouro que os alarues trazem de guinee 
per terra; A qual fortaleza de Santa Cruz pozemos aquy pintada pello natural 
por fe melhor entender. 

Item ; Jaz o Caftello de Santa Cruz daugua de narbaa com ho Rio de meça 
noroeft & fueft tem oyto leguoas na Roota & todo o fundo defte caminho he 
limpo atee teíinete que fom fmco leguoas dauguoa de narbaa ; & daly por diante 
he fujo atee meça & ao longo da coíla tudo he praya & tanto auante como meça 
huma leguoa & mea em mar tudo he baixo que a luguares nom ha mais de duas 
braças daltura atee três & quando venta força de norte ou de nordefte arreben- 
tam todos eftes baixos de maneira que qualquer nauio que a eíla terra uay fem- 
pre pouza de larguo duas leguoas em mar & fe he naao grande mais longe ; & o 
piloto que for auifado fará bem de poufar de larguo por fegurar fua naao & pri- 
meiro que cheguem ao Rio de meça com mea leguoa ella huma mefquita em 
huma ladeira pouco mais de um tiro .de bombarda do mar, & daly ao defembar- 
cadoiro de meça ha duas leguoas na mefma Rota de noroeft & fueft dauguoa de 
narbaa; & tanto que forem na praya do dito dezembarcadoiro veerom hum cami- 
nho o que uay para huma caza derribada que parefe forno de cal a qual efta 
quafy mea leguoa do mar em huma lombada & podem aly poufar nauios peque- 
nos de vinte ate vinte & íinco tonees em huma calheta em vinte brafas em fundo 
limpo & compre que fe amarrem ancora & proyz nom paifando adiante do dito 
caminho, nem ficando atraz delle por que defronte defte lugar he o dito poufo. 

Em meça fom três luguares que eftam no Btaão fora da Ribeira do mar 
huma leguoa pouco mais ou menos & todos três por hum nome fe chamom 
mcca & eftes fom afaz Ricos & aquy he ho derradeyro luguar & a fegunda 
parte do Reyno de feez o qual tem feu principio no Rio de meluya fincoenta 
léguas de dentro do eftreyto aleem da Cidade de Cepta pello qual Rio parte feez 
com o Reyno de tremecèm fegundo he ja dito no fegundo Item dos defafete ca- 
pitolos defte liuro & do dito Rio de meluya correndo por cofta atee a Villa de 
Zamor fom cento & trinta leguoas & efta he a primeira parte do Reyno de feez; 
& de Zamor atee meça he a fegunda parte a qual tem por cofta oytenta leguoas 
afy que teem feez em toda fua Ribeira & cofta de mar duzentas & dez leguoas a 
qual terra he muito fértil de pam & carnes & outros fruitos com muita pefcaria 
do mar; & pode por o Rey de feez em campo cem mil de cavallo, & as merca- 
dorias que nefta terra ha he muyto trigo & fevada & mel & cera & tâmaras & 
hanyl & courama & pilitaria & muitos & boons cavalos com outras coufas de 
grande prefo que cada dia le la compram & trafem a eftes Reynos ; & as merca- 
dorias que nefta terra ha que no Reyno de feez tem valia he prata & panos ver- 
melhos, & azues, verdes, roxos & amarellos, & quanto mais íinos tanto teem 
moor valia; também comprom bolandas & lenços finos & outros lenços groíTos 
a que chamom bordates & todolo género darmas & ferramenta comprarom pela 
mingua que delias teem mas por ferem defefas pellos fantos padres de Roma & 
por leys dos voflbs Reynos que fe nom vendem a infiéis nenhuma peftba ho oufa 
fazer & todo o que atraz he dito he a foma do Reyno de feez & fua potencia & 
calidade de coufas que nelle ha ; & a felicidade de fua gente he crerem na buíam 
da íeyta de mafoma que cuidam yerdadeyramente feer mefageiro de Deos envyado 



j 




f*í> PRIMEIRO LIURO (^ 35 

a efte Indoto uulguo para ha Remiflam de feus pecados; o qual todolos vicios 
& defoneftidades pêra o corpo lhe enfynou & das vertudes dalma nenhuma dou- 
trina lhe deu, por que toda a fua principal tençam foy deftroir de todo o que he 
graue de crer & trabalhofo de hobrar & facilmente outorgou aquellas coufas a 
que os viciofos & miferaueis homees foeem a fer incrinados mayormente os dara- 
bia de cuja provincia mafoma foy natural que fempre eftudam em luxuria, gula 
& rapina; & por efta preverfa jente fer inimigua de nofla fanta fee Catholica os 
Rex deftes Reynos do tempo dei Rey Dom Joham da gloriofa memoria pêra ca 
lhe fizeram fempre afpera guerra & lhe tomarom os quatro luguares fegundo he 
ja dito no terceiro Item dos quatorze capitolos defte livro. 



Cap.^ 21.^ 
Dos montes cr aros & fua bondade afy do fàbulofo monte hatalante. 

ois prometemos efcreuer as coufas notauees & dinas de memoria que 
em africa fom Rafam he que os montes craros vifinhos do porto de 
meça nom paffem por efquecimento ; por que he certo que tam fermo- 
fas terras & de tam grande altura poucas pofuy ho uniuerfo & nom 
deuem fer eílimadas fe nom por huma das booas que Africa em fy tem ; & eíles 
montes craros eftam no Btaão doze leguoas de meça pouco mais ou menos & os 
mouros em fua linguoa lhe chamam Gibel; & atee eílas ferras fe diz que elrey 
Dom Rodriguo que foy Rey de Efpanha em feu tempo do eftreyto de Cepta atee 
aly fenhoreou fendo emtom toda efta terra de criftaõs elle fe chamou fenhor dos 
montes craros; & nelles ha muito pam & fruitas & muito mel & cera & huuas 
paífadas & muito ferro & cobre & muyta coyrama & auguas boas & faborofas 
como outras coufas de muito proueito que os moradores xleftas ferras ao porto 
de meça ueem uender ; Coufa he muito para notar da grandura deftes montes & 
altura delles que huma gram parte ao longuo de africa contra ouriente correm 
em tal altura que parecem que as nuuens excedem ; & nefta terra ha huma con- 
graguaçam de gente que feram trinta mil homens antre os quaees fe diz que ha 
fínco ou féis mil de cauallo & fom guerreiros & em alguma maneira querem pa- 
recer que guardam alguma parte da fee chriftã, por que elles guardam ho Do- 
mingo muito eftreitamente, & em tam alta maneira o folenizam que couza alguma 
nom fazem & fe algum dos feus contrários vay naquelle dia entre elles nom lhe 
fazem nenhum mal mas antes recebem defta gente muita honra ; & deftes vierom 
certos caualeiros ha Cidade de Çaíy & falarom com Ruy fernandes que entam 
la eftava por feytor de vofla alteza & lhe contarom feu modo de uiuer & crenfa 
& lhe diferom como os feus anteceífores foram criftaãos & que tinham muitos 
livros que ficarom de feus padres antiguos em letara latina, os quaes guardauam 
por honrra & por memoria de fua geraçam; ifto com outras coufas fabemos das 
ferras dos montes craros que nos pareceo bem efcreuer nefta nofla obra, & ainda 
haderemos mais o que diz plinio no feu quinto liuro da natural iftoria capitolo 
primeiro & tholomeu no feu liuro de fitu orbis & afy outros autores os quaes ef- 
creuerom auer nefte fyto ho monte atalante tam alto que as nuuens excede & 
dizem feer hum foo monte com muitas fabulas que deite contarom; mas como 
quer que os antiguos efcritores nom fouberom efta prouincia nem a praticarom 
como ha nos teemos praticado por tanto nom he marauilha cayrem em error por 



36 f^ ESMERALDO DE SITU ORBIS <^ 

que tal monte nem de tal feiçam em toda aquella Regiam ho nom ha foomente 
as grandes & muito altas ferras dos montes craros que muita parte de africa de 
longuo correm como ja afima difemos, & eftas parefem que deuem fer ho monte 
atalante as quaaes fom muito defuyadas da feiçam & outras coufas que os anti- 
guos eícritores do monte hatalante diferom & pois ja temos ifto dito haguora tor- 
naremos a efcreuer os luguares & portos da coda do mar. 

Item ; Jaz ha praya de meça com o cabo daguilo lefnordeft & hoeíTudueft & ha 
na Rota cinco leguoas & efte cabo de guiloo entra no mar com o Rofto groffo 
que tem em íima hum monte que parefe gibo de camelo ; & efte cabo he talhado 
ao mar como a barroca do Cabo de Sam Vicente & detrás ha ponta delle faz 
huma angra da qual mea leguoa dentro no Btaão eftaa ho luguar da guiloo que 
fera de trefentos veíinhos & he muito vifofo de muita augua & ortas & fruitas & 
outros mantimentos & nefte luguar á Razoadamente ouro que os alarues por 
terra aly trazem de guinee & nefta angra podem poufar nauios pequenos atee 
oitenta tonees ; & por quanto he fuja pouzarom aly ao fem do prumo. 

Item; ho cabo da guiloo com o cabo de nam nordeft & fudueft & toma a 
quarta do norte & fui & ha na Roota doze leguoas & ho cabo de nam tem muita 
parte coberta d'area & nom he muito alto ; & no Rofto delle tem dous Uheos & 
duas leguoas dentro no Btaão eftá huma muito grande cerca como muro feyta de 
taypa que dura finco leguoas em cercoyto, & dentro delia ha quatro lugares .f. 
taguaoft & haguoft & ha hytemofy & tyciguone, nos quaes hauera em todos mil 
& quinhentos vefinhos, & o mais do tempo fempre fom divifos & tem guerra 
huns com os outros & dentro defta cerca tem muita auguoa & muitas ortas pu- 
mares em que ha muita fruita; & os vifinhos deftes luguares fom aluos & tam- 
bém ha hy alguns negros antre elles & efte luguar he de grande trato douro por 
feer efcapula daudem & haqui valem muito alquyces & bordates & panos azues 
& vermelhos & hamarello & pecetas de ingraterra & lenços & outras coufas, & 
defte cabo de nam comefou a defcobrir o vertuofo Infante Dom Anrique & no 
principio defta nauegaçam foyam dizer que quem for ao cabo de nam ou uira 
ou nam hauendo ifto por muito longuo caminho nem fendo mais longue de Lix- 
boa de duzentas leguoas & ja guora graças a noífo fenhor ja elRey nauegua a 
índia que fom quatro mil leguoas de portugual ; porem quem quizer ir do cabo 
de gueer pêra o cabo de nam & foom trinta leguoas na Rota & yra por fora da 
enfeada feguramente & encurtara no caminho & efte cabo de nam fe aparta da 
linha equinocial contra o poUo artico trinta graaos & vinte minutos. 

Cap.^ 22.** 

Como Deus Revelou ao virtuofo Infante Dom Anríque que defcobrijfé 
as ethiopias de guinee por feu Jerviço & daquy por diante come/a 
o feu defcobrímento. 

Rafam nom fofre que nos callemos aquellas coufas as quaes por ferem 
verdade ho corafam defeja dizer como ho virtuofo Infante Dom Anri- 
que foy o terceiro filho de elRey Dom Joham de gloriofa memoria ho 
primeiro defte nome que Reynou em Portugual & da Raynha Dona 
Filipa fua mulher filha do excellente príncipe Duque dalemcaftro de Ingraterra & 
no tempo de fua mocidade feendo elle com elRey feu padre na tomada da grande 




5^ PRIMEIRO LIURO ^ 37 

Cidade de Cepta que por brauo combate contra os mouros pella porta dalmina 
foy entrada ; ho Infante exercitou aly tam efforçadamente ha fortaleza de feu co- 
rafam que outro algum caualeiro nefte feyto darmas a elle foy igual fegundo 
temos fabido por aquellas peflbas que na tomada defta Cidade forom que verda- 
deiro teftemunho difto derom ; no qual luguar merefeo o excilente graao do eílado 
militar que lhe entam foy dado que por taes feytos aos efforfados barrões por 
obrigaçam he deuido; & paífados ^Iguns annos defpois de Cepta fer tomada a 
ElRey feu Padre finado elle fez no cabo de Sam Vicente que por outro nome 
antiguamente facro promontório fe chamaua a fua villa de terça naval íituada 
fobre angra de Sagres que oje em dia aly efta fundada; honde fe apartou com 
fua cafa das fadiguas & maldades defte mundo & uiueo fempre tam vertuofa & 
callamente que nunca conheceo mulher nem bebeo vinho nem foy achado em 
outro vicio que de Reprender foífe; trazendo continuadamente fylicio harredor de 
fuás carnes & com outras uirtuofas obras fendo entam governador do meftrado 
de Chrifto defies Reynos fua vida aly palfou em tal eílremo de bondade que fem 
engano podemos crer elle fer nierefedor daquella gloria que todos defejam & 
poucos alcançam; outras muitas couzas fe podiam dizer deite príncipe & de fua 
grande bondade & liberalidade & faber dínas de grande louuor mas por ferem 
fora da materia parefem efcufadas; Soomente he pêra efcreuer ha caufa que 
moueo ha deícobrir eílas ethiopias de Guinee de que principalmente tratamos, & 
como quer que os vertuofos varroês amiguos de Deus & de limpo corafam ini- 
migos da cobiça nunca fom defemparados da graça do efprito fanto jazendo o 
Infante huma noyte em fua cama lhe veo em Reuelafam como faria muito fer- 
uiço a noífo fenhor defcobrir as ditas ethiopias; Na qual Regiam fe acharia tanta 
multidam de nouos pouoos & homens negros quanta do tempo defle defcobri- 
mento atee gora temos fabido & praticado; cuja color & feyçam & modo de 
uiuer alguém poderia crer fe nom os ouueífe viflo; & que deitas gentes muita 
parte delias hauiam de fer faluas pelo facramento do fanto Baptifmo feendo lhe 
mais dito que neftas terras fe acharia tanto ouro com outras tam Ricas merca- 
dorias com que bem & abafladamente fe manteriam os Rex & pouoos deftes Rey- 
nos de Portugual, & fe poderia fazer guerra aos infiéis inimigos da noffa fanta 
fee catholica ; A qual Reuelafam defcobrimento de tantas & tam grandes prouin- 
cias nouamente fabidas da Criftandade bem parece uir per nouo mifterio de Deos 
& nom por outro modo temporal ; por que de neceílidade fe ade comprir o que 
diffe o Profeta David no falmo dezoito que comefa == Cely enarrat gloriam dey, 
honde adiante vay hum verfo que diz in onent terram exijnt fonus eorum et ifi 
finis orbis ferrem verba eorum; & por que a doutrina de noífo fenhor que pellos 
Apoftolos foy preguada pêra faluaçam uniuerfal do mundo também neftas ethio- 
pias fe perdeo elle por fua infinita mifericordia & bondade quer que poys nos 
focedemos a fua ley & fee diuinal que por nos fe torne aguora ha Refocitar pello 
qual já na Cidade de Sam Jorze da mina no Reyno de Maniconguo he nafcido 
nouo fruito efpiritual de muitos deites ethiopios os quaes no tempo dei Rey Dom 
Joham que Deos tem & voffa alteza Reyna fom feytos chriftaâos ouuindo a pa- 
laura do Santo Evangelho que uay foando por toda a terra pello qual o dito 
falmo fe uay comprindo & por tanto deuemos dizer bemaventurado he o Infante 
Dom Anrique que o gloriofo Deos pêra fe illo comprir cfcolheo & afy fom bem- 
aventurados os Rex de portugual que fuás uezes fobfederom & em tanto logra- 
rom a gloria, Riquezas & honra deitas conquiitas & comerfio com paz & acre- 



38 ^ ESMERALDO DE SITU ORBIS C^í 

fentamento em quanto com caridade & fem afpereza fervindo noíTo fenhor delias 
bem bufarem; A qual nauegaçam comefou o Infante por ferviço de Deos do 
cabo de nam pêra diante & tanto que a eftes Reynos forom trazidos os primei- 
ros negros & por elle fabida a uerdade da Samta Reuelafam loguo o Infante ef- 
creueo a todolos Rex chriílaãos que o ajudafem a efte defcobrimento & comquifta 
por ferviço de noíTo fenhor & todo o proueyto egualmente o lograíTem, o que 
eles nom quizerom fazer, mas auendo ifto por uaydade lhe renunciarom feu di- 
reyto; pelo qual o Infante mandou ao Santo Padre o Papa Eugénio quarto fer- 
nam Lopes dazeuedo fidalgo de fua caza & do confelho delrey Dom AfiTonfo o 
quinto Comendador mor da hordem de Chrífto ho qual aprefentando ao Sumo 
Pontífice a embaixada do Infante & Renundaçom dos ditos Rex lhe foy outrogado 
todo o que pedio ; & afy como por Deos foy Reuelado & moftrado ao virtuofo 
Infante efte maravilhofo mifterio efcondido a todalas outras geerafoêes da Crif- 
tandade afy quis que por mam do feu vigário paftor & padre da Igreja o dito 
Papa Eugénio afy pellos outros Padres Santos com fuás bençoees & letaras a 
conquifta & comercio deftas Regiões atee fim de toda a índia como atras he dito 
lhe fofem dadas & outorgadas; & com efte fundamento deu principio a obra lei- 
xando efte virtuofo príncipe para fempre a dizima de todolos fruitos & noui- 
dades que em cada hum ánno rendeffem as Ilhas da Madeira & dos açores & 
de Santiago, & a vintena de todo o que fe em guinee Refgatafe a eftes Reynos 
trouuefle ao dito meftrado de Chrífto em fatiffafam & paguamento de algumas 
Rendas que do dito meftrado ouuefem fendo elle gouernador que no defcobri- 
mento deftas terras & Ilhas defpendeo; A qual vintena nom podemos furtar har- 
redar fobnegar ou por outro algum modo efconder fem grande pecado mortal & 
rafgo de conciencia & de Reftituiçam; & efte virtuofo principe faleceo da vida 
defte mundo a trefe dias do mez de nouembro do anno de nofl'o fenhor Jefus 
Chrífto de mil ccccLxy annos & jaz fepultado no mofteiro de Santa Maria da 
Vitoria da Batalha; na capella delRey Dom Joham feu Padre; & pois ja ifto 
temos dito aguora tomaremos a proíeder do dito cabo de nam em diante o qual 
luguar por fe delle nouamente comefar a fazer efte defcobrimento nos parefeo 
dyno honrarmos com noua gèrafam de letaras donde feguiremos noflb propofito 
como detrás vêem hordenado ; & por que dos taees príncipes he Razam que fiquem 
em memoria fuás coufas por tanto pofemos aquy pintada fua diuifa & ho feu 
moto afly como ho elle trafia efcrito em lingua franceza 

aqui mapa 

Item; Jaz ho cabo de nam com ho cabo do bojador nordeft & fudueft & 
thoma a quarta do left & da loeft, & tem na Roota fafenta leguoas ; mas o piloto 
que for auifado deue fazer o caminho da loeft fudueft trinta leguoas & as outras 
trínta do fudueft & da quarta da loeft & fazendo ifto yra fora do bojador em 
mar delle oyto leguoas & nom deue fazer outro caminho por quanto efte cabo do 
bojador he muito perigofo por caufa de huma muito grande Reftingua de pedra 
que delle faee ao mar mais de quatro ou finco leguoas na qual fe jaa perderom 
alguns nauios por maao auifo; & efte cabo he muito baixo & todo cuberto de 
area & teem o fundo tam hapracelado que eftaa homem em dez braças & nõ ue 
a terra pella fua baixefa & a cofta que uem do cabo de nam pêra ho bojador 
toda he muito baixa & harea ao longo do mar & quafy deferta & o cabo do boja- 



5^ PRIMEIRO LIURO (^ Sg 

dor fe aparta em ladeza do circulo equinocial contra ho pollo artico vinte & fete 
graaos & dez minutos; & certamente coufa he para Reprender os caualleiros 
creados do Infante Dom Anrique que elle mandou por capitaées de feus nauios 
defcobrir efte cabo do bojador & afy os mariantes que com elles hyam nom oufa- 
rem paffar aleem, por que dofe annos continuadamente forom emviados cada 
anno pello Infante a efte defcobrimento & como eram acerca do bojador & hacha- 
uam o fundo baixo que em três brafas daugua ettauam uma leguoa da terra, & 
efpantando fe das grandes correntes nenhum oufaua de fe alarguar ao mar & 
paífar alem defte pracel, & entam fe tomauam a cofta de berberia & de graada 
onde andauam darmada pêra tomarem algumas prefas com que forraífem a 
defpeza darmaçam & por nom paíTarem o dito cabo o Infante recebia difto grande 
defprazer; & defejando paífar efte cabo do bojador & correr a cofta adiante no 
anno de noífo fenhor de mil quatrocentos & trinta & quatro annos ho Infante 
mandou armar uma barcha em que enuiou por capitam hum efcudeiro feu creado 
que fe chamaua Giliannes ao qual fallou nefta maneira; Gillíannes vos fabeis 
como uos eu críey de moífo pequeno & quanta confiança tenho em vos pêra as 
couias de meu feruiço & por iflb uos efcolho entre todolos meus pêra irdes por 
capitam defta barcha defcobrir & paflar aleem o cabo do bojador; & ainda que 
por efta viajem vos nom faífais mais que pafardes o dito cabo iflb foo terei por 
bem feito, & vos nom podeis achar tamanho periguo que a efperança do gualar- 
dam que uos eu darei nom feja muito mayor; & diífe mais o Infante em uerdade 
eu nom fei que imaginafam foy efta que todos tomaftes de coufa que nom he nada 
por que fe ifto que dizem tiueífe alguma autoridade por pouca que fofle nom uos 
daria tamanha culpa ; mas queres me dizer que por oupiniom de quatro marean- 
tes, os quaes como fom tirados da carreira de fraudes ou doutros portos onde 
coftumam nauegar nom fabem mais o que fazem ; porem vos hy todauia & nom 
temaes & pafe-fe o cabo aleem que nom podeis de la trazer fe nom muita honrra 
& proueyto, & eftas palauras emprimirom tanto no corafam de Gillianes que ef- 
quefendo todo o temor & mouido de grande defejo pêra feruir o Infante elle no 
dito anno de quatrocentos & trinta & quatro annos paflbu aleem defte cabo do 
bojador fincoenta legouas; & da vinda que veyo o Infante o fez caualeiro & o 
gualardoou como deúia & com muita honrra & fazenda o cafou na Villa de 
Laguos honde uiueo muitos annos, & efte Gillianes foy o primeiro capitam que 
paffou aleem do Cabo do bojador as duas leguoas & portanto he Razam fazer 
fe aqui memoria delle. 

Item ; Jaz o Cabo do Bojador com angra dos Ruyuos norte & fui & toma a 
quarta de nordeft & fudueft & teem na Rota trinta leguoas, mas quem fizer efte 
caminho yra muyto acheguado a terra em maneira que compre que vaa fobre auifo 
nom dee em feco ; mas o nauio que eftiuer fete leguoas em mar do cabo do bojador 
& correr pelo fui & a quarta de fudueft auera angra dos Ruyuos & yra em mar 
delia três leguoas pouco mais ou menos ; & o piloto que for ter no bojador hare- 
defe delle as ditas fete leguoas ao peego & entam fafa o dito caminho & yra 
feguro; & agora tomaremos a feguir noífas Rootas & caminhos da Cidade de 
Lifboa pêra eftas partes por que daly as cuftumamos nauegar na maneira que 
adiante fe dirá. 




40 ffc? ESMERALDO DE SITU ORBIS (^ 

Cap.° 23.° 

Como cuftumamos nauegar e/las ethiopias de Guinee da Cidade de 
Li/boa, 

â Prouincia da Lufitania dos Reynos de Portugual honde he íituada 
ha muyto antigua & excelente Cidade de Lifboa matipolitana de noíTa 
patrià donde nos Duarte Pacheco autor fomos natural por mandado 
& licença do fereniffimo príncipe ElRey Dom Manuel noíTo fenhor ho 
primeiro defte nome que nos ditos Reynos Reynou em fua frota & naaos coftu- 
mamos naueguar as ethiopias baixas de Guinee & afy as altas que oç hopolen- 
tifSmos Reynos da índia fom chamados; nas quaes coufas precedemos todalas 
gerações, & por que efta noffa obra tomou principio da boca do eftreito ouciden- 
tal donde plinio & pomponio mela & outros autores comefaram efcreuer fua cof- 
mografia por nos feguirmos fua ordem trouuemos daly noflb caminho & Rootas 
atee angra dos Ruyuos quafy todo ao longuo da cofta foomente pêra fe faber 
como toda uem continuada & em hordem ; A qual nauegaçam por efta uía traz 
grande rodeo & fe alongua muito a uiagem pêra as ditas partes por tanto con- 
uem que agora efcreuamos direitamente as Rootas & caminho que defta excelente 
cidade em todolos mezes do anno para as ethiopias cuftumamos fazer por que 
fe fayba como em mais breue tempo efta nauegaçam fe faz do que fe fará feguindo 
a Cofta & Ribeyra do mar vindo do dito eftreyto como detrás uem ordenado, & 
partindo defta preciofa Cidade de Lifboa deuem fazer o caminho de fufudueft 
duzentas léguas em íim das quaes feram em vinte & oyto graaos de ladeza da 
linha equinolial contra o poUo artico donde por efte caminho he achada a ponta 
donde a Ilha de forte ventura huma das fete Ilhas das canárias & aíim da dita 
ponta partindo ao fui & a quarta do fueft por quarenta & cinco leguoas de cami- 
nho hacharom angra dos Ruyuos na terra daleem na qual no Item que atras fica 
afima dos vinte & três capitolos falíamos \ & efta angra fe aparta em ladeza da 
equinocial contra o fentrítirional poUo vinte & cinco graaos & três leguoas defta 
angra em mar acharom fmcoenta brafas harea & aly podem fazer grande pefca- 
ria para feu mantimento; & defte luguar correrom a cofta em bufca do cabo Verde 
como fe adiante dirá; 

Item; Jaz angra dos Ruyuos com angra dos cauallos nomordeft & fufudueft 
& tem na Roota dofe leguoas, & efte nome lhe foy pofto por que o Infante Dom 
Anríque mandou aly por capitães Afomfo Gonçalues baldaya & o dito Gillyanes 
de que atras falamos com gente de cauallo fazer hum falto para catiuarem mou- 
ros, & por efta caufa fe chamou angra dos cauallos & efta terra he muito maa 
de conhecer foomente fe conhefe pella Roota quando a homem vay demandar. 

Item ; Jaz angra dos caualos com ho Rio do ouro nordeft & fudueft & toma 
quarta do norte & fui & tem na Roota dofe leguoas defte Rio do ouro fe aparta 
em ladeza da equinofíal contra ho pollo artico vinte & quatro graaos & tem por 
conhecenfa da banda do nordeft três montes darea Razoadamente altos & toda a 
terra que uem dangra dos Ruyuos ao longuo da cofta do mar atee o Rio do 
ouro he rafoadamente alta & igual como huma mefa & a efta fe chama a terra 
alta & os Alarues & azenegues por outro nome lhe chamom hazara & no cabo 
defta terra alta honde eftaa huma terra delguada baixa aly efta o Rio do ouro & 
dura efta terra alta quafy trinta léguas de longuo & quem for fobre efte Rio do 



^ PRIMEIRO LIURO (^ • 41 

ouro olhe por eftes linaes pêra o conhecerem .f. a faber os vinte & quatro graaos 
fobreditos que fe aparta da equinofial & os três montes de area que uem da banda 
do nordeft & aleem difto como efta no íim da terra alta onde fe faz buma terra 
delgada & quem fubir em fima da gauea da naao & olhar pêra dentro da terra 
veera maneira de laguo & bonde ifto vir ahy he o Rio do ouro ; & toda efta cofta 
do cabo do bojador atee aly & daly por diante mais de cem leguoas he fem aruo- 
redo nem erua & deferta faluo em alguns luguares no Btaão vinte leguoas do 
mar ou mais andam alguns alarues & azeneguees; & em toda efta cofta ha muita 
in6nda pefcaria & quem nefte Rio quizer entrar poderá ir em left & a quarta do 
fueft ao longuo da terra de balrrauento que fica a máo efquerda & achara três 
braças & mea & quatro de preamar & ha maree de nordeft & fudueft ; & guar- 
defe de fe meter a parte do fui da maão direita da entrada de(le Rio por que 
tudo he baixo & tanto que for por elle haíima quafy huma leguoa atee junto 
com huma Ilha que no meo delle eftaa aly podem pouzar em três brafas & mea 
em boo fundo limpo & efte Rio corre por dentro por a terra quatro ou finco 
legueas & nelle nom ha augua doce faluo no mes de agofto & de fetembro quando 
aly choue de trouoada entom podem tomar alguma augua em poças, & efte Rio 
foy defcuberto por Afonfo Gonçalues baldaya caualeiro do Infante Dom Anrique 
que foy feu copeyro & por Gillanes também feu caualeiro capitaées de feus na- 
dos que entom la forom no qual fizerom hum falto em que catiuaram féis Alar- 
ues homens honrrados os quaes fe Refgatarom por dez efcrauos negros & por 
hum pouco douro em poo, os quaes negros & ouro foy o primeiro que daquellas 
partes ao Infante Dom Anrique trouuerom & por ifto poferom nome a efte Rio 
ho Rio do ouro. 

Item; Jaz o Rio do ouro & angra de Gonçalo de Sintra norte & fui & toma 
a quarta de nordeft & fudueft, & teem na Rota quatorze leguoas & efta angra 
tem por conhefenfa em fima no meo delia três montes darea da terra que çarra 
com ho mar tudo he barroca de pedra & cumpre que o nauio que aly ouuer de 
furgir poufe ao fem do prumo & elte nome lhe foi pofto por que os alarues ma- 
tarom aly Gonfalo de Cintra fendo capitão de hum nauio do Infante; & quem 
nom ouuer de ir pêra efta angra nem pêra o cabo das barbas & for pêra cada 
hum dos Rios de guinee tanto que partir do Rio do ouro fafa o caminho do fu- 
dueft trinta leguoas por ir fora do cabo das barbas por que he muito perigofo & 
de muito baixos que faem ao mar como fe adiante dirá. 

Item; Jaz angra de Gonfalo de Sintra & o cabo das barbas nordeft & fudueft, 
& tem na Roòta defafeis leguoas & efte cabo he muito perigofo & maao & de 
grandes arecifes de pedra que faeem ao mar finco leguoas ou mais bonde fe já 
perderom por uezes nauios & quem for de dentro defte cabo na enfeada delle 
nom fe pode faluar fe nom faindo a loefnoroeft para o mar, o qual cabo tem 
por conhecenía dous Ilheos pequenos no Rofto delle & da banda da terra tudo 
he barroca alta & elle fe aparta da linha equinofial em ladefa contra ho poUo 
artico vinte & hum graaos & meo; Porem quem partir do Rio do ouro & for 
para arguim ou para cada hum dos Rios de guinee fafa o caminho do fudueft 
trinta leguoas por dobrar efte cabo das barbas & feus baixos & entam corra pelo 
fui da quarta do fudueft vinte & cinco leguoas & fera tanto avante como o cabo 
branco finco ou feys léguas delle eni mar o dito cabo branco lhe demorara em 
left; & fera vinte graaos & vinte minutos da equinofial em ladeza contra ho 
poUo artico; 

6 



42 5^ ESMERALDO DE SITU ORBIS d^ 

Item; Jaz o cabo das barbas & a pedra daugualee nornordeft & fufudueft 
& tem na Roota quatro leguoas & eíla pedra da gualee tem de longuo grandura 
de hum tiro de beefta & por fer longua & feyta como huma galee lhe poferom 
efte nome no tempo que a defcobrio Afomfo Valdaya caualeiro da caza do Infante 
Dom Anrique & feu copeyro, & foy defcoberta eíla pedra da ugualee no anno 
de noflb fenhor Jefu Chriílo de mil & quatrocentos & trinta & féis annos, & alem 
defta pedra fer conhecida por fua feiçam a qual nom ha outra tal em toda eíla 
terra ella tem huns penedos maneira de Iheos da* banda do fui ; & eíla pedra da 
ugualee jaz com o cabo do caruoeiro nornordeíl & fufudueíl & tem na Roota dez 
leguoas. 

Item; Jaz o cabo do caruoeiro & ho cabo branco nornordeíl & fufudeíl & 
tem na Roota defafeis leguoas & duas leguoas a quem do cabo eíla angra de 
Santa Maria toda limpa & dentro nella podem poufar dez ou dofe nauios peque- 
nos em oyto & em dez braças & o cabo branco tem por conhecenfa fobre o 
Roílro hum monte branco que pareífe meedom de area, & a coíla volue para 
dentro em lefueíl & áo fui nom parece terra & elle fe aparta em ladeza da linha 
equinoíial vinte graaos & vinte minutos contra ho poUo artico ; & afy pella fey- 
çam deíle cabo como pello correr da Coíla & graaos que aparta dá equinofial fe 
pode bem conhecer. Porem quem partir do Rio do ouro em bufca do cabo branco 
faça o caminho fegundo atras diz neíle derradeiro Item honde diz que jaz angra 
de Gonçalo de Sintra & ho cabo das barbas. 



Cap.° 24. 



o 




Das Rootas <& conhefenfas do cabo branco em diante pêra o Cabo Verde 

tem ; do cabo branco em diante fe comefom os baixos darguim os quaes 
duram trinta léguas de longuo & vinte de larguo & quem ouuer de ir 
pêra cada hum dos Rios de guinee eílando junto com o cabo branco 
faíTa o caminho do fui & da quarta do fudueíl dez leguoas & em tam 
corra cem leguoas pello fui & a quarta do fueíl & yra ter na angra das almadias 
que eíla fete leguoas a quem de Cabo Verde & daly indo pello fudueíl hauera ho 
dito cabo & eíle caminho deue fazer por hir fora dos baixos darguim que fom 
muito perigofos; & queni for em viíla do cabo branco ao fui neni ao fufueíl nom 
vera terra faluo em lefueíl por que a coíla ha eíla parte volve. 

Item ; Jaz ho cabo branco com a Ilha darguim Leílueíl & oeíhoroeíl & teem 
dofe leguoas na Roota & neíle caminho eílam alguns baixos de pedra & darea 
& quem por aqui for deue ir fobre avifo que nom dee em feco & na Ilha darguim 
eíla hum Caílello que ally mandou fazer ho excelente Rey Dom Afonfo o quinto 
por Soeyro Mendes dEvora íidalgo de fua cafa defpoys da morte do Infante Dom 
Anrique; ao qual Soeyro Mendes fez mercê dalcaidaria mor deíla fortaleza & 
pêra feus íilhos ; & os Alarues & azenegues arguim ouro (Jic) que aly vem ref- 
guatar & efcrauos negros de Jalofo & de mandigua ; & couros danta para adar- 
guas & guoma arauica & outras coufas; & darguim leuam panos uermelhos & 
afues de baixo prefo & lenfos grofos & bordatees &. mantas de pouca valia que 
fe fazem em Alemtejo & outras coufas deíla calidade. 




5^ PRIMEIRO LIURO (^ 43 



Gap.^ 25.° 
Do Deferto darguim dt dos luguares que e/iam aleem delle 

oda a terra que ueem do cabo de bojador atee arguim & daly por 
diante íincoenta leguoas he quafy deferta & de muito pouca pouora- 
çam ao longuo do mar & pello mefmo modo no Btaao & ifto caufa por 
feer tudo area & de muito pouca aguoa & a largura deíle deferto dura 
a cerca de duzentas leguoas & de longuo corre toda a Africa que fe eftende & 
dilata por nouecentas leguoas & mais contra ouriente atee dar no outrd mar 
honde abitam os ethiopíos fobegipto vefínbos do cabo de guardafune & bonde fe 
comefa ha entrada do eftreyto de mequa que parte com a arábia, o qual eftreyto 
uay para dentro para o mar Roxo & arguim com ho cabo de guardafun ambos 
jazem em hum paralelo .f. em vinte & quatro graaos de ladeza da linha equino- 
íial contra ho poUo artico, & afy ha terra de guardafune como a darguim toda 
he quafy deferta & area; & nefte deferto andam alguns homens feluagees & nus 
que fe mantém de guazellas que tomam em lafos & lebres & de cobras as quaes 
carnes lecam ao foi & ifto comem & nom ai, & efta terra fe chama hazara & 
eftes homees falam a lingua dos azenegues & adoram a bulrra da feita de ma- 
foma; & he coufa marauilhofa como a grande natureza proueo a todalas couzas 
neceflarias por que fendo efte deferto darea a qual corre muito com a forfa dos 
uentos nelle eftam humas Ilhas de penedos com alguma terra a três & quatro 
leguoas humas das outras & delias mais longe as quais por a fy altas que as 
areas nom podem cobrir & eftas fom os fynaes que os alarues que pêra ly tem 
para feu caminho em que fe acolhehi aquella gente feluagem. 

Item; partindo darguim por caminho de trinta leguoas pelo deferto contra 
ouriente he achada huma alaguoa pequena que fe chama Ydamem na qual todo o 
tempo do anno acham augua & aly poufam os alarues que uam darguim com 
fuás mercadorias & doutras partes & thomam folgua & dam de beber a feus ca- 
mellos & tomam augua para o caminho & quatro leguoas defta alaguoa contra ho 
fueft efta outra alaguoa que ha nome emfery; & nefte deferto ha humas falinas 
donde tiram muito fal & muito fino nefta maneira .f. em fertos luguares cabam a 
terra & acham ahura de hum covado huma fiita como taboa muito longua de 
huma leguoa de comprido ou mais & as uezes menos a qual tem de groflura três 
dedos & efta cortam em cantidade de féis palmos de longuo & três de larguo, & 
deftas taboas finco delias carregam hum grande camello, & he muito bom & aluo, 
& eu ho uy em Lifboa na cafa da mina honde fe fazem os tratos de guinee o 
qual aly trouueram darguim & defte deferto leuam os alarues muitos camellos 
carregados defte fal pêra a feira de tabucutu donde por elle ham muyto ouro. 

Item : Adiante ao fueft da dita alaguoa ydamem por efpafl'o de quarenta le- 
guoas pouco mais ou menos he hachada huma villa pouorada dazenegues que fe 
chama audem homees pardos de color; & fera de trefentos vifinhos os quaes fom 
macometas & guardam a excomungada feyta de mafoma & chamomfe azarzi- 
guy & nefta villa daudem ha grande trato douro que aly trazem de guinee por 
terra & ja ouue aqui em outro tempo mayor comerfío do dito ouro primeiro que 
a mina & outros Rios da dita guinee foflem defcubertos & ja ElRey Dom Joham 
o fegundo que Deos tem teue aly hum Rodrigo Reinei feu efcudeiro por fe}rtor & 



44 



^ ESMERALDO DE SITU ORBIS (^ 



Recebeu tam maa companhia defta maa gente dos azenegues que lhe conveo 
virfe pêra Portugual, & fua uinda & faluaçaõ foy com muito trabalho & Risco 
de fua peffoa & grande defpeza; & ha quinze & vinte leguoas daudem eftam três 
luguares pequenos pouorados de zenegues os nomes dos quaes ho primeyro he 
fmguyty, & o outro tynyguuhy, & o outro marzy, & em todos ha trato. douro 
que vêem da guinee & toda efta gente he fogeita ha huma geraçam daiarues que 
fe chama ludea & efta gente fe mantém de tâmaras & dalgum pouco triguo que 
femeam nos palmares & de carne de cabras & carneiros; & defta terra nunca os 
antiguos efcritores fouberom o que nos ora fabemos, por que fe o tiuerom fabido 
nom com pequena fefta fe alegrarom, & arguim foy defcoberto por Antam Gon- 
falues caualleiro & Criado do Infante Dom Anrique o qual por efte feruiço lhe deu 
a alcaidaria mor da villa de Thomar com o habito de Chrifto. 




, Cap.° 26.^ 

Do caminho que fe deue fa\et^ darguim pêra deante atee o Rio de 
Canagua & daly atee ho cabo verde per dmtro pela emfeada. 

uitas coufas leixamos de dizer do deferto de arguim & da ferra de ba- 
foor honde comem os homees & doutros luguares & doutras notaueis 
coufas por feguirmos o caminho da cofta do mar darguim por diante 
& nom fazermos longuo fermõ. 
Item; jaz a Ilha darguim noroeft & fueft & teem defafete leguoas na Roota 
& do Rio de Sam Joham a ponta toíia fam fete leguoas & defta fuma ao cabo da 
arca fom quinze leguoas, & do cabo da arc^ anterrote fom dofe leguoas ; & dante 
rote aas palmas de Canagua fom vinte leguoas & eftas palmas eftom a balrravento 
do Rio de Canagua da banda do nordeft & toda efta cofta do Rio de Sam Joham 
atee eftas palmas fe corre norte fui & ha terra he toda coberta de area & muito 
baixa & periguofa de muitos baixos de pedra & darea & maa de nauegar & efta 
cofta & caminho he muito defuiado pêra os nauios que vaão pêra o Rio de Ca- 
nagua & cabo verde & outras partes de guinee por quanto fe faz aqui huma 
muito grande enfeada em que entram os baixos de arguim que duram mais de 
trinta leguoas, & nom conuem que nenhum nauio que ouuer de ir pêra canagua 
fe meta por dentro da dita enfeada ma do cabo branco deue thomar a Roota 
pêra o dito Rio & outras partes daly em diante. 

Item; qualquer nauio que for junto com o cabo branco & ouuer de ir para 
ho rio de Canagua faça o caminho dez leguoas. pelo fui & quarta de fudueft por 
ir fora dos baixos darguim & entam corra vinte léguas pello fui & demorar lhe 
ha o Rio de Canagua ao fufueft & fera fafenta leguoas delle & fazendo efte 
caminho yra por fora dos baixos darguim como dito he & tomara a terra aas 
palmas aquém da boca do dito Rio três leguoas, o qual Rio fe aparta em ladeza 
do circolo equinoíial contra ho pollo artico quinze graaos uinte & fmco minutos; 
& por quanto fe a barra & canal defte Rio muda & nom he ferta fua entrada 
portanto nom efcreueremos aquy delia coufa alguma fe nom quem nelle ouuer 
de entrar fonde primeiro ha barra & hachara ha maree do noroeft & fueft con- 
traria as mares de nofta pátria da efpanha; & fobre a boca defte Rio da banda 
de nordeft eftaa hum aruoredo que fe chama a mata de Chalam & na meíma 



^ PRIMEIRO LIURO (^ 45 

boca delle eftam buns baixos que iaeem ao mar huma legua ou mais, & no mes 
de Julho, agofto, fetembro, oytubro tras efte Rio muito grande forfa daugua dpce 
do monte por que entam nefta terra he natural inuemo & choue muito, & o Piloto 
que for em bufca defte Rio faça muito que uaa thomar dez ou doze leguoas a quern 
delle & como for junto com a terra feendo de noyte deue forgir & ande de dia 
por nom poufar ; por que eila terra he muito baixa & muito maa de conhecer ; 
& todo feu conhecimento he ha dita mata de Chalam & os quinze graaos & vinte 
& íinco minutos que fe aparta em ladeza da linha equinocial & a coita que da 
boca defte Rio por diante fe corre nordeft & fudueft atee o cabo verde & em 
linguoa dos negros fe chama efte Rio encalhor & ha \ terra daly fanagua & ho 
Reyno Jalofo & em noíTos dias fe refguatauam aqui efcr)auos negros dez & doze 
por hum cauallo poftio que boo nom foíle & pella maa governanfa que fe nefto 
teue ate feys nom podem aguora auer & afym Reíguatauam aquy algum pouco 
ouro por lenfo & por pano vermelho & por outras coufas & efte Rio mandou 
defcobrir ho virtuofo Infante Dom Anrique por Deniz Dias Caualeiro criado dei 
Rey Dom Joham feu Padre, & por Lançarote de freytas feus caualeiros & capi- 
tães, & quando efte Rio de Canagua foy defcuberto & nouamente fabido diífe 
o Infante que efte era o braço do nylo que corre pella ethiopia contra oucidente 
& diCTe uerdade, & quando aquy auya boo Reguate fe tiravom defte Rio em cada 
hum anno quatrocentos efcrauos & outras uezes menos ha metade; hauidos pellos 
ditos cauallos & outras mercadorias. 



Cap.*" 27 



o 




Donde vem o Rio de Canagua dk das coufas que nelle ha, dt das 
duas ethiopias. 

ois falamos nefte Rio de Canagua Razam he que digamos alguma coufa 
do que uay dentro no fertaão, primeiramente he de notar como aquy 
he o principio dos ethiopios & homens negros, & por que fom duas 
ethiopias bem he que fe fayba como efta primeira fe chama inferior ou 
ethiopia baixa oucidental na qual é certo & fabido que nunca nella em algum 
tempo morreífem de peftèlenfia; & nom tam foomente teem efte priuilegio que 
lhe a mageftade da grande natureza deo mas ainda teemos por experienfia que 
os nauios em que pêra aquellas partes nauegamos tanto que naquella crima fom 
nenhuns homees dos que nelles vaão defta iníirmidade morrem pofto que defta 
Cidade de Lixboa fendo toda defte mal partam & nefte caminho alguns haconte- 
fem da doefer & outros morrer como na ethiopia fom nenhum dano Receuem ; & 
efta primeira ethiopia corre & fe eftende per cofta do dito Rio de Canagua atee 
o cabo de boa efperança que eftaa alem do circ\ilo equinoftal contra ho poUo an- 
tratico trinta & quatro graaos & meo de ladeza; & do dito Rio atee efte cabo 
fom mil & trefentas & quarenta leguoas,, a qual por outro nome Guinee chama- 
mos; & nefte promontório de boa efperança nos parefe que Africa faz fim da 
terra que uolue defte promontório pêra diante contra a mina de Çofala & daly 
a mqfombique & quiloa & ha Cidade de mombaça & melinde & patte ; & lama 
& haranha & maguadoxo Cidade populofa & outros muitos luguares que nefta 
cofta eftam athe o cabo de guardaíune honde fe comeia ha entrada do fino ara- 



46 ^ ESMERALDO DE SITU ORBIS d^ 

bico & guolfam da mequa que vay pêra ho mar Ruiuo do dito Promontório de 
boa. efperança correndo efta cofta atee guardafune foy dos antiguos efcrítores cha- 
mada ethiopia fobegipto & fom defte cabo de boa efperança adie o cabo de guar- 
dafune correndo por cofta mil & fafenta leguoas; Afy que ha em toda a dita 
ethiopia inferior duas mil & quatrocentas léguas .f. de Canagua atee boa efpe- 
rança mil trefentas & quarenta & daly atee guardafune mil & iafenta & afy fom 
as ditas duas mil & quatrocentas leguoas todas naueguadas pela Portugueza ge- 
raçom com o mais que adiante vay da índia; & as gentes que neftas ethiopias 
abitam fom negros & tem os cabellos curtos & crefpos feytos como frifa de pano ; 
A outra ethiopia fuperior começa no Rio indo aleem do grande Reyno de perfia 
do qual a índia efte nome tomou & o feu Kto & cofta do mar fe dilata & eftende 
. . . leguoas & eftes fom negros mas nom ja em tanta quantidade como os da 
ethiopia baixa e tem os cabellos corredios & compridos como os dos homens 
brancos ; Afy que ho Rio de Canagua fom os primeiros negros & aqui he o prin- 
cipio do Reino de Jalofo o qual fe eftende quafy cem leguoas de longuo & qua- 
renta de larguo & da parte do fetentiriom ou do norte pello Rio de Canagua 
parte com os azenegues & da parte do meio dia ou do fui fe demarca com man- 
digua & da banda do leuante fe ajunta com ho Reyno de Cucurol & tem por 
cofta o Reyno de Jalofo cincoenta & cinco leguoas .f. do Rio de Canagua atee o 
cabo verde vinte & finco leguoas & daly atee o Rio de guanbea trinta leguoas 
pello qual Rio mandigua com Jalofo fe departe & afy fom as ditas fincoenta & 
finco leguoas ; & poora em campo ho Rey de Jalofo dez mil de cavallo & cem 
mil de pee & toda efta jente anda nua fenom os fidalguos & homees honrrados 
& fe ueftem de camifas de pano de alguodam àzues & firoulas do melmo pano 
& toda efta jente com ha do grande Reino de mandigua & tucurol & outros ne- 
gros todos fom fircomcifos & macometas os quaes adoram na bulrra da feyta 
de mafoma; efta jente toda he viciofa de pouca paz huns com os outros & fom 
muito grandes ladroes & mentirofos que nunca falom uerdade & grandes bêba- 
dos & muito ingratos que bem que lhe fafom nom no agradefem & muito defa- 
vergonhados que nunca deixom de pedir. 

Toda efta gente & outros muitos feus vefinhos aleem defies nom fabem onde 
efte Rio de Canagua nace & por honde vem he tam grande & afy fundo que lhe 
chamom o Rio negro & teemos noticia por muitos ethiopios homees afãs enten- 
didos que fabem mais de quinhentas leguoas que por efte Rio afima diuerfas pro- 
uinfias & terras por onde corre que o feu nacimento he incognito & fegundo o 
curfo delle & a parte onde traz feu principio fabemos que fahem de huma grande 
halaguoa do Rio nylo que tem de longuo trinta léguas & dez de larguo & por 
tanto parece que efte he o braço que o nilo lança pella ethiopia inferior contra 
oucidente ; por que ho outro contra fetentirion corre o qual fe mete com quatro 
bocas no mar do egipto fegundo ja temos dito no quinto capitulo defte liuro, & 
na cabeça defta alaguoa efta hum Reyno que fe chama tabucutu ho qual tem 
huma grande cidade do mefino nome junto com a mefina alagoa & aly efta a 
Cidade de jany pouorada de negros a qual cidade he cercada de muro de taypa 
& nella ha grandíflima riqueza douro & aly vai muito o latam & cobre & panos 
vermelhos & azues & fal & tudo fe uende por pezo fenom os panos; & afim vai 
aqui muito o crauo pimenta & aíafram & feda folta fina & afuquar & o trato defta 
terra he grande & afy temos fabido que dos luguares Ibbreditos honde fe fazem 
grandes feyras antre as quaes huma delias he a do covro que em cada hum anno 



5^ PRIMEIRO LIURO í^ 47 

defta terra fe tira hum conto de ducados douro que vay para tunes, tripoli de 
foria & tripole de berberia & pêra o Reino de boje & pêra feez & outras partes, 
& bem poderíamos naueguar em nauios pequenos por efte Rio de Canagua afima 
fe nom foífe huma muito grande pedra que eftaa pouco mais de dufentos & fm- 
coenta leguoas da boca delle primeiro que cheguem ha tambucutu & aos outros 
luguares a qual pedra chamom feleuu & atravefa todo o Rio de maneira que 
nenhuma barca nem nauio pode por aly paífar por quanto auguas caem por 
fima delia dependurada em baixo ; & foomente os nauios de voíTa alteza vaão por 
efte Rio afima atee o Reyno de tucurol por que atee quy entra a maree que fom 
fefenta léguas da boca & barra delle & aly Refguatom féis fete efcravos por hum 
cavallo de pouca valia & algum ouro por lenço & pano vermelho, alaquequas 
que fom humas pedras a que nos chamamos de eftancar fangue; & nefta terra 
ha muito grandes cobras de vinte pees em longo & mais & muito groífas ; & alem 
deftas ha outras cobras tam grandes que tem hum quarto de leguoa de longuo 
& ha groífura & olhos boca & dentes Refpondem a fua grandeza & deftas ha hy 
muito poucas, as quaes tem tal natureza que como fom tamanhas como diguo 
logo fe fahem das alaguoas honde fe criam & uaão bufcar ho mar & por honde 
leuam feu caminho muito dano fazem, & as avees como ha uem ir fom tantas 
fobre ella que ha picam que he coufa que fe nam crera por que a carne deftas 
cobras he tam molle que fe nom pode mais dizer, & tanto que entram no mar 
todas fe deífazem em augua & eftas Ralamente parefem por que de dez em dez 
annos & mais fe acontefe uer huma deftas, & ifto he duro de crer a quem nom 
tem a pratica deftas couzas como ha nos teemos ; & afy ha nefte Rio tam grandes 
laguartos que andam naugua que muitos delles teem vinte & dous pees de lon- 
guo, & com tam grandes bocas que engolirom hum homee folgadamente, & aqui 
ha hum paao que fe chama balamban, o qual teem ha fuprifície branca & ho 
cime de dentro he tam negro como corno de bufaro & tam duro como hum oflo 
do qual fe faz nefte^Reyno muitas coufas & efte paao feyto em poo & dado em 
augua a beber a quem tiuer toíTe faz muito proueito ; & efte Rio he muito doentio 
de febres ; & o Inverno defta terra he de Julho meado atee quinze dias de outubro 
& outras muitas coufas fe poderiam dizer do Rio de Canagua as quaes leixamos 
de efcreuer por nom fazer longo fermon. 



Cap.° 28.^ 

Do caminho & Roota que fe deue tomar do Rio de Canagua pêra o 
cabo verde & das Ilhas que ejlam em mar cem leguoas do dito 
cabo. 

tem; Jaz ha boca do Rio de Canagua com ho cabo verde nordeft & 
fudueft & teem vinte & finco leguoas na Roota & efte cabo fe aparta 
em ladeza da linha equinocial contra o pollo artico quatorze graaos 
& vinte minutos & da ponta defte cabo faeem ao mar huma grande 
Reftingua de pedra que dura mea leguoa & nom conuem que fe nauio chegue 
muito ao Rofto dele; & para dentro do dito cabo da banda do fueft eftam três 
Ilheos & hum delles efta na boca de uma grande enfeada que fe chama angra 



4^^— ^^H 


■>'' 

X 







48 5^ ESMERALDO DE SITU ORBIS <^ 

de bezeguiche fegundo pareíe nefta figura que aquy pello natural pofemos pintada 
& dentro defta angra podem poufar quarenta ou cincoenta nauios pequenos nas 
finco & féis atee oito braças em limpo & de fora da Ilha da Palma nas quinze 
& deiafeis braças podem pouzar quantas naaos grandes quiferem em fundo de 
area & eflaram meia leguoa defta Ilha & demorar lhe ha ao norte & a quarta 
de noroeft & por quanto no mes de Âgofto, fetembro & outubro nefta terra entra 
grande forfa de vento de trouoada por entom feer aquy natural inuerno compre 
que eftem bem amarradas; & haquy podem thomar augua & lenha & carne; 
mas feja por uontade dos negros por que de outra maneira receberom dapno. 



aqui mapa 

Pois ja temos efcrito do cabo verde & como fe antiguamente chamou afpe- 
rido promontório afy deuemos escreuer das Ilhas que cem leguoas em mar delle 
eftam as quaes também naquella antiguidade forom chamadas afperidas fegundo 
diz plinio da natural hiftoria no feu fexto liuro capitolo trinta & um, & agora a 
principal delias chamamos Ilha de São Thiago; as quaes Ilhas fom dez & mais 
dous grandes Ilheos ; & por fe ifto melhor entender pofemos aqui fua pintura & 
feiçam & como fe correm com ho dito cabo uerde & afy humas com as outras 
as Rootas que cada huma tem. 

Item; jaz a Ilha de Sam Thiago com ho cabo uerde left & oeft & toma a 
quarta de noroeft & fueft & teem cem leguoas na Roota, & por quanto efta de- 
moftrafam he arrumada & tem todolos ventos & caminhos por honde fe pode 
uer como eftas Ilhas jazem humas com as outras efcufamos de o efcreuer aquy; 
foomente he pêra dizer como efta Ilha de Sam Thiago que he a mayor delias fe 
aparta do circulo equinofial á ponta delia que faee a parte do norte quinze graaos 
& vinte minutos em ladeza contra ho poUo artico & a Ilha da boa vifta quinze 
graaos & cincoenta minutos & as Ilhas de Sam Nicolao & Santo Antam & Sam 
Vicente & Santa Luzia todas eftas quatro eftam em dezefeis graaos & quarenta 
minutos de ladeza da equinofial contra ho fetentirional poUo, & da Ilha do foguo 
nem da braba nem da Ilha do Mayo nom curamos poer aquy a fua altura & 
ladeza por fer efcuzada; & defta Ilha de São Thiago & afy das outras em 
cada hum anno vem muita pilitaria de guado cabrum pêra portugual & afy muita 
coyrama de guado bacaril & muitos feuos & algodoêes afãs finos & os fruitos 
nom' fe dam nefta terra fenom de Regadio por que aqui nom choue fenom três 
mezes no anno .f Agofto, fetembro, outubro, & como quer que fe efta Ilha 
aparta da equinofial os graaos que dito he por efta caufa os moradores delia tem 
duas uezes no anno dous altos folefticios .f no uinte & dous dias do mes de 
' abril, no qual dia o foi entra em onze graaos do fino de Tauro & teem em ladeza 
& decrinaçam quinze graaos & doze minutos & nefte dia uem em Zeniquy das 
cabeças dos moradores das ditas Ilhas principalmente defta de Sam Thiago, & 
outro fplefticio he em três dias do mez de agofto no qual dia o foi entra em 
ladeza noue graaos no fino de leo primeiro que chegue ao outonal equinócio & 
nefta Ilha de São Thiaguo fobe no Zeniquy das cabeças dos moradores delia 
nouenta graaos & teem de decrinaçam & ladeza da equinofial nefte dia quinze 
graaos & doze minutos, & pofto que os Rayos folares neftes dias a eftes fejam 
tam propincos elles o fuportam com. pouca fadigua & eftas Ilhas fom efteriles 



^ PRIMEIRO LIURO (^ 49 

por que fom veiinhas ao trópico de Cancer & tem muito pouco aruoredo por 
caufa de nellas nom chouer mais dos ditos três mezes, íom terras altas & fra- 
guofas & feraõ mas de andar; as quaes mandou defcobrir o virtuofo Infante 
Dom Ânrique & as fez pauorar, & pois ja ifto teemos dito aguora tomaremos 
ao cabo uerde pêra daly efcreuermos a coíla do mar como detrás vem hordenada. 
Item; do cabo uerde dandam fom feys leguoas, & efte porto dandam tem 
buma barreira vermelha & aquy foy ja boo Reíguate de efcrauos por cauallos & 
foy tempo que dauam dez efcrauos por hum cauallo de pouca valia & ja aguora 
efle Reíj;uate he perdido & do porto dandam ao cabo dos maílos fom duas leguoas 
& efte cabo tem humas barreiras vermelhas efcalvadas fem nenhum aruoredo 
mayores & mais altas que as do porto dandam & ao mar defte cabo nas trinta 
& quarenta braças ha grande pefcaria de parguos & badejos & outros peixes; & 
do cabo dos maftos ao porto dale fom duas leguoas & efte porto dale tem huma 
praia & huma mouta daruores groífas carradas em hum valle baixo maneyra de 
paul & eftas amores fom muito mais que as do outro amoredo ; & defronte defta 
mata efta ho poufo pêra nauio pequeno & poulara em quatro braças em fiindo 
limpo & cafcalho mefturado com area groía & quem aqui furgir eftara de terra 
mea leguoa pouco mais ou menos; & fe for naao grande pode poufar nas dofe 
braças & limpo & vafa & eftara de terra huma grande leguoa; porem o nauio 
pequeno que pouzar nas quatro braças em frente da dita mata guarde fe de uma 
baixa de pedra que eftaa a bahrrauento defte poufo para a banda de leeft & jafe 
ao mar quaíi mea leguoa & nom parefe fobre augua fe nom quando rompe ou 
quebra nella; &^ ai defte porto efta junto com efta mata & aquy ouue ja boo 
Reíguate de efcrauos que fohiam a dar dez por hum cauallo & aguora pello maao 
Regimento que fe nefte Reíguate teue feys nom querem dar; & aquy podem 
tomar & comprar muita carne & milho pêra mantimento & feyxoes & augua 
& lenha, mas ha mefter que contentem os negros, & efta cofta he muito baixa 
& muito maa de conhefer, & quem conhefer ha quizer venha fempre ao longuo 
da terra; ha qual tem muito amoredo; & do cabo uerde a efte porto dale fom 
dez leguoas & jaz o cabo verde com o dito porto dale left & oeft & ambos eftam 
em hum paralelo & fe apartam da linha equinocial quatorze graaos & vinte mi- 
nutos; & ho moor Inverno defta terra he no mez de agofto. 

Item ; Jaz ho porto dalle 6l ho Rio dos barbatiis left & oeft & tem na Roota 
finco leguoas & efte Rio he muito aprecelàdo & de grandes baixos os quaes íaeem 
áo mar contra a banda de noroeft duas leguoas & mais & pêra o fui leguoa & 
mea & tudo he area; & teem efte Rio por conhecenía fobre a fua boca hum ar- 
uoredo groíTo ao longuo da Ribejnra, o qual efta na entrada dos baixos delle aa 
banda do norte; & quem nefte Rio ouuer de entrar pêra moor fegurança fonde 
primeiro ha barra & faberaa por honde vay ho alto por quanto fe o canal muda; 
& indo direjrtamente pello mais alto achara braça & mea de baixa mar, & ha 
maree de noroeft & fueft preamar & duas braças de mar cheio ; & quem entrar 
dentro nefte Rio veera da parte da maão efquerda contra ho norte huma amore 
grande muito çarrada & ao pee delia eflam muitas fontes daugua doce nas quaes 
podem tomar augua em abaftança & 3rram por efte Rio afima atee vinte leguoas 
& ha Reíguate de efcrauos féis & fete por hum cauallo pofio que nom feja boo, 
& o capitam que a efte Reíguate for guarde fe deftes negros por que fom muito 
maa gente, & efte Rio fe aparta em ladeza da linha equinocial contra ho pollo 
artico quatorze graaos & quinze minutos. 

7 



5o f%? ESMERALDO DE SITU ORBIS (^ 




Cap.° 29.^ 

Das Rootas & conhecenças da terra que vay do Ryo dos barbaciis 
pêra o Rio de Gambea. 

tem; quem partir do Rio dos barbaciis quatro léguas em mar faça o 
cammho do fueíl & auera ha boca do Rio de gambea & tem na Rota 
quinze leguoas & toda a terra que vay dos barbaciis pêra gambea he 
muito baixa & de muito aruoredo & afim ho mar delia he muito apar- 
celado & de grandes baixos darea que em dez braças eftaa homem quatro leguoas 
de terra & nom na pode uer por fua baixura & efta terra fe chama Gibandor & 
dura eíle nome atee o dito Rio de Guambea, tem huma muito grande enfeada & 
da parte de fueft faz huma ponta que íaeem muito ha o mar na qual ponta eftaa 
hum muito grande palmar que dura grandes duas leguoas & mais & no peguo 
defta ponta quafy em mar delia huma leguoa eftaa huma baixa de pedra que tam- 
bém tem area que fe chama a baixa de Santa Maria em que nom ha mais de 
huma braça daugua fobre ella & he muy perigofa & ja fe aly perderam nauios, 
& efte Rio fe aparta do circulo da equinocial em ladeza contra ho pollo artico 
trefe graaos & fínco minutos & ha maree delle he de noroeft & fueft preamar & 
mea leguoa do dito palmar pêra a banda do norte vay ho ramal defte Rio agoora 
em noffo tempo & quem ouuer de ir para dentro fará ho caminho de left & da 
quarta de fudueft & achara no mais alto duas braças & mea da baixa mar & três 
& mea de preamar ; & he coufa pêra notar que a maree tem tamanho Rofo nefte 
Rio que cento & outenta leguoas & mais fobe por elle afima & da fua boca ha 
cento & cincoenta leguoas eftaa huma comarca de terra que fe chama cantor & 
aly eftam quatro luguares que o principal delles fe chama futucoo que fera de 
quatro mil vefinhos & o outro Jalancoo & ho outro do bancoo & ho outro Jam- 
nam fura & todos fom cercados de madeira & eftes eftam do Rio ha mea leguoa 
& ha leguoa & mea & em futucoo fe faz huma grande feyra donde os mandiguas 
levam muitos afnos & afim eftes meímos mandiguas quando a terra eftaa em paz 
& nom ha guerras vem aly aos noífos nauios que por mandado do noffo príncipe 
vaao aquelles luguares & nos ditos nauios Reiguatam pano vermelho azul & 
verde de pouca valia & aíim compram lenços & feda de colores folta & manilhas 
de latam & barretes & fombreyros & humas pedras a que chamam alaquequas 
& outras muitas mercadorias & quando hy nom ha guerras como dito he fempre 
fe daly trazem a eftes Reynos finco & féis mil dobras de boo ouro & hos ditos 
luguares de futucoo & dos outros feus vefmhos fom do Reyno de Jalofo mas por 
que eftom no extremo de mandingua os moradores daly a lingua de mandingua 
falom ; & por efte Rio de gambea fe parte o Reyno da Jalofo do gfande Reyno 
de mandigua que na lingua fe chama Emcalhor como atras he ja dito, & efte de 
gambea que também na lingua dos mandiguas ha nome guabuu; & indo por 
guabuu afima da parte do norte fica Jalofo & da parte do fui ou meo dia he 
mandigua a qual fe extende de longuo quafy duzentas léguas & oitenta de larguo 
& poora em Campo o Rei de mandim (Jic) vinte mil de cauallo & ha gente de 
pee fer tanta como aquelles que tem quantas molheres querem & como ho Rey 
he muito velho que nom pode Reger ho Reyno ou tem alguma doença perlon* 



5^ PRIMEIRO LIURO (^ 5i 

guada logo ho matam & fazem algum feu filho ou parente mais cheguado Rey, 
& duzentas léguas alem defte Reyno de mandígua eftaa huma comarca de terra 
honde ha muito ouro a qual chamom toom & os moradores defta prouincia teem 
Roftro & dentes como caees & Rabos como de cam & fom negros & de efquiua 
conuerfaiom que nom querem uer outros homees & has gentes de huns luguares 
aos quaes hum delles chamom veetuu & o outro habanbarranca & o outro bahaa 
baão (Jic) a efta terra de toom comprar ho ouro per mercadorias & efcrauos que 
lhe leuom os quaes no modo do feu comercio tem efta maneira .f. todo aquelle 
que quer vender efcravo ou outra coufa fe vay a hum loguar certo para ifto orde- 
nado & ata o dito efcrauo a huma aruore & faz uma coua na terra daquella can- 
tidade que lhe bem parece & ifto feito harreda fe a fora hum boo pedafo & entom 
vem o Roftro de cam & fe he contente de encher a dita coua douro enchea & fe 
nom tapaa com ha terra & faz outra mais pequena-, & arredafe a fora; & como 
ifto he acabado vêem feu dono do efcrauo & vee aquella coua que fez ho Roftro 
de cam, & fe he contente aparta fe outra vez fora & tornado o Roftro de cam aly 
enche a coua de ouro & efte modo tem em feu comerfio & afy nos efcrauos como 
nas outras mercadorias & eu faley com homees que ifto virom, & os mercadores 
mandiguas vaão as feyras de beetuu & banbarranaa & dabahaa comprar efte 
ouro que ham daquella monftruofa jente, & tornado ao Rio de Guambea nelle 
ha muitos grandes cauallos marinhos mayores que boys de todalas colores que 
caualos terrestres coftumom ter; & a feiçam de feus corpos he como de boys & 
as unhas dos pees & das maãos fendidas como Boys & ho pefcofo Roftro comas 
& orelhas & ancas como cauallo & tem dous cominhos ou dentes de dous pal- 
mos cada hum de groffura de hum braço de homee pelo colo; & eftes fempre 
andom no Rio principalmente nos luguares baixos honde lhe augua daa pella bar- 
rigua & também no alto quando querem & afy faeem em terra a pacer erua & 
dormir ao foi & afy daugua como da terra os proueo a mageftade da grande na- 
tureza; também ha nefte Rio muitos & grandes laguartos que alguns delles tem 
vinte & três & vinte & quatro pees da ponta de feu rabo atee o focinho & eftes 
andam naugua & faem em terra quando querem criar honde poem ouos debaixo 
darea muyto mayores que de patos & aly fe criam & faem deftes ouos da gran* 
dura de um palmo & loguo fe vaão ao rio onde fe criom acabadamente eftes fom 
animaes nociuos & comem os homees & boys & vacas; outras muitas couías ha 
no Rio de Guambea que leixo de dizer por nom fer amigo de proluxidade aynda 
que ella nom trás vicio le teem boo modo de fatiffazte (Jic); & a gente defta terra 
toda fala a lingua dos mandiguas & fom macometas que guardom a ley ou feyta 
de mafoma; fom veftidos de camífas de algodam azues & feroulas do mefmo pano 
fom jente de muitos vicios tem as mulheres que querem & ha luxuria antre elles 
totalmente he comuha, fom muito grandes ladroes bêbados & mentirofos & in- 
gratos & todolos malles que^ade ter hum maao elles os tem. 



52 



^ ESMERALDO DE SITU ORBIS (^ 




Cap.^ 3o.*^ 

Do Caminho Rootas <fe conhecenças do Rio de Gambea pêra o cabo 
Roxo dk Rio Grande. 

tem; Jaz o Rio de Gambea com o cabo Roxo norte & fui & tem na 
Roota vinte & cinco leguoas & no meo defte caminho eftaa hum Rio 
que fe chama cafamanía a gente do qual fom mandiguas & efte Rio 
tem huns baixos que faem da terra pêra o mar duas leguoas os quaees 
todos fom de uaia & fobre elles ha finco & féis braças & adiante deftes duas 
léguas pêra o mar no cabo da vafa fe comefa hum pracel darea que dura quatro 
leguoas & ha fobre elle dofe & quinze braças & nefte Rio de caía mania vai 
muito ho ferro & aqui ha relguate de efcrauos por cauallos & por lenços & por 
pano vermelho, & efte fe aparta da linha equinofial em ladeza contra ho poUo 
artico doze graaos trinta & finco minutos & na canal defte Rio nom fallo por que 
fe muda muitas uezes & quem aqui ouuer de entrar fonde primeiro a barra & 
íabera por honde vay ho alto & ha maree defte Rio de noroeft & fueft; & adiante 
de cafa manfa doze leguoas eftaa o cabo Roxo & tem por conhecenía huma bar- 
reyra Ruyua no feu Roftro o qual cabo fe aparta em ladeza do circolo equinofial 
contra o pollo artico doze graaos & de guambea athe o cabp Roxo jaz efta co&sl 
norte & fui como atras he dito; Porem quem partir do cabo verde em bufca do 
cabo Roxo faífa o caminho de fufueft & auera o dito cabo Roxo & fom fincoenta 
& cinco léguas na Roota. 

Item; adiante do Cabo Roxo duas leguoas eftaa falulo muito abaftado darroz 
& carnes & aleem de falulo finco leguoas eftaa o Rio de Sam Domingos muito 
doentio de grandes febres; & alem de Sam Domingos eftaa hum Rio pequeno 
que fe chama das ancoras; E alem do Rio das ancoras pouco mais de huma 
leguoa efta o Rio grande & nom lhe foy pofto efte nome por fer mayor nem tama- 
nho como os Rios de Canaugua & guambea mas por que tem a boca muito grande 
de fete ou outo léguas de largura com finco & féis Ilhas na dita boca por iífo lhe 
foy o dito nome de Rio grande pofto, & quem ouuer de ir pêra o dito Rio grande 
vaa de Cabo verde em bufca do cabo Roxo como afima he dito & dahy 30*3 co- 
nhecendo a terra pêra auer de entrar no Rio grande. 



Cap.* 3i.* 

Do Rio grande dk do que nelle ha 

tem; efte Rio grande tem na boca finco ou féis Ilhas muito baixas & 
cheas daruoredos as quaes fe chamam as Ilhas de buam, & por entre 
ellas vaão huns canaes nom muito eftreitos & a luguares baixos & fujos 
de pedra por entre os quaes corre augua de maree muito fortemente, 
& eftes canaees que afy vaão por entre as ditas Ilhas Ibm alem do feu canal defte 
Rio & boca principal, a qual boca efta da banda do noroeft & corre-fe pêra den- 
tro quafy left & oeft & tam fortemente tem aly augua da maree feu cozo que 
afima das ditas Ilhas. . . leguoas dentro defte Rio jaz hum macareo .f. quando o 



> 


■ 1 ^ -^ 




_-_ jj 



HP PRIMEIRO LIURO d^ 53 

mar enche fupitamente levanta augua dofe & quinze braças & com tamanha forfa 
corre que fe algum nauio aly eíliuer poufado por milagre pode efcapar que nom 
feja alaguado. Os baixos defte Rio grande íáeem muito ao mar por efpafo de trinta 
& cinco leguoas & quem eftiuer as ditas leguoas em mar defte Rio & lhe demo- 
rar a dita boca em leíhordeft achara fafenta braças de fundo fe tomar fonda & 
aly achara no prumo huma area muito mehuda finfenta & ho piloto que efte fundo 
hachar deue conhefer que anda encorporado nos baixos defte Rio & fendo cafo 
que lhe hacalme ho vento & fentir que a foria da maree ho mete pêra dentro 
tanto que forem uinte & finco braças eftara 6 ou 7 leguoas da boca delle & deue 
loguo forgir ou virar na volta do mar fe o vento for pêra iffo por que deftas bra- 
ças pêra a terra tudo he fujo de muitos arrecifes de pedras que delles param fo- 
bre augua delles nam (Jic); & pelo forte cofo que ha maree ahy tem muito afinha 
pode laníar qualquer nauio neftes arrecifes honde fe perderaa como ja fizerom 
outros & quem for tanto avante como ho canal defte Rio grande hachara vafa 
das quinze braças para a terra & ha terra defta cofta toda he muito baixa & de 
muito aruoredo & maa de conhecer & tem efte Rio na canal oito & nove braías 
de preamar & ha maree de noroeft & fueft & efte Rio fe aparta do drcolo da 
equinofial em ladeza contra ho pollo artico onze graaos & nefte mefino paralelo 
ou circolo eftaa a cidade de Calecut em índia, & todo o piloto que por efta terra 
for ou pelo golfam do mar fe achar os ditos onze graaos de ladeza íaiba certo 
que he tanto avante como efte Rio grande; & ha jente que nefta terra habita fom 
guoguolys & beafares, & fom fogeitos ha elRey dos mandiguas & eftes fom muito 
negros de color, & muitos delles andam nuus & outros veftidos de panos dalguo* 
dam aquy fe refguatam efcrauos féis & fete por um cauallo ainda que nom fe)a 
boo & algum ouro ainda que he pouco por pano vermelho & por lenço & por 
humas pedras a que chamom alaquaquas & também lhe chamamos de eftancar 
fangue; efta gente tem muita abaftança darroz, milho & ynhames & gualinhas 
& vacas & cabras & quafy todos eftes fom macometas & ha mafamede adorom 
& fom circumcifos he gente em que nom ha vergonha nem medo de Deos. 



Cap.^ 32.^ 

Dos Hios que paão adiante do Rio grande & alguns que fom dentro 
delle & ajy das Rootas & conhecenfas atee a ferra Lyoa. 

efte Rio grande fe podem fazer dous caminhos pêra ferra Lyoa hum 
delles he per dentro das Ilhas que aa boca delle eftam & por aly po- 
dem fayr pela banda do fueft mas poucos pilotos fabem efta terra & 
pofto que por aquy poifam ir deue fer de dia & poufar de noyte; o 
houtro caminho he por fora pelo peego fegundo adiante diremos; & dentro defte 
Rio grande eftaa hum Rio que fe chama buguubaa & os negros delle fom beafe- 
res & guoguoliis & adiante de buguubaa dez léguas a longo da cofta contra ho 
fueft eftaa houtro Rio que ha nome dos nanuus por que efte mefmo nome he p 
da jente da terra & mais adiante feys leguoas acharom outro Rio que fe chama 
dos pefcadores & adiante defte 5 leguoas he achado outro Rio que ha nome de 
pichei & mais avante eftaa outro que fe chama de nuno & aquy ha muito marfim 




H ^ ESMERALDO DE SITU ORBIS <^ 

& tern por conhefenfa huma Ilhota pequena na boca & adiante defte Rio duas 
leguoas eílaa o cabo de verga que teem o Rofto rafoadamente alto todo coberto 
daruoredo & eíla cofta do Rio grande atee o cabo de verga & jaz noroeft & fueíle 
& thoma a quarta do norte & fui & teem na Roota trjnta & cinco leguoas & 
efta terra he muito baixa & maa de conhecer & o fundo muito fujo & de grandes 
arrecifes de pedra & muito perigoza que fe nom deue nauegar fe nom de dia & 
poufar de noyte & pêra mais feguridade feja nauio pequeno de vinte & cinco tee 
trinta tonees por que fendo mayor correra Rifco de fe perder, & todalos negros 
delia terra fom ydolataras, & em cazo que nom conhecem ley fom circomfifos, 
& eila circumfifam thomou cauza da velinhança que tem com os mandinguas & 
outros que fom macometas, & huma gerafom deftes negros fe chama banhauus 
& ha outra capes, & outra falunguas, & efta he muita gente & tem hum Rey que 
ha nome Jaalomanfa & nefta terra fe faz huma feira honde chamam famenda na 
qual fe trata muito ouro & eftes Jaalunguas nom tem luguares de cofta de mar 
& jazem no Certaão, & outros negros ha nefta terra que chamom guoguoliis & 
em toda efta terra na cofta do mar ha ouro hainda que he em pouca cantidade 
o qual cuftumamos Refguatar por halaquequas & por contas amarellas & verdes 
& por eftanho & lenço & manilhas de latam & pano vermelho & por bacias como 
de barbeiro, & por eftas mercadorias Refguatamos aquy muitos efcrauos; nefta 
terra nom ha edifícios fenom caías palhaças & efta jente toda he mettida em 
guerras que poucas vezes tem paz, pofoydores dos alifantes & onças & outros 
muitos defuairados hanimaees & auees deftranhas feyçoes & eftes fe mantheem 
darroz & milho & outros legumes & afy carnes & pefcados que ha hy muitos, & 
ha Roota de que afima falamos do Rio grande pêra diante fe ade entender par- 
tindo de dentro do dito Rio & de fuás Ilhas & fayndo polia banda do fueft fora 
ao longuo da cofta. 

Item; ao loeft da quarta do noroeft do dito cabo da verga eftaa dez leguoas 
em mar huma Ilheta que fe chama dos alcatrafes fuja darredor & maa. 

Item; do cabo da vergua ao cabo de fagres fom defoito leguoas & jaz efta 
cofta noroeft & fueft & thoma a quarta do norte & fui & da banda do fueft tem 
elle cabo de fagres huma enfeada grande em que podem poufar nauios nas doze 
& treze braças & tudo he limpo & boa ancorafam & no Rofto defte cabo leguoa 
em mar eftam duas Ilhas pequenas que tem hum Ilheo junto comfiguo & a eftas 
chamamos as Ilhas dos ídolos & efte nome lhe foy pofto por que os negros defta 
terra quando aly vaão fazer fua fementeyra de arroz leuam feus ídolos em que 
adoram & por que aly forom achados muitos delles quando fe efta terra defcobrio 
fe pos efte nome de Ilha dos ídolos, & na mayor deftas Ilhas da banda do fui 
acharom na praya huma muito boa fonte daugua doce em que os nauios de baixa 
mar ou jente delles podem thomar augua por que de preamar tudo he coberto 
de maree & afy podem thomar lenha que ha hy muita, & ao mar deftas Ilhas nas 
trinta & cinco & quarenta braças ha muito pefcaria; & quem nefta terra fôr 
guarde fe dos negros delia por que he muito maa gente & teem arcos com que 
tiram com herua marauilhofa muito fina & pefonhenta & já algumas uezes aqui 
matarom da nofla gente, & da banda da terra d^eftas Ilhas no certaão veraa 
muito alta ferra aa qual chamamos ha ferra de brapam & os negros outro nom 
lhe chamom & tem huma muito grande aberta pello meo que a parte em duas 
partes & afy efta ferra como o dito cabo de fagres & Ilha dos ídolos todos jazem 
em hum paralelo & todos fe apartam em ladeza da linha equinofial contra ho 



j 



^ PRIMEIRO LIURO <%i 55 

polio artico noue graaos; & podem os nauios poufar de Redor deftas Ilhas dos 
ídolos em outo & noue braças em vaza em limpo & boa ancorafam & eftaram 
pouco mais de. mea leguoa de terra. 

Item; adeante defta Ilha dos ídolos fete leguoas acharom um Rio que fe 
chama de Criftal & tem na boca da banda do fueft huúas aruores altas & da 
banda do norte tem hum rofto de pedra & ao longuo delle vay a entrada defte 
Rio & tem na canal três braças daugua de preamar. 

Item ; quatro leguoas aleem defte Rio do Criftal eftaa outro Rio que le chama 
de caabite o qual tem huma boca largua & da banda do norte hum aruoredo 
groíTo fobre ha boca & por quanto a canal defte Rio & afly de outros muitos 
defta terra fe muda & fempre o alto nom vay por hum luguar por tanto quem 
quizer nelles entrar fonde primeiro a barra & entrara feguro; & toda efta terra 
he muito quente & de muito aruoredo. 

Item; adiante de caabite cinco léguas eftaa hum Rio que fe chama tâmara 
o qual tem na entrada da banda do norte huma mata de aruoredo groífo & alto 
& por quanto ha barra defte Rio le muda muitas vezes & ha entrada he peri- 
guofa por muitos baixos darea que teem & por tanto compre que quem aquy 
ouuer de entrar fonde primeiro a barra. 

Item; quatro leguoas alem de tâmara eftá outro Rio que fe chama cafe & 
dentro de fua foz pouco mais de huma leguoa efta huma aldeã que ha nome an- 
quee a qual fera luguar de trefentos vefmhos pouco mais ou menos; & efte Rio 
de cafe tem na boca huma Ilha & aftm tem mais humas aruores muito altas da 
banda do noroeft & duram os baixos & pracel que faeem de fua boca ao mar 
grande leguoa & mea fobre o qual ha luguares ha duas braças & mea & três 
braças & no mais alto defte pracel ha cinco & féis braças & muitas uezes Rompe 
aqui o mar & quem ouuer dentrar nefte Rio fonde primeiro a barra por que he 
afaz periguoza & maa & ja fe aquy por uezes perderom navios & toda a terra 
que vay de tâmara para cafe he cortada por dentro pello certaão de muitos 
braços & efteiros que fe de huus Rios pêra outros fazem por honde podem hir 
nauios pequenos de huma parte pêra a outra; ha gente defte Rio fom chamados 
teymenes & aquy ha ouro muito íino ainda que he em pouca cahtidade, os efcra- 
uos & tudo ifto fe Refguata por bacias de latam & manilhas do meímo latam & 
halaquequas & pano vermelho & lenço & panos de alguodam & nefta terra 
fazem humas efteiras de palma muito fermofas & afy coUares de marfim; & jaz 
efta cofta da Ilha dos ídolos atee cafe lefueft & hoefiioroeft & tem doze leguoas 
na Roota. 

Item; adiante defte Rio de cafe féis íeguoas eftam humas barreiras verme- 
lhas que vem çarrar com ho mar & com a fermofa ferra lyoa & durarom as ditas 
barreiras três leguoas & mais & toda efta terra do cabo verde atee a dita ferra 
que fom quafy 200 leguoas he muito pauorada a qual he terra de muito aruoredo 
& baixa & maa de conhecer & junto com as ditas barreiras vermelhas honde fe 
querem juntar com a dita ferra lyoa eftaa hum Rio que fe chama bintombo do 
qual faem huns baixos darea ao mar que dura huma leguoa ou mais & de baixa 
mar ficam em feco muitas cabefas darea deftes baixos & pelo dito Rio de bitondo 
acima duas leguoas de fua foz efta huma aldeã que fe chama taguarim & fera 
luguar de duzentos vefmhos, & alem defta pêra íima três leguoas mandou fazer 
o fereniffimo Rei Dom Joham o fegundo huma fortaleza ha qual defpoys por algu- 
mas caufas mandou derribar & todolos negros do Rio grande atee efta ferra lyoa 



56 5^ ESMERALDO DE SITU ORBIS (^ 

» 

& daly por diante fom gentios ydolãtras & fom circoníifos feni faberem Razam por 
que a tal circumfifam fazem & cuíhimam foomente dizerem que o fazem por an- 
darem limpos & outros dizem que nam fariam geerafisim fe fe nom circuníifafem, 
outros que afy o coftumarom feus padres & careira da cauía principal & Razam 
por que caeem nefte error, & como quer que os Jalofos mandinguas & tucuroees 
fom macometas & por caufa de fua ley fom circuníifos & os beafares que vaâo 
mais adiante pello mefmo modo & veíinham com os veiinhos da mefina ferra lyoa 
por eila cauík tomarom a circumfiiam huns dos outros; & pois fomos fempre 
efte caminho das Ilhas dos ídolos pêra a dita ferra ao longuo da cofta do mar 
aguora diremos como jafem efta cofta & ella. 

Item; Jafem as Ilhas dos ídolos com a ponta da ferra lyoa que fe chama 
cabo ledo noroeft & fueft & tem na Roota defoito leguoas & toda a gente que 
vay deftas Ilhas atee a dita ferra por hum nome fom chamados teymines & eftes 
chamom ao ouro tebongo & augua mancha & ao arroz maaloo; 



Cap.° 33.^ 

Da Serra Lyoa & das coufas que nella ha & como o virtuofo Infante 
Dom AniHque defcobrio ejia terra do cabo de nam atee qui foo- 
mente. 

hordem da obra conuem dizermos da natureza da jente defta ferra Lyoa 
& do feu modo de uiuer & ha mayor parte dos moradores defta terra 
por hum npme fom chamados boulooes & he jente belicofa que poucas 
vezes eftam em paz, eftes chamom ao ouro emloam, & agua men; & 
algumas vezes fe acontefe eftes negros comerem outros homees ainda que ifto 
nom huiam tam comummente como fe uía em outras partes defta ethiopia; & 
eftes todos fom Idolatras & feiticeiros, & por feitifos fe Regem em tal maneira 
que aos oráculos & aos agoyros fem duuida fe lhe dam, nefta terra ha hy ouro 
& nom em muita cantidade o qual os boulooes ham por ial que leuam ha huma 
terra que chamam coya donde efte ouro vem que he alaz fino quazy de vinte & 
três quilates, o qual coftumamos Reiguatar por manilhas de latam & por bacias 
tamanhas como de barbeiro & por lenço & pano vermelho & alaquequas & panos 
dalguodam & outras coufas; eftes negros tem os dentes limados & agudos como 
de cam, nefta terra fe fazem as mais fotis colares de marfim & milhor lauradas 
que em nenhuma outra parte & afim fazem efteiras de palma a que dies chamom 
bicas muito fermoías & boas, nefta ferra ha muitos elefantes & onças & outras 
muitas defuairadas alimárias que nefta efpanha nem em toda a Europa nom ha; 
também ha quy homens faluajes a que os antíguos chamaram fatiros & fom todos 
cubertos de hum cabello ou fedas quafy tam afperas como dè porco & eftes pa- 
refém creatura humana & huíam ho coyto com fuás mulheres como nos ufamos 
com as noflas, & em uez de falarem gritam quando lhe fafem mal & por que 
eftes andam na maior efpefura defta ferra poucas vezes os podem thomar fe nom 
em fendo moífos pequenos, muitas outras coulas fe poderiom dizer delles que por 
nom fazer longuo fermon leixo de efcreuer; todolos negros defta terra andam 
nuus fe nom quando cobrem as partes inferiores & membro de gerafam com hum 
pano dalguodam, nefta ferra nom ha edificios & moram em cafas palhafas, & no 




^ PRIMEIRO LIURO (^ Sy 

certãão doze ou quinze leguoas do mar he achada huma geração de gente a que 
chamom fouzos & eftes fom fenhores de muito ferro que trazem ha ferra & ha 
outras partes de que ham afaz proueito & mujrtos cuidam que efte nome de ferra 
lyoa lhe foy pofto por aqui hauer Lyoêes, & ifto he falfo por que Pêro de Sintra 
hum cavalleiro do Infante Dom Anrique que per feu mandado efta ferra defco- 
brio por ver huma terra tam afpera & braua lhe poz nome Lyoa & nom per 
outra caufa & ifto fe nom deue duuidar por que he verdade; por que elle me 
diflb aífim; 

Item; efta ferra tem huma ponta que ha nome ho cabo ledo o qual tem huma 
baixa de pedra hum grande tiro de bombarda ou mais ao mar defta terra a qual 
parefe fobre augua altura de hum ou mais & antre efta baixa & ha terra vay hum 
canal em que ha fete outo braças daugua & ao pee defta baixa ha quatro braças 
& qualquer nauio pode paffar por efte canal fem periguo algum & quem eftiuer 
no Roftro defte caho ledo indo daly para dentro em lesnordeft ao longuo da terra 
pêra dentro em efpaflb de huma leguoa achara huma angra com huma area Ruyua 
& tem huma aruore groíTa & muito alta & junto com o pee defta aruore achara 
hum Ribeyro de muito boa augua doce & da parte da maõ direyta efta huma 
angra que tem hum efteiro & huma area preta onde efta hum muy boo efpalma- 
douro no qual fe podem correger quinze ou vinte nauios & em toda efta ferra 
ha muita pefcaría & arros & milho & galinhas & capoèes & poucas vacas & 
outro gado, mas quem aquy for guarde fe deftes negros que fom muito maa gente 
& tiram com arcos & erua muito íina; & efta ferra lyoa fe aparta do circolo da 
equinocial em ladeza outo graaos & eftes mefinos graaos fe levanta aly o pollo 
artico fobre o circolo do emifperio, & por quanto do cabo uerde fe faz outro ca- 
minho mays direyto pello golfom para efta ferra portanto o efcreueremos aquy; 

Item : quem partir de cabo uerde & quizer hir pêra a ferra Lyoa fafa o cami- 
nho ao fui oitenta leguoas & entam fera tanto avante como os baixos do Rio 
grande & fe aqui for eftaraa em onze graaos de ladeza da linha equinoíial contra 
ho pollo artico & demorar lhe ha a boca do dito Rio em lefiiordeft & feera trinta 
& cinco leguoas em mar delle & tomarom fonda de cincoenta atee fafenta braças 
de area muito meuda finzenta & daqui faça o caminho em lefueft cento & vinte 
leguoas & hauerá a dita ferra lyoa & primeiro que a ella cheguem com vinte 
leguoas fe tomarem fonda acharom quarenta braças area grofTa vermelha meftu- 
rada com pedrinhas mehudas & todo o fundo de redor da ferra he defta calidade 
& aly fe pefcarem tomarom muitos pargos, & o piloto que nefta terra for deue 
fer auifado que tenha boa vella em feu nauio por que aquy entrom muito 
grandes trouoadas com grande força de uento & ho remédio difto he amaynar 
atee que a trouoada pafle, & nefta ferra ha muito grandes almadias todas de 
hum paao que muitas delias levam cincoenta homees com os quaes fe feruem 
& fazem guerra huns aos outros, & efta terra he muito cheya de aruoredo 
o qual dura adiante quafy mil léguas & afy he terra aíaz quente todo ho anno 
& por iífo deuemos notar o que diz alfragano que os ethiopios o feu inverno & 
veraão fom de huma mefina compleiçom, & atee qui defcobrio o virtuofo Infante 
Dom Anrique. 

Muitos benefícios tem feytos o virtuoso Infante Dom Anrique a eftes Reynos 
de portugual por que defcobrio a Ilha da Madeira no anno de noíTo fenhor de mil 
ccccxx & ha mandou pauorar & mandou a Cicilia pellas canas de afuquar que 
nella fez plantar, & pellos meflres que o afuquar enfmarom fazer aos portuguefes 

8 



58 ffc) ESMERALDO DE SITU ORBIS (^ 

a qual Ilha agora rende trinta mil cruzados douro ao mefirado de chrifto; iíTo 
melmo mandou a Ilha de Malhorca por um meftre Jacome meftre de cartas de 
marear na qual Ilha primeiramente fe âzerom as ditas cartas, & com muitas da- 
diuas & mercês ho ouue neíles Reynos ho qual as enfinou a fazer aquelles de que 
os que em noífo tempo vivem aprenderom, iífo mefmo fez povorar as Ilhas dos 
Açores a que antiguamente guorguonas fe chamarom, tudo ifto efte virtuofo prín- 
cipe com outras muito boas couías tem feitas, que efcufo dizer aleem de defco- 
brir guinee atee a ferra Lyoa da qual ferra pofemos aquy a pintura pello natural 
por fe melhor entender & aquy faz íim o i .^ livro & por tanto deuemos Roguar 
a Deus por fua Alma o qual fe finou da vida defte mundo em trefe dias do mes 
de novembro do anno do nacimento de noífo fenhor Jefus Chrifto de 1460 annos 
& jaz fepultado no mofteyro de Santa Maria da Vitoria da batalha na capella 
delRey Dom Joham feu padre; & tanto fom os benefícios que o virtuofo Infante 
Dom Anrique teem feytos neftes Re}mos que os Rex & pouoos delles lhe fom 
em muita obrigafam por que na terra que elle defcobrio grande parte da gente 
de portugual ganha de comer & os Rex nefte comerfio grandes proveytos ham ca 
do Ryo de Canagua que he no principio do Reyno de Jalofo honde fom os pri- 
meiros negros fegundo fe faz mençam quafM\o fim dos vinte & fete capítulos 
defte liuro atee a ferra lyoa inclufive quando o comercio defta terra eftaua bem 
ordenado em cada hum anno fe tirauom delia três mil & quinhentos efcrauos 
& mays & muitos dentes de marfim de elefante & ouro & panos finos dalguodam 
com outras muitas coufas afy que deuemos Roguar a Deos polia alma do Infante 
Dom Anrique que por elle defcobrir efta terra foy caufa de defcobrir a outra 
guinee da dita ferra por diante & ha índia; de cujos comércios com grandes 
riquezas fomos abaftados. 

aquy mapa 



j 



PRINCIPIO DO SEGUNDO LIURO 

DO ESMERALDO DE SYTU ORBIS DO QUE DES- 
COBRIO HO sereníssimo PRINCIPE EL REY DOM 
AFONSO HO QUINTO DE PORTUGUAL. SEGUE SE 
PRIMEIRAMENTE HO PROLOGUO. 



Im quanto noíTas memorias teem Iembran<;a do que em nolTo tempo 
vimos paffar pêra verdadeiramente podermos dizer o que por muitas 
vezes vimos em muita Reprençam cayriamos fe por nos nom foffe 
dito por que emtanto fom uiuos aquelles que por Immortal gloria deuem 
uiuer emquaato o faber de feuN grandes feytos dura & fegundo as obras que os 
taees príncipes fezerom afy fica fua fama dina de louuor & como quer que efta 
regra a todos he geral & principalmente aquelles que por feus merecimentos fuás 
coufas deuemos notar por tanto nom he pêra efquecer o fereniílimo príncipe elRey 
Dom Affonfo o quinto de Portugual que Deos tem como he certo & teemos vifto 
que foy eicelente varam & de maugninymo corafam & ganhou tal immortalidade 
per onde fua clara fama prepetuamente deue durar & por quanto ha deferenfa 
dos tempos & longura das Idades efcondem o faber das coulas & as metem em 
efqueíimento por tanto deuemos fazer tal lembrança deíle ferenilIimo fenhor que 
de gerafam em gerafam fique a memoria delle; por que com muita equidade & 
justiça trinta & dous annos eftes Reynos Regeo & nom foy menos louvado nos 
grandes feytos darmas que em feu tempo fez que na gouemança da Repubrica 
que fempre muito eftimou. Nem podemos ai dizer poys he verdade fe nom que 
foy excelente baram & de manifica liberalidade & de tam limpa comdiçam & 
graça ho dotou nolTo fenhor que por fua muita bondade foy uníuerfalmente amado 
de todos feus fubditos & naturaes pello qual fendo labida fua clara fama per mui- 
tas prouincias & Regioées ho fanto padre o Papa Pio fegundo ho elegeo por ca- 
pitam da Igreja & Criftandade em huma grande armada que entam hordenou 
faier contra ho turco, pêra a qual outorgou huma fanta indulgência & cruzada 
em cuja memoria efte fereniíOmo Rey Dom Affonfo foi o primeiro que neftes 
Reynos ha moeda dos cruzados douro fino para fe paguar o foldo defla fanta 
guerra mandou fazer; & o feu primeiro preffo foy pofto a trefentos vinte & cinco 
reis cada cruzado & por o Santo Padre fe finar efla armada nom houue tim; & 



6o ^ ESMERALDO DE SITU ORBIS í^ 

efte virtuolb príncipe por feruiço de Deos paflbu em peffoa aleem do mar em 
Africa com grande frota & gente onde per forfa darmas tomou aos mouros a 
villa de alcácer ciguer no anno de noíTo fenhor de 1458 em defanove dias do mes 
de outubro & defpois no anno de 147 1 annos em vinte & quatro dias do mez de 
Agofto tomou aos mefmos mouros por forfa darmas a villa darzila na qual grande 
mortandade de mouros foy feita; & com efte medo todolos moradores da muito 
antigua & forte Cidade de Tanger fogiram & a deixaram foo; & efte excelente 
principe ha mandou tomar & pouorar; As quaes coufas todas vimos com outros 
muitos grandes feitos que he efcufado efcreuer em tam baixo eftilo de tam alto 
principe; mas foomente nos cabe dizer como defpois da morte do Infante D. An- 
rique elle fobfedeo (Jic) eftas ethiopias de guinee & o que em feu tempo por ellas 
mandou defcobrir aleem da dita ferra lyoa & por mais fua lembrança pofemos 
aquy ho Rodizio que trazia por fua diuiza com o feu moto que dizia; Jamays; 
elle fe finou na Villa de Sintra aos 28 dias do mes de agofto do anno de noflb 
fenhor Jefus chrifto de mil cccclxxi annos. 




Cap.** i.^ 
Z)o 2.* livro do efmeraldo de fyto or bis 

uanto que homee pafTa a ponta do cabo ledo da Serra Lyoa por efpaífo 
de feys leguoas contra o fufueft loguo parefem três Ilhetas que fe chamom 
as Ilhas brauas & na mayor delias eftaa huma muito boa fonte daugua 
doce & daly por diante faz a cofta huma muito grande enfeada que 
tem em roda vinte & cinco leguoas ou mais fegundo parefe nefta figura que eftaa 
alem do Rodizio a qual chamamos a furna de Santa Anna na qual eftam muitos 
Rios antre os quaes o mayor & o mais principal delles chamom o Rio das Ganboas 
& efte jaz left & hoeft com as ditas Ilhas brauas & teem oito leguoas na Roota 
& na boca defte Rio eftaa huma muito grande reftingua de pedra que dura grande 
mea leguoa ao longuo da terra & ha canal delle tudo he vafa & tem três brafas 
daugua de preamar & podem hir por efte Rio afima nauios pequenos atee huma 
légua que chamom harhouche honde Refguatam algum ouro & efcrauos por hala- 
quequas & manilhas de latam & pano vermelho & lenço & bacias do mefino la- 
tam & outras coufas defta calidade & toda efta fuma de Santa Anna he muito 
fuja de baixos de pedra & darea & qualquer nauio que hordenadamente para 
aqui nom ouuer de ir & for pêra a cofta da malagueta ou pêra mina outro cami- 
nho deue fazer fegundo adeante fe dirá; & toda gente defta terra ham nome 

bouloees. 

aqui mapa 

Item; fe algum nauio efteuer tanto avante como ho cabo ledo da ferra lyoa & 
ouuer de hir pêra a cofta da malagueta ou pêra a mina fendo nauio pequeno de 
trinta & cinco tonees pouco mais ou menos fafa do dito cabo ho caminho de fu- 
fudueft & yra pellas oito & nove braças & dobrara o cabo de Santa Anna & 
fera em mar delle féis leguoas & fendo naao grande deue fazer o caminho de fu- 
dueft & yra pelas doze & quinze braças & tanto que trinta brafas for vaa fe em 
lefueft & ira ter em hum cabo que fe chama ho cabo do monte que efta avante 
do dito cabo de Santa Anna trinta leguoas & aly pode hir feu caminho para a 



!t^ SEGUNDO LIURO (^ 6i 

cofta da malagueta ou da mina como fe adiante dirá ; & eíle cabo de Santa Anna 
he terra muito baixa & tem três Uheos na ponta & ha terra por dentro da furna 
he cortada de hum brafo de mar que vay ter ao Rio das palmas & ho cabo fica 
em Ilha & chama fe turulo, & do cabo ledo da ferra lyoa a eíle cabo de Santa 
Anna fom defafeis leguoas & eíle fe aparta em ladeza do circolo equinocial 
contra ho poUo artico fete graaos & na demonstrafam & pintura aquy poíla fe 
vera a feiçam deíla terra. 

Item; Jaz o cabo de Santa Anna & ho Rio das palmas leíl e oeíl & tem 
doze leguoas na Roota & por quanto ha canal deíle Rio fe muda duas & três 
vezes no anno & nelle nom poífo fallar couza certa por tanto leixo de o efcreuer 
foomente fayba quem aquy ouuèr de entrar que eíle Rio tem na boca muitos bai- 
xos darea & primeiro que aquy entre por fua fegurança deue fondar a barra; ou 
entre per dentro pela furna de Santa Anna por hum brafo que o mar aly faz ao 
longuo da Ilha de turulo & yra dentro no Ryo das palmas fegundo fe pode ver 
neíla pintura & demonílrafam & ha terra de fueíl que eíla junto com a boca 
deíle Rio algum pouco he mais alta que a outra que fica atraz & indo com nauio 
pequeno de trinta atee trinta & cinco tonees per eíle Rio afima efpafo de vinte & 
cinco leguoas acharom fete aldeãs & aleem delias eftaa hum grande luguar que 
terá cinco ou féis mil vezinhos a que chamom quynamo & eílando aquy dous 
mefes poderiam refguatar mil & quinhentas dobras ou mais pelas mercadorias de 
que atras falíamos no primeiro capitulo deíle fegundo livro & por eílanho que a 
terra aquy rafoada valia & afim fe reíguatarom pellas ditas mercadorias alguns 
efcrauos & quem aquy for guarde fe dos negros deíla terra por que fom muito 
maa jente & trabalham de thomar os nauios com grandes almadias que tem, & 
eíla jente fe chamom bouloees, & eíla terra he muito habaílada darrôs & de ou- 
tros mantimentos & afy he muito doentia de febres. 




Cap.° 2.^ 

Do Rio das Galinhas 

oda eíla terra que vem do Rio das palmas ao longuo da coíla atee ho 
Rio das galinhas he muito baixa & de muito aruoredo & he terra 
quente em todo o anno, & o Inverno comefa aquy no mes de maio & 
acaba por outubro no qual choue muita augua & poílo que iilo'afim 
feja nem por ilio leixa aqui de fazer no meímo tempo grandes calmas, & iílo he 
o que diz alfragano deíla terra & moradores delia que aos ethiopios ho verao & 
o inverno ambos fom de huma mefma compleiçam & iílo caufa por que a ethio- 
pia delia jaz debaixo da linha equinofial delia que fe avefmha do meíino circolo 
& tanto a dita ethiopia he tam quente; & feguindo noífo prepofito digo que o 
Rio das galinhas jaz com o Rio das Palmas leíl & hoeíl & toma a quarta do 
noroeíl & fueíl & tem doze leguoas na Roota ; por quanto eíle Rio das galinhas 
he fem proveyto nom oufo de fallar nelle; 

Item; Jaz o Rio das galinhas & ho cabo do monte noroeíl & fueíl & toma 
a quarta de leíl & daloeíl tem na Roota quinze léguas & eíle cabo do monte 
he rrafoadamçnte alto & quando demora ao nordeíl & a quarta de leíl faz no meo 
a ponta delle em fima huma forfada & he hum monte foo neíla coíla & ho fundo 



62 f*í ESMERALDO DE SITU ORBIS (♦i 

darredor defte cabo he alto que a huma leguoa em mar acharom quarenta & cinco 
& cincoenta braças & quafy tudo vafa; & ha huma mea leguoa a quem defte 
cabo do monte para a banda daloeft efta hum Rio a que nos chamamos o Rio 
dos momos & outros por outro nome o chamom o qual pofto que tenha a boca 
Rafoadamente grande nom fe pode uer fe nom for muito junto com terra & ha 
canal defte Rio he muita baixa que de preamar terá huma braça & palmo daugua 
& nom pode aquy entrar fe nom nauio muito pequeno & indo por elle afima trinta 
léguas pouco mais ou menos he hachada huma comarca de terra que chamom 
coya & defta terra vêem todo o ouro a toda a ferra lyoa & fuás comarcas & he 
oiiro muito fino quafy de vinte & três quilates em ley & aquy vai muito o fal & 
muito mais ho eftanho & as outras mercadorias que na meima ferra valem & ha 
jente defta terra fe chamam cobales. 

Item; do cabo do monte ao cabo mefurado fom doze leguoas & efte cabo 
mefurado faz de fy hum monte Redondo & como homem he tanto avante como 
elle faz no meo huma forfada & pêra huma parte fe aparta huma mamoa & pêra 
outra parte outra & efte cabo fe aparta em ladeza da linha equinofíal contra ho 
poUo artico féis graaos & vinte minutos & efta cofta fe corre noroeft & fueft & 
toma a quarta de left & de laoeft. 

Item; do cabo do mefurado ha mata de Santa Maria fom duas leguoas & 
efta mata he muito grande & de muito groíTo arvoredo & haquy fe comefla ho 
Relguate da malagueta que em latim fe chama grany paradify & dura efte comer- 
fio quarenta leguoas ao longuo defta cofta. 

Item; da mata de Santa Maria ao Rio de Sam Paulo fom féis leguoas & 
nefte Rio ha ouro ainda que em pouca cantidade & fera de ley de vinte & três 
quilates & aly fe comefam huns montes Razoadamente altos aos quaes chamamos 
os montes de Sam Paulo, & efte nome lhe foy pofto por que no dia do ApoftoUo 
Sam Paulo forom eftes montes & o dito Rio defcubertos os quaes fe eftendem 
ao longo da cofta pêra a banda de left féis ou fete leguoas & fe apartam da Ri- 
beira do mar atee duas leguoas pouco mais ou menos & ha conhecenfa do dito 
Rio de Sam Paulo he que eftaa tanto avante como o principio deftes montes & 
efta cofta fe corre noroeft & fueft & por efte caminho yram fora do dito Rio duas 
léguas em mar delle. 

Item; do Rio de Sao Paulo ao Rio do Junco fom féis leguoas & efte Rio do 
Junco tem hum Ilheo na boca & aqui ha também ouro em pouca cantidade & 
pello meimo modo malagueta. 

Item; do Rio do Junco ao Rio dos ceftos fom doze leguoas & efte nome do 
Rio dos Ceftos lhe foy pofto por que os negros defta terra vêem Refguatar aos 
navios malaguetas a qual aquy ha muito booa & arrafoada quantidade & efta 
trafem em huns ceftos o que em toda ha outra cofta honde ha a dita malagueta 
nom coftumom trazer & para fegurança do nauio & jente que aquy for ter pou- 
fem pellas oyto dez & doze braças & forgindo nefte fundo eftafom em vaza 
tanto avante como a boca defte Rio & eftaj'om quafy huma légua da terra por 
que pellas vinte braças & vinte & cinco tudo he muito fujo de pedra; & a boca 
defte Rio he muito pequena & nom fe pode ver fe nom quem efteuer de dentro 
de huma enfeada que fe aly faz & da banda de left tem um rofto de pedra que 
faz huma Reftingua ao peguo a qual fe chama o cabo das baixas & efte Riô dos 
Ceftos fe aparta em ladeza da linha equinofíal contra ho poUo artico cinco graaos 
& trinta minutos & a jente defta terra & daly por diante vinte & cinco leguoas 



^ SEGUNDO LIURO (^ 63 

OU mais fe chama Zeguebos & habaixo da boca defte Rio mea leguoa onde efta 
o cabo das baixas de que atras falíamos efta huma mata daruoredo afaz groífa 
& quem efte Rio quizer conhecer olhe eftes finaes que aquy fom efcritos & a 
ladeza que fe apartam da equinoíial & por ifto conheferá; & nefte próprio para- 
lelo & ladeza eftá o Caftello de Sam Jorze da Mina em cinco graaos & trinta mi- 
nutos & efte Rio dos ceftos fe corre com ho Rio do Junco noroeft & fueft & toma 
a quarta de left & oeft & tem as ditas doze leguoas na Roota. 




Cap.^ 3.^ 

Do 2,^ liuro do efmeraldo de fyto orbis 

or que conuem leuarmos hordem & decreraçam no proceder dos íi- 
naes & caminho defta cofta efcreueremos pello meudo afy os luguares 
como vaão & qualquer outra coufa que acerca difto nos bem parecer. 
Item; dos Rios dos Ceftos de que aíima falíamos três leguoas 
diante eftaa huma Ilha pequena hum quarto de leguoa da terra que fe chama a 
Ilha da Palma & efte nome lhe foy pofto por caufa defta Palma que aguora em 
noflbs dias tem & por entre efta Ilha & ha terra nom coftumamos nauegar por 
nom fer iuguar pêra iflb porem quem aqui quizer poufar com nauio pequeno 
poufe pellas dez braças & eftaraa de terra quafy huma leguoa em fundo limpo 
& aly Refguatara & comprara efcrauos a que também chamom guey & per ou- 
tro nome nhunho; agora eftaa efte comercio danado por que quando eftaua como 
deuia íe compraua hum alqueire de malagueta por huma manilha de latam que 
teria em pelo meyo aratel & hum efcrauo por duas bafias afy como as dos bar- 
beyros & aguora vai hum alqueire de malagueta fínco & feys manilhas & hum 
efcrauo quatro & cinco bafías; os negros defta cofta nom fom circomfifos; & an- 
dam nuus, fom idolatras & he gente fem doutrina nem bondade fom grandes 
pefcadores & vaão a pefcar duas & três leguoas no mar em humas almadias que 
parefem lançadeiras de tecer Iam; 

Item; da Ilha de Palma aos Ilheos fom duas leguoas & eftes Ilheos fom 
dous & fom todos caluos que nenhuma terra nem aruore teem & afy fom muito 
brancos de efterco das aues do mar que dormem aly; & darredor deftes Ilheos 
ha muitos baixos de pedra muito periguofos & maaos & delles parefem fobre 
augua & outras nom; & quem nefta cofta ouuer de andar com nauio grande de 
outenta ou cem tonees poufe pellas trinta & cinco brafas & eftara huma grande 
leguoa & mea da terra & fe for nauio pequeno poulara nas oito brafas abaixo 
deftes Ilheos em fundo limpo darea & eftaraa mea légua de terra por que tanto 
eftam os ditos Ilheos & quem aqui for guarde fe de forgir pellas vinte & vinte 
finco braças por que tudo he fujo & perderá as ancoras; & todo o homem avi- 
fado nom. deue cometer Relguate nefta cofta como entrar ho mes de Mayo atee 
fim do mes de Setembro; por que efta terra he muito tormentofa & de grandes 
trovoadas, & aquy fe acha Rafoadamente malagueta & alguns efcrauos o que 
tudo fe Relguata pellas mercadorias como nos outros capitolos atras he dito. 

Item; dos ditos Ilheos ao cabo fermoíò fom cinco leguoas & efte cabo nom 
íaeem muito ao mar & afly eUe como toda a outra cofta he cuberta de muyto 
aruoredo & maa de conhecer a quem vem de mar em fora. 



64 ^ ESMERALDO DE SITU ORBIS (^ 

Item; do cabo fermofo ao Refguate do genoes ha três leguoas & efte nome 
lhe foy pofto por que quando eirey Dom Affonfo o quinto mandou defcobrir efta 
cofta hya hum genoes marinheiro em hum nauio & efte foy o primeiro que aquy 
fahio em terra & Refguatou malagueta & por iffo lhe poferom o nome ho Ref- 
guate do genoes o qual tem por conhefenfa huma mata de aruoredo mehuda Ra- 
zoadamente alto feyto ao modo de huma fembrancelha .f. alta no meo aguda nas 
pontas & aqui efta hum Rio muito pequeno que nom parefe ha boca delle fe 
nom eftando homem muito perto de terra & aquy ha malagueta & efcrauos pello 
modo que afima he dito & quem nefte luguar ouuer de furgir feja nas quinze 
brafas & eftara pouco mais de mea leguoa de terra em fundo limpo. 

Item; do Refguate do genoes ao Rio de Sam Vicente ha três leguoas & au- 
tre efte Relguate & ho dito Rio de Sam Vicente fe faz huma ponta aguda que 
faee ao mar a qual teem muita pedra & pouco aruoredo & da banda de left 
defta ponta efta ho dito Rio pequeno & de maa entrada por que o mais do tempo 
aqui corre ho mar & ja por vezes nefte Rio entrarom batees dos noíTos nauios 
ha thomar augua & lenha & fe perderom & efte Rio jaz noroeft & fueft como 
ho Rio dos Ceftos & thoma a quarta de left & oeft & tem quinze leguoas na 
Roota & aquy ha malagueta. 

Item; adiante do Rio de Sam Vicente quatro leguoas pella cofta efta ha pray a 
dos eicrauos & efta praya durará em longuo duas leguoas ou mais o qual nome 
lhe foy pofto por que aqui fe reíguatorom certos efcrauos no tempo que fe efta 
terra defcobrio & haguora pouco refguate fe faz aquy por que pella cofta atras 
ficam & afy alguma parte da que adiante vay fe acha mais malagueta & efcra- 
uos que na dita praya & no anno de noflo fenhor Jefus Chrifto de 1476 annos fe 
armou em frandes hum nauio de fremenguos com hum piloto caftelhano & algu- 
mas mercadorias os quaees fe atreverom ir Reíguatar á mina primeiro fete ou 
outo annos que o caftello de Sao Jorze foffe feyto & como quer que la refgata- 
fem cinco ou féis mil dobras & nom temendo as graues excomunhões dos Santos 
Padres fobre efte cafo outrogadas aos Rex de Portugual que outra nenhuma ge- 
raçam la nom fofle fenom os Portuguezes por licença dos ditos Rex afy como 
os ditos framengos nom temerom as defezas do paftor da Santa Madre Igreja 
afy lhe deu Deos maao fim; por que da torna viagem da dita Mina vierom ter 
tanto avante com efta praya dos efcrauos & como o vento entom foífe calma & 
loeft forgiram pellas vinte & finco braças & como quer que em toda efta cofta 
efte fundo he fujo ha pedra lhe curtou de noyte hamarra & ventando o vento do 
mar deu com efte nauio na dita praya a cofta honde fe perdeo & aly comerom 
os negros trinta & cinco framengos que no dito nauio hiam & ifto foubemos 
depois pellos ditos negros & por pedro gonfalves neto que o outro anno aly foy 
por capitam de hum nauio que quafy todo ho ouro que os ditos framengos tra- 
ziam relguatou com alguma parte dos veftidos delles; 

Item; da praya dos efcrauos ha lagea fom fete leguoas & toda efta cofta do 
Rio de Sam Vicente atee a lagea fe corre de les fueft & oefnoroeft & efta lagea 
he huma pedra muito grande que terá mais de um tiro de beefta de comprido 
& meo tiro de larguo & efta da terra pouco mais de hum quarto de leguoa & 
nefte luguar ha ha mais malagueta (^c) de toda efta cofta & pêra fe conhecer efta 
lagea os finaes fom ella meíma & aa terra delia parefe hum aruoredo grande & 
alto & o nauio que aquy for pêra fazer comercio ou Refguate deue forgir pellas 
dez ou doze brafas & poufara em vafa & guarde fe que nom poufe pellas vinte 



HP SEGUNDO LIUJRO (^ 65 

nem vinte & finco brafas por que tudo he pedra & perderaa as ancoras & os 
negros de toda eíla terra trazem ha malagueta a reiguatar aos nauios nas alma- 
dias em que vaão a pefcar ao mar; andam nuus & nom fom circunfifos, & fom 
idolatras por que fom gentios ; 

Item; da lagea ao cabo de Sam Cremente fom cinco leguoas & efta cofta fe 
corre lefueft & oefnoreeft & efte cabo he cuberto de aruoredo & nom entra 
muito no mar & aquy ha pouca malagueta; todolos negros defta cofta fom ido- 
latras & nom fom circunfifos he jente vifiofa & de pouca paz; 

Item; do cabo de fam cremente ao cabo das palmas fom doze leguoas & jaz 
a Roota left & oeft porem quem partir defte cabo de fam cremente de junto com 
terra pêra o das palmas fará ho caminho de left & da quarta do fueft & yra feguro 
& efte cabo das palmas faz de fy huma ponta delguada que faee ao mar rafoa- 
damente o qual tem huma carreira de palmas & ao peguo delle efpafo de huma 
légua pouco mais ou menos eftam duas baixas de pedra em que quebra ho mar 
& fom afaz periguoias & efte cabo fe aparta da linha equinofial em ladeza contra 
ho poUo artico quatro graaos & dez minutos & a cofta daly por diante volue em 
les nordeft & eftes fom os finais por onde fe pode conhecer & principalmente 
pela ladeza em que fe da equinocial aparta & em terra na ponta defte cabo efta 
huma fonte de boa augua doce onde aas uezes quando ha necelfidade nos afadi- 
gua tomamos augua em huma angra de huma area que fe aly faz de dentro do 
dito cabo pêra banda de left & nom tema quem aquy for de fe meter per antre 
as ditas duas baixas & a terra por que tudo he limpo & alto doze & treze bra- 
fas & do mes de fetembro atee fim de março & ainda alguns mefes adiante cor- 
rem as auguoas defte cabo pêra dentro em left & em lefiiordeft tam fortemente 
que os nauios que da mina pêra portugal vem ho nom podem dobrar faluo fe 
vem hum tefo de boo vento larguo a popa ou ha quartel & emtam coftumamos 
ha fazer ho caminho de loes fudueft caminho deftes Reynos por nos arredarmos 
da cofta da malagueta a qual faz fim no dito cabo das palmas & adiante defte 
cabo duas leguoas faz ha terra huma ponta grofl'a que tem huns roftros de pedra 
cubertos daruoredo que fom ao mar tanto ou mais como o dito cabo das palmas 
& aquy efta huma aldeã a que pofemos nome aldeã de portugual & a jente 
defte cabo das palmas fe chama eguorebò; 



Cap.° 4. 



o 




Do fegundo liuro do efmeraldo de Jito orbis das Rootas tè conhe- 
cenfas do cabo das palmas atee o cajlello de Sam Jor\e da Mina. 

onvem que dignamos ha diferença que ha no correr da cofta do cabo 
das palmas em diante por que do dito cabo pêra diante fe corre de 
huma maneira & pêra trás pêra a cofta da malagueta de outra & ifto 
deue obrar qualquer piloto' que neftas partes for & afy os graaos da 
equinocial que fe efte cabo haparta em ladeza contra ho poUo artico & ifto enten- 
dido nom poderá errar pofto que nom conhefa ha terra pella maneira que ha nos 
âguora conhefemos polia pratica que de muitos annos acerca difto teemos. 

Item; pafl^ado o cabo das palmas adiante oito leguoas eftaa hum Rio que ha 
nome ho Rio de Sam Pedro & corre fe com ho dito cabo lefiiordeft & hoes fu- 
cJueft & efte Rio tem a boca afaz pequena & por nom termos delle pratica ho 

9 



\ 



66 ^ ESMERALDO DE SITU ORBIS (^ 

nom coftumamos naueguar de fua boca pêra dentro por iflb leixaremos de efcre- 
uer o que a nos he incognito pofto que o lito ou cofta do mar por muitos annos 
& tempos a tenhamos bem fabida. 

Item; do Rio de Sam Pedro ao Rio de Santo Andre fom vinte & finco 
leguoas & nefte meo eftaa hum cabo delguado que fe chama o cabo da praya o 
qual da banda da loeft tem huns pardos que chamom os harroíaees & adiante 
faz a terra huma enfeada a qual na entrada tem huma terra groíTa & huma pe- 
dra branca maneira de Ilheo metida ao mar & toda efta cofta he pauorada & adiante 
hum pouco defta enfeada ao longo do mar eftam féis ou fete montes dos quaees 
ao Rio de Santo Andre fom oito leguoas & jaz efta cofta left & oeft & thoma 
a quarta do nordeft & fudueft & efte Rio de Santo André tem huma boca grande 
& como homem he tanto avante como ella parefe por fima da dita boca humas 
arvores no certaão que parefem pinheiros & indo pêra dentro mea leguoa acha- 
rom huma Ilha no meo, & dos harrofaes atee efte Rio de Santo Andre quem 
pouzar pellas vinte brafas eftara em vafa & também ha luguares de area & 
avera daly a terra mea légua & quem eftiuer de terra em mar huma légua afo- 
mara em cincoenta braças & por quanto atee gora nom temos pratica nem co- 
mercio defte Rio de Santo Andre nom curo delle mais efcreuer foomente teemos 
fabido que he terra de muita pauorafam & afy efte Rio como todolos outros de 
guinee (om muito doentios de febres. 

Item; paliando o Rio de Santo Andre três leguoas adiante fom achadas 
humas barreiras vermelhas altas ao longuo da cofta as quaes duram quatro ou 
cinco leguoas & jaz o dito Rio com eftas barreiras left & oeft & ellas fom de 
hum barro muito vermelho, & por ellas fe pode conhecer o dito Rio de Santo 
Andre. 

Item; das barreiras vermelhas ao Rio da laguoa fom oito leguoas & jaz a 
cofta left & oeft & thoma a quarta de nordeft & fudueft & efte Rio da laguoa 
tem eftes finaes .f. por fima da boca do dito Rio no certaão parefe hum aruoredo 
feyto como pinhal & efte Rio vay ao longuo da cofta do mar atee chegar a huma 
aldeã que hy eftaa perto da qual aguora em noflbs dias tem por final quatro palmas 
cada huma fobre fy apartadas humas das outras & de dentro defta aldeã eftaa 
huma alaguoa grande ha qual nom parefe fe nom fobindo hum homem na gauea 
da naao & toda efta cofta he limpa & de boo fundo atee o cabo das três por & 
atee guora nom temos íabido que aquy haja comerfio de nenhuma coufa. 

Item; do Rio da laguoa adiante fete leguoas fom achadas fete aldeãs ao lon- 
guo da cofta do mar as quaes fom de grande pouorafam & durarom eftas aldeãs 
do principio atee o fim delias fete ou oyto leguoas & efta cofta fe corre left & oeft 
& tudo he praya que tem huma area ruyua & ha terra .de muito arvoredo, & ao 
longo defta terra tudo he alto trinta & quarenta brafas & a duas leguoas no peguo 
he mais baixo & os negros defta cofta fom grandes pefcadores & teem humas alma- 
dias com huns caftellos davante & elles trafem humas carapufas com gualtiros' 
& andam nuus & fom idolatras, & ha eftes chamamos beiçudos & aquy nom ha 
comerfio & foom maa gente. 

Item ; das fete aldeãs ao R.io de Mayo ha doze leguoas & efte Rio nom tem 
ha boca grande & a terra darredor delle he muito baixa & hapahulada & de 



I Gualteira — Rebuço. 



f*í SEGUNDO LIURO í^ 67 

muito aruoredo & aquy nom temos fabido ho comerfio que nefta terra pode 
hauer foomente fabido temos da muita abitança de gente que aquy ha; 

Item; do Rio de Mayo ao Rio de Soeyro ha dez leguoas & efte nome do Rio 
de Soeiro lhe foy pofto por que defcobrio Soeiro da Cofta por mandado delrey 
Dom AíFonfo ho quinto, & das fete aldeãs fe homem partir de junto com terra 
atee efte Rio de Soeiro fazendo caminho de left yra muito chegado a cofta do 
mar & pêra fegurança fe deue de fazer ho caminho de left & da quarta de fueft 
& por efta uia nom errara ; 

Item; do Rio de Soeyro ha ferra de Santa Apolónia fom doze leguoas & jaz 
a cofta lefueft & oefiioroeft & paffando adiante efta ferra com féis leguoas veraão 
huma fortaleza fobre a cofta do mar que elrey Dom Manuel noflb fenhor mandou 
fazer honde fe refguatom em cada hum anno trinta & quarenta mil dobras de 
boo ouro & ha terra onde eftá efta fortaleza fe chama axem, & he afaz doentia 
de febres & as mercadorias por que aquy fe faz o Refguate do ouro fom manilhas 
de latam & bafias do mefmo metal & pano vermelho & aful & lenfo nom muito 
groffo nem delguado & lanbens .f. huma roupa feyta como mantas dalentejo que 
tem huma banda vermelha & outra verde & outra azul & outra branca, as quaes 
bandas fom de largura de dous & três dedos & efta roupa fe faz na cidade de 
ouram & em tenes do Reyno de trimici, & em bonae eftora do Reyno de bogea, 
& afim em tunes & em outras partes da berberia & efta he ha principal merca- 
doria por que fe em axem Relguata o dito ouro alem de outros de menos valia 
que também praticamos; mas tornando ao noífo propofito da ferra de Sartta 
ApoUonia ella nom he tam alta como alguuns que nom fabem poderom cuidar 
foomente fom oito ou dez montes de comunal altura que eftam fobre a cofla do 
mar cubertos daruoredo & em refpeito de como ha outra terra he muito baixa 
parece efta ferra de Santa Apolónia algum tanto alta; Porem quem partir do 
cabo das palmas & ouuer de hyr pêra. o Gaftello de Sam Jorze da Mina faça 
o caminho de left & da quarta de nordeft & avera efta ferra de Santa Apellonia 
atee cento & trinta leguoas em trauefa & yra por fora da enfeada & nom per- 
dera caminho. 

Item; jaz a ferra de Santa Apellonia & do cabo das três pontas noroeft & 
fueft & thoma a quarta de left & daloeft & teem na Roota quinze leguos & quem 
poufar tanto avante como efta ferra nas vinte braíías achará fiindo de vaia & 
eftaraa huma leguoa de terra & doze léguas adiante da dita ferra eftaa hum Ilheo 
perto da terra ho qual he muito efpinhofo & branco de efterco das aues & alem 
defte Ilheo pouco mays de mea leguoa he achada huma Ilha çarrada com a terra 
que tem huma aruore no meo & da parte donde o mar bate nefta Ilha he afaz 
ruyua daly ao cabo das três pontas fom três leguoas & nom fey por que rafam 
poferom nome a efte promontório ho cabo das três pontas por que fom féis ou 
fete pontas nas quaes todas bate ho mar & eftas pontas todas fom de pedra bem 
fraguofas & quem dobra a do meo dobra todas & dous finaes tem efte cabo das 
três pontas por honde fe pode bem conhefer ho primeiro he que daly por diante 
ho lito ou cofta do mar volve ao nordeft, ho fegundo que efte promontório das 
três pontas fe aparta da linha equinofial em ladeza contra ho pollo artico quatro 
grãos & meo & qualquer capitam ou piloto que nefta terra for & ha nom conhe- 
fer olhe primeiro como fe corre efta cofta & achara duas Rootas .f. partindo das 
três pontas para a ferra de Santa Apolónia jaz a cofta noroeft & fueft & thoma 
a quarta de left & oeft & para diante vay ao nordeft & mais altura do poUo. 



68 ^ ESMERALDO DE SITU ORBIS (^ 

Item; do cabo das três pontas aos Ilheos danda fom quatro léguas & jaz ha 
cofta nordeft & fudueft & eftes Ilheos eftam muito junto com terra, & na mefma 
terra eftam humas barreiras vermelhas, & anda he huma comarqua de terra que 
durara de longuo fete ou outo leguoas & aquy ha huma mina douro pofto que he 
em pouca cantidade mas fempre aquy fe apanharom vinte mil dobras ou mais as 
quaes vaâo reíguatar ao Caftello de Sam Jorze da mina & ha fortaleza daxem 
de que atras falíamos ; os negros defta terra fe mantém de milho & de pefcado & 
ynhames & de algumas carnes ainda que fom poucas, andam nus da cinta pêra 
fima & nom fom circuníifos & fom jentios & prafera ha noífo fenhor que cedo 
os fará chriftaãos; 

Item; jaz o Ilheo danda com ho Rio de Sam Joham nordeft & fudueft & 
tem outo leguoas na Roota, & efte Rio he muito pequeno & eftreito, & nom tem 
na boca fenom braça & mea de preamar a qual boca nom parefe fenom fendo 
homem muito perto delia & aqui estaa hum luguar que fe chama Saama que fera 
de quinhentos vefinhos o qual luguar foy ho primeiro que nefta terra fe fez ho 
relguate do ouro & quy nefte tempo fe chamaua a mina; & efte refguate ou co- 
merfio foy defcuberto por mandado dei rey Dom Afonfo o quinto por Joham de 
Santarém & Pedro Defcobar feus caualleiros & criados em hum dos dias do mez 
de janeiro do anno de noíTo fenhor Jefus Chrifto de mil & quatrocentos & fetenta 
& hum annos, & eftes dous capitaêes leuauam por pilotos hum Aluaro efteues mora- 
dor na villa de laguos & hum Martim efteves morador em Lixboa o qual aluaro efte- 
ues foy ho mais hauantajado homem do feu oficio que na efpanha entam ouue ; & 
efte Rio de Sam Joham & luguar de Samaa tem por conhefenfa huma muito 
grande baya ou enfeada que tem mais de duas léguas em Roda, & de ponta ha 
ponta huma grande leguoa & quafy no meo defta enfeada eftaa a boca do dito 
rio & efta baya he muito aparcelada & todo o nauio que aquy ouuer de furgir 
deue poufar pellas dez ou doze braças & nom fe chegue mais pêra a terra & aqui 
eftaraa a huma leguoa da mefma terra em fundo limpo darea; 

Item; defta baya de Samaa á aldeã do torto fom três leguoas & jaz a Roota 
lefnordeft & hoes fudueft & efte nome do torto lhe foy pofto por que o fenhor 
d'efta aldeã era torto a qual tem huma grande reftingua de pedra em que quebra 
muito ho mar & faeem mays de mea légua ao peguo, & portanto compre ir de 
larguo & daly ao Caftello de Sam Jorze da mina fom três leguoas; 



Cap.° 5.° 

Do efmeraldo de fyto orbis <è do Cajlello de Sam Jor\e da mina & 
do que nelle ha & ho tempo em que foy hedeficado, 

ois ja temos dito no penúltimo Item que atraz fica nefte fegundo livro 
como ho excelente Principe Rey Dom Afonfo o quinto de Portugal 
mandou defcobrir ha mina & os capitães & pilotos que a efto enuia- 
dos forom; Aguora convém que dignamos como ho fereniffimo prín- 
cipe Rey Dom Joham de portugual feu filho defpois da morte de feu padre man- 
dou fazer do primeiro fundamento ho caftello de Sam Jorze da mina; o qual por 
mandado defte maugninimo príncipe ho edificou Dioguo dazambuja cavalleiro de 
fua caza & comendador dalter poderofo da hordem de Sam Bento no primeiro 




J 



5^ SEGUNDO LIURO (^ 69 

dia do mes de janeiro de noíTo fenhor Jefus chrífto de mil cccc oytenta & dous 
annos leuando em fua companhia noue carauellas com outros tantos capitães 
homens muy honrados de que o dito Dioguo dazambuja era capitão mor & afy 
leuou duas hurcas nãos de quatrocentos tonees cada huma com muita cal & pe- 
draria laurada & afãs outra artilharia para fe efta obra fazer; & poílo que entre 
os negros defta terra & ha nofa gente ouue muita deferenfa sobre o fazer defta 
fortaleza por ha nom quererem confentir emíim a feu pefar fe fez honde com muito 
fervifo & deligencia fe acabou o que entom foi neceflario pêra recolhimento & 
defenfa de nos todos & defpoys fegundo fobfederom os tempos ho mefino Rey 
Dom Joham o fegundo fatiíFez a neceflidade do que convinha fazer fe muita mais 
obra & temos fabido que em toda ha ethiopia de guinee defpois de fer dada creafaõ 
ao mundo efte foy o primeiro edifício que fe naquella regiam fez na qual cafa noffo 
fenhor hacrefentou tam grandemente ho comerfio que em cada hum anno fe tira 
daly por refguate que vêem pêra eftes Reynos de portugual cento & fetenta mil 
dobras de boo ouro fino & muito mais e alguus annos fe refguatom & com- 
pra aos negros que de longas terras efte ouro aly trafem, os quaes fom mercado- 
res de diverfas Nafções .f. bremus, atis, hacanys, boroes, mandiguas, cacres, ande- 
fes, ou fouzos & outros muitos que leyxo de efcreuer por nom fazer longuo fer- 
mon & eftes leuam defta cafa muitas mercadorias afy como lanbes que he a prin- 
cipal delias de que ja no noveno Item do quarto capitulo defte fegundo livro fala- 
mos, & pano vermelho & azul & manilhas de latam & lenços & coraes & humas 
conchas vermelhas que antre elles íom muito eftimadas afy conio nos ca eftima- 
mos pedras prefiofas iíTo melmo vai aquy muito ho vinho branco & humas con- 
tas azues a que elles chamom coris & outras muitas coufas de defvairados mo- 
dos; efta gente atee guora forom gentios & já alguns delles fom feitos chriftaâos 
ifto diguo pellos moradores da terra do mefmo luguar honde efta ho caftello por 
que os mercadores fom de longe & nom teem tanta conuerfafom com nos ou- 
tros como eftes que fom vefmhos & por iffo vivem no engano da Idolatria que 
fempre teberom nefte trato que aquy he dito fe guanha cinco por hum & mais, 
mas efta terra he muito doentia de febres & razoadamente morrem aquy os ho- 
mens brancos; efte caftello fe aparta do circulo da equinofial em ladeza contra 
ho pollo artico finco graaos & meo & quando faz noyte clara fe vee aly o norte 
nos mefmos graaos daltura & por que fe melhor pofl'a entender ho pofemos aqui 
pintado pello natural fegundo aguora em noflbs dias he feyto, efte luguar he de 
muita pefcaria que os negros que (Jic) aquy tomom, & de pouca criaflbm de guados 
porem na terra ha muitas animarias brauas afy como onfas & alifantes & bufa- 
ros & guafellas & outras de defuairados modos & muitas auees de diuerfas feif- 
foêes & delias muy fermofas; os negros moradores defta terra andam nuus faluo 
quanto cobrem as partes inferiores com algum pano dalguodam ou pedafo de 
lanuel que elles ham por muito honrado veftido; feu mantimento he milho & vi- 
nho de palma ainda que com ho noflb fazem moor fefta; com pefcado & alguma 
pouca carne que le mata; em cada hum anno arma elrey noflb fenhor por horde- 
nanfa doze nauios pequenos que vam carreguados de mercadoria; os quaees a efte 
Reyno trafem ho ouro que o feytor de fua alteza la refguata ; & ifto alem de três 
& quatro naaos que também la manda carreguadas de mantimentos vinhos & 
mercadorias que la fom neceflarios; os mercadores de que atras falíamos que a 
efte caftello trazem ho ouro nom trazem afiios nem outras beftas pêra leuarem 
as mercadorias que comprom em mayor prefo ha terça parte & mais do que va- 




70 ^fc> ESMERALDO DE SITU ORBIS ^ 

lem neftes Reynos & eftes efcrauos fom comprados pella noífa gente que o fere- 
niíTimo Rey ecn íeus nauios manda duzentas leguoas aleem deíle caílello em huns 
ryos honde ellaa huma muito grande cidade a que chamom ho beny & daly os 
trafem, nem comvem que difto mais diguamos poys que o que he dito habafla 
pêra entendermos o que compre ; foomente que efte comerfio elRey noífo fenhor (^c). 



Do caminho & Rootas & conhejenjas do Cajtello de Sam Jor^e da 
mina em diante. 

icito he a nos dizer as couzas deíla ethiopia pois as vimos, as quaes 
primeiro que as praticaíTemos pello que fe lya delias em alguns elcrito- 
res nos eram graues de crer; pois atee qui trazemos ha parte marítima 
efcrita por hordem, & afy alguma parte do certaão por tanto feguire- 
mos noílb caminho notando qualquer leedor como do caílello de Sam Jorze três 
léguas adiante no íím da emfeada que fe aly faz pêra hum promontório a que nos 
chamamos o cabo do corço o qual faz de fy um rollo redondo que teem huma 
foo aruore fobre fy & efta fe nom uee fenom eftàndo perto da terra a qual de- 
monftrafam parefe na pintura do dito caílello que atras fica. 

Item; Adiante vinte léguas do dito Cabo Corço ella hum promontório que 
fe chama cabo das redes & eíle nome lhe poferom por caufa das muitas redes 
que aquy forom achadas quando fe ella terra defcobrio & eíle he o derradeyro 
luguar deíla coíla em que fabemos que na terra ha hy ouro o qual he muito mais 
fino em ley que o que os mercadores vaão relguatar na mina, & em cada hum 
anno os moradores deíle cabo das Redes reíguatom em Sam Jorze dez & doze 
mil dobras das quaes as fínco & féis mil delias he de vinte & três quilates em 
fineza hum quilate mais fino que o outro ouro que fe aly culluma fazer; & jaz ho 
dito cabo corço com eíle cabo das Redes nordeíl & fudueíl & thoma a quarta de 
leíl & oeíl & tem as ditas vinte leguoas; & toda ha terra que vay do cabo corço 
para o cabo das Redes he Razoadamente alta & montanhoza & neíle meo eílam 
três luguares pouorados de pefcadores .f. fante o grande & fante pequeno & fa- 
buu o pequeno & no fim deíla terra groífa & alta eílaa o dito cabo das Redes, 
& os negros deíla terra falam a linguagem dos da mina os quaes em fua linguoa 
chamom ao ouro vyqua. 

Item; tanto que homem pafTa a terra alta em que ho cabo das Redes eílaa 
daly em diante íe faz huma terra muito baixa & tudo praya ao longuo do mar 
& no certaâo finco leguoas na terra chaã parefe hum monte alto foo ao qual 
chamamos ho pam da não & por eíle monte fe conhefe o cabo das Redes & deíle 
monte adiante vinte leguoas ella hum Rio que fe chama ho Rio da volta ho qual 
he rafoadamente grande & Jaz o cabo das Redes com elle Rio left & oeft & eíla 
cofta he de muito aruoredo o qual na terra chãa he ralo & delguado feyto em 
montes & efta prouinfia fe chama do mumu ^ os negros defta terra fom maa 
jente & comem os homens & atee guora nom temos com elles nenhuma conver- 
fafam. 



^ SEGUNDO LIURO ^ 7» 



Cap." 7 



o 




Do fegundo liuro do efmeraldo de fyto orbis do Ryo da volta em 
diante. 

tem; do Rio da volta de que atras falamos ao cabo de Sam Paulo fom 
dez leguoas & jaz efte Rio com ho dito cabo noroeft & fueft & thoma 
a quarta de left & oeft & ha terra defte cabo he muito baixa & faz 
huma grande ponta darea que faee muito ao mar; & quem partir da 
mina pêra efta parte ponha fe três ou quatro leguoas em mar do cabo de corço 
& fala ho caminho de leíhordeft & yra ter na boca do Rio da volta & fom qua- 
renta & cinquo leguoas na Roota. 

Item ; Jaz o cabo de Sam Paulo & ho Rio do laguo leihordeft & hoes fudueft 
& tem fafenta & fínco leguoas na Roota & toda a terra defte cabo atee o Rio 
do laguo he muito baixa & tem hum aruoredo feyto em outras (Jic) & tudo he praya 
ao longuo do mar & algumas aldeãs aruores & fínaees ha nefta cofta de que 
alguns liuros de marinharia fazem mençam mas a conhefenfa de taes fínaees & 
luguares he difícil de conhefer & por ifto ho nom efcreuo foomente deue fer aui- 
fado ho piloto que partir da mina em bufca do Rio do laguo que uaa demandar 
ho cabo de Sam Paulo & daly fafa feu caminho ao longuo da cofta em leíhor- 
deft & yra ter na boca defte Rio o qual tem huma boca muito pequena & no 
canal hauera duas brafas dauguoa de preamar & tem a entrada muito periguofa 
de baixos darea onde o mais do tempo do anno quebra o mar que qualy nom 
parefe ho canal & aquy nom podem entrar fenom nauios pequenos de trinta atee 
trinta & finco tonees & como homem he da boca pêra dentro loguo fe faz huma 
muito grande alaguoa que tem mais de duas léguas em larguo & outras tantas 
em longuo & doze ou trefe leguoas por efte Rio afíma he achada huma grande 
Cidade que fe chama hogeebuu a qual he cercada de huma muito grande caba & 
ho Rio defta terra aguora em noíTos dias fe chama agufale & ho comerfio que 
aquy pode hauer fom efcrauos que fe vendem por manflhas de latam a doze & 
quinze manilhas a pefta & alguns dentes de elefantes & efte Rio fe aparta em 
ladeza do circulo da equinocial contra ho pollo artico fete graaos quarenta & 
cinco minutos. 

Item; Jaz ho Rio do laguo & ho Rio primeiro left & oeft & toma a quarta 
de noroeft & fueft & teem na Roota vinte & cinco leguoas & efte Rio primeiro 
tem rafoadamente a boca grande huma mea leguoa de larguo & da parte do 
fueft tem hum arvoredo groffo & quatro leguoas aquém defte Rio eftam três ef- 
teiros & ha cofta deftes efteiros atee ho rio primeiro ao longuo do mar tudo he 
vafa fem nenhuma area; nefta terra nom ha comerfio nem coufa de que fe pofla 
fazer proueyto, & toda a terra defte rio atee ho rio do laguo que atras fica atee 
efte rio primeyro & daly por diante com mais de cem léguas toda he cortada 
por dentro doutros muitos rios em maneira que toda fe faz em muitas Ilhas & 
he muito doentia & quafy todo o anno he muito quente por que afaz cheguada 
ha efpera do foi & no mez de agofto & fetembro he aquy o moor inverno & 
choue muita auguoa; os negros defta terra fom Idolatras & fom circumfifos fem 
faberem nem terem ley nem a caufa da fua circunfiçam & por que ifto fom coufas 
que nom fazem muito ha materia he efcufado de fe efcreuer. 



72 f*? ESMERALDO DE SITU ORBIS (^ 

Item; adiante do Rio primeiro eíta hd Rio fermofo & jazem anbos noroeft 
e íueft & tem íinco leguoas na Roota em outro Rio pequeno que fe nefte meo 
faz nom curo de falar por que nom he neceffario; & efte Rio fermofo tem a 
boca muito grande que á de ponta ^ ponta em fua largura mais de huma grande 
légua & ha terra que faee delle pêra a parte do fueft tem hum aruoredo tam 
igual que parefe que huma aruore no faee mais em altura que outra, & de den- 
tro da lua boca aa pane da maâo direita efta huma aruore muito alta & ramuda 
que com muita parte paífa por funa das outras & adiante deíla aruore eílam 
outras duas aruores altas da meíma maneira & a boca defte rio toda he baixa 
& praíilada que nom tem mays altura que duas brafas & dous palmos de fundo 
& tudo he vafa folta que pode hir hum nauio arredando pela vafa mea brafa & 
nom recebera dapno & efte prafel dura pêra for£^ em mar quafy duas leguoas & 
ha entrada & canal uay ao longuo da terra da maâo efqucrda & tanto que ho- 
mem he dentro das pontas onde elle he mais eftreito aleem donde efta huma praya 
darea da parte da maâo direyta dentro da ponta podem poufar tanto avante 
como ha boca de hum efteiro grande que fe aly faz em oyto brafas & junto com 
efte efteiro contra ho mar efta huma aldeã a que chamam ho teebuu & da outra 
parte aly tem outras aldeãs ; & indo por efte rio afima da parte da maõ efquerda 
efpafo de huma leguoa eftam dous brafos que da madre defte rio faee indo pello 
fegundo bralo afuna efpafo de doze leguoas he achada huma villa que fe chama 
huguatoo que fera luguar de dous mil vefinhos & efte he o porto da grande cidade 
de beny que eftaa no certaão noue leguoas de boo caminho; & atee huguatoo 
podem hir nauios pequenos de grandura de fmcoenta tonees; & efta Qdade terá 
huma leguoa de comprido de porta a porta & nom tem muro foomente hc cer- 
cada de huma grande caua muito largua & fiinda a qual abafta pêra fua defen- 
lam & eu fiiy nella quatro uezes & tem as cafas de taypa cobertas de palma; ho 
Reyno de Beny fera de oytenta leguoas de comprido & quarenta de larguo & ho 
mais do tempo faz guerra aos veíinhos honde toma muitos catiuos que nos com- 
pramos a doze & quinze manilhas de latam ou de cobre que elles mais eftimam 
& daly fom trazidos ha fortaleza de Sam Jorze da mina onde fe vendem por 
ouro; muitas abuzoêes ha no modo de viuer defta gente & feytifos & idolatrias 
que leixo de efcreuer por nom fazer proloxidade. 

Item; ao leuante defte Reyno de Beny cem leguoas de caminho no certaáo 
he fabida huma terra que em noíTos dias teem hum Rey que fe chama licó- 
saguou & dizem que he fenhor de muita gente & grande poder & loguo junto 
com efte eftaa outro grande fenhor que ha nome hooguanee & efte he antre os 
negros afy como ho papa entre nos; neftas terras ha pimenta negra & he muito 
mais forte que a da índia & ho graõ quafi todo de huma grandura foomente que a 
da índia he enverrugada & efta he liza na fuprefície; nefta terra ha huus homens 
feluagens que abitam nos montes & aruoredos defta regiam aos quaees chamem 
os negros de beny oofaa & fom muito fortes & fom cobertos: de fedas como por- 
cos todo teem de criatura humana fe nom que em lugar de falar gritam & eu 
ouuy já de noyte os gritos delles & tenho huma pelle de hum deftes feluagens; 
nefta terra ha muitos elefantes dos quaes os dentes a que chamamos marfim 
muitas vezes compramos & afy ha muitas onfas & outras alimárias de diverfas 
efpecies & afy auees de tam defuairados modos das da noíTa europa que quando 
no prinfipio do defcobrimento defta terra os que efto uirom & das taees coufas 
contauom nom eram cridos atee que a pratica dos que defpois la forom fez dar 



fkí» SEGUNDO LIURO í^ 73 

« 

credito a hiins & a outros; & hindo cem leguoas por a madre defte Rio fermofo 
aíima he achada huma terra de negros a que chamom opuu; & aquy ha muita 
pimenta & marfim & alguus efcrauos & efte Rio fermofo fe aparta em ladeza da 
Unha equinoíial contra ho poUo artiço fete graaos & teem ha maree de noroeft & 
fueft contraria as da no (Ta efpanha; & a jente do beny & fuás comarcas fom fer- 
rados de huns rifcos nas lobranfelhas que por eíle modo & em tal luguar nem 
hims outros negros ifto teem; & por efte final fe podem bem conheffer. 




Do fegundo liuro do efmeraldo de Jyto orbis. 

inda que dous agrauos tenhamos recebidos na defcriçam defta ethiopia 
dos quaes ho primeiro he o tempo que gaftamos na pratica deftas pro- 
uincias & terras que tantas emfermidades & trabalhos mal paguos nos 
tem cuftado nem por iíTo leixaremos de dizer ho fegundo agrauo que 
cabe no compor defta obra acerca do que neftas terras vimos que fem muita fa- 
digua íe nom pode lebcar de fazer; & por tanto comvem que fyguamos ha bor- 
dem defta cofta & das coufas que dentro nos Ryos vaão teftemunhando o que 
uimos & ho noflb teftemunho he verdadeiro. 

Item; adiante do Rio fermofo de que atras falamos finco leguoas efta hum 
Rio que tem ha boca hafas grande a que nos chamamos ho Rio de efcrauos o 
qual nome lhe foy pofto quando o defcobrirom por caufa de doús efcrauos que 
fe entom aly reiguatarom & efte Rio tem huus baixos ou pracel de area dura que 
fae ao mar quafy huma leguoa íobre o qual ha duas brafas & mea & no mais 
alto três brafas daugua & efte luguar he muito perigofo & qualquer homee fe- 
fudo le deue daquy guardar por que nefte rio dos efcrauos nom ha comerão nem 
outra couia dina de memoria nom comuem que gaftemos tempo de nelle mais 
falar. 

Item; finco leguoas aleem do Rio dos efcrauos eftaa outro Rio que fe chama 
ho Rio dos forquados & efte nome lhe poferom por que no tempo que o defco- 
brirom acharom aly humas aves grandes que tem os rrabos forcados feytos ha 
maneyra dos rabos dandorínha & daquy tomou efte nome; & efte Rio tem a 
boca grande & da banda do noroeft tem hum prafel darea fobre o qual ha duas 
brafas daugua pouco mais ou menos & da parte do fueft tem huma reftingua de 
baixos em que quebra o mar & nefte meo uay ho canal o qual tem daltura três 
braías & mea & de preamar quatro brafas & tudo he vafa & quem por aquy 
ouuer de entrar hachegue fe mais ao9 baixos do fueft que a parte do noroeft & fa- 
zendo ho caminho de left yra feguramente pêra dentro & ha maree defte Rio he 
de noroeft & fueft & thoma a quarta de left & oeft & elle fe aparta em ladeza 
da linha equinofial contra ho pollo artico finco graaos & dez minutos & da banda 
do fueft tem hum aruoredo groflb & duas aruores por conhefenia que fom mais 
altas que as outras; & tanto que homem entra por efte Rio faz dous brafos hum 
uay á maSo dyreita & ho outro á maão efquerda & por efte da parte efquerda 
indo por elle afima finco leguoas fe faz o refguate o qual principalmente he de 
efcrauos & de pannos dalguodam & algumas pelles de onças & azeite de Palma 
& humas contas azuees com huns rifcos vermelhos as quaes chamom coris ifto 



IO 



1 



74 5^ ESMERALDO DE SITU ORBIS (^ 

com outras couías coftumamos aquy comprar por manilhas de latam & de cobre 
& tudo ifto tem valia no caftello de Sam Jorze da mina & ho feytor do noffo 
príncipe vende ifto por ouro aos mercadores negros ; ha jente defte Rio fe chama 
huela & mais dentro no certaão eftaa outra terra que fe chama ho fubou & he 
grandemente pauorada & haquy ha rafoadamente pimenta daquella calidade que 
atras no fetimo capitulo falíamos quafy no fim do quarto item; & adiante deftes 
ha outros negros que ham nome Jos & pefuem grande terra & fom jente beli- 
cofa & comem os homens; ho principal comeríio defta terra fom efcrauos algum 
marfim todas eílas terras fom muyto quentes por que eftam hacheguadas ha linha 
equinocial; todos eftes rios fom muito doentios de febre que a nos outros homens 
brancos faz grauemente mal & principalmente no inverno defta terra que comeffa 
no mes de Mayo & dura athe fim de Septembro no qual tempo choue muyta & 
muy grofla augua principalmente em Agofto em que faz mais forte inverno em 
toda efta ethiopia no tempo aíima dito & afy em algum dos outros mezes do 
anno vêem grandes traboadas que trazem muita forfa de vento & ho piloto que 
algum nauio mandar tanto que ifto vir compre amainar fua vella por as fúrias 
que as taes traboadas configuo trazem por que fe amainar nom quizer ou ho me- 
tera no fundo ou lhe quebrara o maftro & a verga & perdera as vellas ,* & quem 
ouuer de hir da mina pêra efte Rio dos forcados fará o caminho de left & da 
quarta do noroeft & hauera o Rio fermofo que eftaa dez leguoas aquém defte 
Rio dos forcados & daly yra ao longuo da cofta correndo a Ribeira por que efta 
terra he mui maa de conhefer & efte he o feu direito caminho da mina para efta 
parte por fora da enfeada & tem cento & fatenta léguas na Roota. 

Item; alem defte Rio dos forcados cinco leguoas eftaa outro Rio que fe 
chama o Rio dos Ramos & éfte tem a boca tam grande & mayor como o Rio 
dos forcados mas he toda baixa que nom ha nella duas brafas daugua & quebra 
aquy muyto ho mar em toda efta baya & ja fe aquy perderom alguns nauios que 
hiam em bufca do Rio dos forcados & paífando por elle fem o conhefer quizerom 
entrar nefte Rio de Ramos cuydando que hera ho outro & perderom fe na barra; 
a jente deita terra fom .chamados Jós & comem carne humana como no capitolo 
de íima diíTemos aquy nom ha comeríio nem atee gora nem fabemos fe o pode 
hauer; toda efta terra he de muita pauorafam & grandes aruoredos & toda he 
cortada por dentro doutros Rios & afy efte Rio & terra delle como o Rio dos 
forcados & todolos outros fom feytos Ilhas honde uiuem & fe feruem por alma- 
dias de hum foo paao. 

Item; Jaz o Rio dos Ramos & ho cabo fermofo nomoroeft & fufueft & tem 
doze leguoas na Roota & toda a terra que uay defte Rio atee o cabo he muito 
baixa & ao longuo do mar pouco pouorada & efte cabo fermofo faz hum Roftro 
muito baixo & corre ha terra deUe em redondo grandes finco leguoas & no 
tempo de Julho & de Agofto correm aquy as aguoas muito fortemente em ma- 
neira que o nauio que fe aquy topar nos ditos mezes cumpre que fe arrede muito 
da terra & fe meta no mar fe houuer de hir pêra mina por que fe quizer hir ao 
longuo da terra nom ho poderá fazer por cauza das grandes correntes que cor- 
rem ao fueft; & dous íinaees tem efte cabo por onde fe pode bem conhefer ho 
primeiro he que delle em diante fe corre a cofta left & oeft grandes cincoenta 
leguoas, ho outro que fe aparta da linha equinofial contra ho poUo artico em la- 
deza cinco graaos & cincoenta minutos. 



^ SEGUNDO LIURO (♦í 7^ 




Cap.** 9.^ 

Das Rootas conhefenfas A graaos do cabo fermofo em diante. 

ois tomamos tarn péíada carga em efcrevermos quanto beneficio os 
príncipes paíTados teem feyto aos Reynos de Portugual no defcobrí- 
mento defta ethiopia que dantes ha nos era de todo incognita; efta mefina 
rafam nos bobrigua darmos fím ha obra comefada ainda que os mur- 
muradores mordedores & maldizentes nom cefem feguir feus dapnados coftumes 
os quaes fom praimadores do bem feyto & nenhuma coufa booa fabem fazer, 
mas nos feguiremos noíla obra & elles de fua inveja ficarom quebrantados. 

Item; Já fima temos dito como ha cofta que vay adiante do cabo fermofo 
cincoenta leguoas fe corre left & hoeft & quem pêra aquy for fazendo ho cami- 
nho de left indo huma leguoa & mea de terra nom achara mays de oyto atee dez 
braías daltura & o fundo vafa & aleem do dito cabo feys ou íète leguoas eftaa 
hum Hio que nom tem a boca muito grande ao qual chamom o Rio de Sam 
Bento & adiante defte Rio he achado outro Rio que ha nome ho de Santilafonfo 
finco leguoas eftaa outro Rio que chamom o de Santa Barbora & alem defte feys 
leguoas acharom outro Rio que ha nome ho Rio pequeno & todos eftes quatro 
Rios fom afaz pequenos & attee gora nom praticamos nelles nenhum comerfío 
foomente fabemos que fom abitados daquelles pouos a que chamom Jos, come* 
dores das carnes hiunanas & efta cofta jaz no meímo paralello do cabo fermofo 
.f. left & oeft. 

Item; Aleem do dito Rio pequeno 03rto leguoas pêra a parte de left he ha- 
chado hum muito grande Rio que fe chama ho Rio Real ho qual tem nas primei- 
ras pontas de fua boca finco leguoas de ponta a ponta & nas duas pontas mais 
de dentro leguoa & mea; efte Rio tem duas pontas mays de dentro légua & mea; 
& efte Rio tem duas entradas aguora em noflbs dias huma delias he pello meo 
de fua boca ante duas cabeças darea & efta fe corre norte & fui & terá de lar- 
gura hum tiro de bombarda & tem três brafas & mea daugua de preamar no 
mais alto & daly pêra dentro atee huma aldeã que eftaa da parte daleem pêra a 
banda do fueft hacharom fete & oito brafas. 

Item; ha outra entrada adiante & corre fe noroeft & fueft & efta tem em 
largura huma grande leguoa honde pode qualquer nauio balrraventar & andar 
por finco ou feys brafas daugua atee hum banco darea que efta quafy no meo da 
baya fobre o qual ha três brafas daugua & aquy he ho mays baixo & como paf- 
far defte banco pêra dentro ham ir demandar huma ponta darea que efta da parte 
da maão dyreita & de dentro defta ponta podem poular tanto avante como a 
boca de hum efteiro que fe aly faz em doze brafas & eftarom hum quarto de le- 
guoa de terra & efte Rio fe aparta da linha equinofial em ladeza contra ho pollo 
artico finco graaos & meo & ho Caftello de Sam Jorze da mina & efte Rio jazem 
ambos cm hum paralelo & ladeza .f. left & oeft. 

Item; a gente defte Rio fom chamados Jos eftes & os de que atras falamos 
todos fom huus & todos comem carne humana, e na boca defte Rio Real dentro 
do efteyro de que afima falamos efta huma muito grande aldeã em que hauera 
dois mil vefinhos & aquy fe faz muito fal & nefta terra ha as mayores almadias: : 
todas feytas de hum paao que fe fabem em toda ha ethiopia de guinee & algu-*,^* 



76 



^ ESMERALDO DE SITU ORBIS (^ 



ma3 delias ha tamanhas que levarom oytenta homens, & eftas vem de fima deile 
Rio de cem leguoas & mais & trafem muitos ynhames que aquy ha muito boos 
que he afaz de boo mantimento & aíl trazem muytos efcrauos & vacas & cabras 
&. carneiros & ha ho carnero chamom bozy & tudo ifto vendem por fal aos ne- 
gros da dita aldeã, & ha gente dos noíTos nauios compram eftas coufas por ma- 
nilhas de cobre que aquy fom muito eftimadas mais que as de latam & por oyto 
& dez manilhas fe pode aquy hauer hum bom efcrauo; os negros defta terra todos 
handam nuus & trazem huns colares de cobre ao pefcoço tam groffos como hum 
dedo ; *& afy trazem humas aguumias da feiçam das que coftumam trazer os 
mouros brancos de berberia; fom homees guerreyros que poucas vezes tem paz. 
Item; adiante do Rio Real três leguoas eftaá hum Rio pequeno que fe chama 
ho Rio de Sam Dominguos & alem defte quatro leguoas he hachado outro Rio 
muito pequeno que ha nome de pêro de Sintra & mais. adiante três leguoas eftam 
dous Rios muito pequenos que por nom hauer nelles comeríio dou felencio ha 
obra, 

Cap.^ lo.^ 

Do fegundo liuro do efmeraldo de jjrto orbis da terra de Femam do pó. 










res fom as coufes principaes que fe deuem olhar na defcriçam da terra 
primeiramente os íinaes & feyçam da cofta pêra fe haver de conhecer 
& nom fe conhefendo pola primeira pola fegunda parte fe tirarom de 
duuida .f. veja como fe corre a cofta & luguar em cuja bufca for fe 
norte & fui, fe left & oeft, ou nordeft & fudueft por que fe tal for ho rumo da 
terra em que entam fe topa como ho daquella que vay bufcar toda deue fer huma 
terra, & quando por ifto nom for conhecida veja fe os graaos da ladeza em que 
fe topar quer fejam alem da equinoíial quer aquém fe fom comformes afy do lu- 
guar em que eftiuer como d'aquelle em cuja bufca for fendo ho graao todo hum 
& os íinaes da terra em algum modo queyra parefer que he aquella entam fa- 
bera certo ho loguar em que eftaa & pôr quanto efta terra & Ilha eftaa adiante 
do derradeiro Rio dos quatro de que atras falíamos íinco leguoas de caminho & 
he tal que em toda guinee nom ha hy outra de tal feiçam por iífo pofemos aquy 
fua pintura natural & do cabo fermofo de que he efcrito no i.^ Item dos noue 
capitolos defte fegundo liuro teemos dito que efta fe corre left & hoeft na qual 
ferra & Ilha foy defcuberta por femam do poo cabaleiro criado dei Rey Dom 
Afonfo o quinto & ella tomou ho nome do defcobridor, & efta fe aparta em la- 
deza da linha equinocial contra ho poUo artico quatro graaos ; efta terra he muito 
alta & quando faz tempo craro parefe a vinte & íinco & trinta léguas & ha Ilha 
que eílaa na boca defta enfeada he muito pouorada & nella ha muitas canas de 
afucar & daly ha terra firme fom íinco leguoas & ho nauio que aqui for forgir 
junto com a dita terra em quinze braías eílaraa quafy mea leguoa delia; & pode 
aly reíguatar efcrauos ha 03^0 & a dez manilhas de cobre ha pefla; néfta terra 
ha muytos & grandes alyfantes dos quaes os dentes que marfim chamamos cuíhi- 
mamos comprar & por huma manilha de cobre fe acha aqui hum grande dente 
• dalyfante & afy ha neíla terra rafoada cantidade de malagueta fina & boa; cou- 
/fas de muito proueyto ha nefta ethiopia que fe cuíhima trazer a eftes Reynos; & 



f*í SEGUNDO LIURO (^ 77 

ha jente defta ferra Ibe chamom em fua lingoajem caaboo & no dentro do certaSo 
cincoenta leguoas da coita do mar efta huma lingua que ha nome bota 

aquy mapa 

Item ; toda a cofta do mar que vay defta ferra de femam do poo atee o cabo 
de Lopo Gonfalues que fom 03rtenta leguoas he muito pouorada & de muito ar- 
uoredo & muito bafto & ho fundo muito alto que ha mea leguoa de terra hacha- 
rom trinta & quarenta brafas & nefte mar ha muito grandes baleas & outros 
muitos peixes & efta terra he muito veíinha do circolo da equinoíial da qual os 
antiguos diferom que era inhabitauel & nós por experiência achamos ho contrario. 

Item; adiante defta ferra de fernam do poo duas leguoas ao nordeft efta 
hum rio que fe chama dos Camarões & aquy ha muita pefcaria & com os ne- 
gros defta terra atee guora nom teemos nenhum comeríio; & efta cofta he de 
muitas troboadas que trafem comíiguo muito grande forfa de vento ho remédio 
do qual he hamainar as vellas ao nauio em que homem for; 

Item; Partindo da boca do Rio dos Camarões por vinte leguoas de caminho 
ao fui & ha quarta de fúeft he achada outra ferra que fe chama a guerreira a 
qual durara pouco mais de huma leguoa de comprido & eftaa meya leguoa da 
Ribeira do mar & toda efta terra he de muito aruoredo & efta fe aparta em la- 
deza da linha equinocial contra ho poUo artico três graaos & meo. 

Item; adiante defta ferra guerreira vint^ & cmco leguoas ao fufueft eftaa 
outra ferra muito pequena & baixa que fe chama a ferra bota, & pofto que efta 
terra feja afaz povorada nella atee guora nom teemos fabido nenhum comercio. 

Item; alem da ferra bota efta huma angra pequena toda cercada de aruo- 
redo a qual tem na boca huma Ilha muito pequena baixa a que chamom a 
Ittia do corrifco & da dita ferra a efta angra fom vinte leguoas & jaz efta Roota 
norte & fui & thôma a quarta do nordeft & fudueft .f. & efta Ilha efta quafy 
peguada com a terra firme. 

Item ; adiante da Ilha do corrifco defafete leguoas he achado hum Rio afaz 
grande que a noue brafas na boca & canal delle ha nome Rio do guabam efte 
Rio entra muito pella terra & trás grande cantidade dagua doce & he muito pa- 
uorado mas com os negros defta terra atee guora nenhum comercio. teemos nem 
fabemos dos outros que atras ficam & jaz a dita Ilha do corrifco com efte Rio 
norte & fui & thoma ha quarta do nordeft & fudueft 



Cap.^ ii.*' 

Do fegundo liuro do efmeraldo de Jyto orbis das Rootas dt conhe- 
fenfas da terra do Rio do guabam atee o cabo de Caterína que 
por outro nome fe chama o cabo primeiro 

experiência nos faz viuer fem enguano das abufoes & fabulas que al- 
guns dos antiguos cofinographos efcreverom ha ferca da defcríçam da 
terra & do mar os quaes diflerom que toda ha terra que jaz debaixo do 
circolo da equinocial era inhabitauel pola grande quentura do foi & ifto 
hachamos falfo & pello contrario por que adiante do Rio do guabom de que no 




78 f*í ESMERALDO DE SITU ORBIS ^ 

proximo Item que atras fica falíamos he hachado hum promontório baixo & del- 
guado a que em noffa lingua ho cabo de Lopo Gonfalues chamamos ho qual thomou 
o nome do capitam que o defcobrío & jaz com o dito Rio do guabom nordeft & 
fudueft & thoma a quarta do norte & fui & tem vinte & fete leguoas na Roota & 
efte cabo de Lopo Gonfalues pontualmente jaz debaixo do circolo da equinoíial 
& nefta terra ha muita habitafam de gente os quaes fom negros que em nenhuma 
parte do mundo pode mais hauer & ha experienfia nos tem enfinado por que por 
muitos annos & tempos que eíla Regiam das ethiopias da guinee teemos naue- 
guadas & praticadas em muitos luguares tomamos as alturas do foi & fua decri- 
nafam para fe faber os graaos que cada luguar fe aparta em ladeza da mefma 
equinocial pêra cada hum dos polios & hachamos que efte circolo vay por íima 
defte promontório & teemos fabido que nefte luguar em todolos dias do anno he 
igual ho dia da noyte & fe alguma deferenla tem he tam pouca que quafy fe 
nom fente; muitos antiguos diferom que fe alguma terra eftiueífe ouriente & ou- 
cidente com outra terra que ambas teriam ho graao do íol igualmente & tudo 
feria de huma calidade; & quanto a igualeza do foi he uerdadeira; mas como 
quer que a mageftade da grande natureza hufá de grande variedade em fua or- 
dem no criar & gerar das couzas hachamos por experiência que os homens defte 
promontório de Lopo Gonfalues & toda a outra terra de guinee fom afaz ne- 
gros & as outras gentes que jazem aleem do mar oceano ao ocidente que tem ho 
graao do foi por igual como os negros da dita guinee fom pardos quafy brancos 
& eftas fom as gentes que habitam na terra do brafil de que ja no fegundo ca- 
pitolo do primeiro livro fizemos mençam & que algum queira dizer que eftes fom 
guardados da quentura do foi por nefta regiam hauer muitos aruoredos que lhe 
fazem fombra & que por iflb fom quafy aluos diguo que fe muitas aruores nefta 
terra ha que tantas & mais tam efpefas ha nefta parte ouriental daquem do ou- 
ciano de guinee & fe difierem que eftes daquem fom negros por que andam nuus 
& os outros fom brancos por que andam veftidos tanto preuilegio deu ha natu- 
reza ha huns como aos outros por que todos andam fegundo nafcerom afy que 
podemos dizer que ho foi nom faz mais impreffam ha huus que a outros & aguora 
he para faber fe todos fom da gerafam dadom. 

Item; ao mar do Cabo de Lopo Gonfalues fafenta leguoas de caminho ao 
loes noroeft defte cabo efta huma Ilha que fe chama de Sam Thome ha qual 
mandou defcobrir o fereniflimo Rey Dom Joham ho fegundo de portugual & ha 
pouorou & efta Ilha fera de longuo quinze leguoas em comprido & oyto em lar- 
guo a qual fe aparta da equinocial em ladeza contra o pollo artico hum graao & 
tem huma grande angra da parte do norte na qual podem forgir nauios de qual- 
quer grandura que quizerem eftar nefta terra ha ho mais formozo aruoredo nem 
mais alto & groffo que fe fabe em toda a ethiopia de guinee & afy tem muitas 
& booas fontes & Ribe3rras daugua; nefta Ilha fe criam as canas dafuquar em 
tanta aventajem das outras partes que nom pode mais fer & afy ha aqui muitas 
& muito booas laranjas & limoees & cidras & outras aruores fe dam aqui muito 
bem; Aqui ha muitos & grandes laguartos que andam nas Ribeiras daugua doce 
& fy no mar que comem os homens; também ha quy humas biboras negras 
polias coftas & brancas polia barriga da grofiura da perna de hum homem mara- 
uilhofamente pefonhentas & ha fua longura he conuem'ente a fua grofura; meu 
parefer he que fe nefta Ilha quiferem prantar hamoreiras & criar bichos de feda 
que fe daram por excelenfia das outras terras. 



5^ SEGUNDO LIURO í^ 



79 



Item ; ao nornordeft defta Ilha de Sam Thome eftaa outra Ilha mais pequena 
que fe chama a Ilha de Santatonio que por outro nome ha do príncipe chama- 
mos & ha de huma Ilha a outra vinte & cinco léguas em travefa & efta fe aparta 
da linha ' equinoíial em ladeza contra ho poUo artico três graaos & também ho 
dito Rey Dom Joham defcobrio efta Ilha & ha pauorou & quafy he de callidade 
da Ilha de Sam Thome mas nom tem aquellas ferpentes. 

Item; alem do cabo de Lopo Gonfalves vinte & três leguoas eftaa hum Rio 
pequeno que fe chama ho Rio das barreiras o qual jaz com ho dito cabo noroeft 
& fueft & thoma a quarta do norte & fui & efte fe aparta em ladeza da linha 
equinofial contra ho poUo antartico hum graao & doze minutos & por efte Rio 
fer muito pequeno & baixo & na entrada nom entram aquy nauios & por ido 
nom fabemos fe pode aqui hauer algum proueyto; os negros defta terra fom 
todos jentios & ydolatras & jente pouco dada ao comerfio mantenfe de carne & 
milho & canas de afuquar. 

Item ; Paífando adiante efte rio das barreiras vinte leguoas he hachado hum 
promontório baixo & pequeno que fe chama ho cabo de Caterina o qual nome 
lhe pos Ruy de Siqueyra caualeiro criado dei Rey Dom Afonfo o quinto que o 
defcobrio em dia de Santa Catherina que uem a vinte & cinco de nouembro & 
efte cabo fe corre com ho Rio fobredito noroeft & fueft & thoma a quarta de 
norte & fui efta terra he baixa & de muito aruoredo & tanto que homem paífa 
efte cabo faz huma enfeada que torna a cofta quafy em lefueft & dura efta angra 
finco léguas & efte promontório fe aparta em ladeza da linha equinofial contra 
ho pollo antartico quatro graaos & trinta minutos, & athe quy defcobrio o excel- 
lente príncipe elrey Dom AfTonfo o quinto & aquy faz fim ho feu fegundo liuro 
& adiante loguo comefara ho terceyro liuro do fereniffimo príncipe elrey Dom 
Joham ho fegundo de Portugual feu filho. 



l 



PRINCIPIO DO TERCEYRO LIURO 

DO ESMERALDO DE SYTO ORBIS DO QUE DES- 
COBRIO HO SERENÍSSIMO PRINCIPE EL-REY DOM 
JOHAM HO SEGUNDO DE PORTUGUAL. SEGUE SE 
PRIMEIRAMENTE HO PROLOGUO. 



ior que as coufas dinas de memoria nom deuem ficar em efqueiimento 
fem muita culpa dos efcriptores por quanto comvem que fafamos lem- 
brança daquelle fenhor que por feus altos merecimentos por gloria 
fempre deue uiuer; por que entre os nafcidos das molheres iingular- 
mente enviados por diuina virtude em feu tempo fe nom levantou tarn excelente 
varam como ho fereniffimo príncipe elRey Dom Joham ho fegundo de Purtugual 
que Deos tem ; & como quer que o fim da bemauenturança efta nas virtudes de 
que elle fempre tem inteyra parte eftas teem dada gioriofa immortalidade a fua 
excelente fama & pois temos dado fim ao fegundo liuro dei Bey Dom Atfonfo 
o quinto que atras fica aguora conuem que nelle protoguo fafamos o principio do 
terfeiro liuro do que defcobrio ho fereniffimo Rey Dom Joham; cuja obra ha nos 
he graue de fazer polia grandeza do príncipe de que nella efperamos tratar mas 
nom convinha ferem efcritas fuás famofas coufas fabidas & derramadas por tan- 
tas partes da Redondeza fe nom pellos amigues padres da eloquenfia & doutrina 
de que atee guora todos haprenderom; mas pois oufadia me efforffou pêra illo 
fazer nom deuo fer reprendido dos que fabem & muito menos dos mordedores 
maldizentes mormuradores os quaes por feus dapnados coflumes fempre fizerom 
liuros contra liuros mordendo mormurando das coufas bem feytas que elles nunca 
fouberom fazer; que poffo dizer defte fenhor fenom que foy catholico fegundo 
djuino mandamento & afy profedeo em caridade do mays alto eílado dos homees 
atee ho mais baixo & ho feu corafam fempre foy com Deos & nelle fe comprio 
o que diffe o fapientiffimo Rey Salomon que o comefo da fabedoria he temer ao 
fenhor ; ho feu entender & fingular engenho em noflbs dias fe nom vÍo outro que 
quizefle pareler igual a elle; foy huma raiz & fundamento da verdade que fua 
palaura criamos por evangelho; & afy como foy fermofo no corpo & parefer afy 
foy fermofo nas virtudes dalma ; ho feu faber & comfelho parefeo feer diuino com 
que grandes feytos hacabou & afy foube feer liberal hordenado guardando fe dos 



82 5^ ESMERALDO DE SITU ORBIS (^ 

vicios davareza & prodigualidade ; foi todo grande em fuás obras & ha fortaleza 
de feu corafam dina he de grande louuor fendo edificada fobre hum honefto re- 
poufo de grande authorídade; era eftimado de todolos principes criílaãos por 
excelente em todos feus feytos ; & os mouros por tal ho conhefiam ; fendo em 
ydade de defafeis annos foy feito caualeiro na tomada da villa darzilla que elrey 
feu padre per forfa darmas aos mouros tomou ; todo o louuor que lhe for dado 
he baixo & menos dino em refpeito de fua grande excelência; guardou fempre 
juftiça a fua republica de que foy doce paftor & ho feu jugo foy fuaue; thomou 
por deuifa hum pelicano que aquy pofemos pintado no modo que fere feu peyto 
por dar o fangue a feus filhos ho feu moto foy polia ley & polia grey; & em 
tudo ygualmente comforme; mas por me nom culparem de prolixo quero dar 
fílencio a obra ainda que nom faz vicio a prolixidade fe traz bom modo de fatis- 
fazer. 

Polia ley & Polia grey. 



Cap.^ I 



o 




Do terfeyro liuro do efmeraldo de ff to orbis do que defcobrio ho 
ferenijjimo Ref Dom Joham ho fegundo de PortuguaL 

rande fefta fizerom os antiguos efcritores da naueguaçam que fe diz que 
fez menelaao de calez atee o fino arábico & afy eudoxo do mefmo lu- 
guar atee calez & ano cartiginenfe da efpanha atee o golfom darabia; 
o que tudo ifto he huma regiam; também diz plinio no feu fegundo 
liuro da natural hiftoria capitolo fafenta & noue no qual alegua celyo & antipa- 
tre & afy cornelio nepote diz que eftes virom quem da efpanha naueguou em 
ethiopia ou guinee por fazer mercadorias; Auendo ifto por couza muito de notar; 
mas eu diguo que com quanto elles fouberom daquellas partes que a melhor parte 
do faber de tantas regioêes & prouincias ficou pêra nos & nos lhe leuamos a vir- 
gindade ; Por que em todo o uniuerfal da ethiopia de guinee & índia muito particu- 
larmente foubemos & fabemos quafy todas as fuás coufas; & ho lito & cofta do 
n^ar & fua naueguafom fingularmente ho naueguamos & ho comerfio & modo 
de uiuer dos negros defta Regiam & fuás ydolatrias por muitos annos foy de nos 
praticado; & neftas coufas a nolfa naçam dos Portuguefes prefedeo todolos an- 
tigos & modernos em tanta cantidade que fem reprefam podemos dizer que elles 
em noíTo refpeyto nom fouberom nada; & ifto cauzou o grande engenho dos 
noffos principes de que ncfte liuro fazemos mençam & ha grandeza de feus cora- 
foés que tiuerom pêra no defcobrimento deftas terras defpenderem feus tefouros 
foomente por ganharem gloriofa immortalidade; donde fe feguio tanto bem que 
aquelles que dantes nom conhefiam a fee de noflb fenhor Jefus Ghrifto & eram 
perdidos do corpo & dalma aguora por nofla comverfafam ha conhefem & eftam 
em auto pêra fe faluarem como de feito muitos deftes ethiopios que fom trazidos 
a efles Reynos fam feitos criftaãos recebendo augua do Santo Bauptifmo por a 
qual fua fal vacam deue fer certa; mas ho moor agrauo que recebi nefta obra que 
por nos he compofta afy he que quiz a ventura que no quinham que coube ao 
fereniffimo Key Dom Joham de feu defcobrimento ha mayor parte da terra que 
defcobriu do cabo de caterina em diante muita parte delia he deferta & alguma 
que he habitada pouco comerfio ou nada nella fe acha ; por que fe fora derricon- 



i^ TERCEYRO LIURO (^ 83 

tato f^c) como a que atras ficam receberia muito contentamento em elcrever ho 
proueyto que daquella Regiam podiamos receber. 

Item; Adiante do cabo de caterina do qual ja atras no final Item do fegundo 
liuro falíamos fom achadas humas barreyras vermelhas fobre a cofta do mar as 
quaes duram huma leguoa pouco mais ou menos ao longuo da Ribeyra & fom 
rafoadamente altas & jazem com o dito cabo de caterina noroeft & fueft & thoma 
a quarta de left & oeft & ha vinte leguoas na roota & eftas fe apartam em ladeza 
da linha equinocial contra ho pollo antartico finco graaos & efta terra he de 
muito arboredo & pouorafam; & afy ha nella muitos alifantes & outras muitas 
alimárias de defuairadas maneyras; 

Item; doze leguoas alem das ditas barreiras vermelhas fom hachadas duas 
grandes moutas fobre a cofta do mar que he mais alto ho feu aruoredo que todo 
o outro & ao longuo da Ribeira tudo he praya & cofta braua & efta terra nom 
he alta nem muito menos he baixa fenom em hum meo rafoado & jazem as ditas 
barreiras vermelhas com eftas moutas nornoroeft & fufueft & tem as ditas doze 
leguoas na roota como dito he. 

Item; Partindo das ditas duas moutas com vinte & cinco leguoas de cami- 
nho ao fufudueft he hachado hum grande rio a que nos aguora chamamos o rio 
do padram ho qual mandou defcubrir ho fereniffimo Rey Dom Joham o fegundo 
por Dieguo Caão caualeiro de fua cafa no anno de noflb fenhor de mil cccc & 
oytenta & quatro annos & efte Rio fe aparta da linha equinofial contra ho pollo 
antartico fete graaos em ladeza; & no Inverno defta terra que he do mes de 
abril atee o fim de fetembro trás efte Rio tam grande corrente daugua doce que 
a trinta leguoas em mar fe fente a força delia & por que quando o defcobrirom 
poferom na terra da boca da parte daleem do fueft hum longuo padram de pedra 
com três letreiros .f. hum em lingua latina, ho outro em portuguez, & ho outro 
em lingu^ arabigua por efta caufa lhe poferom nome do Rio do padram ' ho qual 
tem no canal de fua boca oyto & dez brafas daugua de altura & haquy he ho 
Reyno do Conguo do qual no capitolo feguinte fallaremos & os ditos letreiros 
faliam do Rey que o mandou defcobrir & em que tempo. 



Cap.^ 2." 

Do terfeyro liuro do efmeraldo de Jyto orbis do Reyno do Conguo 
& da terra dos angicos honde comem os homens. 

or efte Rio do padram afima do qual atras no ultimo Item defte ter- 
ceiro liuro he efçrito eftaa ho Reyno do Conguo & em fua linguoa cha- 
mam a tfte Rio emzaze o qual nafce em humas ferras cincoenta leguoas 
no certaâo hapartadas das Ribeyras do mar pella dita diftancia ; outros 
muitos Rios entram em zaze que o fazem feer tam grande como elle he & nelle 
ha muitas & grandes almadias com que fe fervem os negros defta terra; he muito 
doentio de febres & afy he de muita pefcaria ; efta jente chamom por fenhor many 
& por iflb dizem em fua linguajem maniconguo que quer dizer fenhor de Conguo; 







1 Vid. nota in fine. 



84 f*? ESMERALDO DE SITU ORBIS (^ 

Tanto que o fereníffimo Rey Dom Joham defcubrio efta terra loguo trabalhou 
de fazer manicónguo & fua jente criftaã & a iffo mandou la frades & clérigos 
pêra lhe emfignarem as coufas da fee os quaes leuaram ricos hornamentos de 
Igreja & orgaons & outras coufas neceíTarias & vendo manicónguo & os fidal- 
guos & outra jente a miíTa & todo o outro officio diuino forom todos muito con- 
tentes & loguo elle com feus fidalguos & outros homens principaes fe bautizarom 
& fizeram criftaãos, & nom quis que outrem o foffe dizendo que tam fanta coufa 
& tam booa nom deuía fer dada a nenhum villao foomente lhe foy graue leixar de 
ter muitas molheres como fempre teuerom & difto hos nom poderom mudar ; 
mas pella pouca participaçam que com efta jente teemos ha doutrina antre elles 
fe vay perdendo quanto pode; 

Item; Nefta terra de manicónguo nom ha ouro nem fabem que he mas nella 
ha rafoadamente cobre muito fino & haquy ha muitos al3^antes & ao alyfante 
chamom Zaão os dentes dos quaes refguatamos & afy ho cobre por lenço ao 
qual os negros defta terra chamom molele ; nefte Reyno do conguo fe fazem huns 
panos de palma de pello como veludo & delles com lauores como catim velutado 
tam fermofos que a obra delles fe nom faz melhor feyta em Italia ; & em toda a 
outra Guinee nom ha terra em que faybam fazer eftes panos fenom nefte Reyno 
de Conguo ; nefta terra fe refguatom alguus efcrauos em pouca cantídade & atee 
guora nom fabemos que aquy haja outra mercadoria. 

Item ; adiante defta terra de Conguo aparte do nordeft he fabida outra pro- 
uincia a que chamom anzica & ho fenhor ha nome aguora em noffos dias em 
cuqua-anzico eftes fom negros como os de Conguo & fom ferrados na tefta ou 
fonte em roda maneira de caracol ; & as mais das vezes teem guerra com mani- 
cónguo & qualquer homem que morre na guerra ora feja dos feus ora dos alheos 
loguo ho comem & afy comem qualquer outro que he doente em tal extremo que 
lhe parefe que pode morrer ; & efta terra he metida muito no certaão & halon- 
guada da Ribeira do mar & fe nella ha alguma coufa de proueyto ateeguora ho 
nom fabemos. 

Item ; Alem defte Rio do Padrom de que atras falamos com trinta & cinco 
leguoas de caminho pouco mais ou menos he hachado hum rio pequeno que fe 
chama ho Rio de mondenguo & aly faz ha terra huma emfeada que íera pouco 
mais de huma leguoa em roda na boca da qual eftam duas Ilhas pequenas bai- 
xas & rafas de pouco aruoredo que chamom as Ilhas das cabras & eftas eftam 
muito perto da terra & fam pouoradas dos negros do fenhorio de manicónguo 
& ainda vay adiante a terra de Conguo & neftas Ilhas apanham os ditos negros 
huus bufios pequenos que nom fonn maiores que pinhões com fua cafca a que 
elles chamom Zinhos os quaes em terra de manicónguo correm por moeda & 
cincoenta delles dam por huma galinha, & trefentos vallem huma cabra, & afy 
as outras coufas fegundo fom & quando manicongo quer fazer mercê a alguus 
feus fidalgos ou pagar alguni ferviço que lhe fazem manda lhe dar certo numero 
deftes Zimbos pello modo que os noífos príncipes fazem mercê da moeda deftes 
Reynos a quem lha merefe & muitas vezes a quem lha nom merefe ; & na terra 
do beny de que ja he efcrito no quarto Item do fetimo capitolo do fegundo liuro 
hufom huus bufios por moeda hum pouco mayores que eftes Zimbos de mani- 
cónguo aos quaes bufios no beny chamom Iguou & todalas coufas por elles com- 
pram & quem mais delles tem mais rico he ; & do Rio do padram atee o Rio de 
mondenguo & Ilhas das cabras ha terra ao longuo do mar he baixa & de muito 



^ TERCEYRO LIURO C^ 85 

aruoredo ; & efta cofta do dito Rio do padram atee as ditas Ilhas jaz norte fui & 
tem trinta & finco leguoas na Roota como em íima faz mençam & eftas Ilhas das 
cabras fe apartam em ladeza da linha equinocial contra o poUp antartico noue 
graaos & por ífto fe podem bem conhefer ; & ao mar deftas Ilhas nas trinta bra- 
fas ha muita infinda pefcaria. 

Item ; Paífando vinte leguoas aleem da Ilha das cabras efta huma ponta que 
chama a ponta das Gamboas & efte nome lhe poferom por que quando Dieguo 
Caâo Caualeiro criado dei Rey Dom Joham que Deos teem efta terra defcobrío 
achou aly humas Canboas em que os negros pefcauam & por iífo lhe poz ho dito 
nome; & efta ponta he muito apracelada & alleem delia hacharom hum Rio 
muito pequeno maneira defteiro & aquy nom ha comeríio nem coufa dina de fer 
efcrita foomente que efta ponta jaz com ha dita Ilha das cabras nornoroeft & 
fufueft & tem as ditas vinte leguoas na roota & fe aparta em ladeza da linha 
equinoíial contra ho poUo antartico dez graaos & meo. 

Item; Jaz a ponta das Canboas & ha ponta de Sam Lourenfo norte & fui & 
teem vinte leguoas na rota & efta terra toda he muito baixa & nom he de tanto 
aruoredo como ha que atras íica. 

Gap.° 3.° 
Das Rootas Leguoas & grãos da ponta de Sam Lourenço em diante. 

uitas mortes de homens & grandes defpezas tem cuftado ho defcobri- 
mento deftas ethiopias ao Infante Dom Anrique primeiro inventor 
deftas coufas de tal calidade que deuiamos notar nem por iflb leixare- 
mos de efcreuer toda efta terra com feus portos angras Rootas & 
graaos por nom fayrmos da hordem defta materia & por fe faber ha cofta & Ri- 
beira do mar em qualquer tempo que for neceflario ha noilbs fobceífores quando 
lhes comprir. 

Item; Alem da ponta de Sam Lourenfo da qual hatras no derradeiro Item 
do fegundo capitolo defte terfeiro liuro he efcrito & comefla huma angra de Santa 
Maria & afy vay a cofta daly por diante direita & em defoito leguoas de caminho 
contando da angra de Sam Lourenfo em diante faz ha terra huma ponta que ha 
nome ha ponta preta por quanto fe faz aly huma manilha negra & a efta ponta 
lhe poferom efte nome, & jaz a ponta de Sam Lourenfo com a ponta negra norte 
& fui & tem as ditas defoyto leguoas na Roota & efta terra nam he de tanto 
arvoredo como ha que hatras íica & efta ponta preta fe aparta em ladeza da 
linha equinofial contra ho poUo antartico trefe graaos & dous terços. 

Item; Jaz a ponta preta & monte negro norte & fui & teem vinte & cinco 
leguoas na Roota & efte monte efta fobre o mar & nom he muito alto & por que 
a terra darredor he de muita area & elle tem hum mato babco rrafo que faz huma 
moftra mays preta que toda ha outra terra por iífo lhe poferom nome montene- 
gro & efta cofta he quafy deferta & de muito pouca pouorafam o qual monte fe 
aparta em ladeza da linha equinofial contra ho pollo antartico quinze graaos & 
vinte minutos. 

Item; oyto leguoas adiante do monte negro fe faz huma grande angra que 
entra huma légua & mea pella terra dentro que fe chama angra das aldeãs & 
efte nome lhe poferom por que no tempo que Díego Caão defcobrío efta cofta 
por mandado dei Rey Dom Joham que Deos tem achou dentro nefta angra duas 




86 ^ ESMERALDO DE SITU ORBIS <f^ 

grandes aldeãs & por iíTo lhe pos o dito nome; os negros defta terra fom jente 
pobre que fe nom mantém nem uiuem fenom de pefcaria que aquy ha muita 
fom Idolatras & nefta terra nom ha proueyto & de monte negro atee qui fe 
corre a cofta nordefte & fudueft & tem as ditas oyto leguoas na Roota & toda 
eíla terra ao longuo do mar he baixa. 

Item; Alem da angra das aldeãs he hachada huma enfeada que teera duas 
leguoas em largura na boca que fe chama ha mangua das areas & eíla fe eftende 
por dentro pella terra finco ou féis leguoas & na mefma boca & daly por dentro 
tem dofe & quinze brafas de fundo & efta terra he deferta & nenhum aruoredo 
tem por que tudo he area & dentro nefta mangua ha muita pefcaria & em fertos 
tempos do anno vêem aquy do certão alguns negros a pefcar os quaes fazem 
cazas com coftas de baleas cobertas com seba do mar & em fima lançam area & 
aly paflam fua trifte uida; & efta mangua das areas fe corre com angra das aldeãs 
nordeft & fudueft & tem quinze leguoas na Roota; A qual mangua fe aparta em 
ladeza da linha equinofíal contra ho poUo antartico dezafeis graaos & meo. 

Item; féis leguoas adiante da margem das areas faz a terra huma ponta 
baixa toda coberta darea que fe chama a ponta das pedras & efte nome lhe 
poferom por que quafy no Roftro defta ponta & afy aleem delia eftam muitos & 
grandes penedos & atee quy fe corre efta cofta nordeft & sudueft & thoma a 
quarta de left & oeft & teem as ditas féis leguoas na Roota: & efta terra he muito 
baixa & maa de conhefer mas quem quizer hauer conhecimento delia veja como 
fe aparta da linha equinofial dezafeys graaos & dous terços contra ho poUo an- 
tartico; & efta he a melhor conhefenfa que tem. 

Item; jaz a ponta das pedras & ho cabo negro norte & sul & tem dofe 
leguoas na Roota; & efte cabo he muito baixo & a terra darredor delle he toda 
harea fenom quanto fobe a ponta defte cabo efta huma malha negra, & por iffo 
lhe poferom efte nome de cabo negro o qual nom parefe cabo fe nom quando 
homem eftaa huma légua em mar delle & fendo três ou quatro leguoas em mar 
parefe tudo cofta direita ; efta terra he trabalhofa de naueguar & o feu inverno 
he do mes dabril atee fím de Setembro; as naaos que vam pêra a índia fempre 
fe metem em mar & fe arredam defta cofta duzentas & cincoenta leguoas & 
mais em maneira' que nom cheguam a ella ; 



Cap.*" 4.'' 
Do terceiro liuro do e/meraldo dejito orbis. 

uytas opinioees ouue neftes Reynos de portugal nos tempos paflados 
antre alguns letrados ha ferca do defcobrimento das ethiopias de gui- 
nee & das índias ; Por que huns defiam que nom curaffem de defco- 
brir ao longuo da cofta do mar & que melhor feria irem pello peguo 
hatraueííando ho golfam atee topar em alguma terra da índia ou veíinha delia 
& que por efta via fe encurtaria ho caminho; outros differom que melhor feria 
defcobrir ao longuo da terra fabendo pouco & pouco o que nella hia & afy fuás 
Rootas & conhefenfas & cada provmcia de que jente era pêra verdadeiramente 
faberem ho luguar em que eftavom por onde podiam feer fertos da terra que 
hiam bufcar por que de outra guifa nom podiam faber ha rregiani em que efla- 




ffcí TERCEYRO LIURO í^ 87 

uam; & a mim me parefe que a fegunda oupíniom foy mais certo & afy fe fez 
por que fe efte defcobrimento fe feguío ao longuo da cofta do mar por iíTo leua- 
riamos noflb caminho do cabo negro em diante pollo modo que atras vêem ef- 
crita a dita terra ; 

Item; adiante do cabo negro defafete leguoas fom hachados huus medoos 
darea ao longuo do mar em que hauera feys ou fete montes da dita area, & eftes 
fom algum tanto mais altos que a outra terra & efta cofta toda he deferta & fem 
jente & do cabo negro atee os mendoos fe corre norte & fui & teem as ditas de- 
fafete leguoas na Roota os quaes mendoos fe apartam em ladeza do circolo da 
equinoíial contra ho poilo antartico defanove graaos. 

Item ; Jazem os mendoos & angra de Ruy Pires norte & fui & de meo ca- 
minho em diante thoma a quarta do noroeft & fueft & tem vinte leguoas na 
Roota, & efta terra toda he muito baixa & harea & delerta & nefta angra cabe- 
rom féis ou fete nauios pequenos & ha hum tiro de bombarda da terra podem 
poufar em fundo de oyto brafas tudo limpo a qual angra fe aparta em ladeza 
contra o pollo antartico vinte graaos. 

Item; alem dangra de Ruy Pires vinte & íinco leguoas he achada outra an- 
gra pequena que fe chama de Santo Amaro a qual he muito pequena & toda 
efta terra he deferta por fer toda coberta darea & jaz angra de Ruy Pires & efta 
de Santo hamaro nornoroeft & fufueft & teem as ditas vinte & cinco leguoas na 
Roota & efta angra de Santo Amaro fe aparta em ladeza da equinocial contra 
ho pollo antartico vinte hum grãos & meo. 

Item ; Jaz angra de Santo Amaro & os areaes norte & fui & tem doze le- 
guoas no Roota & efta cofta he deferta por fer toda area & por iflb lhe poferom 
nome os hareaees os quaes fe apartam da linha equinofial em ladeza contra ho 
pollo antartico vinte & dous graaos & vinte minutos; & dez leguoas adiante dos 
areaes parefe huma ponta que fe chama o cabo do padram ; o qual teem hum pa- 
dram de pedra com três letreiros .f. hum em lingua latina ho outro em harabiguo 
& ho houtro em nofla linguoa portugueza todos três de hum teor nos quaes diz 
que em tantos annos da criaçám do mundo & em tantos da era de noflb fenhor 
Jefus chrifto elRey Dom Joham o fegundo de portugual mandou defcobrir aquella 
cofta por Diogo Caão caualeiro de (ua cafa & capitam de feus nauios; o qual 
cabo fe corre com os areaees norte & fui & tem as ditas dez leguoas na Roota 
como dito he & efte fe aparta da linha equinoíial em ladeza contra ho pollo an- 
tartico vinte & dous graaos & quarenta & cinco minutos ; & efta terra he baixa 
& maa de conhecer & o melhor conhefimento que tem aly fom as alturas do 
pollo antartico & graaos em que fe aparta em ladeza da linha equinofial ; 

Item; Jaz o cabo do padram & Ha praya das pedras norte & fui & teem 
doze leguoas na Roota & efta praya fera de fínco ou féis leguoas em longuo & 
ha mayor parte delia he toda chea de penedos & no cabo delia ha huma angra 
muito pequena & efta jaz debaixo do trópico de capricórnio pontualmente & por 
iiTo fe aparta em ladeza do circolo da equinofial contra ho pollo antratico vinte 
& três graaos & trinta & três minutos ; toda efta cofta he deferta & toda a terra 
fom areas he cofta de muita infinda pefcaria'& pêra diante trabalhofa de naue- 
guar; & no mez de Junho, Julho, Agofto fe acontece acodirem aqui os ventos 
nortes & noroeftes com que pêra o cabo de boa efperança ha popa fazem caminho. 



88 



f*? ESMERALDO DE SITU ORBIS (^ 




Cap.° 5.° 

Do ter/eiro livro do efmeraldo dejyto orbis do trópico de Capricór- 
nio em diante. 

rande gloria teem adquirida afy o virtuofo Infante Dom Anrique pri- 
meiro inventor defta naueguafam & defcobrimento & eIRey Dom Afonfo 
ho quinto & elRey Dom Joham o fegundo feu íilho & fobre todos o 
fereniffimo principe elRey Dom Manuel noffo fenhor no defcobrir deftas 
ethiopias de Guinee por fer terra incognita a qual todolos antiguos ouuerom por 
impoífiuel poder fe naueguar; ho noifo Cefar Manuel mannanimo baram ha me- 
lhor parte defta gloriofa materia he dada a elle por defcobrir quafy toda ha ethio- 
pea fobegipto & os muitos longuados Reynos da índia nas quaes Regioees por 
feu mandado fom feytas grandes conquiftas & hauidas muitas vitorias por íingu- 
lares fejrtos darmas que fe la íizerom ; como no feu quarto liuro adiante diremos, 
mas por darmos fim a efte terfeyro liuro conuem que íiguamos noíTa hordem & 
fe efcreua efta cofta do mar pêra que ordenadamente íiguamos noíFo propoíito. 

Item ; Jas a praya das pedras com angra da concepçam norte & fui & de 
meo caminho thoma a quarta de noroeft & fueft & tem vinte & íinco leguoas 
na Roota & toda efta cofta ao longuo da Ribeyra ha mea leguoa em mar he fuja 
de grandes arrecifes de pedra & ha terra do certaão he baixa & coberta darea 
& maa de conhefer & efta angra fe aparta em ladeza da linha equinocial contra 
o pollo antartico vinte & íinco graaos & trinta minutos. 

Item ; alem da angra da conceipçam quinze leguoas he hachada outra angra 
pequena que fe chama da balea a qual Roota jaz norte & fui & do meo caminho 
thoma a quarta do noroeft & fueft & todo o fundo defta cofta he limpo & nas 
trinta braías eftara quem aly for huma leguoa de terra honde pode thomar muito 
pefcado, & efta angra da balea fe aparta em ladeza da linha equinocial contra 
ho pollo antartico vinte & íeis graaos & meo. 

Item; Jaz angra da balea & ha terra das baixas norte & fui & thoma a 
quarta de noroeft & fueft & tem vinte leguoas na Roota, & efta terra tem umas 
baixas de pedra ao longuo do mar que ao mais que podem fahir ao peguo afy 
he hum quarto de leguoa & duraram de longuo huma leguoa pouco mais ou me- 
nos; & efta terra das baixas fe aparta em ladeza da linha equinocial contra ho 
pollo antartico vinte & fete graaos & trinta minutos & adeante da dita terra das 
baixas dez leguoas fe faz huma pequena enfeada em cuja boca eflaa hum Ilheo 
& fobre a Ribeira do mar parefe huma terra hum pouco alta que faz des y ma- 
neira de ferra & da terra das baixas atee eíla ferra fe corre a cofta norte & 
fui & thoma de meo caminho a quarta de nordeft & fudueft & teem as ditas 
dez leguoas na Roota. 

Item; Alem da dita ferra quinze leguoas he hachada a fermofa angra das 
voltas a qual tem huma grande boca ha parte do noroeft & corre fe efta cofta 
norte & fui mas quem partir da ferra & fizer o caminho do fui yra muito em 
terra & fe for de noyte deue fazer o caminho da quarta de fudueft & efta angra 
das voltas entra por dentro pella terra huma grande légua & mea honde podem 
ancorar cem nauios nas dez & doze brafas feguras de todo o tempo & efta angra 
terá em largura huma legoa ou mais & aílim tem dentro alguns Uheos de pedra 



^ TERCEYRO LIURO d^ 89 

& aqui ha muita pefcaria a qual angra defcobrio Bertholameu Dias per mandado 
delRey Dom Joham que Deos tem ; & eíla fe aparta do circolo equinocial contra 
ho polio antartico em ladeza vinte & nove graaos & vinte minutos; & efta terra 
he calva & fem arvoredo nenhum. 

Item ; vinte leguoas adiante da angra das voltas he hachada a ferra da pena 
& efta ferra he rafoadamente alta & fem aruoredo foomente he chea de penedia 
& toda efta terra ao longo do mar he deferta & quem for em bufca defta ferra 
partindo dangra das voltas compre que fe ponha quatro leguoas delia em mar 
& fazendo ho caminho do fufueft auera ha dita ferra da penna & tem as ditas 
vinte leguoas na Roota como dito he ; a qual ferra fe aparta em ladeza da linha 
equinoíial contra ho polio antartico trinta graaos & vinte minutos & tanto que 
homem pafla efta ferra ha terra faz huma enfeada que tem hum Ilheo & daly 
por diante faee huma lombada alta ao longuo do mar da qual lombada ho fim 
delia fe corre com ha dita ferra noroeft & fuéft & tem dez léguas na Roota. 



Cap.^ 6.° 

Do terfepro liuro do efmeraldo de Jyto orbis da ferra da penna <fe 
fua lombada Rootas conhefenfas da terra atee o cabo de boa efpe- 
rança. 

anto favor temos recebido do fenhor de que todo o bem profede que 
nos deu tempo & faber pêra podermos acabar efta obra por nos comef- 
fada & nom com pouco trabalho atee quy efcreuemos efte tam traba- 
Ihofo caminho que mais graue do que parefe foy de defcobrir ; os annos 
& dias de vida dos noíTos príncipes que ifto mandarom fazer & feus thefouros 
nom defpenderom em vaâo pois alcanfarom ho fim defejado ; & por que em todo 
o tempo fe pofla particularmente faber ha naueguafam defta ethiopia & fua cofta 
he rafam que nam leixemos noífo propoíito para comprirmos com noífa promefla. 
Item ; Jaz ho pico que adeante da lombada da ferra efta a vinte & cinco le- 
guoas nomorueft & íufuèft & efte pico he rafoadamente alto & fraguofo & efta 
cofta no feu inuemo que comeífa no mes dabril atee fim de Setembro he tro- 
mentofa & fría & ho principal conhefímento defta terra he a deferenfa de feus 
graaos o qual pico fe aparta em ladeza do circulo da equinofial contra ho poUo 
antartico trinta & dous graaos & meo. 

Item; dofe leguoas alem do pico he hachada huma angra que fe chama de 
Santa Ilena a qual he rafoadamente grande & afim he fuja de muitos arrecifes 
de pedra & jaz o dito pico com efta angra norte & fui & tem as doze leguoas 
na Roota & toda efta cofta he fuja ao longuo da Ribeira de muita pedra ; & efta 
angra faz huma ponta da banda do fui em que eftam huus baixos & aqui nom 
ha mais fe non guardar fe homem do que uir a qual angra fe aparta em ladeza 
da linha equinocial contra ho poUo antartico trinta & dous graaos & trinta mi- 
nutos. 

Item; quem ouuer de partir dangra de Santa Ilena pêra diante compre fe 
ponha três leguoas em mar delia por cauía de huns arrecifes de pedra que aly 
eftam & efta cofta toda he praya darea ; & adiante da dita angra de Santa Ilena 
dofe leguoas fe faz huma ponta que fe chama a ponta da praya & efta fe corre 

13 





90 ffc) ESMERALDO DE SITU ORBIS (^ 

com a dita angra que atras fica noroeft & fuieíl & teem as ditas dofe leguoas na 
Roota ; & ha ponta da praya fe aparta em ladeza da equinofial contra ho pollo 
antartico trinta & quatro graaos & dez minutos. 

E adiante oyto leguoas da ponta da praya he achado hum fermofo promon- 
tório a que nos chamamos o cabo de boa efperanfa o qual jaz com ha ponta da 
praya nomoroeft & fufueft & teem as ditas oito leguoas na Roota como dito 
he ; & efte cabo fe aparta em ladeza do circolo equinofial contra ho pollo antar- 
tico trinta & quatro graaos & trinta minutos & adiante nefta outra folha fe achara 
fua feyçam pintada do natural & no capitolo feguinte diremos defte cabo mais 
largamente o que fabemos. 

Cap.^ 7.** 

Do tercepro liuro dó efmeraldo de fyto orbis & como fe defcobrio 
ho cabo de boa efperança honde Afríca faijim. 

om fem muita rafam fe poz nome a efte promontório cabo da boa 
efperança por que Bartholomeu Dias que o defcobrio por mandado 
delRey Dom Joham que Deos tem no anno de noflb fenhor de mil 
quatrocentos & oitenta & oito annos veendo que efta cofta & Ribeira do 
mar voltaua daly em diante ao norte & ao nordeft cuja Roota fazia caminho da 
ethiopia fob egipto & daly pera ho fino harabico onde fe moftraua & fe efperaua 
averfe de defcobrir ha índia ; por efta caufa lhe pos nome cabo de boa efperança 
ho qual fe aparta em ladeza do circolo da equinocial contra ho pollo antartico trinta 
& quatro graaos & trinta minutos que fazem hum meo graao fegundo he ja dito 
no Item que afíma fica ; & efta terra he muito alta & da feiçam que parece nefta 
pinmra, & no feu inverno que he no mes de abril atee o fim de Setembro he 
muito fria & afãs tromentofa & os negros defta Regiam fom gentios & he jente 
beftial & eftes andam veftidos de pelles & calfados de humas haparcas de couro 
cruu ; & nom fom tam negros como os de Jalofo & mandiguoa & outras partes 
de guinee aqui nom ha nenhum comerfio foomente muito guado vacuum & gran- 
des cabras & ovelhas & muita pefcaria ; nefta terra ha huns guatos meimoees a 
que chamom baboys quafy tam grandes como homens os quaes teem tam gran- 
des barbas que o nom podem crer fe nom quem os vir ; Alguus dizem que efte 
cabo he ho pilafo promontório de que Tholomeo fala mas a mim nom me parefe 
afy : mas antes diguo que deuem fer os montes da lua onde Tholomeu diz que 
nafe ho Rio nillo, por que no próprio fito que Tholomeu poeem os ditos montes 
em trinta & quatro graaos & meo de ladeza da dita equinocial contra ho pollo 
antratico aly eftaa efte promontório de boa efperança afy que pella diftancia que 
os ditos graaos fe apartam da equinocial ferem comformes os dos montes da luua 
a eftoutros & pella feiçam da terra feer tal a que Tholomeu efcreue"^ dos ditos 
montes como ha defte promontório tudo parefe huma coufa & por todas eflas 
caufas efta terra he boa de conhecer & aflim também fe conhefera pello curío 
do foi por que quem aqui for em todo o tempo do anno fempre lhe ho foi andara 
pella parte do letentrion) que fe por outro nome chama norte & fua fombra hira 
contra ho pollo antartico que dos marinheiros fui he chamado; o qual curfo em 
todo he contrario ao de fito da nofla habitafam por que fempre o foi nos anda 
pella parte do fui & faz a fombra ao norte ; nefte promontório faz Afríca fim da 



fV TERCEYRO LIURO <%f 91 

parte do mar ouceano & por que aqui fe divide de Afia & defte luguar correndo 
por fima da terra direytamente ao norte fegundo o que ho nillo corre por meo 
dos ethiopios trogouditas (Jic) atee uir ter em demiata no mar do egipto & ds^jr 
voluendo perto da libia & cofta de Cartaguo atee carrar na grande Gdade de 
Cepta da qual rrodeando toda ha tingitania & ha ribeyra do atalantico mar & ha 
ethiopia de guinee correndo fua cofta pelio modo que atras nefte liuro vem efcri- 
pto atee outra vez vir carrar nefte cabo de boa efperança como ja he dito no meo 
do quinto capitolo do primeiro liuro efta he a drcumfereníia de toda Africa fe- 
gundo fe poderá ver na pintura do mapa mundy & taboa geral que adiante do 
dito capitolo eftaa; A qual Africa terá em Roda três mil & oytocentas & fin- 
coenta leguoas & em longuo comefando do Rio de canagua correndo direyta- 
mente a ouriente atee dar no Rio nilo fom oitocentas & quarenta leguoas & fua 
largura he de tripoUe de berberia indo direitamente ao meo dia hatraveCTando 
toda a terra atee dar no mar de Guinee no Rio dos efcrauos tem Africa em lar- 
gura quinhentas leguoas & efta he a fua circumferencia longura & ladeza como 
afima he dito & eftas fom as fuás ribeiras & cofta do mar a qual nenhum golfom 
por ella entra afy como por europa & afya o que tudo ifto teemos muito parti- 
cularmente fabidos; & nefte promontório de boa efperança fe hacharom as her- 
uas como nefte Reyno de Portugual por que nelle ha muita ortelaam & marcella 
& meftraífos & outras muitas heruas das da calidade defta pátria; & afty ha 
azanbujos & carualhos & hurzes que dam camarinhas & outras aruores afim como 
as de ca, & ifto caufa ho mouimento do foi que a todalas couzas dá fer' por que 
pouco menos graaos fe aparta da linha equinoíial contra ho poUo antartico quan- 
tos da dita linha lif boa eftaa pêra ho poUo artico por onde efta terra com Portu- 
gal íicam quafy de huma mefma calidade acerca das aruores heruas & fruytos 
faluo quanto os temporaes fom hoppoQitos ou contrários huns aos outros .f. 
quando aquy he natural Inverno entam he la próprio veraâo & quando aqui ve- 
raão he la inuerno mas como quer que o afenfo & rrefenfo do foi faz quazy 
muitos graaos da dita equinoíial ha hum cabo como o outro per fua virtude gee- 
xara as heruas & os írujrtos & as aruores de huma mefma calidade ainda que 
feja em defuairados mefes dos quaes a pratica nos tem moftrado a verdade. 

aqui mapa 



Cap." 8." 

Do terfeyro liuro do efmeraldo de Jyto orbis das Rootas conhecen- 
ças A graaos ate o Ilheo da Cru^ honde o fereniffimo Rey Dom 
Joham ho fegundo hacabou feu defcobrimento. 

* 

ois ja efcreuemos as coufas dafrica & de fua ethiopia & circumferencia 
longura & ladeza aguora conuem que os termos dafya nom fiquem por 
dizer; Ainda que eUa em fy he tam grande que afy aos antiguos como 
a nos outros modernos que delia grande parte fabemos a mayor parte 
nos foy fempre incognita ; Porem o que toca ao lito da naueguafaõ defte ferenif- 
fimo elRey noíFo fenhor que a ethiopia fobegipto defcobrio & aflim muita parte 
do fino arábico & do fino perfico como toda a cofta da perfia & grande canti* 




92 fkí> ESMERALDO DE SITU ORBIS (^ 

dade da índia; ifto efcreueremos comeflando no promontório de boa efperanfa 
onde Aíia fe devide com Africa do qual promontório efcreueremos a cofta do 
mar atee o Ilhéu da cruz onde efte terceiro liuro do que defcobrio ho excelente 
Rei Dom Joham o fegundo faz fim; & daly em diante fe comeíara ho quarto 
livro & efte hacabado ho quinto do que defcobrio o noflb Cezar Manuel como atraz 
quafy no fim do primeiro prologuo teemos prometido; & defta cofta efcreuere- 
mos fuás Rootas conhefenfas da terra & graaos que fe aparta cada luguar portos 
& Rios da linha equinocial contra o pollo antartico fegundo cada coufa eftaa em 
feu próprio afento. 

Item; Ja na demonftrafam & pintura do cabo de boa efperanfa que aqui he 
pofta fe moftra manifeftamente como haquella furna ou enfeada que fe faz do dito 
cabo pêra dentro torna a loeft; Porem partindo do Roftro defte cabo & fazendo 
ho caminho de left quinze leguoas adiante he achada huma ponta que fe chama 
de Sam Brandam & efta jaz no paralelo do melmo cabo & toda a terra que vay ao 
longuo da Ribeira do mar he cofta direyta atee a dita ponta & terra quafy chaa 
& loguo mais dentro fom muito altas ferras & muito fragofas & afy vaâo & cor- 
rem grande cantidade de caminho. 

Item; adiante da ponta de Sam brandam fe faz outra ponta que fe chama 
do Infante & a quem defta ponta eftaa hum Ilheo hum quarto de leguoa de terra 
& toda efta cofta he de muita pefcaria & jaz ha ponta de Sam brandam & efta 
do Infante lefnordeft & hoefudueft & tem defafete leguoas na Roota & por que 
nefta terra creemos que nom ha nenhum comerfio ou Refguate leixo de nella fál- 
lar mais particularmente. 

Item; alem da ponta do Infante vinte leguoas parefe hum cabo que fe chama 
ho cabo das vacas & efte nome lhe poferom por ho muito guado vacuum que aly 
virom & efte jaz com a dita ponta do Infante left & oeft & tem as ditas vinte 
leguoas na Roota. 

Item; três leguoas adiante do cabo das vacas fe faz huma grande enfeada 
que teera quatro ou cinco leguoas em roda que fe chama angra de Sam Braz ha 
qual fe corre com ho cabo de boa efperança atee meo caminho lefnordeft & 
hoefiudueft & daly atee ha dita angra jaz. a cofta nordeft & fudueft & thoma a 
quarta de left & oeft & tem em toda efta Roota cincoenta leguoas & efta angra 
de Sam Bras fe aparta em ladeza do circolo da equinofial contra ho pollo antar- 
tico trinta & finco graaos & vinte minutos; & dentro defta enfeada eftaa hum Ilheo 
junto com a terra no qual ha muitos lobos marinhos & muito grandes que teem 
as efpadoas & pefcofo com grande felpa afy como tem os lyoys & nefte Ilheo ha 
humas aves marinhas mayores que pato3 cobertas de pruma fein nenhuma pena 
nas azas com que poflam voar & quem ouuir ha uos de cada huma deftas aues 
cuidara que he afno que azurra ; efta angra he abriguada de todolos ventos falvo 
do lefnordeft atee ho fueft os quaes fom aly travefam & mete grande ola de mar 
quando ventam forfozamente ; & da parte da loeft teem efta angra huma ponta de 
terra com huns penedos os quaees quando homeem vem de mar em fora pare- 
fem Ilheos & hum dos ditos penedos parefe caftello pequeno & torrejado ; a qual 
moftra faz primeiro que cheguem ha dita angra & efta ponta teraa em longuo 
pouco mais de hum tiro de befta & da dita ponta faeem pêra ho mar huma Ref- 
tingua de pedra na qual quando ho mar anda brauo quebra nella hum quarto 
de leguoa de longuo que quafy vay çarrando toda a boca da baya ; & fobre efta 
ponta da terra baixa vêem ter huma ferra atee carrar com a Ribeira do mar; 



^ TERCEYRO LIURO d^ 9? 

Item ; dentro defta angra de Sam Bras veem ter hum Rio pequeno que corre 
de íima da ferra atee ho mar no qual eftam muitas canas & hortelaam & juncal 
& hafambujeiros & outras heruas & aruores taes como as defte Reyno; aquy 
pode tomar a jente das noifas naaos augua & lenha & vacas & carneyros & ca- 
bras que lhe os negros venderam por baíias de latam & campainhas .& pano ver- 
melho; mas quem nefte luguar for compre fe guarde dos negros defta terra por 
que fom muito maa jente & ja por vezes cometeram matar da conpanha das 
naaos que aquy forom & quem aquy fair fora compre ir a bom recado; & quem 
aquy entrar nefta angra forgira da Reftingua pêra dentro nas quatro brafas & 
mea & eftara de terra pouco mais de um quarto de leguoa em fundo limpo darea 
& tanto que homem fahir em mar fora defta angra quatro ou íinco leguoas ha- 
charom vinte & íinco & trinta brafas & ho fundo a luguares he de vafa miftu- 
rada com area; & muita pefcaría. 



Cap.*' 9, 



o 




Do terce/r o livro do efmeraldo de fito orbis da angra de Saô Bras 
atee o Ilheo da Cru:^ & dy atee ho Rio do Infante das Rootas & 
alturas dos graaos. 

or bem gaftado auemos o tempo & trabalho que pofemos em fazer 
efta obra poys a ventura nos deu fauor que efcreueíTemos o que o glo- 
riofo príncipe Rey Dom Joham que Deos tem em feu tempo defcobrio ; 
& a pofto que na cofta por feu mandado fabida nom ouvefe nenhuma 
hutilidade como de feyto nom ha nem por iífo ho deuemos culpar por que a culpa 
he defta terra fer quafy deferta & neUa nom ha coufa fobre que fe homem po- 
defle alegrar; & tanto moor louuor lhe deuemos dar quanto menos proueyto em 
tamanha Regiam por elle defcoberta fe foube; Por que fe muita riqueza deftas 
prouinGas elle adquirira nom faleferom murmuradores & maldizentes que dife- 
rom que por feu próprio intereífe feguira ha tençam do feu defcobrimento ; & 
pois teemos fabido que difto fe nom tirou outro bem faluo muita defpefa & ficar 
hum largo caminho haberto para fe defcobrir a índia por tanto fomos defengana- 
dos que o que efte ferenillimo príncipe fez foy por fua gloria & manifícencia & 
por faber terra noua incognita ha todalas gerafoês & nom por outros refpeitos ; 
& com efta decrarafam iremos dando fim ha noifo proflefo ; 

Item; quinze leguoas alem dauguada de Sam Bras he hachada huma angra 
pequena que fe chama angra dalaguoa o qual nome lhe poferom por que tem 
hum largo (fie) dentro em hum paul & toda a terra que uem dauguada de Sam 
Bras atee efta angra ao longuo do mar he terra chaam & pello fertam he ferra 
muito alta & jaz angra de Saõ Bras & efta angra da laguoa left & oeft & teem 
as ditas quinze leguoas na Roota & efta angra pequena tem dentro hum Ilheo 
em que andam muitos lobos marinhos & cria muitas aues & toda efta terra he 
de pouco aruoredo & comunalmente pouorada fem nenhum comeríio. 

Item; Jaz angra da laguoa com outra angra nrayor que tem duas alaguoas 
lefnordeft & fufueft & tem dofe leguoas na Roota & efta angra das alaguoas 
he dentro muito baixa que nom pode aly eftar fenom nauios pequenos a qual fe 
aparta em ladeza da linha equinoíial contra ho poUo antartico trinta & quatro 



94 ^ ESMERALDO DE SITU ORBIS ^ 

graaos & dous terços & por que efta terra he fem nenhum proueyto nom quis gai- 
tar tempo de nella mais coufas decrarar. 

Item; da angra das alaguoas ha angra do Rico fom quinze leguoas & jaz 
huma com a outra left & oeft & thoma a quarta do nordeft & fudueft mas quem 
efte caminho fizer guarde fe de duas baixas de pedra muito periguofas que quafy 
no meo do dito caminho eftaam nas quaes quebra ho mar & eftam da cofta ao 
peguo quafy huma leguoa & efta angra do Rico he quafy tamanha como angra de 
Sam Bras que atras fica; a qual teni por conhefenfa da fua boca pêra dentro três 
Ilheos & em alguus luguares tem ho fundo fujo & compre que ho nauio que aly 
forgir que poufe ao fem do prumo. 

Item; finco leguoas adiante dangra do Rico efta hum Ilheo pouco mais de 
mea leguoa de terra que fe chama ho penedo das fontes o qual nome lhe pos 
Bertholameu Dias que efta terra defcobrio por mandado delRey Dom Joham que 
Deos tem por que achou aly duas fontes de muito boa augua doce & por outro 
nome fe chama efte penedo ho Ilheo da Cruz por que o mefmo Bertholameu 
Dias pos aly hum padram de pedra pouco mais alto que hum homem com huma 
cruz em fima & efte padram tem três letreyros .f. hum em latim & outro em ha- 
rabiguo & outro em noífa lingua portugueza & todos três dizem huma coufa .f. 
como elRey Dom Joham no anno de noífo fenhor Jefus crifto de mil cccc & oy- 
tenta & oyto annos & em tantos annos da creaçam do mundo mandou defcobrir 
eíla cofta por Bertholameu Dias capitam de feus nauios; & efte padram parefe 
do mar quando homem eílaa perto defte Ilheo & darredor delle na terra firme 
tudo fom medoos darea & ha terra de junto com ha ribeira halem dos medoos 
he toda muito verde & afy he baixa & com arvoredos & a luguares teem barzlas 
& hadiante defla terra ao longuo da cofta tudo fom medoos darea delles grandes 
delles pequenos; & efte Ilheo da cruz eftaraa em mar quafy mea légua & efta 
cofta dangra do Rico atee que fe corre nordeft & fudueft & thoma ha quarta de 
left & hoeft & teem as ditas finco leguoas na roota ; & o dito penedo das fontes 
fe apartam em ladeza da linha equinofial contra ho poUo antartico trinta & três 
graaos & quarenta & cinco minutos. 

Item ; Paifando vinte & cinco leguoas adiante defte Ilheo da cruz he hachado 
hum Rio pequeno que fe chama ho Rio do Infante o qual nome lhe po(erom por 
que em companhia de Bertholameu Dias que o defcobrio hya hum Joham Infante 
que foy ho primeiro que aly f ahio em terra donde efte Rio thomou o dito nome ; 
& oito atee dez leguoas do Ilheo da cruz eftam dous Ilheos a que chamom os 
Ilheos chaos; os quaes Ilheos eftarom da terra firme em mar duas leguoas & 
mea & os iinaees que a dita terra tem pêra fe conhefer fom eftes .f. afy como a 
terra vay do Ilheo da cruz duas leguoas adiante tudo fom medoos darea junto 
com a Ríbeyra do mar; & quando eftes Ilheos chaõs demoram ao nordeft pa- 
refe na terra firme huma malha preta a qual tem da parte do norte hum grande 
medom darea com huma linguoa de terra preta ao longuo da Ribeira; & eftes Ilheos 
fom muito rafos com ho mar & ha terra do certam he muito alta, & daquy atee 
o Rio do Infante fom quinze leguoas; & nefte meo eftam três bocas de Rios pe- 
quenos ; nefte Rio do Infante hacabou elRey Dom Joham que Deos tem feu def- 
cobrimento & naueguaçam o qual jaz com o Ilheo da cruz que atras fica nordeft 
& fudueft & thoma a quarta de left & oeft & tem as ditas vinte & cinco leguoas 
na roota & também fe aparta em ladeza da linha equinofial contra ho poUo an- 
tartico trinta & dous graaos & quarenta minutos & efte fereniíOmo príncipe fa- 



f*> TERCEYRO LIURO (^ 95 

lefeo da vida defte mundo no anno de noflb fenhor Jefus chrifto de mil cccc & 
noventa & cinco annos no algarue na villa dalvor aos vinte & cinco dias do mes 
de outubro ; & os annos de fua vida forom quarenta annos finco mezes & vinte 
& íinco dias dos quaes foomente Reynoq quatorze annos um mes & vinte & oito 
dias & jaz fepultado no mofteiro de Santa Maria da Vitoria que por outro nome 
fe chama da batalha com elrey Dom Âfomfo o quinto feu padre na Capella do 
Cabido. 



PRINCIPIO DO QUARTO LIURO DO 

ESMERALDO DE SYTO ORBIS DO QUE DESCOBRIO 
HO SERENÍSSIMO PRINCIPE EL-REY DOM MANUEL 
NOSSO SENHOR HO PRIMEIRO D'ESTE NOME QUE 
REINOU EM PORTUGUAL. SEGUE SE PRIMEIRO O 
PROLOGUO. 



iinda que a hordem da materia nos dee licenfa pera darmos fim ha 
obra comefada & ho erpirito pera efto tenhamos prompto; ho noflb 
faber fica tam baixo que por inteyro fe nom atreue dizer ha exceleníia 
de noflb Cezar Manuel ; Por que afy como hagricuhura promete man- 
timento ha gerafam humana aíim ho3 feus grandes feytos teem prometida etherna 
immortalidade a fua crara fama; & as fmgulares condiflbSs de que o ha natureza 
dotou uniuerfalmente fom fabidas por que a juftiça com tenperanfa lhe deu por 
rica uiílidura & habaftança do faber pera aminiftraçam delia por coroa muy lou- 
uada lhe outrogou; fendo beneualo a feus fobditos & namraes com dofe conuer- 
làfam & manfídam coberta de huma marauilhoía fortaleza que do principio da 
fua vida lhe tem dada; que grandes feitos acabou com veril animo de manifíca 
hberalidade; católico com limpeza de honefta uida por que a fagrada Religiam 
do matrimonio & comjugual caftidade grandemente tem guardada & por iOb lhe 
deu noíTo fenhor preciofo fruito de bençam; & elle foy ho primeiro Rey de Por- 
tugual que fopticou ao Santo Padre ho papa atixandre fexto que defpenfafe com 
os caualeiros comendadores da hordem & cauallaría de noifo fenhor Jefus' Chrifto 
& Sam Bento deftes Reynos que daly em deante os que nouamente foflem rece- 
bidos neftas hordens & abitos podefem cazar & afy fe fez; Por que dantes eram 
frades profeflbs por folene voto fem poderem contrahir matrimonio; & quanto 
feruiço fez a Deus efte fereniífimo príncipe em efto requerer em todo tempo fe 
deue louuar por fe euitar tanta luxuria & pecado quanto fe feguia deftes profef- 
fos incapazes do matrimonio terem mancebas como dantes tinham o que aguora 
por ferem cafados podem efcufar; nofTo he efte bem & nos ho pefuhtmos & por 
tanto fe deue purtugual chamar bemauenturado; Por que he certo que efte nofto 
prindpe por diuina uirtude nos foy dado pwa defcanfo & jufto utuer de noíTa pa- 



9» 5-fc> ESMERALDO DE SITU ORBIS <^ 

tria & efta graça recebeo da maõ do fumo criador que o enviou dantre as fuás 
aaras & altares fagrados; & por que a grandeza de fua excelência he tanta que 
a nos nom comuem tomar tam pezada cargua por ha fraqueza do noífo emgenho 
hauuer de dizer fuás louuadas obras; Por tanto comuem que leixemos ha forfa 
delias pêra quem fua crónica houuer de fazer; & pois já temos efcrito os três 
liuros dos outros principes que efta naueguaçam & comquifta & Indiano caminho 
comeífarom & hatentarom fazer fem hauer íim por tanto nos paífaremos a efcre- 
uer ho quarto liuro & quinto liuro onde comeífa ho principio da fua conquifta & 
defcobrimento de novas terras dentro nas eftranhas provinfias dafia & Indianas 
Ribeiras; o pefo do qual os antiguos principes feus anteceQbres & outros muitos 
mais antiguos principes de outras nafçoes com fuás riquezas faber & fortaleza 
nunca poderam confeguir; mas no fegundo capitulo feguinte diremos ha maneira 
que fe teue na primeira armada quando mandou defcobrir ha incognita ethiopia 
fobegipto & os muito halonguados Reynos de índia das quaes Regiões & terras 
as coufas fom mais doces douuir que de naueguar & bem fe moftrou a efphera 
que thomou por deuifa que aquy pofemos fer huma profecia do que vimos por 
onde parece que fua alteza alcanfou ho fim defejado a gloria do qual Deos acrefente. 

aquy efphera 



Cap.° I 



o 




Do quarto liuro do efmeraldo de fyto orbis do que diferom alguns 
e/crttores antiguos como ha linha equinocial <fe ha terra queja^ de- 
baixo delia era inhabitavel. 

unca os noífos antiguos anteceífores nem outros muito mais antiguos 
doutras eftranhas jeraçoens poderom crer que podia vir tempo que o 
noífo oucidente fora do ouriente conhecido & da índia pello modo que 
aguora he; Por que os efcritores que daquellas partes falarom efcre- 
uerom delias tantas fabulas por onde a todas parefeu impoíible que os Indianos 
mares & terras do noífo oucidente fe podefem naueguar; 

Tolomeu efcreue na pintura de fuás antiguoas taboas da cofmograíia ho mar 
Indico fer aíim como huma alaguoa hapartado por muito efpaílo do noífo mar 
oceano oucidental que pella ethiopia meridional paíla; & que antre eftes dous 
mares hya huma ourella de terra por impedimento da qual pêra dentro pêra 
aquelle golfom Indico por nenhum modo nenhuma naao podia paífar ; outros dif- 
ferom que efte caminho era de tamanha cantidade que por fua longura fe nom 
podia naueguar & que nelle hauia muitas fereas & outros grandes peixes & hani- 
mães nociuos pello qual efta naueguaçam fe nom podia fazer; 

Pomponio mella no principio do feu fegundo liuro & afy no meo do terceiro 
de fyto orbis ; & Meftre Joham de Sacrobozco Ingres excelente autor na arte de 
aftronomia no fim do terceiro capitolo de feu tratado da efpera cada hum deftes 
em feu luguar ambos diíferom que as partes da equinofial eram inhabitaueis polia 
muita grande quentura do foi ; donde parefe que fegundo fua tençam aquella tór- 
rida zona por efta caufa fe nom podia naueguar poys que a fortaleza do foi im- 
pedia nom hauer hy habitafam de jente ; o que tudo ifto he falço certamente tee- 



^ QUARTO LIURO ^ 99 

mos muita razam de nos efpantar de tam excelentes homens como eftes forom & 
afy plinio & outros autores que ifto melmo aiirmarom ca)a'em em tamanho erro 
como nefte cafo differom por que elles todos confefam ha India fer verdadeira- 
mente ouriental & pouorada de jente fem numero ; & como afim feja que o ver- 
dadeiro ouriente he o circolo da equinofial que por guinee & poila índia pafla & 
com ha mayor parte tem vefinhaníá ; craramente fe moftra fer falfo o que efcre- 
verom; Pois debaixo da mefma equinofial ha tanta habitafam de jente quanta 
teemos fabida & praticada; & como quer que a experiência he madre das coufas 
por ella foubemos rradicalmente a verdade por que o noflb Gezar Manuel inuen- 
tivo & excelente baram mandou Vafco da Guama Comendador da ordem de San- 
tiaguo & cortefaão de fiia corte por capitam de fiias naaos & jente a defcobrir 
& faber aquelles mares & terras com que nos os antiguos punham tam grande 
medo & efpanto ; & indo com muito trabalho achou o contrario do que a mayor 
parte do que os antiguos efcritores difl^eram; & paflando do Rio do Infante em 
diante no qual luguar ho fereniffimo Rei Dom Joham hacabou feu defcobrimento 
& naueguaçam como atraz he dito ; & correndo Vafco da Guama com fuás qua- 
tro naaos pêra aquella cofta da incognita ethiopia fobegipto achou a ethiopia Villa 
de Melinde onde foube as nouas da índia que hya bufcar ; & daly hatraueflando 
aquelle grande guolfom de fetecentas leguoas que naquelle meo jaz defcobrio & 
nouamente foube alguma parte da defejada índia inferior. 



Cap.^ 2.*^ 

Do quafto liuro do efmeraldo de Jyto orbis das quatro naaos que 
ElRey nojfo fenhor mandou defcobrir a índia. 

om conuinha que pêra efte defcobrimento & viagem fe excedefe ho 
modo da grandura das naaos & cantidade delias & por iifo mandou 
elRey noflb fenhor que fe fizeífem quatro nauios pequenos que o mayor 
nom pafafe de cem tonees pêra fima por que pêra terra nom fabida & 
tam incognita como aquella emtam era nom era neceflkrio ferem mayores; & 
efto fe fez afy por que mais ligeiramente podefem entrar & fayr em todo luguar 
o que fendo grandes nom podiam fazer ; & eftes fe fizerom por fingulares meftres 
& hoficiaes & aias fortes de madeyra & pregadura ; & com três efquipaflbens de 
vellas cada naao & afy hamarras & outros haparelhos & cordoalha três & quatro 
vezes dobrada aleem do que coftumam trazer ; ha loufa dos tonees pipas barris 
aflim de vinho como daugua vinagre & azeite toda foy arqueada com muitos 
arcos de ferro que cada pefla leuaua por fegurar o que dentro tinha ; os manti- 
mentos de pam vinho farinhas, carnes, legumes & coufas de botica & afy arma- 
ria & bombardaria tudo ífto foy dado em tanta habaftanía quanta ha neceifidade 
do cafo convinha & muyto mais, & afim forom mandados nefta viagem os prin- 
cipais pilotos & mareantes & mays fabedores na arte de marinharia que fe nefta 
pátria hacharom; Aos quaes forom hordenados tam grandes foldos com outras 
mercês & também paguos que profederom todolos outros falarios que toda ha 
outra jente do mar pellas outras prouincias cuftumam hauer ; nefta viagem fe fize- 
rom tantas & tam groflas defpezas com tam poucas naaos que por nom parefe.- 
rem graues douuir & creer ho leixo de dizer pello meudo das quaes ho notfé 




loo fk) ESMERALDO DE SITU ORBIS (%i 

príncipe por entam nam ouue mais utilidade que foomenre feer defcoberta & no- 
vamente fabida alguma parte daquella ethiopia fobegipto & o principio da India 
inferior ; & aflim partio Vafco da Gama com efta fanta empreza por capitam mor 
deftas quatro naaos na vertude da facra mageftade defte fereniflimo principe que 
o mandou da excelente cidade de lixboa íabado oyto dias do mes de junho do 
anno de noíTo íènhor Jefus Chrifto de mil ceco nouenta fete annos ; & andou nefta 
viagem atee tornar adonde partio dous annos' hum mes & hum dia & da fua vinda 
nom tardaram os grandes guarladoees & mercês que lhe forom dados ; com tanta 
honrra & liberalidade quanto na excelência de noflb Ceíar Manuel que o enuiou 
cabe. Por que fua alteza lhe deu titulo de Dom Vafco da Guama que dantes nom 
tinha & afy lhe deu armas pêra fer conhecida ha honra de fua fidalguia & ho fez 
almeyçante do mar Indico com fua jurifdifam & mais lhe deu de Renda de juro três 
mil cruzados douro & ifto ouue Dom Vafco aleem doutras muitas mercês, foldos 
honrras & liberdades de que o efte fereniflimo principe dotou ; afy que fe olhou 
ao ferviço que lhe Dom Vafco tinha feyto iflb meímo comfeguio ha grandeza de 
fua excelente condiçam nom defuiando do que deuia como aquelle que nafceo 
com prefeyta bondade. 

Cap.*^ 3.^ 

Do quarto liuro do efmeraldo de Jyto orbis das armadas que elRey 
nojfo fenhor cada anno manda fa\er pêra a índia defpois que foy 
defcuberta. 

s grandes itytos fe nom podem efconder por que manifeftamente fom 
uiftos de todos & ho louuor que nelles cabe por obriguafam fe deue 
dizer por que nom fiquem em efquefimento ; & ha grauidade de tama- 
nhas obras como as defte fereniflimo principe com jufta caufa deuem 
feer fabidas fua alteza manda fazer pêra ella grandes armadas de vinte & finco 
& trinta naaos groffas & as uefes mays & menos fegundo ha bordem do tempo 
& neceflidade delle ho requer ; As quaes iòm emuiadas com muita gente & tam- 
bém haparelhadas como as primeiras & muito milhor com que comquiftou & 
cada dia conquifta os Indicos mares & afiaticas Ribeiras; matando deftroyndo & 
queymando os mouros do cairo & darabia & de meça & outros moradores na 
mefma índia & fua frota que o trato da pedraria prefiofa perlas & efpefiaria com 
fua naueguaçam por longua antiguidade de oytocentos annos & mays pofluyam ; 
& nom tam foomente teem ifto feyto, mas ainda per nouo edificamento mandou 
la fundar cinco fortalezas com fuás fagradas cafas de orafam honde fe cada dia 
celebra ho íieuito íacramento do corpo de noflb fenhor Jefus Chrifto; & afim fom 
por efta caufa tornados a fua fanta fee católica & feytos chriftaaos muitos índios 
que dantes ha nom conhefiam & ha fuja feita de mafoma cada uez uay mais em 
habatimento & deftrohifam minguando; & em tal maneyra fom os mouros def- 
troydos & fua frota que honde de fuás mãaos os venefianos hauiam ha efpefiaria 
& outras coulas com que habaftauam europa Africa & parte da Afya agora ne- 
hnuma coufa teem nem podem hauer; íaluo efte bemauenturado principe que 
aleem de muita honrra peepetua fama que com muitas vitorias na conquifta de 
tantas prouinfias teem adquirida as fuás naaos & frota lhe trazem cada anno a 
y: cites Reynos trinta & quarenta mil quintaes de eípefiaría & drogaria & muitas 




^ QUARTO LIURO (^ loi 

perlas & pedras preíiofas com outras couías de grande riqueza com que o orbe 
he habaftado, & por iflo podemos dizer que Deos todo poderofo por íingular 
príuilegio ho efcolheo antre todolos outros príncipes criftaâos pêra naquellas par- 
tes hacrefentar fua católica fee por feu feruifo ; Por que he certo que a fanta di* 
uinal & antigua doutrina que ho Apoftolo Sam Thome aly derramou he ja de 
todo perdida, & deuemos notar nos & todos noífos fuceffores & vindouros & afy 
das outras jerafoes efte caio tam admirable & milagrofo que de quatro mil léguas 
de tam periguoza naueguafam como ha de portugual aa índia efte fereniílimo 
príncipe ha manda conquiftar & fojuguar hacrefentando fempre a noíla católica 
fee ; certamente bem fe moftra ifto uir por noífo fenhor que lhe deu forte animo 
& grande faber pêra tudo hacabar; Por que nunca de coraçam emcolhido fraco 
& havarento tam grandes feytos fayrom fenom de animo habaftado de fortaleza 
& manignimo varam & quem bem coníiderar tamanhas coufas como eilas ja 
muita parte dos famofos feytos dalixandre maugno & dos Romanos ficam muito 
abaixo em refpeito defta fanta & grande comquifta. 



Cap.° 4 



o 




Do quarto liuro do efmeraldo de Jyto orbis do caminho <fe naue- 
guaçam que as naaos que ouuerem de ir pêra a índia deuemfa\er. 

res fom os mezes principaes do anno em cada hum dos quaes as naaos 
que ouuerem de hir pêra a índia deuem de feer de todo preftes para par- 
tir .f. Janeiro, Fevereiro & Março, & deftes três he ho melhor Feue- 
reiro ainda que muitas vezes fe acontefe partirem as naaos em Abril 
& hacharem tempos de profpera naueguafam ; mas nem por ifto, fe deuem errar 
os mefes que diguo porque em alguma maneira yram tarde & poderam ter fadigua 
nefte longuo caminho & ha armada que pêra a índia ouuer de ir compre leuar 
toda fua loufa de tonees pipas barris & outras vafilhas arqueadas de arcos de 
ferro & atee oyto arcos em cada peíTa podem bem habaftar & dos arcos de paao 
íe nom deue fazer fundamento por fua pouca dura ; nos mantimentos nom fallo 
por que pêra viagem de defoyto & vinte mefes que fe nefla naueguafam cofhima 
por que ja fabem o que lhe pode abaftar; & ja teemos efcríto nos vinte & três 
capitolos do primeiro liuro que partindo ha frota da excelente cidade de lixboa 
donde nos Duarte Pacheco autor fomos natural & honde fe coftumam fazer as 
armadas para fe nauegar ha Indiana regiam deuem fazer ho caminho de fufu- 
dueft duzentas leguoas em fim das quaes ferom em vinte & oito graaos de ladeza 
do circolo da equinocial contra ho poUo artico hoqde fom achadas as fete Ilhas 
das canarías ; & ira ter na ponta donde a da Ilha de forte ventura junto com ha 
qual com huma leguoa de terra & muito menos podem feguramente paífar & 
daly deuem hir ao fui & a quarta do fueft & com quarenta & cinco leguoas de 
caminho hacharom angra dos Ruyuos na terra daleem os fignaees da qual temos 
ja efcríto nos vinte & três capitolos do primeiro liuro & eíla angra tem em fima 
por conhecenfa três montes darea & também fe aparta em ladeza da linha equi- 
nofial contra ho pollo artico vinte & cinco graaos & ha três leguoas defla angra 
em mar hacharom fincoenta brafas fundo darea & aly podem fazer grande pefca- 
ria pêra mantimento da jente das naaos & defte luguar correrom ha cofbt em 
bufca do cabo verde como fe adiante dirá. 



102 s^ ESMERALDO DE SITU ORBIS ^ 

Item; partindo da angra dos Ruyuos três leguoas em mar pelo fudueíl & a 
quarta do fui nouenta leguoas correrom toda a cofta fem tocar em terra & por 
efte caminho indo as ditas noventa leguoas ferom tanto avante como ho cabo 
branco de que já falíamos no fim do derradeiro Item dos vinte & três capítulos 
do primeiro liuro & quem por efta via for fera em mar do dito cabo branco defa- 
fete atee defoyto leguoas & fendo verdadeiramente nefte luguar lhe demorara o 
dito cabo em lefte & eftarom em vinte graaos & vinte minutos em ladeza da 
linha equinocial contra ho poUo artico fem errarem coufa alguma ; Por que eftes 
fom os próprios graaos & minutos que fe efte cabo branco da dita equinofial 
haparta na dita ladeza & qualquer piloto que a tal naao mandar deue muito fazer 
que efta altura & graaos tome certo por que por elles fabera a verdade & efcu- 
fara de cahir em erro. 

Item; qualquer naao que for tanto avante como ho cabo branco no luguar 
& Roota que dito he daly deue fazer ho caminho ao fui & a quarta do fueft 
cento & vinte leguoas & yram dar na ponta do cabo verde o qual efta em qua- 
torze graaos & vinte minutos em ladeza da mefma equinocial contra ho poUo 
artico & aleem de fe conhefer já efta ladeza & graaos fe conheferá pella pintura 
& íignaes que fom efcritos nos vinte & oyto capitolos do primeiro liuro & pode- 
rom forgir & thomar augua & lenha na angra de befeguiche fegundo nos ditos 
capítulos & pintura faz menfam. 

Cap.^ 5.** 

Do quarto liuro do efmeraldo de Jyto orbis como fe deue fa^er ho 
caminho de cabo perde pêra a índia pelo golfom. 

ara fe efta nolfa obra melhor entender comuem que decraremos como 
noflb fundamento foy efcreuermos primeiro toda ha cofta da ethiopia 
de Guinee ao longuo da Ribeyra do mar; Afy como foy defcoberta 
pellos príncipes de que fe nefte liuro faz mençam pêra fe faber em 
todo tempo como per feu mandado eftas Regioêes fe naueguarom & hoje em dia 
naueguam; & por que aleem do caminho que ha o longuo da terra efcreuemos 
atee ho Rio do Infante honde o fereniflimo Principe el Rey Dom Joham que 
Deos tem hacabou feu defcobrimento & naueguacam; cuftumamos fazer outra 
via pera a India partindo do cabo verde pello Golfom por onde fe encurta mais 
ha viagem & nos fica em moor proueyto por tanto he neceflario que tudo fe di- 
gna por que alguma coufa do que compre a efte cafo nom fique por dizer & 
como formos tanto avante como ho Rio do Infante fe efcreuera ha cofta que 
daly por diante contra a índia elRey noíTo fenhor defcobrio. 

Item ; todo o nauio que eftiuer no cabo verde & ouuer de hir pera a índia 
fe lho vento feruir a feu prazer deue fazer ho caminho do fui feifcentas leguoas ; 
no fim das quaes fe verdadeiramente as tiuer andadas fera em defanove graaos 
de ladeza do circolo equinocial contra ho poUo antartico; & hauera da tal naao 
ao cabo da boa efperança oytocentas & cincoenta leguoas do qual luguar honde 
a tal naao eftiuer fe deue fazer ho caminho de lefueft & por efta via yram fora 
do dito cabo quarenta leguoas em mar delle em termo das quaes eftaraa em 
trinta & fete graaos de ladeza da meíma equinofial contra ho poUo antartico ; & 
entam lhe demorara o cabo de boa efperança ao nordeft & a quarta de norte 




^ QUARTO LIURO (^ io3 

pello qual Rumo fe deue hir bufcar; & ho pilloto que a tal naao mandar nom 
deue fazer efte caminho de nordeft & da quarta do norte menos de fer nos ditos 
trinta & fete graaos como dito he ; Por que fe em menos graaos efteuer & fezer 
ho dito caminho tornara atras pêra a cofta de guinee íaluo fendo em trinta & fmco 
graaos da dita ladeza contra ho pollo antartico & também lhe demorara o dito 
cabo da boa efperança em left & fera tanto avante como elle; mas como for no 
luguar aíima dito compre que faífa o caminho do nordeft & da quarta de norte 
& hauendo vifta do dito cabo correra a cofta de longuo caminho do Rio do In- 
fante; ho qual caminho vay ja decrarado no fetimo capitolo do terceiro liuro & 
em todolos Itens fobcedentes ao dito capitolo atee o 'fim delles ; & fe quizerem 
alarguar da terra quinze ou vinte leguoas em mar bem ho podem fazer mas todo 
ho que dito he fe diz com cautella feruindo ho vento ha prazer dos mareantes ; & 
quando for contrario ha rafam ho fifo & ha pratica lhe eníignara ho que fe deue 
fazer; & na traveífa defte golfom de cabo verde por diante fe deue teer grande 
auifo & vigia de dia & de noyte por que nelle ha muito grandes troboadas que 
trazem comfiguo maravilhofa forfa de vento ; & compre que na ora em que virem 
alguum relampaguo ou fozil ou bulcam negro hamainem fuás vellas atee paíTar 
a forfa do tal vento por que fe ifto nom fezerem coufa he que pode hacontecer 
ha naao em que topar fe perder como ja por maao rrecado fe perderom outras. 



Cap.*^ 6.° 

Do quarto liuro do efmeraldo de Jyto orbis do que defcobrirom 
elRey nojfo fenhor do Rio Infante em diante. 

11 ouo trabalho fe nos oferefe hauermos de efcreuer ho que nouamente 
mandou defcobrir ho fereniílimo príncipe elRey Dom Manuel noífo fe- 
nhor do Rio do Infante em diante toda a ethiopia fobegito & ha felice 
arábia com ha perfya & ha multidam das coufas dos oppolentiífimos 
Reynos da índia com as vitorias nelles hauidas ; & afy feguiremos noífo propofito 
nefta tam trabalhofa jornada da qual a experiência nos eníignou a uerdade de 
todo o que adiante difermos. . 

Item ; Jaz o Rio do Infante ... * 




I Aqui se interrompe o MS. 

No exemplar da Bibliotheca Nacional de Lisboa encontra-se a seguinte declaração, por 
letra moderna. 

«Na copia da qual efta foi tirada, & que fupomos ter pertencido ao Bifpo do Porto Dom 
Rodrigo da Cunha, faltavam as cartas, plantas & viilas a que o auâor defta obra fe refere, êc 
bem aíTim o reílo do Livro iv que parece o author nao ter concluído. — Diogo Barbofa Mach ado 
na fua Bibliotheca Luzitana, diz que Duarte Pacheco fora natural de Santarém; porem vemos, 
neíla obra, iílo é, no Efmeraldo, que era filho de Lifboa.* 

Esta nota foi assignada, hoje porém encontra-se a assignatura raspada. 



NOTAS 



Pag. 7 

Fr. Vincentius (de Beauvais) nasceu em França em 1190 e morreu em 1264, approximada- 
mente. — Biographic Générale, de Didot. 

Na Bibliotheca Nacional de Lisboa, na secção dos paleotypos existe a edição feita em 1494, 
3 vol., das obras de Fr. Vicente, com o titulo Speculum doctrinale^ speculum naturale, speculum 
historiale; esta terceira parte foi traduzida e publicada por Jean de Vignay em 1495-1496, com 
o titulo de Miroir historial, 5 vol. in foi. 

Consta existir outra edição, intitulada Bibliotheca Afundi, Speculum majus^ Speculum triplex, 
1743. Jean Mentelin, Strasbourg, 10 vol. gr. in foi. 

No catalogo impresso dos paleotypos, encontra-se o seguinte verbete com relação ao ter- 
ceiro volume : 

Vicentius (Bellovacensis). — Speculum historiale, Venetús^ cura Hermani Liechtestein, 1494, 
nonis Septembribus, foi., goth. min. Vol. i. — Vulgar. 

Alem dos três volumes impressos acima citados, possue mais a mesma Bibliotheca Nacional, 
na collecção dos livros illuminados, dois exemplares manuscríptos da mesma obra, um de letra 
do século XV, e outra do meado do mesmo século. 

Apresentámos os facsimiles dos três exemplares não só para dar uma idéa da nitidez do 
impresso, e da perfeição dos mss., mas para que o leitor possa comparar ò texto com a traducção 
que d'elle faz o auctor do Esmeraldo. 

Parece-nos que Pacheco não comprehendeu bem o dizer de Fr. Vicente, ou accommodou 
propositadamente o texto em proveito da sua idéa, porque segundo se vê do fac-simile Fr. Vicente 
refere-se ao meio dia e não ao occidente. 



Pag. 32 

Saibam quantos eíle eílormento de trelado de huma carta delrey noíTo feniíor Dado per 
autoridade de juíliça virem como no anno do nacimento de nofo fenhor jefu chriílo de mil & 
quinhentos & nove annos aos vinte & um dias do mes de novembro em a vila de Monte moor 
o velho no paço do concelho da dita vila eílando gonçalo chamona caualeiro da cafa do dito 
fenhor & juuie hordinario em a dita vila & termos perante ele pareceo tome da cofia efcudeiro 
do dito fenhor & aprefentou ao dito juuiz em nome do fenhor diogo d'Afambuja fidalguo da cafa 
do dito fenhor Rey huma carta do dito fenhor Diogo dafambuja de quue lhe elRey nofo fenhor 
tem feita mercê e dife ao dito juiz quue ao dito diogo dazambuja era necefarío ho trelado da 
dita carta em próprio por canto ele queria ora mandar a dita carta por lhe comprír pêra fora 
& lobre mar & quue auia medo de fe lhe perder ou molhar e quue por yfo por mandado do dito 
diogo dafambuja pedia quue lhe mandaf«m dar o dito trelado em próprio. E o dito juuiz vifto 



io6 5-fc> ESMERALDO DE SITU ORBIS (^ 

todo mandou a mym tabeliam quue lho defe. E o trelado da dita carta he ho fyguemte. Dom 
Manuel per graça de Deus Rey de purtugual & dos alguarues daquem &. dalém mar em africa 
fenhor da guine & da conquifta nauegaçam comercio detiopia arábia períia & da índia. A quan- 
tos eíla noila carta virem faiemos faber quue efguordamdo nos aos muitos ferviços de diogo 
dafambuja de nofo comfelho & como nos tem muyto bem feruido no fafímento do nofo caílelo 
Real do Mogador quue lhe mamdamos fafeer em africa em quue levou muito trabalho com 
rrísquo de fua peíoa & muyta defpefa de fua fafenda & como por yfo é rrefam quue rreceba 
de nos homrra &. mercê & querendo lha fafer como he coufa jufta quue a façamos aqueles quee 
nos bem fervem afy como ho ele tem ffeito & por comíiarmos dele quee nifto & em toda outra 
coufa de quue o emcarregarmos nos faberá muy bem fervir & dará de fy muy boa comta & rrecado 
& por eíla prefemte carta lhe fafemos mercê da capitania e alcaidaria moor do dito nofo caílello 
rreal de Mogador com a quual capitania quueremos jSi nos praz quue aja em cada huum anno 
pêra fua matença e dos moradores & pefoas quue ordennamos quue no dito caílello a;a de ter 
pêra guarda & defemfam dele & do quue lhe mandamos que faça por nofo feruiço daquelo quue 
por nofo rregimento & huuma nofa carta de detríminaçSo fobrelo ífeita temos hordennado quue 
aja daver & camto a jurífdiçam & poderes da dita capitania & governamça do dito caílello 
pola muita comfiança quue dele temos quue em tudo fará o que deve por nofo ferviço booa 
guovemamça & bem das coufas da juíliça, praznos & lhe outorguamos quue ele tenha fobre todos 
os moradores fromteiros & pefoas de quualquuer comdiçam & calidade quue fejam quue ao dito 
caílello por nofo mamdado & ferviço ou por quualquuer outra maneira forem eílar toda a jur- 
diçam poder & alçada de ciuel & crime quue temos dada aos nofos capitals dos nofos lugares 
dalém maar & quue pofa ufar & huufe dela em todos os cafos afy crimes como ciuues naquela 
propria forma maneira & modo quue da dita jurdiçam & poder & alçada huufam os capitais dos 
ditos lugares por quue afy como a elles o temos dado & outorgado & eles dela huufam & podem 
huufar ho outorguamos & damos ao dito diogo dafambuja no dito caílelo porem o notificamos aly 
aos fidalguos caualeiros moradores & pefoas quue no dito caílello viuerem e a ele forem eílar &. 
ao noífo comtador almoxarife & feitor quue y teuermos & a todos outros nofos oficiaes & peíToas 
a quue eíla nofa carta for moílrada & o conhecimento dela pertencer & lhe mamdamos quue 
ajam o dito diogo dafambuja por noífo capitão & lhe hobedeçam & acatem & cumpram feus 
mandados em todos os tempos quue por nofo ferviço & da nofa parte lho rrequerer & mamdar 
& afy como o fariam fe por nos em peíToa lhe foíTe dito & mandado por que afy he nofo feruiço 
fob as pennas eives & crimes quue por elo lhe pofer As quuaes mandara emxecutar naqueles que 
forem revens & nigrijentes quue deles nam efperamos e gardamdo nifo porem as limitações da 
dita jurdiçam poder & alçada quue lhe outorgamos fegundo que o gardam & devem gardar os 
capitals dos ditos nofos lugares o quual dtogo dafambuja noos fez preito & menagem pela capi. 
tanta & calcaidaria moor do dito caftello feguundo cuítume deíles nofos rregnos a quual fica afem- 
tada & por ele aíignada no livro das menagens. Dada em a villa dabrantes a vinte & fete dias do 
mes de junho ano do nacimento de nofo fenhor Jefus chriílo de mil & quinhentos & fete & por 
quue a dita carta era mui bem fprita & fem nenhum vicio nem rrefcadura nem amtrelinha. £u 
Álvaro Mendes publico tabeliam em a dita villa & termos poUo muyto excelente Senhor & Senhor 
dom Jorge filho delrrei dom Joam quue fanta groria aja Meílre de famtiago & dauis duquue de 
Coimbra Senhor da dita vila quue bem & verdadeiramente eíle ílormento da dita carta treladey 
& em ele meu publico íinal fis quue tal he (íignal do tabelliam) >. 



Pag. 32 



Nos el Rey mandamos a vos nofos almoxarifes ou regedores da nofa Ilha da madeira afy 
na parte do funchall como de machiquo & aos fpryvães do dito almoxarífedo que todas aquelas 
couías que vos mandar requerer por feus afynados dieguo dazambuja do nofo comfelho que 
mamdamos fafer a fortalefa do mogador pêra as obras da dita fortalefa & quaeefquer outros que 



* Archive d« Santa Caia da Miz«rioordU de Évora, junto a ontroa docomentoa do meamo Diogo de Azambuja. 



Sjteculum Historíale Vincentii usque in suum tempui. láccccxam. In invicta urbe Venetiarum 
De Africa et ejus regionibus. Cap. Lxxvn 



tsxíâtílitiijviK.Omàraati(<iLíUá!atoatíai 
iniiutmami.âfn>iR;ite<noibís4tn|uraitjtoaaiii imo 
noKmmmdtej ToI'ndoieincogniuiiobbai.^nan'rMb'aM 
npodafàbutoftiniubitmidimr.-^unnMalitbiguiiíciíiaiiri 
unucft<>cMemnridú.in3e régio cbamginclÍK|Xift<naaiilul 
>cdptmri»lleiabrc(ii<.Me loa cnlh rolls ardfflibin. 



Mss. illuminados da Bibliothcca Nacional.— 2-6-6. — Principio do século xvi 

rr ^iiefUntáitetfcvint. 

mm» fmi$M àmftíS» fi^h&fk 



p)6 



Mss. illuminados da Bibliothcca Publica. — Z-6-i . — Meado do século í 



■ftur MCA «mOA febí «rOftub;. 



ffcí NOTAS a^ 107 

lhe comprírem vos lhas mandees todas & defpendaaes niíTo o dinheiro que comprir & com toda 
a delegencia lhas envíees por que releva afy muyto a nofo ferviço & por efte noilo alvará com 
os afínados do dito diogo dazambuja & conhecimentos daquelles a que por feu mandado as 
entregardes mandamos aos contadores que vos levam em conta todo o que nifo defpender com 
afento de vofo fyrmam em feus livros, &. afy o façam em todo o que antes defte lhe teverdes 
emviado feito em coimbrã a cinco dias de fetembro. Amtonio carneiro o fez i5o6sReya=Pera os 
almoxarifes da Ilha da madeira que emviem a diogo daíambuja o que lhe mandar requerer'. 



Pag. 83 

Nas Memorias da Academia Real das Sciencias^ encontra-se um importante e complexo 
trabalho historico-geographico, intilulado — Os padrões dos descoBHmentos portugueses em Africa, 
pelo socio correspondente já fallecido Alexandre Magno de Castilho. É um magnifico estudo em 
que se compendiam todas as noticias relativas aos padrões postos pelos navegadores portugueses, 
e se encontram citadas muitas obras, e os nomes dos auctores que escreveram sobre este assumpto. 

O sr. Castilho cita entre outros por vezes João de Barros como um dos chronistas e histo- 
riadores em quem mais se deve confiar ; nós entendendo -o assim também, e por estar um pouco 
de accordo com o que Duarte Pacheco diz sobre este assumpto, transcrevemos aqui do cap. 3.^ 
do liv. 3.<*, da i.* Década, a parte em que João de Barros trata da descoberta do Congo por Diogo 
Cão, e dos padrões de pedra que este navegador ali aíTentou por ordem de D. João II, tanto na 
primeira como na segunda viagem. 

Como foi defcuberto o reino do Congo por Diogo Cam, cavalleiro da caja dEl-Rei; ealem d'eUe 
defcobrio dujentas & tantas léguas, em o qual de/cobrimento ajfentou três padrões, que foram 
05 primeiros de pedra^ etc. 

Ao tempo que El Rei mandou fafer eíla fortalefa de S. Jorge da Mina, já foi com propósito 
que por ella tomava poífe de toda aqueUa terra que habitavam os negros, com a qual pofle 
efperava de accrefcentar á fua coroa novo titulo de eftado por haver benção de feus avós, cujos 
títulos elles sempre conquiílaram de mão dos infiéis. E também por haverem effeito as doações 
que os Summos Pontífices tinham concedidas ao Infante D. Henrique, feu tio, & a £1 Rei 
D. Aflbmfo feu Padre, & a elle de todo o que defcobriílem do Cabo Bojador até ás índias inclu- 
fwéy (como atrás fica dito). Pêro não quiz notificar efle titulo de Senhor de Guiné em fuás cartas, 
& doações, fenio d'ahi a três annos, que efle caítello de S. Jorge era fundado, que foi depois que 
Diogo d'Azambu)a veio a efte Reino. Nem d'ahi por diante confentio que os capitães que man- 
dava a defcobrir eíla Cofia, pofeíTem cruzes de páo por os logares notáveis d'elle, como fe fafia 
em tempo de Fernão Gomes, quando defcobrio as quinhentas léguas de cofia por condicção do 
contrado que fez com elrei D. Affomfo ; mas ordenou que levaflem um Padrão de pedra d'altura 
de dois eflados de homem com o efcudo das Armas Reais defle Reino, e nas cofias delle \mi 
letreiro em latim, e outro em portuguez, os quaes diziam, que Rei mandara descobrir aquella 
cerra, & em que tempo, & porque capitam fora aquelle Padrão ali poflo, & em fima no topo uma 
cruz de pedra embutida com chumbo. E o primeiro decobrídor, que levou efle Padrão, foi Diogo 
Cam, cavalleiro de fua cafa, o anno de quatro centos & oitenta e quatro ; indo já pela Mina, como 
logar onde fe podia prover d'alguma neceffidade, de d'ahi foi demandar o Cabo de Lopo Gonfal- 
ves, que eflá um gráo da banda do sul. PafTado o qual Cabo, & aíiim o de Catharina que foi a 
derradeira terra que fe defcobrio em tempo dEl Rei D. Affomfo, chegou a um notável rio, na boca 
do qual da parte do fui metteu efle Padrão, como quem tomava pofie por parte d£l Rey de toda 
a cofia que deixava atras. Por caufa do qual Padrão, pêro que elle fe chamava SSo Jorge, por a 



^ Corpo Chroa., part, i.*, maç. 5., doe. iia. 
* 3.* claMc, t. IV., p. I.*, 1873. 



io8 5-fc> ESMERALDO DE SITU ORBIS (^ 

iingular devoçSo que £1 Rei tinha nefte fancto, muito tempo foi nomeado eíle no do Padrão, & 
ora lhe chamavam do Congo, por correr por um reino aflim chamado, que Diogo Cam eíla viagem 
defcobrio, poílo que o feu próprio nome do rio entre os naturaes é Zaire, mais notável & illuílre 
por aguas que i>or nome, porque o tempo que naquellas partes é o inverno, entra t&o foberbo 
pelo mar que a vinte léguas da coíla fe acham as fuás aguas doces 

Vindo os noflos em poder de um capitam que ElRei de Congo enviou, ao que Diogo Cam 
entregou os feus com algumas dadivas para £1 Rei, efpedifle (ficj d*elles, entrando em feu defco- 
brimento pela cofta adiante, na qual viagem paíTou eUe Diogo Cam alem deíle reino do Congo 
obra de dufentas léguas, onde poz dous Padrões, um chamado Sando Agoílinho, que deu o nome 
do Padrão ao mefmo logar, o qual eílá em trefe grãos d'altura da parte do fui, e outro junto da 
manga das areas, por rafão do qual fe chama o logar o cabo do Padrão, em altura de vinte & 
dous gráos. 



\ 
\ 



índice remissivo 



DOS 



NOMES HISTÓRICOS E GEOGRAPHICOS 



EDAS 



COUSAS MAIS NOTÁVEIS 



QUE SE CONTEEM N'ESTE VOLUME 



Açores — Vide Ilhas. das. 
ilien—- Vide Cidade de. 
Aferos (ou africanos) — Povos conquistados 

por Hafer, filho de Abrão-^Pag. S. 
Affonso IV (D.) — Auxilio prestado a seu genro 

D. AíTonso XI de Castella, na batalha de 

Selado em 1340 — Pag. 28. 
Affonso V (D.) — Conquistas e descobertas 

continuadas depois da morte do Infante 

D. Henrique — Pag. a. 

Conquistas em Africa — Pag. a5. 

-"^— Capitão da igreja, e da chrístan- 

dade na armada contra os Turcos -«Pag. 

39. 
Data do seu fallecimento e onde 



jax — Pag. 60. 
4ffoHS0 XI de CasteUa — Vide Affonso IV (D.) 
Agostinho (Santo) — Sua naturalidade '- Pag. 

3i. 
Agua — Vide Men», 

Vide Mancha. 

Aguas de Narba — Pag. 34. 

Aguilo — Vide Cabo de QhiIo. 

Agíàha de marear — Conhecimento necessa* 

rio para contar as marés-* Pag. aa 
Alarves^-V\áQ Enxovia. 
— > Vide Xarquia, 
Aiaquequas — Pedras de estancar sangue — 

Pag- 47- 
il/c^«r-o-velho — Monte onde está um cas» 

tello— Pag.23. 

— • Seguer — ^Vide Cidade de. 



Alcatrazes ^-Wiáe Hheta de. 
Aldeã de Anquee — A uma légua da foc do 
rio Cazé — Pag. 55. 

— de Portuga] — A duas léguas do Cabo de 
Palmas — Pag. 63. 

de Taguarim — A duas léguas da foz do 

rio Bítombo — Pag. 55. 

— Tebuu — Junto ao esteiro do rio For 
moso — Pag. 72. 

— — do Torto — A três léguas alem da bahia 
de Sama^ e três antes de S. Jorge da Mina — 
Pag. 68. 

Aldeãs — ^Vide Angra das. 

i4/e— Vide Porto de. 

Altncastre (Duque de) — Pae da Rainha D. Phi- 
lippa — Pag. 36. 

Alexandre VI (Papa) — Licença para os caval- 
leiros da Ordem de Christo e de Aviz pode- 
rem casar -^ Pag. 97. 

Alhamis — Vide Logar de. 

Almadias '^Barcos pareckioa com laçadeiras 
de tecer lâ, em que pescavam os naturáes 
da ilha de Palma— Pag. 63. 

---*- Barcos feitos de ura só pau, de que fazem 
uso os Jós — Pag. 73. 

-*^ Barcos em que navegam no rio do PadrSo 
ou Zaire — Pag. 83. 

— Vide Angra das. 

--— Com castellos á proa, usadas pelos pes- 
cadores do rio da Lagoa— Pag. 66. 
Almancora — Vide Villa de. 
Almedina — Vide Logar de. 
Ahnina — Vide Ponta de. 

Vide Porta de. 



no 



5^ ESMERALDO DE SITO URBIS (%i 



Amaro (Santo) — Vide Angra de. 

America — Tentativa da descoberta. Vide Pa^ 

checo (Duarte) . 
Anafe — Vide Cidade de, (Hoje Casa Branca ou 

Dar-el-Buda). 

Vide Fernando (D.) Infante. 

Ancoras — Vide Rio das, 

Anden — Vide Aden, 

Ande^es (ou Sousos) — Mercadores negros que 

negociavam na Mina — Fag. 69. 
André — ^Vide Rio de. 
Angra das aldeãs — A oito léguas do monte 

negro, descoberta por Diogo Cão — Pag. 85. 

das nimadias — A sete léguas aquém de 

Cabo Verde — 42. 

da Balea — A quinze léguas da angra da 

Conceição — Pag. 88. 

de Bisiguiche — Onde podem fazer aguada 



os navios que vão para a índia — Pag. 102. 
(ou bahia gorda). Enseada próxima 



de Cabo Verde — Pag. 48. 

dos cavallos — Porque lhe foi posto este 



nome — Pag. 40. 

da Conceição — Sua posição geogra- 



phica — Pag. 88. 
— de Gonçalo de Cintra — Distancia do rio 
do Ouro — Pag. 41. 

da Lagoa — A quinze léguas da aguada de 



S. Braz ; sua posição geographica, e de outra 
angra maior que tem duas léguas — Pag. 92. 

— do Rico — A quinze léguas da angra das 
Lagoas — Pag. 94. 

— dos Ruivos — Distancia a que fica do Cabo 
de Bojador — P. 39. 

A quarenta e cinco léguas das Caná- 



rias — Pag. 40. 

Distancia da angra dos Cavallos — 

Pag. 40. 

Derrota para a índia — Pag. 102. 



— de Ruy Pires — Sua posição geogra- 
phica — Pag. 87. 

— de Sagres — Residência do Infante D. 
Henrique — Pag. 37. 

— de Santa Helena — Doze léguas além do 



Pico — Pag. 89. 

de Santa Maria — Além da ponta de 



S. Lourenço — Pag. 83. 
— de Santo Amaro — A vinte e cinco léguas 
da Angra de Ruy Pires (das Neves, ou de 
Ruy de Pina) — Pag. 87. 

de S. Braz — A três léguas além do Cabo 



das Vaccas ; sua posição geographica, com- 
mercio e mais particularidades d'estelogar — 
Pag. 92 e 93. 

— das Voltas — Alem da terra das baixas, 
descoberta por Bartholomeu Dias, no reinado 
de D. João 11—- Pag. 89. 



Angra de Zibilique — A duas léguas do Cabo 
de Tafetana — Pag. 32. 

Anna (Santa) — Vide Cabo de. 

(Santa) — Vide Fuma de, 

Annes (Gil) — O primeiro que passou o Cabo 
do Bojador em 1434 — Pag. 39. 

Capitão dos navios do Infante D. Hen- 
rique — Pag. 40 e 41. 

Anquee — ^Vide Aldeã de. 

Antáo (Santo) —Vide Ilha de. 

Antheu — Escudo que trazia este gigante — 
Pag. 24. 

Antonio (Santo) — Vide Ilha de. 

Antre-fulcos — Vide Cabo de. 

Anthropophagos — Em Bafor — Pag. 44. 

Anpca — Terra além do Congo, muito para o 
certa o — Pag. 84. 

Angicos — Ferrados na testa em forma de ca- 
racol — Pag. 84. 

Apolónia (Santa) — Vide Serra de. 

Aranha — Na costa oriental — Pag. 45. 

Arca — Vide Cabo da. 

Archipelago — Vide Cabo Verde. 

Areaes do norte — Sua posição geograpbica — 
Pag. 87. 

Arguim — Vide Deserto de e Ilha de. 

Arrecife de Arzila — Graus de latitude — Pag. 
24 e 25. 

Em Liza — Pag. 24. 

Arras — ^Vide Maaloo. 

Anifila — Caminho para Canty — Pag. 3o. 

— - Tomada aos mouros em 24 de agosto de 
147 1 —Pag. 60. 

Vide Arrecife de. 

Asia — Tomou o nome da rainha que conquis- 
tou aquella região — Pag. 8. 

Atlante — ^Vide Monte. 

Atlântida — Pag. 10. 

Atis — Mercadores negros que iam negociar á 
Mina — Pag. 69. 

Audem — Vide Aden. 

Ávila — Promontório africano — Vide Ximeira. 

Axem — A seis léguas da serra de Santa Apolo - 
nia,onde foi mandada levantar uma forta- 
leza, e onde se fazia grande com mercio de 
ouro por artefactos da Barberiá — 67. 

Azambuja (Diogo de) — Edificador do castello 
de Mogador — Pag. 32. 

Edificador do castello de S. Jorge 

da Mina em 1482-^ Pag. 68. 

Capitão mór de nove caravellas e duas 



urcas, onde levou o material para a edifica- 
ção do castello de S. Joi^e da Mina — Pag. 69. 

A^amor — Vide Villa de. 

Vide Rio de. 

Afarpguis — l^ome dos naturaes de Aden — 
Pag. 43. 



f%;> índice remissivo <^ 



I II 



Baboys — Gatos do Cabo da Boa Esperança — 

Pag. 90. 
Bafoo (ou Ba&)— Vide Bafor (serra de). 
Bafor — ^Vide Serra de. 
Bahaa-baáo — Logar da comarca de Toom — 

Pag. 5i. 
Bahia de Masagão — Pag. 29. 

de Saama — Na costa da Mina — Pag. 68. 

Baixas — ^Vide Cabo das, 

Vide Terra das. 

Baixo de Santa Maria — Ao mar onde desem- 
boca o rio de Gambea — Pag. 5o. 
Baixos de Arguim — Vide Ilha de Arguim. 
Baiambam — Arvore das margens do rio Ca- 

nagua, cuja madeira é medicinal — Pag. 47. 
Baldaia (Aífonso) — Descobridor da Pedrada 

Galé em 1436 — Pag. 42. 
Balêa — Vide Angra da, 
Bambarra — Vide Hàbanbarranca (Reino de). 
Banbarranca (on Bambarra) — Vide fíaban- 

barranca. (Reino de). 
Bancoo — Logar pertencente á comarca de 

Cantor — Pag. 5a 
Banhauus — Naturaes do cabo de Verga — 

Pag. 54. 
Barbacis —Vide Rio dos Barbatis. 
Barbara (Santa) — Vide Rio de. 
Barbas — Vid. Cabo das. 
Barbatis — Vide Rio dos. 
Barreiras — Vide Rio das. 
Vermelhas — A seis léguas do rio Case — 

Pag. 55. 
Três léguas além do rio de Santo 

André— Pag. 66. 

— Além do cabo de Catharina — Pag. 



83. 

Batalha de Salado—Pag. 28, 3 1. 
Beaferes — Naturaes do rio Grande no reino 

de Mandiga— Pag. 53. 

Visinhos da serra Leoa — Pag. 56. 

Beíef da Gomeira— Vide Villa de. 
Bento (S.)— Vide Rio de. 
Beny (ouBenim)— Vide Cidade. 

Vide Reino. 

Befr— Vide Rio. 

Bicas — Esteiras de palma feitas na serra 

Leoa — Pag. 56. 
Bitombo — Vide Rio. 
Bipguiche ^Vide Angra de. 
Bóa Esperança — Vide Cabo da. 
— Vide Promontório da. 



Boa Vista --Wide Ilha da. 

Bojador — Posse do que se descobrisse além 
do promontório — Pag. 2. 

Vide Annes (Gil). 

Vide Cabo do. 

Vide Promontório do. 

Boroes — Mercadores negros que iam nego- 
ciar á Mina — Pag. 69. 

Bota (ou Bote) — Lingua de terra, ou baixo, a 
cincoenta léguas da serra de Fernão do Pó — 
Pag. 77. 

Vide Serra Bota. 

Boulooes — Naturaes da serra Leoa — Pag. 56. 

Naturaes de Harhouche — Pag. 60. 

Branco — ^Vide Cabo. 

Brandão (S.) — Vide Ponta de. 

Brapam —Vide Serra de. 

Brasil --Vide Latitudes. 

Brava — ^Vide Ilha. 

Bravas — Vide Ilhas. 

Bra^ (S.) — ^Vide Angra de. 

Bremuj — Mercadores negros que iam nego- 
ciar á Mina — Pag. 69. 

Bf5oi — Pag. 27. 

Buam — Vide Ilhas de. 

Buguubaa — Vide Rio. 

Bulanhão —Vide Logar de. 

Bulias — Concedendo só aos portugueses o 
fazerem descobertas e conquistas — Pag. 2. 

Busios—Wld. Zinhos. 



Caabite (ou Cabito) — Vide Rio de. 

Caaboos — Naturaes da serra de Fernão do 

Pó— Pag. 77. 
Cabito — ^Vide Caabite. 
Cabo de Aquilo (ou Quilo) — A cinco léguas de 

Meca — Pag. 36. 
da Arca — Proximo da Ponta Tofía, e do 

cabo da Boa Esperança — Pag. 44. 

d*antre-fulcos — Pag. 10, 29. 

das Baixas — No rio dos Cestos — Pag. 62. 

das Barbas — Distancia da angra de Gon- 



çalo de Cintra, e perigos da navegação — 
Pag. 41. 

— da Boa Esperança ~ Graus de distancia do 
rio Canagua — Pag. 45. 

Léguas da costa até Guarda-iiii — 



Pag. 46. 

Sua posição geographica; usos e 

costumes dos indígenas — Pag. 90. 



* Estt ptlavn, qne por Tcxes te encootra no mtnutcriptOi parece ter sido mal comprehendida pelo copista; deve talvez 
tignificar Sertfo. 



112 



5^ ESMERALDO DE SITU ORBIS <^ 



Cabo da Boa Esperança — Divisão da Africa, 

da Asia — Pag. 91. 
do Bojador — Distancia do cabo de NÍo — 

Pag. 38. 
Dífficuldades que houve para se 

passar — Pag. 3g. 

Costa deserta e brava — Pag. 41. 

Terra quasi deserta até Arguim — 

Pag. 43. 
Branco — Distancia do 



rio do Ouro 



Pag. 41. 



Pag. 42. 



Onde começam os baixos d Arguim. 

Como se deve fazer a navegação 
para o rio de Canagua — Pag. 44. 

— de Cameilo — A dez léguas da fuma de 
Cicor — Pag. 28. 

— de Canti (ou Cantim) — Costa de Marro- 
cos — Pag. 3o, 33. 

— de Catharina — descoberto no reinado de 
D. Affonso V — Pag. 2. 

A vinte léguas do rio das Barrei- 
ras — Pag. 79. 
Ultima descoberta no reinado de 



D. Affonso V — Pag. 79. 

— Carvoeiro. Distancia da pedra da Galé — 
Pag. 42. 

'-^ do Corço — três léguas além do castello 
de S. Jorge da Mina — Pag. 70. 

— Delgado — ^Vide Cabo da Praia. 

— de Espertei — Costa de Marrocos — Pag. 



24. 

Derrota para Canty — Pag. 3o. 

— Formoso — A cinco léguas dos ilhéus — 
Pag. 63. 

— deGuardafui — Entrada do signo arábico; 



estreito de Meca — Pag. 43, 45. 

— de Guer — Posição geographica; castel- 
los que tem na serra, etc. — Pag. 32, 33, 34, 
36. 

— Ledo — Caminho para a costa da Mala- 
gueta — Pag. 60. 

— de Lopo Gonçalves — A oitenta léguas da 
serra de Fernão do P6, e sua posição geo- 
graphica — 77, 78. 

— de Não — Onde começaram as descober- 
tas do Infante D. Henrique ; distancia a que 
fica do cabo Bojador — Pag. 36, 38. 

— negro — Sua posição geographica — 86. 

— do Padrão — A dez léguas dos areaes do 
norte — Pag. 87. 

— das Palmas — A dose léguas do cabo de 
S. Clemente — Pag. 65. 



CiUfo da Praia (ou cabo Delgado) — Entre o rio 
de S. Pedro e o de Santo André — Pag. 66. 

das Redes — A vinte léguas do cabo Cor- 
ço, ultimo logar da Africa Occidental onde 
ha ouro — Pag. 70. 

roxo — Sua posição geographica ^Pag. 52. 

de Santa Anna — Sua posição geogra- 
phica; caminho para a costa da Malagueta 
e da Mina — Pag. 60, 61. 

de Sem — Pag. 32, 

de S. Clemente — A cinco léguas da Lage 

Pag.— 65. 

— de S. Paulo — A dez léguas do rio da Volta 
— Pag. 71. 

de Sagres — A desoito léguas do cabo de 

Verga— Pag. 54. 

de Tafetana — Sua posição geographi- 



ca — Pag. 32. 

— das três pontas ^ — Sua posição geogra- 
phica; falta de commercio — Pag. 66, 67. 

— das Vaccas — A vinte léguas da ponta do 
Infante — Pag. 92. 

— Verde — Alem da angra dos Ruivos — 
Pag. 40. 



Sete léguas distante da angra das 
Almadias — Pag. 42. 

Distancia do rio de Canagua — Pag. 



46. 



52. 



Posição geographica-^ 47. 
Dois solesticios — Pag. 48. 
Asperido promontório — Pag. 48. 
Commercio — Pag. 48. 
Caminho para o cabo Roxo — Pag. 

Quasi dusentas léguas até á serra 

Leoa, e como se deve fazer a navegação 
para a mesma serra — Pag. 55, 57. 
Modo mais fácil de encontrar a der- 
rota pelo golfão, para a índia — Pag. 102. 

Vide Jlkas de 

de Verga — Distancia do rio Grande — 



Pag. 54. 
Ca^rflí— Vide Ilha das. 
Caçaca (ou cassassa) — Vide Villa de. 
Cacres — Mercadores negros que iam negociar 

á Mina — Pag. 69. 
Çajim (ou Safíi) —Vide Cidade de. 
Cairo — Vide Cidade do. 
Calecut — No mesmo parallelo do rio Grande 

em Africa — Pag. 53. 
Calles (ou Calle) — Navegada por Menelao — 

Pas. I. 
Calle ---ViáQ Villa de. Rio de e Torre de. 



A pag. 66 encoDtra-M — três ;wr — conforme está no numascrípto. 



^ índice remissivo í*^ 



ii3 



Calpe — Vide Promontório de. 
Camarões — Vide Rio dos, 
Camello — Vide Cabo do. 
Canagua^Wát Palmas de. 

Vide Rio de. 

Vide Sertão de. 

Vide -Rio Negro. 

Canárias — ^Vide Ilhas das. 

Canboas (ou Gamboas) — Vide Ponta das. 

Vide Rio das. 

Cannas de assucar — Mandadas vir da Sicilia 

para a ilha da Madeira — Pag. Sy. 
CannaviaJ — Vide Ponta do. 
Canopo — Vide Rio de. 
Canti (ou Cantim) — ^Vide Cabo de. 
Cantor — Vide Comarca de. 

— Vide Logar de. 

Cão (Diogo) — Descobridor do rio do Padrão 

ou Zaire — Pag. 83. 
Capes (ou Capelies) — Naturaes do cabo de 

Verga — Pag. 54. 
Caras de cão — ^Vide Comarca de Toom. 
Cartas de marear — Vide Jacome, (mestre) — 

Pag. 58. 
Carvoeiro — Vide Cabo. 
Casa do Cavalleiro — Sua posição geogra- 

phica — Pag. 3o. 
Casamança — Vide Rio de. 
Case — Dose léguas da ilha dos ídolos — Pag. 

55. 

Vide Rio de. 

Vide Teimenes. 

Castello d*Almamora — Vi4^ Leões. 

do Genovez — Em Larache — Pag. 25. 

Real — Em Mogadouro, edificado em 

i5o6 — Pag. 3a. 

de Santa Cruz — No cabo de Guer, man- 



dado edificar por D. Manuel^ Pag. 33, 34 

No cabo de Guer. Vide Lopes de 

Sequeira (João). 

de S. Jorge da Mina — Mandado edificar 



por D. João II — Pag. 68. 

Sua posição topographica — Pag. 69. 

Catharina — Vide Cabo de. 

Vide Promontório de. 

Cathay — ^Vide Região de. 
Cavalleiro — Vide Casa do. 
Cavallos — Vide Angra dos. 
Ceam — Pag. 10. 
Cebú —Vide Rio. 
Cestos — Vide Rio dos. 
Ceuta — ^Vide Cidade de. 

Vide Estreito de. 

Chalam — Vide Matta de. 

Chãos — Vide Hheos. 

China — Vide Região da. 

Chipan^és — Vide Satyros — Pag. 5^. 



Cicilia— Wide Cannas de assucar. 

Cicor — Vide Fuma da. 

Cidade de Aden— Pag. 43. 

de Alcacer-Seguer — Tomada aos Mou- 
ros em 19 de outubro de 1458 — Pag. 60. 

de Anafe — Gente que se perdeu na 

batalha do Salado — Pag. 27, 28. 

de Beny (ou Benim) — A dusentas léguas 

da Mina; sua importância — Pag. 70. 

de Çafím (ou Saffi) — Costa de mar desde 



Tingi — Pag. 10. 

Logares que lhe ficam próximos — 

Pag. 3i. 

— do Cairo — Navegação pelo rio Canopo — 



Pag. IO. 

— de Callô — Sua povoação — Pag. 26. 

Distancia de Fez — Pag. 27. 



— de Ceuta — Distancia de Alcacer-Siguer^ 
data da sua rendição, etc. — Pag. 8, 10, 23, 
25, 29. 

— de Fez — Por onde passa o rio Cebu — 



Pag. 27. 



Vide Reino de. 



— de Hogeebuu — Distancia da foz do rio do 
Lago — Pag. 71. 

de Jani, do reino de Tubucutu ou Tom- 



buctu — Grande commercio — Pag. 46. 

— de Marrrocos — Sinos que foram de Sevi- 
lha — Pag. 3i. 

— de Mequinez — A oito léguas de Fez — 



Pag. 29. 

— de Mogadoxo — Costa oriental — Pag. 45. 

— de Tanger — A cinco léguas de Alcácer — 
Pag. 10, 24. 

— de Teza — No reino de Fez — Pag. 29. 

— de Tingy ou Tanger — Pag. 10. 
de Xames — Destruida — Pag. 25. 



Cintra (Gonçalo de) — Vide Angra de. 

— (Pêro de) — Descobridor da serra Leoa — 

Pag. 57. 

Vide Rio de. 

Cithia (ou Sitia) — Vide Cathay. 

Clemente (S.) — ^Vide Cabo de. 

Co^fl/« — Naturaes da terra de Coya — Pag. 

62. 
Cobras -^De vinte pés de comprimento — Pag. 

47- 
Cobre — ^Vide Molde. 

Cocita (ou Cocinte) — Vide Logar de. 

Columnas de Hercules — Onde estavam situa* 
das, segundo a tradição — Pag. 22. 

Comarca de Cantor — A 1 5o léguas da foz do 
rio de Gambea — Pag. 5o. 

de Toom — Distancia de Mandinga; abun- 
dância de ouro ; rosto^ dentes e caras de cão; 
excentricidades no modo de commerciar — 
Pag. 5i. 



16 



114 



5^ ESMERALDO DE SITU ORBIS d^ 



Conceição — Vide Angra da, 

Congo — Vide Reino do. 

Conquistas — Posse das que se fizessem — 
Pag. 2. 

Constantinopla — Onde está situada — Pag. 8. 

Corço — Vide Cabo de. 

Coris — Contas azues com riscos vermelhos — 
Pag. 69. 

Corisco — ^Vide Ilha do. 

Corvo — Vide Penna do. 

Costa da Malagueta— Descoberta no reinado 
de D. Affonso II — Pag. 2. 

Caminho do cabo Ledo — Pag. 60. 

Seu commercio em quarenta lé- 
guas — Pag. 62. 

Finda no cabo das Palmas — Pag. 65. 



— de Mediterrâneo — Pag. 10. 

— de Melinde — Na costa oriental — Pag. 45. 

— da Mina (ou Sama) — Descoberta no rei- 
nado de D. Affonso V, oude se fez o pri- 
meiro resgate de ouro — Pag. 68. 

de Moçambique — Africa Oriental — Pag. 



45. 



de Patê — Africa Oriental — Pag. 45. 

de Quiloa — Africa Oriental — Pag. 45. 

(Sueiro da) — Descobridor do rio d*este 

nome no reinado de D. Aflbnso V — Pag. 67. 

Covro — Feira, em Jani — Pag. 46. 

Coy a — ^Vide Terra de. 

Crasso — Marco, derrota do seu exercito no 
Oriente — Pag. 3. 

Crw[ — Vide Ilhéu da. 

(Santa) — Vide Castellojde. 

Cruzados — de ouro — Mandados cunhar por 
D. Affonso V, para a despesa da guerra con- 
tra os turcos; seu valor 325 réis — Pag. 59. 

Crystal — ^Vide Rio do. 

Cuca-anpco — Nome que tinha o senhor da 
provincia de Anzica — Pag. 84. 

Cucurol — Vide Reino de, * 



D 



Danda (ou Dande) — Vide Bheus de. 
Dandam — Vide Porto de Danda. 
Descobertas — Licenças dadas pelos Papas aos 

reis de Portugal — 2. 
Opiniões sobre o melhor modo de se 

fazer o caminho para a índia — Pag. 86. 
Deserto de Arguim — Quasi dusentas léguas 

de largura e novecentas de comprimento, 

até Guardafui — Pag. 43. 

Oasis, ilhas de penedos — Pag. 43. 

Salinas — Pag. 43. 

Dias (Bartholomeu) — Descobridor da angra 

das Voltas — Pag. 89. 



Dias (Banholomeu) — Descobridor do cabo da 
Boa Esperança em i^SSfsicJ — Pag. 90. 

(Diniz) — Descobridor do rio de Cana- 

gua — Pag. 45). 

Domingos (S.) — Vide Rio. 

Duarte (Pacheco Pereira) —Vide Pacheco 
(Duarte). 



E 



Eguorebos — Naturaes do cabo das Palmas — 
Pag. 65. 

Elefantes —Vide Zaão, 

J?/-reí— Vide Porto de, 

Emloam — Nome que os naturaes da serra 
Leoa dão ao ouro — Pag. 56. 

Emsery —Vide Lagoa de, 

Em^a^e — Nome dado pelos naturaes ao rio 
do Padrão — Pag. 83. 

Encalhor^Viáe Reino de, 

Vide Rio de. 

Enxovia (Alarves da) — Pag. 26. 

Escobar (Pedro de) — ^Vide Santarém (João de) 

Escravos — Vide Rio dos, 

Vide Praia dos, 

Espartel — Vide Cabo de. 

Esteiras de palma — Vide Bicas. 

Esteves (Álvaro, de Lagos) — Um dos pilotos 
da nau de João de Santarém, e de Pedro de 
Escobar em 1471, notável pela sua estatura 
avantajada — Pag. 68. 

(Martins) — Um dos pilotos da nau de 

João de Santarém — Pag. 68. 

Estrabão (Marco) — Auctor do primeiro livro 
de cosmographia — Pag. i . 

Estreito de Ceuta — Pag. 29. 

-T — de Mçca — Pag. 43. 

Ethiopia — Introducção do fogo entre os povos 
bárbaros por Eudoxo — Pag. i. 

de Guiné — Possibilidade de ser nave- 
gada em todos os mezes do anno — Pag. 40. 

inferior, ou grande — Pag. lo. 

r Onde principia, e sua salubridade — 

Pag. 45. 

sob Egypto — Pag. 46. 

superior — Começo além do reino da Per- 
sia — Pag. 46. 

Ethiopias — Quantidade de léguas da costa — 
Pag. 46. 

Ethiopios sob Egypto — Visinhos do cabo de 
Guardafui — Pag. 43. 

Eudoxo — ^Vide Ethiopia, 

Eugénio IV (Papa) — Bulia para se continua- 
rem as descobertas e conquistas — Pag. 2. 

Primeiro que outorgou a licença 

para se fazerem as descobertas e conquistas 
nos mares africanos — Pag. 38, 



5^ índice remissivo í*^ 



ii3 



Europa — Filha de Agenor — Pag. 8. 

Exale — Arrabalde de Calle onde se sepulta- 
vam os reis de Fez — Pag. 26. 

ExcommunkÔes — Aos príncipes estrangeiros, 
que tentassem fazer descobertas nos mares 
navegados pelos portugueses — Pag. 2. 



Faludo — A duas léguas do cabo roxo -^ Pag. 52. 
Fedungas — Naturaes do cabo de Verga — Pag. 

54- 

Famenda — Feira importante iio cabo de Ver- 
ga— Pag. 54. 

Fedala — Vide Ilhetas de. 

Feira de Tabucutu (ou Tambucutu) — Onde 
se faz grande commercio de sal — Pag. 43. 

Feleu — Nome que dão a uma pedra que inter- 
rompe a navegação do rio de Canagua — 
Pag. 47. 

Fernandes (Ruy) — Feitor de Çafim, ou Saffi — 
Pag. 35. 

Fernando Infante (D.) — Tomada de Anafe — 
Pag. 27. 

Ferrarias — ^Vide Serra das. 

Ferro — Abundância na serra Leoa — Pag. Sj. 

Fef— Importância do seu commercio — Pag. 

34. 
Vide Cidade de. 

Vide Reino de. 

Flamengos -^Víáe Praia dos Escravos. 

Fogo —Vide Ilha do. 

Fontes — Vide Penedo das. 

Forcados — Vide Rio dos. 

Formoso — ^Vide Cabo. 

Fornilho — Monte junto ás lagoas do rio de 

Larache — Pag. 26. 
Fortalesa — Mandada fazer por D. João II, a 

três léguas da aldeia de Taguarim — Pag. 55. 

de Tamarate — Pag. 33. 

de Tucurumu (ou Tucarume) — Pag. 33. 

Turocuco — Pag. 33. 

Forte Ventura — ^Vide Hha de. 

Freitas (Lançarote de) — Descobridor do rio 

de Canagua — Pag. 45. 
Fúlcos — ^Vide Cabo dUante-Fulcos. 
Fuma da Cicor — Pag. 28. 
de Santa Anna — Enseada além da costa 

da serra Leoa — Pag. 60. 



Gama (Vasco da) — Expedição em 1497-^ 
Pag. 3. 

Modo como iam equipados é apa- 
relhados os quatro navios, em que foi á des- 
coberta da índia, e despesas que se fizeram — 
Pag. 99. 

Descobridor do rio do Infante até 



Gabam (ou Gabão) — ^Vide Rio de. 
Gcdé—Tiáe Pedra da. 
Galinhas — Vide Rio das. 



Melinde, onde soube novas da índia — Pag. 
99. 

Partida pdra a índia em 8 de junho 

de 1497, e mercês que recebeu no regresso — 
Pag. 100. 

Gambea — ^Vide Rio de. 

Vide Terra de. 

Gamboas — ^Vide Canboas. 

Ganges — ^Vide Rio. 

Gatos do Cabo — Vide Babqys. 

Genove![ — Vide Castello do. 

Vide Resgate do. 

Gibatidor — Nome da terra por onde passa o 
rio de Gambea — Pag. 5o. 

Gibel ou Montes Claros — Pag. 35. 

Gil-Ánnes — ^Vide Annes-Gil. 

Gibraltar — Proximo de onde se deu a batalha 
do Salado — Pag. 28. 

Vide Monte de. 

Golfão de Meca — Pag. 46. 

Gonçalo (de Cintra) — ^Vide Cintra, (Gonçalo 
de). 

Gonçalves Antão — Alcaide-mór de Thomar, 
descobridor de Arguim — Pag. 44. 

Lopo — Descobridor do cabo do mesmo 

nome — Pag. 78. 

Baldaia (AfFonso) — Copeiro do Infante 

D. Henrique — Pag. 40, 41. 

Neto (Pedro) — Capitão que em 1476 foi 

á praia dos Escravos, onde resgatou o ouro 
e mais espolio de uns flamengos, que alli se 
perderam, e foram comidos pelos negros — 
Pag. 64. 

Grande — Vide Rio. 

Guabuu — Vide Rio de Gambea. 

Gualteiros ou Gualíiros — Carapuços com re- 
buço, liados pelos negros pescadores do rio 
da Lagoa — Pag, 66. 

Guardafui — Vide Cabo de. 

Guer — ^Vide Cabo de. 

Guerreira (ou guerreiro) — Vide Serra. 

Guey (ou Nhunho) — Nome dado aos escravos 
na ilha de Palma — Pag. 63. 

GuilOy (Guiloo ou Quilo) — ^Vide Aguilo. 

Guiné — Descoberta — Pag. i . 

Posse do que estava descoberto, e se des- 
cobrisse — Pag. 2. 

Nome da costa desde o rio de Canagua 



até ao cabo de Boa Esperança — Pag. 45. 
— Vide Rios da costa de. 



ii6 



5^ ESMERALDO DE SITU ORBIS (^ 



Guoguolys (ou Guoguoliis) — Naturaes do rio 
Grande, no reino de Mandinga, e do cabo 
de Verga — Pag. 53, 54. 

Guorgonas ou Gorgonas — Nome antigo dado 
ás ilhas dos Açores — Pag. 58. 



H 



Habanbarranca — Vide Logar de, 

Hacanys — Mercadores negros que iam nego- 
ciar á Mina— Pag. 69. 

Haguost — Vide Logar de Aguast. 

Haranha — Vide Aranha, 

Harhouche — Vide Povoação de. 

Hasperides ou (Asperídes) — Vide Ilhas de 
Cabo Verde, 

Hajara — Vide Terra de. 

Helena (Santa) — Vide Angra de. 

Henrique Infante (D.) — Iniciador das desco- 
bertas, e povoador — Pag. i . 

Data do seu fallecimento, em i3 de 

novembro de 1460 — Pag. 2, 38, 58. 

Descobertas que mandou fazer— 



Pag. 36. 

Terceiro filho de D. JoSo I e D. Fi- 

lippa — Pag. 36. 

Governador do mestrado de Chris- 



to — Pag. 37. 

Tomada de Ceuta — Pag. 37. 

Revelação que teve para descobrir 

as ethiopias de Guiné — Pag. 37. 

Nunca bebeu vinho ; nSo conheceu 



mulheres, e usava de cilícios — Pag. 37. 

Fim das suas descobertas — Pag. 57. 

Descobridor da Guiné até á serra 

Leoa — Pag. 58. 

Vidas e despezas que custaram os 



descobrimentos das ethiopias — Pag. 85. 

Hercules — Vide Columnas de. 

Hespanha — Tomada pelos mouros em 719 — 
Pag. 3i. 

Hogeebuu — Vide Cidade de. 

Hooguanee ou papa dos negros — Potentado 
a cem léguas do reino de Beny-^Pag. 72. 

Huela — Naturaes das margens do braço di- 
reito do rio dos Forcados — Pag. 74. 

Huguatoo — Vide Villa de. 

Hytemosy — Vide Logar de. 



ídolos — Vide Ilhas dos. 

Iguon — Nome que no Beny dão aos busios 

que servem de moeda — Pag. 84. 
Ildefonso (S.) — Vide Rio de. 



Ilha — Vide Rio de Mamora. 

de Arguim — CasteUo mandado edificar 

por D. Affonso V — Pag. 42. 

(Baixos) — Pag. 42. 

(Deserto de) — Pag. 44. 

*— Sua posição geographica — Pag. 44. 

Vide Mendes de Évora (Sueiro). 

da Boa Vista — No archipelago de Cabo 



Verde — Pag. 48. 

— Brava — No archipelago de Cabo Verde — 
Pag. 48. 

— do Corisco — A vinte léguas da serra 
Bota — Pag. 77. 

— de Fernão de Pó — Sua posição geogra- 



phica — Pag. 76. 

— do Fogo — Archipelago de Cabo Verde — 
Pag. 48. 

— de Forte Ventura — Uma das sete ilhas 
pertencentes ás Canárias — Pag. 40. 

— da Madeira — Descobrimento e povoa- 



ção — Pag. I, 57. 

— * Dizima do seu rendimento ao mes- 
trado da Ordem de Christo — Pag. 38. 

Rendimento no principio do século 



XVI— Pag. 58. 

Onde primeiro se fizeram as cartas 

de marear — Pag. 58. 

de Maio — Archipelago de Cabo Verde — 



Pag. 48. 

— Meroe — Entre 



os braços do Nilo — 
Pag. 9. 

— do Mogador— Pag. 3 1, 32, 33. 

— de Palma — Proximo da angra de Bizi- 
guiche — Pag. 48. 

A trcs léguas dos rios dos CestQS — 



Pag. 63. 



Preço da malagueta — Pag. 63. 



— do Principe — Descoberta no reinado de 
D. João II — Pag. 79. 

de Santa Luzia — Archipelago de Cabo 



Verde— Pag. 48. 

— de Santo Antão — Archipelago de Cabo 

Verde — Pag. 48. 

de Santo Antonio — Descoberta e po- 



voada por D. João II — Pag. 2. 

(ou do Principe) — A vinte léguas 

de S. Thomé — Pag. 79. 

de S. Nicolau — No archipelago de Cabo 



Verde— Pag. 48. 

— de S. Thiago — No archipelago de Cabo 

Verde — Pag. 48. 

de S. Thomé — Descoberta e povoada 



por D. João II — Pag. 2. 

A sessenta léguas do cabo de Lopo 

Gonçalves — Pag. 78. 
— de S. Vicente — Dizima do seu rendi- 



mento ao mestrado de Chrísto — Pag. 38. 



i^ índice remissivo a^ 



117 



Ilha de S. Vicente — Archipelago de Cabo 

Verde— Pag. 48. 
de Turulo — No cabo de Sant'Anna — 

Pag. 61. 
Ehas — Posse das que se descobrissem — 

Pag. a. 
dos Açores — Dizima do seu rendimento 

ao mestrado de Chrísto — Pag. 38. 

Mandadas povoar pelo Infante D. 

Henrique — Pag. 58. 

— Bravas — A seis léguas do Cabo Ledo, da 
Serra Leoa — 60. 

— de Buan — Na foz do rio Grande — Pag. 
5a. 

— de Cabo Verde (ou Asperídes) — Pag. 48. 
mandadas descobrir pelo In&nte 

D. Henrique — Pag. 49. 

Estéreis por falta de chuvas, e vizi- 
nhas do trópico de Cancer— Pag. 49. 

— das Cabras — A meia légua do no Mon- 
dego — Pag. 84. 

— Canárias. Vide Ilha de Forte Ventura. 

— dos ídolos — Uma légua ao mar de Cabo 



de Sagres, em Africa — Pag. 54. 

Distancia da ponta da Serra Leoa — 



Pag. 56. 

Hheta de Alcatrazes — A dez léguas do Cabo 
de Verga — Pag. 54. 

Jlheo da Cruz — Descoberto no reinado de 
D. João II — Pag. 2. 

Novo estudo da costa oriental — 

Pag. 3. 

(ou Penedo das Fontes) — Onde 

Bartholomeu Dias poz um padrão — Pag. 94. 

Ilheos — A duas léguas da ilha de Palma. Abun- 
dante em guano das aves — Pag. 63. 

Chaõs — A dez léguas do Ilheo da Cruz — 

Pag. 94. 

de Dande (ou de Ande) — A quatro lé- 
guas do cabo das Três Pontas — Pag. 68. 

Ilhetas de Fedala — Proximo das ilhas do 
mesmo nome — Pag. 27. 

índia — Região navegada por Menelau — Pag. i. 

-^— Fundamento para se descobrir — Pag. a* 

Braço do Nilo . que por ella passa — 

Pag. 10. 

Derrota que devem seguir os navios que 

vão de Portugal — Pag. loi. 

Quatro nul léguas distante de Portugal — 

Pag. loi. 

Em que mezes se devem aprestar as nãos 

para seguirem viagem, e como devem ir apa- 
relhadas — Pag. 101. 

Vide Reino da Persia, 

baixa. Vide Malabar. 

índias — Posse das terras indianas que se des- 
cobrissem — Pag. a. 



Infante (João) — Companheiro de Bartholomeu 
Dias, e descobridor do rio a que deu o nome—* 
Pag. 94. 

-^ — Vide Ponta do. 

Vide Rio do 



Jaalomansa — Rei das terras do Cabo de Ver- 
ga— Pag. 54. 

Jacome (mestre) — Mandado vir de Malhorca, 
pelo Infante D. Henrique, para ensinar a 
fazer cartas de marear — Pag. 58. 

Jcdancoo — Vide Logar de, 

Jalo/o-^EscTSiyos negros vendidos em Cabo 
Verde — Pag. 4a. 

— ^ Vide Reino de, 

Jamnam-sura — Vide Logar de, 

Jani — Vide Cidade de, 

João /(D.) — Conquistas em Africa — Pag. a5. 

// (D.) — Quantidade de léguas de costa 

descobertas no seu reinado — Pag. a. 

Sua morte em 1495, e tempo que 



reinou— Pag. 94. 

Feito cavalleiro aos 16 annos na 



tomada de Arzila — Pag. 8a. 
_ (S.) — Vide/íio Je. 

(Infante) — Vide Infante (João). 



Jós — Naturaes do sertão além de Subou, e de 

outros pontos de Africa — Pag. 73, 74, 75. 
Junco — Vide Rio do. 



Lage-^A sete léguas da praia dos Escravos^ 
onde ha a melhor malagueta — Pag. 64. 

Lago — Vide Rio do. 

Lagoa — ^Vide Angra da, 

Vide Rio da. 

de Emsery — No deserto de Arguim — 

Pag. 43. 

Meons — ^Perto de Constantinopla — ^Pag. 8. 

de Ydamen — No deserto de Arguim — 

Pag. 43. 

Lagoas do Nilo— Pag. 9. 

Lama — Costa oriental — Pag. 45. 

Lanbens — Principal mercadoria que se nego- 
ceia na Mina — Pag. 69. 

Larache — Vide Rio de. 

Vide Villa de. 

Lotaria (o\i Paludemeon) — ^Vide Mar de. 

Latitudes de diversos logares — Tabeliã dos 
graus — Pag. i5. 

de diversos logares do Brasil — Tabeliã 

dos graus — Pag. 16. 

Ledo-^Viát Cabo. 

Leoa —Wide Serra, 



ii8 



^ ESMERALDO DE SITU ORBIS (^ 



Ledes — Que despovoaram o castello de Al- 

mancora — Pag. 27. 
Letras apostólicas — Em favor dos portugue- 
ses para fazerem descobertas e conquistas/e 

povoarem — Pag. 2, 38. 
Libia ou (Liberia) — A primeira parte de Africa 

— Pag. 10. 
Libico — Vidç Mar, 
Licó-sagucu —Nome do rei de uma terra que 

fica cem léguas ao levante de Beny — Pag. 72. 
Liftf — ^Vide Arrecife em. 
Logar de Aguost ou Haguost — Pag. 36. 

de Alhamiz — Pag. 3i. 

de Almedina — Pag. 3i. 

de Bulanhão — Pag. 3i. 

de Cocita — Pag. 3i. 

de Habarranca — Na comarca de Toom — 

Pag. 5i. 

de Hytemosy — Pag. 36. 

deJalancoo — Comarca de Cantor — Pag. 

5o. 



— de Jamnam-sura — Comarca de Cantor — 
Pag. 5o. 

— de Marzy — Perto de Aden — Pag. 44. 

— de Quynamo — A vinte e cinco léguas da 



foz do rio das Palmas — Pag. 61. 

de Sama — Na margem do rio de S. João^ 



onde se chamava a Mina — Pag. 68. 

— de Singuyty — Perto de Aden — Pag. 44. 

— de Sutucoo — Com arca de Cantor onde se 



faz uma feira de gado asinino — Pag. 5o. 

de Taguost — Pag. 36. 

de Tedenez — Despovoado — Pag. 3i. 

de Tycioguone — Pag. 36. 

de Tynigunhi — Perto de Aden — Pag. 44. 

de Vetuu — Comarca de Toom — Pag. 5i. 

Longitudes de diversos lugares — Tabeliã dos 
graus — Pag. 11. 

Lopes de Azevedo (Fernão) — Embaixador ao 
Papa Eugénio IV — Pag. 38. 

de Sequeira (JoSo) — Edificador do cas- 
tello de Santa Cruz no cabo de Guer — Pag. 
33. 

Lopo (Gonçalves) —Vide Gonçalves (Lopo). 

Lourenço (S.) — ^Vide Ponta de. 

Ludea — Raça de alarves qne vivem perto de 
Aden — Pag. 44. 

Lu^ia (Santa) — Vide Ilha de. 



M 



Maaloo — Nome que os Teymines dSo ao 

arroz — Pag. 56. 
Maçar eo — Força de agua no rio Grande — 

Pag. 52. 
Madeira — Vide Ilha da. 



Maio —Vide Ilha de. 

Malabar (ou índia baixa) — Descoberta no rei- 
nado de D. Manuel — Pag. 3. 

Malagueta — Vide Costa da, 

Vide nhã de Palma. 

Malhorca — Vide Uha de. 

Mamara — Vide Rio de. 

Mancha — Nome que os Teymenes dão á 
agua — Pag. 56. 

Mandinga — Por onde passa o rio de Canagua, 
pelo sul — Pag. 46. 

Negros — Pag. 42. 

Ao sul de Guabuu — Pag. 5o. 

Mzmfin^a5— Mercadores negros que iam nego- 
ciar á Mina — Pag. 69. 

Manga das areas — Além da Angra das Aldeias 
Pag. 86. 

Mani — ^Vide Many. 

Manicongo — Descoberto no reinado de 
D. João II — Pag. 2. 

Missionários, e artigos do culto man- 
dados por D. João II — Pag. 84. 

Senhor do Congo em lingua indigena — 



Pag. 83. 

— Vide Reino do. 



Manuel (D.) — Léguas de terreno ignorado, 
descobertas no seu reinado — Pag. 3. 

Licença impetrada para os caval- 

leiros da ordem de Christo, e de S. Bento 
de A viz poderem casar — Pag. 97. 

Riqueza que vinha da índia no seu 



reinado — Pag. 101. 

Manjr — Senhor em lingua do Congo — Pag. 
83. 

Mar de Lataria (ou Paludemeon) — Pag. 8. 

Libico (ou da Liberia) — Pag. 10. 

Roxo — Graus de latitude — Pag. 43. 

Ruivo — Pag. 46. 

Marés — Explicação do modo como se devem- 
contar — Pag. 19. 

Maria (Santa) — Vide Angra de. 

Vide Baixo de. 

Vide Matta de. 

Marrocos — Vide Cidade de, 

Martinho V (Papa) — Bulia para se principia- 
rem as descobertas e conquistas — Pag. 2. 

Mastros — Vide Cabo dos. 

Matta de Chalam — Na boca do rio de Cana- 
gua— Pag. 44,45. 

de Santa Maria — A duas léguas do caba 

Mesurado — Pag. 62. 

Mattas (ou moitas) — A doze léguas das barrei- 
ras vermelhas, adeante do cabo de Catha- 
rina — Pag. 83. 

Mauritania — Pag. 10, 23. 

Ma^agão — Vide Bahia de. 

Meca — Vide Estreito de. 



^ índice remissivo (^ 



119 



Jdèca— Vide Goifão de. 

Vide Praia de. 

Vide Rio de, 

Medòes de areia, — a dezesete léguas do Cabo 
Negro — Pag. 87. 

Mediterrâneo — Vide Costa do. 

Meliapor — Cidade destruída na índia — Pag. 3. 

JWe/iV/a—Vide Villa de. 

Melinde — Vide Costa de. 

Jdeluia— Wide Bio. 

Mella (Pamponio) — Livro de Situ orbis — 
Pag. 98. 

Men — Nome que os naturais da serra Leoa 
dão á agua — Pag. 56. 

Mendes de Évora (Sueiro) — Alcaide-mór e edi- 
ficador da fortalesa da ilha de Arguim — Pag. 
42. 

Mene/rfo— Navegador cartaginez-*Pag. 23. 

Meons — Vide Lagoa. 

Mequinej — Vide Cidade de. 

Merohe — Vide Ilha. 

Mestrado de Christo — ^ Vintena dos resga- 
tes— Pag. 38. 

Mesurado — Vide Cabo. 

Mina — Noticias relativas ao seu commercio^ 
fauna, flora, hábitos dos indígenas, etc. — 
Pag. 69. 

Vide Mumu. 

- — Vide S. Jorge da. 

de Sofala — Além do cabo da Boa Espe- 
rança — Pag. 45. 

Moçambique — Vide Costa de. 

Mogador — Vide Ilha de. 

Mogadoxo — Vide Cidade de. 

Molele — Nome que os indígenas do Congo 
dão ao cobre — Pag. 84.' 

Mombaça — Vide Costa de. 

Momos — Vide Rio dos. 

Mondego — Vide jRio de. 

Monte — ^Vide Cabo de. 

Atlante— Pag. 10, 35, 36. 

de Gibraltar ou Calpe — Pag. 22, 23. 

negro — Vide Ponta preta. 

do pão do não (ou da nau) — A cinco 

léguas do cabo das redes — Pag. 70. 

-i Sermil — Pag. 23. 

Montes claros — A dose léguas de Meca — 
Pag. 35. 

Vide Gibel. 

Vide Serra de. 

eperboreos na China — Pag. 10. 

da lua — Onde nasce o Nilo — Pag. 9, 90, 

Rífeus — Pag. 8. 

de S. Paulo— Vide Bio de S. Paulo— 



N 



Nanuus — ^Vide Bio. 

Não — Vide Promontório de. 

Narba — Vide Aguas de. 

Negro — Vide Bio. 

Nhunho (ou Guey) — Nome dado aos escravos 

na ilha de Palma — Pag. 63. 
Nicoldo (S.) —Vide Ilha de. 
Nilo -Vide Bio. 

Vide Lagoas. 

Noruega — Mar de — Pag. 10. 
Awiio— Vide Bio de. 



O 



Oaps-—Wide Deserto de Arguim. 

Oojçaa — Quadrumanos de Beny — Pag. 72. 

Opuu — Terra de negros a cem léguas da foz 

do rio Formoso — Pag. 73. 
Ophir (Mina de) —Vide Sofala. 
Orang-o^tangos — Pag. 56. 

Vide Oojaa. 

Ouro — Vide Bio do. 

Vide Tebongo. 

Vide Viqua. 

da Guiné — Pag. 3i, 36, 37, 41, 43, 44^ 

45, 46, 47, 49, 53, 54, 5Sy 56^ 58, 60, 61, 62, 

67, 68, 69, 70. 



Pacheco (Duarte) — Descobertas e estudos que 
fez por ordem de D. João II — Pag. 2. 

Pratica da navegação — Pag. 3. 

Explica o modo como tenciona 

escrever o seu livro, e o nome que lhe dá — 
Pag. 4. 

Encarregado de estudar a costa 



oriental, e fazer um roteiro — Pag. 4, 
Convite de D. Manuel para desco- 
brir a America em 1498 — Pag. 7. 

Sua naturalidade — Pag. 40, loi. 

Grande pratica da navegação do 

cabo das Palmas, costa da Malagueta, etc. — 
Pag. 65, 66. 

Companheiro de Diogo de Azam- 



Pag. 62. 
Mumu — Nome que os indígenas dão á provín- 
cia da Mina — Pag. 70. 



buja na edificação do castello de S. Jorge da 
Mina — Pag. 69. 

Queixa por lhe censurarem o tempo 

gasto na descrípção das terras e províncias, 
cujo conhecimento tantas fadigas e trabalhos 
mal pagos lhe custou — Pag. 73. 
Queixa contra os críticos, murmu- 



radores e maldizentes — Pag. 75, 81. 



I20 



ffc) ESMERALDO DE SITU ORBIS (^ 



Pacheco (Duarte) — Desgosto por serem quasi 
desertas e de pouco proveito as terras des- 
cobertas no reinado de D. João II — Pag. 
82. 

Deplora a muita despeza e o pouco 

proveito que se tirou das descobertas feitas 
no reinado de D. João II, exceptuando o 
ter íicado aberto o canúnho por mar para 
a índia — Pag. 93. 

Padrão de pedra — Com três letreiros, posto 
por Diogo Cão, no rio a que o mesmo pa* 
drão deu o nome — Pag. 83. 

No cabo do mesmo nome, posto por Diogo 

Cão — Pag. 87. 

Posto no Ilheo da Cruz, ou Penedo das 

Fontes, por Bartholomeu Dias, em 1488. — 
Pag. 94. 

Pa/ma— Vide Hha de. 

Palmas — Vide Cabo das. 

Vide Rio das. 

de Canagua — A barlavento do rio d'este 

nome — Pag. 44. 

Paludemeon (ou mar de Lataria) — Pag. 8. 

Panos lanbens — Vide Lanbens. 

de palma — Com lavores, feitos no Con- 
go— Pag. 84. 

Pão do não (ou da nau) — ^Vide Monte do. 

Pate^Wiáe Costa de. 

Paulo (S.)— Vide Cabo de. 

Vide Rio de. 

Vide Montes de. 

Pedra da ugualé ou da galé — Descoberta por 
Affonso Baldaia em 1436 — Pag. 42. 

Pedras — Vide Ponta das. 

de estancar sangue — Vide Alaquequas. 

do norte (ou praia das pedras) — Sua 

posição geographica — Pag. 87, 88. 

Pedro (S.)— Vide Rio de. 

Pena — Vide Serra da. 

Penedo das fontes — A cinco léguas da angra 
do Rico, descoberto por Bartholomeu Dias — 
Pag. 94. 

Vide Ilkeo da Cruf. 

Penna do Corvo — Entre Gibraltar e Tarifa — 
Pag. 28. 

Pequeno — ^Vide Rio. 

Persia — Vide índia. 

Vide Reino da. 

Pescadores — ^Vide Rio dos. 

Pescarias — Posse das que se adquirissem — 
Pag. 2. 

Nos mares africanos — Pag. 23, 24, 26, 

27, 29, 3o, 33, 34, 40, 41, 49, 5o, 5i, 54, 63, 
66, 68, 69, 77, 83, 85, 86, 89, 90, 92. 

Pichel—ViáeRiodo. 

Pico — A vinte e cinco léguas da lombada da 
serra da Pena — Pag. 89. 



Pilaso —Promontório de que Ptholomeu falia — 
Vide Cabo da Boa Esperança — Pag. 90. 

Pio //(Papa) — Bulia da cruzada — Pag. 59. 

Pó (Femam do) — Descobridor da ilha do mes- 
mo nome no reinado de D. Affonso V — Pag. 

76. 

Vide Serra. 

Vide Ilha. 

Poios — Descripção — Pag. 1 6. 

Polygamia — Entre os indigenas do Congo — 
Pag. 84. 

Ponta de Almina — Pag. 23. 

do Canavial — 3o, 3 1 . 

das Canboas (ou Gamboas) — A vinte 

léguas da ilha das Cabras, descoberta por 
Diogo Cão— Pag. 85. 

do Infante — Além da ponta de S. Bran- 
dão — Pag. 92. 

das pedras — A seis léguas da manga das 



areias — Pag. 86. 

— da Praia — A doze léguas da angra de 
Santa Helena — Pag. 89. 

— preta e monte negro — A dezoito léguas 



da angra d& S. Lourenço — Pag. 85. 

— de S. Brandão — A leste do Cabo da Boa 

Esperança — Pag. 92. 

de S. Lourenço — Sua posição geogra- 



phica — Pag. 85. 

— Toíia — Proximo do rio de S. João — 



Pag- 44- 

Porta de Almina — Por onde foi tomada Ceu- 
ta— Pag. 37. 

Porto de Ale — A duas léguas do cabo dos 
Mastros, e dez de Cabo Verde — Pag. 49. 

de Dandam (ou Dande) — A seis léguas 

de Cabo Verde — Pag. 49. 
d*el-rei — Pag. 23. 



Portos — Posse dos que se descobrissem — 

Pag. 2. 
Portugal — ^Vide Aldeia de. 
Povoação de Harhouche — Na margem do rio 

de Canboas ou Gamboas — Pag. 60. 
Praia— Vide Cabo da e Ponta da. 
dos Escravos — A quatro léguas do rio 

de S. Vicente — Pag. 64. 
Flamengos que foram á Mina em 



1475 e alli se perderam — Pag. 64. 
■^— de Meca — Sua posição geographica — 
Pag. 36. 

das pedras — Vide Pedras do norte. 



Primeiro — Vide Rio. 

Principe — ^Vide Hha do. 

Promontório da Boa Esperança — Grãos de 
latitude — Pag. 11. 

Oito léguas da ponta da praia. Des- 
coberto por Bartholomeu Dias, no reinado 
de D. João II — Pag. 90. 



f^ índice REMISSIVO (^ 



121 



Promontório de Bojador — Passagem — Pag. i. 

de Calpe — Vide Gibraltar — Pag. 22|23. 

de Catharína — Ultima descoberta no rei- 
nado de D. Affonso V — Pag. 2. 

de Nio — Passagem — Pag. i. 

Posse do que se descobrisse além 

d'elle — Pag. 2. 

PfAo/ometi— Taboas — Pag. 98. 



Quiloa — ^Vide Costa de. 
Quynamo — Vide Logar de. 

R 

Ramos — ^Vide Rio dos. 

Roxeie — Vide Canopo. 

Real-^Vlde Rio. 

Redes — Vide Cabo das. 

Região da China — Pag. 10. 

de Catfaay — Pag. 10. 

Rei de Fez — Cem mil cavallos em pi de guer- 
ra — Pag. 34. 

Reinei (Rodrigo) — Feitor em Aden — Pag. 43. 

Reino de Beny (ou Benim) — Oitenta léguas de 
comprido e quarenta de largo — Pag. 72. 

do Congo — Principia no rio do PadrSo 

ou Zaire — Pag. 83. 

de Cucúrol — Confinante com o rio de 



Canagua — Pag. 46. 

— de Encalhor — Wide Mandinga — Pag. 5o. 

— de Fez — Pag. 29, 34. 

— de Habanbarranca — Pag. 5i. 

— de Jalofo — Ao norte do GabSo, gente de 
que dispõe para a guerra; usos e costumes, 
e extensão dos terrenos — Pag. 4$^ 46, 5o. 

— de Manicongo — Conversão dos natu- 
raes — Pag. 37. 

— da Persia— Pag. 46. 

— de Tabucutu — Junto a uma das lagoas 



do Nilo — Pag. 46, 47. 

— de Tremecem — Pag. 34. 

de Tucurol — Até onde chega a maré» 



e pode ser navegável o rio de Canagua — 

Pag- 47- 
Resgate do Genovez — A três léguas do cabo 

Formoso — Pag. 64. 

Resgates — Posse dos que se adquirissem — 
Pag. 2. 

Rico — ^Vide Angra de. 

Rio das Ancoras — Além do rio de S. Domin- 
gos — Pag- 52. 

André — A vinte e cinco léguas do rio de 

S. Pedro — Pag. 66. 



Rio de Azamor — Vide Villa (aliás cidade). 

dos Barbatis — Muito aparcelado, e abun- 
dante em fontes de agua doce — Pag. 49, 5o. 

das barreiras — A vinte e três léguas do 

cabo de Lopo Gonçalves — Pag. 79. 

Bety — A sete léguas de Fez — Pag. 27. 

Bitombo — Proximo da serra Leoa — 

Pag. 55. 

Buguubaa— Afluente do rio Grande — 

Pag. 53. 

de Caabite (ou Cabito) — A quatro léguas 



do rio de Crystal — Pag. 55. 

— de Callé — Pag. 26. 

— dos Camarões — A duas léguas da serra 
de Fernão do Pó — Pag. 77. 

— de Canagua — Braço de Nilo — Pag. 9, 10. 
Onde existem os baixos de Ar- 



guim— Pag. 44. 

Opinião do Infante D. Henrique — 

Pag. 45. 



Distancia até ao Cabo da Boa 
Esperança — Pag. 46. 
Seus confins — Pag. 46. 

Nascimento n'uma das lagoas de 



Nilo — Pag. 46. 

Navegação impedida a dusentas e 

cincoenta léguas da foz — Pag. 47. 

— Principio do reino de Jalofo — Pag. 



58. 



Até á serra Leoa; rendimento 

axmual — Pag. 58. 

— das Canboas (ou Gamboas) — Na fuma de 



Sant'Anna, além da serra Leoa — Pag. 60. 

— de Canopo — Braço do Nilo — Pag. 10. 

— de Casamansa — Entre o rio de Gambea 
e o cabo Roxo, onde se faz grande commer- 
cio de ferro — Pag. 52. 

— Case — A quatro léguas do rio Tâmara — 
Pag. 55. 

Vide Aldeia de Anquee. 



— Cebu — ^Vem de Fez — Pag. 27. 

— dos Cestos — Nome que Uie deram, por 
se vender alli a malagueta em cestos; a dose 
léguas do rio de Junco — Pag. 62. 

de Crystal — A sete léguas das ilhas dos 



ídolos — Pag. 55. 

— Encalhor — Nome que dão os indígenas 
ao rio de Canagua — Pag. 45. 

— dos Escravos — Descoberto no reinado de 
D. Affonso V — Pag. 2. 

— A cinco léguas do Formoso — Pag. 



73. 



dos Forcados — A cinco léguas do rio dos 
Escravos — Pag. 73. 

— Formoso — Adiante do rio Primeiro; o 
segundo braço d*este rio é o porto de Beny, 
navegável até Huguatoo — Pag. 72. 



16 



122 



5^ Í^ÉfeÀlÍDiO t>E 'SiTU OtóIS (^ 



Rio dás GaliíiKaS— bè t>Víúcâ Ifripôrtàrttíà -- 

Pág. 6i. 
— ^ Gambeà— tftsraíKÍa dfe tábo Vwdt— 

Pag. 46. 
DMde o Vtlnb dé Jaldfb dò de Man- 



dinga— iPág. 5o. 

A quatro Itígtias *Jo rio dos BEr- 

batis — Pag. 5o. 

'■ Sobe-lhc a tótíré a Cérito e bífèfíta 



léguas — Pag. 5o. 

-: '■ — 'DèscripçSo dos cavaillòs marinhos — 



Pag. 5i. 
Sua posição gtíogtáphlca — Pag. 54. 

— Ganges — Pag. ío. 

— Grande — ^^A uma légua do Hó dás Anco- 
ras — Pag. 52. 

— Guabám (ou Gabão) ^ A deáesefe IrgUâs 
da ilha do Corisco — Pag. 5o, 77. 

do Infante— A 'vinte 'e drico leguâs "do 



Ilhéu da Cruz ; tomou o nome de JoSò In- 
fante, companheiro de Bártholonieu Dias — 
Pag. 94. 
Òtide íináirsáítihí ás descob'ertas'iR) 



reinado de D. 'Joãõ II— Pag. 94. 

Onde se interrompe o rbtéiro de 



Duarte Pacheco — Pag. io3. 

— do Junco — *A Iseis léguas do rio de 

S. Paulo— Pag. 62. 

do Lago — Sua posição geographica — 



Pag. 71. 

— da Lagoa — Tem sete aldeias a sete lé- 
guas de diátáriclá ao lortgo da costa— "Pffg. 
66. 

Oito legiias além das'&airdras ver- 



melhas — Pag. 66. 

— de Larache— Pag. 'a5,'26. 

— de Maio— A doíe léguas dás sete al- 
deias — Pag. 66. 

— de Mamora — Pag. 26. 

— de Meca — Pag. 34. 

— Meliiía — Pag. 29, J4. 

— dós Momos— Aqúem* do cato dolHOli- 



te — Pag. 62. 

de Mondego— A trinta e cidéolègiiás do 



rio do Padrão — Pag. 84. 
^— de Nanuus — A dez lejg^asdo rio de 
* Buguubaa — Pág.' 53 . 

— Negro — Pág. 46. 
— :-Nilo — Pajj.S. 

Nascimento — Pag. 9. 

— ~ Ourela— Pag. io. 

Divide a Africa da Asia — Pag. 10. 

Pontos da Ethiopia por õttde eHe 

corre — Pag. 91. 
Vide Canagua. 

— de Nuno— Adiante do rio de Pichei— 



Kio de Nuno— Grande eotateiercfo Vle Mar- 

fifm— Pag. '54. 

' kio OOfro-^Pag. 40, 41. 

Pàrèdènça cóén titn la'go— Pag. 41. 

D0scobeTtó'^r*Aflbnso Gonçalves 

' toaldãiàf, e Qfl Ann^s- Pag. 4r. 
D'onde vieram os primeiros esèrávos, 

e ouro ao Iiriantet). Heori^te — 'Pig. 41. 
— ^ do Padrão, Zayre, Emzaze ou Zaze — 

Nasce numa serra do sertão, distante cin- 

coenta léguas do mar — Pag. 83. 
Descoberto por Diogo Cão, no rei- 
nado de D. João II, «m 1484 — ^'Pag. 83. 
-— » de Palma — Sua posiçfo geogmphica^^ 

Pag. 61. 
das Palmas — Proximo do cabo de Santa 

Anna — Pag. 6c. 
Pequeno — A seis léguas do rio de Santa 

Barbara — Pag. 75. 
de Pêro de Cintra^— 'A \]oatro legnasdo 

rio de S. Domingos — Pag. 7Í6. 
dos Pescadores -^'A «eis >lagaiis dx'tefra 

de Nanuus — Pag. 53. 
de Pichei — A ciocò legui^ do rio dos 

•pescadores— -Pãg. 53. 
Primeiro — Descripção e flítuaçflíògeogra- 

phita — ^"Pag. 71. 
- — dos Ramos— A cinco léguas dò riotlòs 

Forcados— Pag. 73. 
■^^-^'Real — A oito ieguás do rio ^pecfueno — 

Pag. 75. 
de Santa 'Barbara— A 'xrincol^as do 

rio de Santo Ildefonso — Pag. 75. 
^^ — de Santo Ildèfohso — ^'Adiante do rio de 

S. Bento — Pag. j5, 
de S. Bento— Sneis'a^sete loguas do rio 

Formoso — Pâg. 75. 
-: — de S. Domingos — A *citico icguas de 

Falulo— Pag. 52. 

^ AtfestegUas do rio Real— Pag. 76. 

de S. João — Proximo da -ilha de* Ar- 
guira- Pag. 44. 

-^ Sua posição geôgraphícá— Pag. 68. 

de S. Paulo — AseisieguVísdaníatta de 

Santa Maria — l^âg. 62. 
- — de S. Pedfo — A otto laguds "além do 
'^bo de Palmas— Pag. 65. 

de S. Vicente — A três léguas tio rebate 



de Genovéz— Pag. 64. 

dos Sáveis — Entre Çafy (ouSafii), e a 



' nha de Mogador — Pag. 3 1 . 

de Sueiro — A dez léguas do rio de 

Maio — Pag. 67. 
— ^am^ra-^A dnco legaas do rio de 



Pag. 53. 



Caabite — Pag. 55, 

— Tanáhy — Pag. 8, 9, 10. 

— Tifil-fel-ti — Pag. 27. 



Hií índice RfiMl§$ÍYA <1Ií 



123. 



Rio da Volta — A vinte legua^de Pam doodfia 

(ou da nau) — Pag. 70, 71. 

Zaire ou do Padrão — Pag. 83. 

Eifis na. cq^x^ áçi Gtúo^T-Deacob^rtoi por 

Dum^ Pacbqpip— P^ 2. 

de Guiné — Como. sç d^ve ffuier a oav^- 



gação — Pag. 42. 

Rodrigo (J>.):— Roí 4^. ^spoah?> sejpiíor dA 
Ceuta e Montes Claros — Pag. 35. 

Roma — Comparação da sua anpg^ prosperi- 
dade com a do reiin^do dei D. Ma/auei— 
Pag. 3. 

Roxo — ^Vide Mar. 

— Vide Cabo. 

Ruivo — Vide Mar, 

Ruivos — ^Vide Ang^a 4os. 

Ruy (Pires) ^Vide Angra de. 



Saama (ou Sarna) — ^Vide Logar de. 
— Vide Bahia de. 

Vide Costa da Mina. 

Sabuu — ^Vide Sante o grqnd^. 
Sacroòofco (Mestre João) astronopop, (in^ 
glez) — auctor do tract^do da esp.bera-** 

Pag. 98- 
Saffi—Yiáe Çqfim. 
Sagres — ^Vide Angra de. 
— ' Vid^ Cabo de^ 
So/-— Çommefdo na sex;rg Leoa — ^Pag. 56» 

Commercio no rio Real— Pag. .75. 

Salado— 'Wide Batalha 4q. 

Salinas — Vide DesertoÀe Argmn- 

Salomão (Rei) — Dinheiro que houv^ das 

minas de Sofala^ para isu^^r o templo d^ 

Salomão — Pag. 3. 
S^m^ifgua — ^Vide Terra dç. 
Santarém (Joãp de) e Pedro de Escobar — 

Primeiros navegadores que fizeram cqm- 

mercio no logar de Saama» ou Mina,.eip 

1471 — Pag. 68. 
Sante o grande, Sante o pequeno e Sabuu -7* 

Povoações de pescadores entre o cabo Corço 

e o.d^ Bedes.-rPag. 70. 
Sante o pequeno — ^Vide Sante o grande. 
Santo Antonio — ^Vide Ilha de Prindpe, 
São Jorge da Mina — Edificação da cidade — 

Pag. 2. 

Conversão dos indígenas — Pag. 

37. 

Parallelo em que está — ^Pag. 63. 

Opposiç^o dos indigepas á edifica- 
ção do Castello — Pag. 69. 

Iinportancia 4o seu commercio— 

Pag. 69. 



Satyros (ou chipansés) — N% ^uçra JLeça-r P^ 

56. 

Vide Orang-o~tangos. 

Sáveis — Vide Rio dos. 

Sem — ^Vide Cabo do. 

Sequeira (Ruy) — Crea4o de D. Affonso V, e 

descobridor do cabo de Catharma — Pag. 79. 
S^cmU—yide Monte. 
Serra de Bafor — Terra de Anthropophagp$ — 

Pag. 44. 
Bota (ou Bote) — A vipte e cinco leg^^s 

da serra Guerreira-:— P^g* 77^ 
de Brapam— DefrofJJtç das. ilhas dps Ido-. 

los — Pag. 54. 

de Femam do Çó-^Pag. 76, 

Vide Ilha. 

das Ferrarias — Pag. 3i. 

Gueiireira-- A vintç. legqa^ da foz do rio. 

dos Camarões — Pag. 77. 
Leoa.— Sua descoberta, e grãos de lati- 
tude — Pag. I. 
Onde acabaram as. descobertas 

iniciadas pelo Ipfaç^^e D.ííeíirique— Pag. 2. 
Distancia do cabo de Cathanna — 



Pag. 2. 



Caminho a faze^ do rip Grande pç\ra 
asenra Lpoa— Pag. 53. 

quasi dusentas léguas distante de 



Cabo Verde— Pag. 55. 

Como se deve fazpr a navegaçÃo» 

indo do Cabo Vefde, etq.— Pag. 5.7. 

-r- Grande flibun4anQa 4ç ferro — Pag% 



57. 

— de Montes Qlgrosr-rPag. 33. 

— da Pena — A vinte léguas da angra dfis 
Vojtas— Pag. 89. 

de Santa Apolónia — A dp;çfr léguas do 



rip dpSueirp— Pag. 67* 

da Ximeira— Vide ilvi/a— P^g. 22^ 23. 

Ser/óo— Vide Btã^. 

de Canagua — Principio da ethiopiainfe- 

rioT— Pag. 45., 

Sete aldeias — Vide Rio da Lagoa* 

Sevilha — Sinos levados pelos. Mouros — Pag^ 
3i. 

Sião — ^Vide Ceam. 

Singuyty. — Vide Logar 4fi* 

Sinos — :Vidp Sevilha 

Sitia— Vide Cithe^. 

Sofala — Descoberta no. reinado de. D. Ma- 
nuel — Pag. 3. 

Vide Mina de. 

Sol — Explicação do seu curso— 'Pag 17, 18. 

Sousos — Sertanejos da Serra Leoa — Pag. .57. 

Vide Andejes. 

Subou — Sertanejos do bniço 4ir^Íto do rio doa 
Forcados — Pag. 73. 



124 



5^ ESMERALDO DE SITU ORBIS (^ 



Sueiro — ^Vide Rio de. 
Sutucoo — Vide Lugar de, 
Vide Cantor (logar de). 



Tabucutu (ou Tambucutu) — Vide Cidade de 

Jani. 

Vide Feira de. 

Tafetana — Vide Cabo. 

Taguarim — ^Vide Aldeia de. 

Taguoste — Vide Logar de. 

Tâmara — Vide Rio. 

Tamarate — ^Vide Fortaleza de. 

Tambucutu — ^Vide Tabucutu. 

Tanahy — Vide Rio. 

Tanger — Abandono da cidade pelos mouros — 

Pag. 6o. 
Tomada e povoada por D. Afibnso V — 

Pag. 6o. 
Vide Cidade de. 



Tarifa — Perto d*onde se deu a batalha do 

Salado — Pag. 28. 
Tatuagem — Usada nas sobrancelhas pelos 

negros de Beny — Pag. j3. 
Tebongo — Nome que os Teymines dSo ao 

ouro — Pag. 56. 
TVAwi— Vide Aldeia de. 
Tedene^ — Vide Logar de. 
Teimines — Natxiraes de Cazé — Pag. 55. 
Terra das baixas — Sua posição geographica — 

Pag. 88. 
de Coya — Comarca. Grande commercio 

de sal — Pag. 62. • 
D*onde vem todo o ouro á Serra 



Leoa — Pag. 6a. 

— de Gambea — Más qualidades dos indí- 
genas — Pag. 5i. 

de Hasara — Entre a Angra dos Cavallos 



e Rio do Ouro — Pag. 40. 
de Sanagua — Por onde passa o rio de 

Canagua — Pag. 45. 
Tesa—Viát Cidade de. 
Teymines — Naturaes de entre as ilhas dos 

ídolos axéJi Serra Leoa — Pag. 56. 
Themecina — Arrabalde de Calle — Pag. 26. 
Thomé (S.) — Tumulo em Meliapor — Pag, 3. 
Apostolo. Propagandista do catho- 

licismo na índia — Pag. loi. 

Vide lika de. 

Thyago (S.)— Vide Ilha de. 
rí>i/-felti--Vide Rio. 
Tingi-'Vlde Cidade de. 

Vide Tanger. 

Tingitania — Pag. 10, 23. 
Tity— Wide VUla de. 



Tqfia— Vide Ponta. 

Toom — Vide Comarca de. 

Torre de Calle — Pag. 26. 

do Tombo — Local onde se guardam as 

bulias e mais documentos relativos ás desco- 
bertas e conquistas — Pag. 2. 

Torto— Vid^ Aldeia do. 

Tremecem — Confina com o reino de Fez — 
Pag. 29. 

Vide Reino de. 

Três pontas — Vide Cabo das. 

Tucurol — Vide Reino de. 

Tucurume — ^Vide Fortaleza de. 

Turocuco — ^Vide Fortaleza de. 

Turulo— Wide Ilha de. 

Tynygunhi — ^Vide Logar de. 



u 



Uguer — ^Vide Casa de Cavaileiro. 



Vaccas — ^Vide Cabo das. 
Verde-^Vide Cabo. 
Verga — ^Vide Cabo de. 
Vetuu — Vide Logar de. 
Vicente (S.) —Vide Ilha de. 

Vide Rio de. 

(Fr.) de Beauvais (ou Vicente historial) — 

Auctor do espelho das historias — Pag. 7. 
Villa de Alcacer-ciguer — Pag. 23. 

de Almancora — Pag. 27. 

de Azamor — Pag. 28, 29, 84. 

de Belez de Gomeira — Pag. 29. 

de Caçaca ou Cassassa — Pag. 29. 

de Calle — Pag. 26. 

de Huguatoo — A doze léguas da foz do 

segundo braço do rio Formoso — Pag. 72. 

de Larache — Pag. 25. 

de MeHla — Pag. 10, 29. 

de Tity — Pag. 29, 3o. 

Vintena dos resgates — Vide Mestrado de 

Christo. 
Viqua — Nome que os indígenas do cabo das 

Redes dão ao ouro — Pag. 70. 
Voltas — Vide Angra das. 
Vide Rio das. 



Xame^ — ^Vide Cidade de. 
Xarquia — Alarves de — Pag. 29. 
Ximeira — ^Vide Serra da. 
Xisto IV (Papa) — Bulia para se continuarem 
as conquistas e descobertas — Pag. 2. 



í^ índice remissivo (^ 



125 



Ydamem — Vide Logar de. 



Zaâo — Nome que os indígenas do Congo dão 
aos elephantes — Pag. 84. 



Zaire — ^Vide Rio do Padrão. 

Zase — ^Vide Rio do Padrão, 

Zeguebos — Naturaes das margens do rio dos 

Cestos — Pag. 63. 
Zenith — Explicação — Pag. 1 6. 
ZibUique — ^Vide Angra de, 
Zimbos — Busios a que os indígenas do Congo 

dSo o valor de moeda — Pag. 84. 



N, B, De muitos nomes antigos nSo pudemos achar os equivalentes modernos. 



índice 



Noticia preliminar i 

Documentos xv 

Prologo do Esmeraldo de situ crbis i 

Principio do primeiro livro 5 

Principio do segundo livro 69 

Principio do terceiro livro 81 

Principio ão quarto livro 97 

Notas io5 

índice dos nomes históricos e geographicos e das cousas mais notáveis que 

se conteem n*este volume 109 



T* rr ^ 






OUiyV'w .■ : 



.'A 



.' ^- 



V